domingo, 8 de fevereiro de 2009

França condena novas provocações do bispo sobre Holocausto

Dirigentes do Governo e da oposição na França coincidiram neste domingo ao tachar de "inaceitáveis" as novas declarações do polêmico bispo Richard Williamson, que disse que não pensa em se retratar de sua negação do Holocausto.

"Aconselho a ele que vá a Yad Vashem (o Museu da História do Holocausto de Jerusalém) e veremos depois o que vai dizer", declarou hoje o ministro francês encarregado do plano de relançamento econômico, Patrick Devedjian, em alusão às últimas provocações do bispo.

O ministro ressaltou ainda que não concordava com a decisão do papa Bento XVI de revogar a excomunhão que pesava sobre Williamson e outros quatro bispos seguidores do ultraconservador Marcel Lefebvre.

A líder da oposição na França, a número um do Partido Socialista (PS), Martine Aubry, condenou as novas e "infames" declarações do bispo, ao considerar que representam uma injúria "não só para todos os judeus, mas também para a consciência humana".

Aubry também descorda da decisão do papa e afirma, em comunicado, que seu partido se une "a todos aqueles que desejam decisões para frear esta situação que provoca tanto sofrimento moral".

Em uma entrevista que será publicada pela revista alemã "Der Spiegel" em sua edição da próxima semana, Williamson diz que, antes de se retratar, tem de revisar as provas históricas do Holocausto.

"Se encontrar provas me corrigirei, mas para isso vou precisar de mais tempo", acrescentou.

Fonte: EFE
http://noticias.terra.com.br/mundo/interna/0,,OI3501588-EI312,00-Franca+condena+novas+provocacoes+do+bispo+sobre+Holocausto.html

5 comentários:

Diogo disse...

«"Aconselho a ele que vá a Yad Vashem (o Museu da História do Holocausto de Jerusalém) e veremos depois o que vai dizer", declarou hoje o ministro francês»


Será que o bispo irá aprender alguma coisa nesse museu? Ou irá ficar mais confuso?

O Yad Vashem de Israel e o Memorial do Holocausto dos EUA não se entendem quanto à existência das câmaras de gás na Alemanha nazi

Roberto Lucena disse...

Diogo, não é preciso ele ir até Israel visitar Yad Vashem, bastaria ver o site dos dois(que você não pôs sequer links nas informações que você alega serem deles), dos sites do USHMM e do Yad Vashem:

Site do Yad Vashem sobre as câmaras:
http://www1.yadvashem.org/education/entries/english/20.asp

"Some of the Nazis' other camps also contained gas chambers, but they were not used on a regular basis for mass extermination. Gas chambers functioned at Mauthausen, Neuengamme, Sachsenhausen, Stutthof, and Ravensbrueck. All of these gas chambers utilized Zyklon B to kill their victims."

Site do USHMM(Museu Memorial do Holocausto dos EUA):
http://www.ushmm.org/wlc/ptbr/article.php?ModuleId=10005220

"Mesmo não sendo campos de extermínio, os campos de concentração de Stutthof, Mauthausen, Sachsenhausen e Ravensbrueck, também possuíam câmaras de gás. Elas eram relativamente pequenas, construídas para eliminar aqueles prisioneiros que os nazistas consideravam "inaptos" para o trabalho. A maioria destes campos utilizava o Zyklon B como o agente exterminador das câmaras de gás."

Ao contrário do seu texto propaganda aqui estão os links direto do USHMM e do Yad Vashem. Numa procura um pouco mais detalhista neles(mas simples) qualquer pessoa encontraria o mesmo resultado que eu encontrei.

Novamente aponto o detalhe de que bibliografia especializada(trabalhos acadêmicos reconhecidos pela importância e seriedade pela academia) em Holocausto detalha e narra perfeitamente este evento histórico. Mas os "revisionists" parecem ser mais adeptos de "teorias de conspiração" ou de "estudos" de 'pseudo-historiadores' ou de gente alinhada com grupos de extrema-direita/esquerda(que só escrevem sobre algum assunto baseado em agendas políticas).

Leo Gott disse...

Parece que o Diogo está aprendendo direitinho com os "gurus do revisionismo". rsrsrsrs

Será que não existe pelo menos 1 artigo sério desses caras?

Diogo disse...

Caros Lucena e Gott:

Eu coloquei bem os links. Voltem ao meu link anterior e confirmem. De resto, está aqui a tradução do que está nos links de ambos os museus:

O Museu Yad Vashem de Israel e o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos constituem os dois maiores centros a nível mundial de documentação, pesquisa e análise da história do Holocausto Judeu.

Acontece que estas duas respeitadas e documentadas instituições, o Museu Yad Vashem e o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos, entram em séria contradição quando abordam a existência de câmaras de gás nos campos de concentração em território alemão.

Estas discrepâncias sobre a existência de câmaras de gás não ajudam a calar, muito pelo contrário, as vozes revisionistas que defendem existir grandes inconsistências na versão oficial do Holocausto Judeu. Haverá uma versão oficial do Holocausto?


1) Campo de Concentração de Mauthausen

Museu Yad Vashem – Mauthausen não possuía câmara de gás.

Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos - Mauthausen possuía câmara de gás.


2) Campo de Concentração de Dachau

Museu Yad Vashem – Dachau não possuía câmara de gás.

Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos – Dachau possuía uma câmara de gás embora não existam provas credíveis de que a câmara de gás tivesse sido usada para matar seres humanos.


3) Campo de Concentração de Buchenwald

Museu Yad Vashem - Nada diz sobre a existência de câmaras de gás ou gaseamentos dos prisioneiros de Buchenwald.

Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos – Os prisioneiros demasiado fracos ou incapacitados eram enviados para instalações de eutanásia, tal como Bernburg, onde eram gaseados.


4) Campo de Concentração de Sachsenhausen

Museu Yad Vashem – Sachsenhausen possuía câmara de gás.

Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos – Sachsenhausen não possuía câmara de gás.


Excertos dos textos nos sites dos dois museus:

1) Campo de Concentração de Mauthausen

Museu Yad Vashem: Ao todo, 199,404 prisioneiros passaram por Mauthausen. Aproximadamente 119,000 deles, incluindo 38,120 Judeus, foram mortos ou morreram das condições duras, de exaustão, subnutrição e excesso de trabalho. Além disso, os doentes, os fracos e os prisioneiros indesejáveis eram levados para o Castelo Hartheim [Hartheim Castle] que ficava próximo para serem exterminados na câmara de gás, durante os períodos de Agosto de 1941 a Outubro de 1942 e de Abril a Dezembro de 1944.


Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos: Periodicamente, prisioneiros no campo de Mauthausen eram submetidos a uma selecção. Aqueles que os Nazis consideravam demasiados fracos para trabalhar eram separados dos outros prisioneiros e mortos na câmara de gás de Mauthausen, em camiões de gás [mobile gas vans], ou no centro de “eutanásia” homicida do Castelo de Hartheim que ficava próximo.

Enquanto a maior parte dos prisioneiros eram mortos a tiro, enforcados, espancados, mortos por inanição e doença, Mauthausen tinha uma câmara de gás capaz de matar cerca de 120 pessoas de cada vez. A câmara de gás era geralmente utilizada quando chegavam transportes de prisioneiros. Demonstrações especiais de assassínios em massa na câmara de gás eram organizadas aquando da visita de dignitários Nazis, como Heinrich Himmler, Ernst Kaltenbrunner, e Baldur von Schirach, que podiam assistir aos gaseamentos através de uma pequena janela na porta da câmara.



2) Campo de Concentração de Dachau

Museu Yad Vashem: Este Museu nada diz sobre a existência de câmaras de gás em Dachau.


Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos: Em 1942, a área do crematório foi construída próxima do campo principal. Incluía o crematório velho e o crematório novo (Barrack X) com uma câmara de gás. Não existem provas credíveis de que a câmara de gás (Barrack X) tivesse sido usada para matar seres humanos.



3) Campo de Concentração de Buchenwald

Museu Yad Vashem: Este Museu nada diz sobre a existência de câmaras de gás ou gaseamentos de prisioneiros de Buchenwald. Diz que, a 18 de Janeiro de 1945 os Alemães começaram a evacuar Auschwitz o outros campos de concentração na Europa Oriental. Este facto trouxe milhares de prisioneiros Judeus para Buchenwald, incluindo centenas de crianças. Um barracão especial “o Bloco 66 das Crianças” foi construído para elas no campo, e a maior parte sobreviveu.


Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos: O estado-maior SS enviou aqueles demasiado fracos ou incapacitados de trabalhar para instalações de eutanásia, tal como Bernburg, onde operacionais de eutanásia os gaseavam como parte da Operação 14f13.



4) Campo de Concentração de Sachsenhausen

Museu Yad Vashem: Durante o verão de 1941 os nazis montaram um programa em Sachsenhausen para extermínio em massa a tiro; nos meses seguintes, 13,000 a 18,000 prisioneiros de guerra soviéticos foram mortos a tiro. Em 1943 os Nazis instalaram uma câmara de gás, que era apenas usada em certas ocasiões. Uma dessas ocasiões especiais foi em Fevereiro de 1945 quando os SS gasearam milhares de prisioneiros enfraquecidos imediatamente antes de começarem a evacuar o campo.



Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos: Muitos prisioneiros morreram em Sachsenhausen devido a exaustão, inanição, maus-tratos e falta de cuidados médicos.

A 4 de Abril de 1941, o médico SS Friedrich Mennecke, o chefe do Hopital Mental Estadual Eichberg, um colaborador do Programa de Eutanásia Nazi, efectuou uma selecção entre os prisioneiros de Sachsenhausen. Durante os três meses seguintes Mennecke deu ordens para que os prisioneiros demasiado doentes ou fracos para trabalhar fossem mortos como parte de uma operação com o nome de código 14f13, que expandiu o Programa de Eutanásia aos prisioneiros doentes e exaustos do campo. Em Junho de 1941, os SS transportaram os prisioneiros que Mennecke seleccionou para Sonnenstein, um centro de “eutanásia” usado no assassínio sistemático dos incapacitados físicos e mentais. Médicos alemães gasearam estes prisioneiros em Sonnenstein.



Gostava de um comentário vosso. Mas leiam com atenção os links. São contraditórios.

Abraço

Roberto Lucena disse...

Diogo, eu coloquei o link direto dos dois sites dos museus:

Site do Yad Vashem sobre as câmaras:
http://www1.yadvashem.org/education/entries/english/20.asp

"Some of the Nazis' other camps also contained gas chambers, but they were not used on a regular basis for mass extermination. Gas chambers functioned at Mauthausen, Neuengamme, Sachsenhausen, Stutthof, and Ravensbrueck. All of these gas chambers utilized Zyklon B to kill their victims."

Site do USHMM(Museu Memorial do Holocausto dos EUA):
http://www.ushmm.org/wlc/ptbr/article.php?ModuleId=10005220

"Mesmo não sendo campos de extermínio, os campos de concentração de Stutthof, Mauthausen, Sachsenhausen e Ravensbrueck, também possuíam câmaras de gás. Elas eram relativamente pequenas, construídas para eliminar aqueles prisioneiros que os nazistas consideravam "inaptos" para o trabalho. A maioria destes campos utilizava o Zyklon B como o agente exterminador das câmaras de gás."

Em ambos a constatação é a mesma: que os campos citados não foram usados para extermínio em massa em câmaras de gás. E há 'uma ausência' de links dos museus no seu texto.

Sobre Dachau, não há indício de extermínio em massa em câmaras de gás nesse campo. Há uma discussão sobre as câmaras com comentário do Yisrael Gutman do Yad Vashem no Nizkor:
http://www.nizkor.org/hweb/camps/dachau/gas-chamber.html

Os textos e a discussão sobre os sites dos museus são essas(consta até os links deles), alegar que os sites dizem uma coisa sem dizer é uma afirmação sua. Eu mostrei os links dos dois sites dos museus(Yad Vashem e do USHMM)mostrando o que eles dizem dos campos citados e mostrei a discussão sobre Dachau.

Se acaso alguém duvidar ou quiser checar as informações 'in loco'(nos sites) é só visitar os links que postei, as informações estão todas neles.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget