terça-feira, 16 de novembro de 2010

Testemunha no século dos pastores alemães

CRÍTICA: LIVROS / Ensaio, Narrativa, Poesia e Reportagem Ensaio
Testemunha no século dos pastores alemães
(perros lobos*)
L. F. MORENO CLAROS 16/10/2010

Vasili Grossman (1905-1964) é um dos autores mais relevantes do século XX. Sua novela "Vida e destino" (Galaxia / Círculo), publicada pela primeira vez na Suíça (1980) depois de sofrer um desmedido ostracismo na União Soviética, obteve um sonoro sucesso de vendas em toda a Europa. Nascido na cidade ucraniana de Berdíchev, e de origem judaica, foi testemunha dos horrores da II Guerra Mundial e do Holocausto, assim como da destruidora crueldade do regime soviético. Nunca esteve cativo dos nazis, e sim receber uma só ferida, destacou-se com o mais valoroso dos repórteres de guerra do Exército Vermelho. Suas crônicas sobre Stalingrado e a queda de Berlim para a Estrela Vermelha foram lidas com avidez até pelos figurões do Partido. Nelas exaltava o valor dos homens e mulheres junto aos que ele lutava bravamente contra o invasor, sob condições deploráveis. Naquele então ele omitia emitir suas opiniões sobre a nefasta gestão da guerra da parte soviética e consignava sua raiva em seus diários particulares.


Imagem da batalha de Stalingrado em
1943.- Pictorial Parade / Getty Images
 Em 1943 ele topou com um fato que lhe mudou a vida: as macabras evidências do genocídio judeu que os invasores alemães, ajudados por colaboradores ucranianos e lituanos, perpetraram nos territórios ocupados da Polônia e da URSS. À parte de conhecer o horror dos campos como o de Treblinka ou Sobibor, constatou o horrível destino que aguardou aos 100.000 judeus assassinados em Babi Yar ou aos 30.000 de Berdíchev: homens, mulheres e crianças foram massacrados em massa, abatidos a tiro a sangue frio por carrascos alemães e carniceiros nativos, ávidos de violar as mulheres judias. Na Ucrânia e Lituânia odiavam a Stalin como aos judeus, e disto a entusiasta cooperação com os invasores.

A mãe de Grossman morreu em uma das fossas descobertas em Berdíchev. Seu filho, então em Moscou, não atuou a tempo para tirá-la do perigo; o remorso o atormentou por toda a vida. Ante as fossas de Berdíchev, transbordantes de cadáveres desnudos meio decompostos, Grossman tomou consciência do que significava ser judeu na Rússia, célebre por seus históricos pogroms sangrentos e jurou preservar a memória do acontecido.

Junto com Ilia Ehrenburg, Grossman quis publicar um "livro negro" para dar conta do Holocausto na URSS, mas suas ambições chocaram com o Kremlin. Depois da guerra, Stalin ordenou "reescrever a História": não houve mortes de judeus na União Soviética nem colaboracionismo; devia publicar-se só o que os "fascistas" alemães haviam assassinado a centenas de milhares de "cidadãos russos indefesos" sem mais distinções. O propósito de Grossman de divulgar a verdade se truncou: o projeto foi proibido. E o mesmo ocorreu com seus escritos de guerra que já não pode reeditar, ou com suas novelas mais ambiciosas: "Tudo flui" e "Vida e destino". O que Grossman podia revelar contrariava a história oficial do Partido, que sustentava, por exemplo, que Stalin dirigiu em pessoa a batalha de Stalingrado e que sua estratégia de guerra foi impecável.

Educado desde sua juventude no comunismo soviético, entusiasta da fraternidade entre todos os povos de um imenso país, Vasili Grossman conheceu com os anos que a classe do regime tirânico era a que os escravizava. Durante o Terror dos anos trinta viu como seus amigos eram encarcerados sem piedade; assim mesmo, supôs a grande fome a que Stalin condenou a Ucrânia; e logo, na frente bélica, descobriu a necessidade de uns dirigentes que enviavam a morte a milhares de seres humanos como bucha de canhão. Mas nem mesmo sequer uma vez morto Stalin, os regimes de Kruschov ou Bréznev permitiram a Grossman publicar a obra que esteve preparando durante uma década: a mencionada grande novela "Vida e destino", a "Guerra e Paz" do século XX, na qual narrava sem travas o que havia vivido. A KGB requisitou as cópias manuscritas. Se salvou uma que pode sair para o estrangeiro. Só com a Glasnost, em 1988, veio a luz também na Rússia, causando uma enorme comoção.

O poeta russo Mandelstam caracterizou o século XX como o dos "perros lobo"(cães-lobos). John e Carol Garrard aportam em seu esplêndido livro generosa e bem documentada informação sobre as más ações que semelhantes animais irracionais protagonizaram em toda Europa, mas também narram muito bem as vicissitude do próprio Grossman e alguns amigos valorosos para que ao fim de hoje se conheça a amarga verdade que o escritor pôs por divulgar: que ambos totalitarismos, o nazi e o soviético, eram idênticos em sua desumanidade.

Título(espanhol): La vida y el destino de Vasili Grossman
Autores: John e Carol Garrard
Tradução(espanhol) de Lázaro Sanz Velázquez
Encuentro. Madrid, 2010
502 páginas

*Perro lobo: usalmente é o termo empregado para designar Pastor Alemão em português (raça de cachorro), mas há uma raça de cachorro da extinta Tchecoslováquia também chamada Perro Lobo(Cão-lobo).

Fonte: El País(Espanha)
http://www.elpais.com/articulo/portada/Testigo/siglo/perros/lobo/elpepuculbab/20101016elpbabpor_14/Tes
Tradução: Roberto Lucena

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget