terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Poloneses e alemães constroem museu judaico no antigo Gueto de Varsóvia

Há exatos 40 anos, o então chanceler alemão Willy Brandt se pôs de joelhos diante do Memorial aos Heróis do Gueto de Varsóvia, em um gesto histórico. Hoje, um museu sobre história judaica é construído no mesmo lugar.

Projeto do novo museu,
na capital polonesa
A construção do Museu da História Judaica de Varsóvia é atualmente o projeto cultural mais caro em curso na Polônia, embora poucos saibam dele na vizinha Alemanha.

O museu está sendo construído no local onde ficava o Gueto de Varsóvia durante o período da ocupação nazista, bem perto do memorial para as vítimas do levante do Gueto de Varsóvia, em frente ao qual o então chanceler alemão Willy Brandt se colocou de joelhos 40 anos atrás, em 7 de dezembro de 1970. Foi um gesto inédito de humildade que se tornaria um marco nas relações entre alemães e poloneses.

Obrigação moral

Os primeiros planos para o museu começaram em 1994, quando o então presidente alemão Roman Herzog decidiu apoiar o projeto e supervisionou a criação de uma fundação para ajudar a financiar a instituição. Embora a ideia inicial tenha vindo da Polônia, o país não tinha na época os fundos necessários para o empreendimento.

"De repente, Roman Herzog deu apoio à ideia", lembra Josef Thesing, presidente da fundação. "Nossa instituição foi criada para tornar essa ideia realidade. Se não tivéssemos conseguido assegurar fundos desde o início, jamais a coisa teria acontecido."

Até agora, a fundação conseguiu captar cerca de 6 milhões de euros para o projeto cujos custos totais foram calculados em 90 milhões de euros e deverá ser inaugurado em 2013.

Gesto histórico de Willy Brandt
em Varsóvia
Thesing acha que a Alemanha tem responsabilidade moral de investir no museu. "Acho que podemos mostrar que existe uma Alemanha diferente agora", diz. "E, junto com os poloneses, hoje também nossos amigos na Comunidade Europeia, podemos trabalhar através do nosso passado em vez de renegar esse passado e olhar para um futuro comum de uma perspectiva única."

História judaico-polonesa começou no século 10

O caminho para o futuro nos conduz primeiro pelo passado. Apenas poucos poloneses sabem que a primeira menção conhecida ao seu país foi escrita em hebraico. As raízes da vida judaica na Polônia remontam ao século 10º, diz o sobrevivente de Auschwitz Marian Turski.

"Hoje há apenas uns poucos judeus na Polônia. Mas o judaísmo é parte da nossa história, da literatura. Hoje se nota um vácuo social, mas – aos poucos – o interesse por essas questões vem aumentando. Por isso, acreditamos que este será um dos museus mais visitados na Polônia", avalia Turski.

Foi Marian Turski que teve a ideia do museu no início dos anos 90. Hoje ele não apenas é presidente do Conselho de Museus, mas também preside o Instituto Histórico Judaico da Polônia.

Na visão de Turski, o museu tinha que ser edificado necessariamente diante do Memorial aos Heróis do Gueto de Varsóvia. "Como presidente do Instituto Histórico Judaico, por um longo período fui praticamente dono desse terreno. Estava claro para todos que não havia lugar melhor para se construir o museu", lembra.

Museu será marco de uma história difícil

"Com o início da construção, há pouco menos de um ano e meio, a história retornou àquele lugar", afirma Turski. Jerzy Halbersztadt, diretor fundador do museu, concorda com essa opinião e acredita que a instituição a ser inaugurada em 2013 será um marco para a difícil história da relação entre poloneses e judeus.

"Na verdade, tudo isso levou bastante tempo. Este museu é especialmente importante para a educação da população, porque o nacionalismo e a xenofobia tendem a retornar. A inauguração deverá servir como marco de uma mudança. Não mudará todo o país, mas poderá assinalar o desenvolvimento democrático nos últimos 20 anos", explica Halbersztadt.

A coleção do museu não vai abranger somente o período do Holocausto, mas deverá compreender os primórdios da história judaica na Polônia até os dias de hoje. Entre os capítulos mais dolorosos estão também o pogrom de Kielce, em 1946, o extremo antissemitismo no final dos anos 60 e o retorno gradual do judaísmo na Polônia pós-comunista.

"Nossa missão é alcançar aqueles que não entendem o que significa no mundo contemporâneo manter um diálogo aberto, revisitar a história, dizer a verdade sobre o passado, sendo ele bom ou não", afirma Halbersztadt. "Aqueles que ainda não estão convencidos disso hoje serão convencidos amanhã, tenho certeza."

Como diretor do museu, Halbersztadt espera que a instituição venha a atrair meio milhão de visitantes por ano. E cada um deles poderá contribuir para a formação de uma nova consciência histórica na Polônia.

Autor: Wolfram Stahl (md)
Revisão: Simone Lopes

Fonte: Deutsche Welle (Alemanha)
http://www.dw-world.de/dw/article/0,,6302898,00.html

5 comentários:

Daniel disse...

A Polônia sofreu de todos os modos possivel na guerra, um pais que tem de ter mais museus mesmo, porque passaram pelo inimaginavel.

Roberto disse...

Agora, que "não nos ouçam" pois é o tipo de comentário(o que eu vou fazer) que pode dar brecha prum neo("revi") vir postar asneira: espero que mudem o formato do Museu ou que não seja exatamente igual ao dessa imagem (que é so pra dar uma ideia de como ficará), pois o desenho do Museu que está na imagem mais lembra a construção de um Shopping Center do que a de um museu propriamente.

Daniel disse...

Isso são os arquitetos que viajam o contexto. Falo isso porque faço arquitetura e vejo cada loucura "high tech" em lugares que não necessitavam disso, e não deixam de ficar com a cara de shopping mesmo...hahaha...

Roberto disse...

Daniel, e não é a primeira "obra" que eu vejo com um formato esdrúxulo, o próprio Memorial do Holocausto de Berlim, acho que é assim que se escreve(aquele que um monte de blocos de concreto), parece um vazio ou uma representação do nada, de tão sem estética que é. Os caras estão viajando tanto que aparece coisas como essa, um museu que mais lembra um shopping center(pelo menos no desenho), espero que desistam de fazer o museu dessa forma, rs.

Daniel disse...

Eu fiz um trabalho sobre ele na faculdade, e a uma curiosidade é que a empresa Degussa, que participou da obra, produziu o gás Zyklon B.
Só descobri isso quando fiz. Eu não gosto de muito memoriais, gosto de museus, pois os memoriais quase sempre tem de entender o porque da obra, que sensação o arquiteto quis passar. Muitas vezes eles viajam, igual foi esse em Berlim.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget