quinta-feira, 7 de abril de 2011

As heróicas mulheres de Auschwitz

Por Ernie Mayer
Nota publicada no Jerusalem Post de 13 de julho de 1991

Membros da resistência francesa

Em julho de 1991 foi inaugurado em Yad Vashem um monumento em homenagem a quatro mulheres judias, que arriscaram suas vidas em Auschwitz. A escultura é de Iosef Salamon.

Os nomes das quatro mulheres que honram este monumento são: Ala Gertner, Roza Robota, Regina Safirsztajn e Estucia Wajcblum. Depois de meses de interrogatórios e torturas as quatro foram enforcadas em 5 de janeiro de 1945, 13 dias antes de que as SS abandonassem Auschwitz ao se inteirar do avanço russo.

A história começa em março de 1944, quando Roza Robota se encontra no campo com um prisioneiro a quem ela conhecia de sua cidade natal de Ciechanow, onde ambos pertenciam ao Hashomer Hatzair. Este homem pertencia ao Sonder Kommando, esquadrão encarregado de remover os corpos das câmaras de gás e levá-los ao crematório. Os homens do Sonderkommando viviam em barracas separadas do resto dos prisioneiros e lhes era reservada melhor comida. Periodicamente os nazis gaseavam estes homens, porque consideravam que haviam "visto demais" e os substituíam por um novo grupo.

Este homem com quem Roza se encontrou pertencia ao grupo "underground" que planejava um levante. Para isto necessitava de granadas e explosivos. Queriam explodir as câmaras de gás. Embora Roza tivesse uma posição relativamente cômoda na "rouparia, comprometeu-se a ajudá-lo. Falou com sete mulheres que trabalhavam em Werschel Metan Unionworke, a fábrica de munições. É necessário contrabandear a pólvora e entregá-la ao grupo "underground". Roza é a ponte entre os que conseguiam a pólvora e os que a recebiam. Nesse grupo se encontrava Israel Gutman, na época então com 21 anos, e atualmente reconhecido professor da história do Holocausto na Universidade Hebraica de Jerusalém.

As heróicas garotas escondiam a pólvora nas bainhas. A revolta estourou no sábado 7 de outubro de 1944. Os sonderkommandos sabiam que tinham os dias contados, porque os transportes de judeus já não chegavam. Mas decidiram continuar lutando. O movimento "underground" polonês que havia prometido sua ajuda, no último momento não apareceu. A revolta não ocorreu como havia sido planejada. Segundo Israel Gutman, foram traídos por um kapo. Não há detalhes da revolta, mas mais de 500 sonderkommandos foram mortos. Os últimos que trataram de escapar foram caçados por cães, segundo relata o historiador britânico Martin Gilbert.

A gestapo não tardou em dar-se conta de quem havia fornecido a pólvora. Que pese nisso as torturas infligidas a Roza, esta não revelou nomes. Gutman disse: "através do heroísmo destas mulheres, 30 de nós podem se salvar". As testemunhas das mortes destas quatro jovens contam que morreram dando mostra de orgulho, e Roza clamou vingança. Em 22 de maio de 1985, na Alemanha, foram homenageadas publicamente e por sugestão dos sobreviventes de Auschwitz em Israel, descobriu-se uma placa no distrito de Ruhr na cidade alemã de Frodenberg, onde funcionava a fábrica Unionworke.

Fonte: Fundación Memoria del Holocausto (Argentina)
http://www.fmh.org.ar/revista/2/lasheroicas.htm
Texto: Ernie Mayer
Tradução(ing-esp): Noemí Rijter
Tradução: Roberto Lucena

4 comentários:

Leila Rurouni disse...

Boa tarde

Meu nome é Leila Marinho e sou do Espírito Santo.Sou graduanda em História e estou fazendo meu TCC sobre a perseguição nazista às Testemunhas de Jeová. Estive olhando o blog de vocês e achei muito interessante. Gostaria de saber se há a possibilidade de trocarmos algumas ideias sobre o holocausto. Meu e-mail é leilabmarinho@gmail.com.
Aguardo uma resposta!

Abç,
Leila.

Roberto disse...

Leila, sobre as TJs e o Holocausto o material é escasso, até mesmo em inglês eu vi pouca coisa, pode ser que em alemão tenha mais coisa publicada. É tanto que praticamente não há quase nada sobre as TJs no blog, mas não foi falta de interesse e sim falta de material. Um dos livros sobre elas e o Holocausto se encontra à venda no site do USHMM.

Recentemente eu postei o link de um documentário da PBS(TV pública dos EUA) sobre as TJs e o Holocausto na comunidade Holocausto x "Revisionismo", mas não postei no blog, o documentário se chama "Knocking".

Estou chutando, e espero que ele leia esse post, se ele não vir vou dar o toque, mas talvez o Daniel saiba te informar mais coisas sobre as TJs na 2aGM.

Leila Rurouni disse...

Realmente o material é muito escasso... De qualquer forma, agradeço a ajuda e a atenção dispensada!

Abç,
Leila.

Roberto disse...

Leila, eu passei esse comentário aqui pro Daniel dar uma olhada, ele já postou textos sobre as TJs. Vou tentar repassar também para o Roberto M. dar uma olhada, caso ele conheça alguma bibliografia sobre as TJs, em todo caso vou ver se acho material(e as referências) sobre isso e posto no blog.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget