segunda-feira, 23 de maio de 2011

Demjanyuk e os Negadores do Holocausto (Parte 1)

(Última revisão: 29/01/2010)
Demjanyuk se tornou um ícone dos “revisionistas” por uma razão muito boa. A fracassada tentativa de Israel deu uma chance aos negadores de mais uma vez discutir ‘que os depoimentos das testemunhas do Holocausto não são confiáveis, que as provas foram forjadas, que os caçadores de nazistas caçam pessoas inocentes e etc.’.
Eu não vou defender o primeiro julgamento israelense de Demjanyuk. Rejeito o argumento de que a sentença de morte de Demjanyuk foi revogada, a justiça foi feita. Isso aconteceu por acaso - a URSS caiu e novas evidências apareceram. Nunca houve qualquer prova documental apresentada para Demjanyuk ter estado em Treblinka, a condenação foi baseada em procedimentos de identificação.
Nem vou defender a conduta da OSI. Em 1993, os juízes do Tribunal de Apelação dos EUA do 6º Circuito concluíram:
Assim, defendemos que os Procuradores do OSI agiram com grosseira negligência da verdade e o governo tem a obrigação de tomar quaisquer medidas que impeçam um adversário de apresentar seu caso pleno e justo. Esta foi uma fraude na corte, nas circunstâncias deste presente caso que, por imprudência presumiram a culpa de Demjanyuk não respeitaram a obrigação de produzir materiais solicitados pela defesa de Demjanyuk.
Na verdade, vamos ver um exemplo de fraude muito em breve.
O que eu vou discutir é que as conclusões históricas que os negadores extraem desse caso são injustificadas.
Mas primeiro vamos definir quais são as atividade conhecidas de Demjanyuk no tempo da guerra.
Ivan Nikolajevich Demjanyuk nasceu em 30 de abril de 1920 em Dubovi Makharyntsi (Dubovyje Makharintsi) em Vinnits’ka (Vinnitskaja).
Vários documentos estabelecem o paradeiro de Demjanyuk durante a guerra:
· Nº 1 – Encontrado arquivo em Vinnits’ka Oblast. Passe de identificação de serviço em Trawniki Nº 1393 identifica um Ucraniano, “Ivan Demjanyuk”, filho de “Nikolai”, nascido em 30 de abril de 1920 em “Duboimachariwzi”, que serve em Okzow desde 22 de Setembro de 1942 e em Sobibor desde 27 de março de 1943. Este é o documento mais famoso relacionado com o caso Demjanyuk. A defesa e os negadores [do Holocausto] argumentam que é uma falsificação da KGB. Iremos discutir estas afirmações mais tarde. Eu não vi nenhum desafio de autenticidade dos documentos que seguem.
· Documento Nº 2 – Encontrado no Arquivo Central do Estado Lituano em Vilnius. Relatório disciplinar de 20 de Janeiro de 1943 afirma que dois dias antes quatro guardas que foram treinados em Trawniki foram detidos por violar a quarentena do campo. Um dos guardas é identificado como “Deminjuk”, com número de identificação 1393 (ou seja, o mesmo número do primeiro documento).
· Documento Nº 3 – Encontrado nos arquivos da FSB. Registro de transferência que documenta a transferência de 80 Trawnikis para Sobibor em 26 de Março de 1943. O 30º da lista é “Iwan Demianiuk” número de identificação 1393, com a mesma data de nascimento de John Demjanyuk. A data da transferência é compatível com o documento número 1.
· Documento Nº 4 – Encontrado nos arquivos da FSB. Registro de transferência datado de 01 de Outubro de 1943, que documenta a transferência de 140 homens de Trawniki para Flossenberg. 53º nome da lista é “Iwan Demianjuk”, com o mesmo nome, data de nascimento e número de identificação dos documentos anteriores.
· Documento Nº 5 – Encontrado nos Arquivos Federais da Alemanha em Berlim. Relatório de Armas de Flossenberg de 1 de Abril de 1944, documento informa que sentinela “Demianiuk” recebeu em 8 de Agosto de 1943 um rifle, ou seja, uma semana depois que a pessoa do documento 6 foi transferida para Flossenberg.
· Documento Nº 6 – Encontrado nos Arquivos Federais da Alemanha em Berlim. Diário de Flossenberg mostra que em 4 de Outubro de 1944 “Demenjuk 1393” foi atribuído à guarda do Bunker Construction Detail.
· Documento Nº 7 – Encontrado nos Arquivos Federais da Alemanha em Berlim. Uma lista sem data de Flossenberg com 117 guardar, lista “Demenjuk” com a identificação 1393 na entrada de número 44. A lista pode ter sido feita no período de 10 de Dezembro de 1944 à 15 de Janeiro de 1945.
· Documento Nº 8 – O mais irônico da lista – “Pedido de Assistência” do próprio Demjanyuk apresentado em Março de 1948 para a Preparatory Commission of the International Refugee Organization. Enquanto ele forneceu informações falsas sobre a sua residência durante a guerra, ele observou que de Abril de 1937 à Janeiro de 1943 ele era motorista em “Sobibor, Chelmno, Polônia”. Sobibor não era um nome muito bem conhecido na época, e o fato que o próprio Demjanyuk escreveu, (mesmo dando datas erradas e mentindo sobre ter sido motorista de lá) é altamente incriminatório.
· Documento Nº 9 – Finalmente, seu pedido de visto americano em 27 de Dezembro de 1951, Demjanyuk escreveu que de 1936-1943 ele residiu em Sobibor, Polônia.
Então o que podemos dizer com base em tais documentos? Mesmo desconsiderando que o primeiro documento é uma fraude (e essa hipótese é desmascarada por todos os documentos posteriores), mesmo assim, com base no restante deles, pode-se concluir que Demjanyuk serviu no Campo de Extermínio de Sobibor e também em Trawniki e Flossenberg. Demjanyuk negou algumas vezes ter estado nestes campos e inventou uma falsa história sobre o seu paradeiro durante a guerra, pode-se concluir que provavelmente ele tem alguma coisa ruima esconder. Em qualquer caso, a imagem da pessoa inocente sendo perseguida não pode ser mantida.
Fonte: Holocaust Controversies (Sergey Romanov)
Tradução: Leo Gott

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget