domingo, 22 de janeiro de 2012

O Holocausto dos Roma e Sinti austríacos (Holocausto cigano)

Trecho do texto "O HOLOCAUSTO DOS ROMA E SINTI AUSTRÍACOS" de Gerhard Baumgartner e Florian Freund, da parte onde relata a deportação e confinamento de ciganos para o gueto de Lodz e logo após seus assassinatos no campo de extermínio de Chelmno(Kulmhof), localizado na Polônia ocupada.

Do texto original(em alemão):
Am 1. Oktober 1941 ordnete Himmler die Deportation von 5000 Roma und Sinti aus Österreich in das Ghetto von Łódz/Litzmannstadt an.58 Betroffen waren fast nur Burgenland-Roma. In der Regel wurden ganze Familien deportiert. Darüber hinaus dürfte die Arbeits(un)fähigkeit wichtigstes Selektionskriterium gewesen sein. Die Gemeinden wollten Fürsorgekosten einsparen und nur jene in den örtlichen Zigeunerlagern behalten, die nutzbringend eingesetzt werden konnten. Zwischen dem 4. und 8. November 1941 fuhr täglich ein Zug mit 1000 Opfern nach Łodz/Litzmannstadt. Allein aus Lackenbach wurden 2000 Roma und Sinti deportiert. Die Transporte wurden von je einem Offizier und 20 Wachmännern des Reserve Polizei-Bataillons 172 begleitet. Die Kosten der Deportation bestritten das RSHA und die lokalen Fürsorgestellen gemeinsam.

Von den insgesamt 5007 nach Łódz Deportierten waren 1130 Männer und 1188 Frauen. Neben den 2318 Erwachsenen erfassten die Transporte 2689 Kinder. 613 Personen starben bereits in den ersten Wochen nach der Ankunft im „Zigeunerlager Litzmannstadt“, die meisten wahrscheinlich an einer Fleckfieberepidemie. Die übrigen wurden im Dezember 1941 oder Jänner 1942 in das Vernichtungslager Chelmno/Kulmhof überstellt und dort mit Gas getötet. Niemand überlebte. Im März 1942 ordnete die Kriminalpolizeistelle Graz an, Anfragen besorgter Angehöriger über das Schicksal der Deportierten an das RSHA weiterzuleiten beziehungsweise ihnen mitzuteilen, dass ihnen nicht erlaubt sei, die nach Łódz „Umgesiedelten“ zu besuchen.59 Zu diesem Zeitpunkt waren alle Deportationsopfer tot.
Tradução:
Em 1 Outubro de 1941, Himmler ordenou a deportação de 5.000 Roma e Sinti da Áustria para o gueto de Lodz/Litzmannstadt.58 Foram atingidos quase que somente os Roma do Burgenland. No geral, famílias inteiras foram deportadas. Além disso, a capacidade de trabalho (in) parece ter sido o critério de seleção mais importante. As comunidades queriam reduzir os custos de bem-estar e manter somente aqueles nos campos ciganos locais, que poderiam ser usados de forma lucrativa. Entre 4 e 8 de Novembro de 1941 houve levas diárias de trens com 1.000 vítimas para Łodz/Litzmannstadt. Quase 2000 Roma e Sinti de Lackenbach foram deportados. Os transportes foram acompanhados por um oficial e 20 guardas do 172º Batalhão de Polícia de Reserva. O custo de deportação foi financiado pela RSHA e pelas agências locais de assistência social em conjunto.

De um total de 5.007, foram deportados para Lodz cerca de 1130 homens e 1188 mulheres. Além dos 2.318 adultos capturados, 2.689 crianças foram transportadas. 613 pessoas morreram nas primeiras semanas após a chegada ao "acampamento cigano de Lodz", provavelmente por conta de uma epidemia de tifo. O resto foi em dezembro de 1941 ou janeiro 1942 transferido para o campo de extermínio em Chelmno/Kulmhof e mortos por asfixia com gás. Ninguém sobreviveu. Em março de 1942, a Polícia ordenou em Graz o encaminhamento das solicitações de parentes preocupados com o destino dos deportados para o RSHA, ou os deixou saber que eles não tinham permissão pra visitar Lodz porque eles foram "reassentados".59 Nesta ocasião todos estavam mortos, vítimas da deportação.
56 KPSt Graz, Niederschrift über die heute stattgefundene Besprechung über den Abtrnsport der Zigeuner, 15.8.1940, StLA, Landesregierung, 384 Zi 1-1940.
57 Freund/Baumgartner/Greifeneder, Vermögensentzug, S. 43 f.
58 Erlass des RFSS S-Va2b Nr. 81/41 g II, StLA, Landesregierung, 384 Zi 1-1940.
59 Landrat Oberwart, 19.3.1942, DÖW 11293

Fonte: Der Holocaust an den Österreichischen Roma und Sinti; autores: Gerhard Baumgartner, Florian Freund
http://www.ph-burgenland.at/fileadmin/Berichte/newsbeitraege/holocaust.pdf
Tradução: Roberto Lucena

17 comentários:

Pronto, falei! disse...

Por incrivel que pareça, ainda há os que negam.
Acabo de ler uma postagem no "blog" do Toedter. Agora, ele se superou! Se já não tinha a menor credibilidade, agora foi direto para o lixo.
Uma postagem com uma suposta entrevista de Henry Kissinger...
Só que a entrevista foi para um site/jornal humorístico inglês. E ele ACHA que é sério.
Ou está gagá ou é má fé. Ou os dois!
Mais um pouco e ele acreditará em matérias do Casseta & Planeta...
O velhote se entregou!

Roberto disse...

"Uma postagem com uma suposta entrevista de Henry Kissinger... Só que a entrevista foi para um site/jornal humorístico inglês. E ele ACHA que é sério."

Vou dar uma olhada nisso, desconheço esse vídeo do H. Kissinger. Só que não espere algo acurado de "revisionistas" pois é disso pra baixo.

Roberto disse...

A entrevista publicada é isso aqui?
Henry Kissinger: “Se você não está ouvindo os tambores da guerr"

"Um pouco de humor para melhorar o baixo astral. The Daily Squib é um site de humor inglês."

Seria melhor que indicassem de onde tiraram a "entrevista", desse fórum de "teoria da consiração": link

Publicaram um tabloide inglês de sátira como coisa séria? Sem comentários.

Roberto disse...

Só vou colocar um aviso, pois como sei que esses "revis" leem esse blog e lerão este post, pra eles começarem a insinuar ou escrever besteiras é bem fácil, por isso é bom frisar que nunca comentei nada no blog desse Toedter e só comento com este perfil no blogger.

Pronto, falei! disse...

Roberto,
Pessoas como o Toedter não acreditam no que escrevem e postam. É mais uma "obrigação" para catar adeptos ao ódio. Tudo na vida dessa meia dúzia de gatos pingados que se dizem "historiadores revisionistas" se refere a judeus. E, note bem, eles é que se dizem perseguidos! São uns coitadfos.
Também não posto em sites nazis. Há tempo, tentei com seriedade responder, mas como não existe o que pregam (liberdade de expressão) as respostas foram censuradas.

Pronto, falei! disse...

E nessa postagem, existe um comentário hilariante. Um ser (des) humano que escreve a seguinte pérola:
...(os judeus) envenenam seus (o deles) filhos com vacinas...
Mais um pouco e teremos a "Marcha da Poliomielite"!
E pensam ser levados a sério...
E os otários estão lá, batendo palmas para um maluco dançar.

Roberto disse...

"Roberto,
Pessoas como o Toedter não acreditam no que escrevem e postam. É mais uma "obrigação" para catar adeptos ao ódio. Tudo na vida dessa meia dúzia de gatos pingados que se dizem "historiadores revisionistas" se refere a judeus. E, note bem, eles é que se dizem perseguidos! São uns coitadfos."


Pronto, falei!, eu não sei se isto seria o caso deste senhor pois sendo ele ex-combatente pela Alemanha no regime nazi, eu acho que ele crê nesses textos, ele me parece bem doutrinado com as "ideias" que circulavam na época desse regime embora o que você disse proceda em alguns casos, há outros "revis" que de fato não acreditam no que repassam, mas fazem isso com intuito político (reabilitação do nazifascismo).

Muita gente que passou pelo trauma da guerra reflete e deixa esse tipo de delírio megalomaníaco nazi de lado, mas há sempre os seguidores fanáticos, ou no entender deles, 'seguidores fiéis' desse tipo de doutrina.

Roberto disse...

"Também não posto em sites nazis. Há tempo, tentei com seriedade responder, mas como não existe o que pregam (liberdade de expressão) as respostas foram censuradas."

Eles sempre fizeram isso, das vezes que comentei em algum blog desse tipo foi mais em resposta a presença de dois "revis" de Portugal que vieram encher o saco, mas vendo o que circula nesses sites muitas vezes não vale nem responder, responder neles às vezes acaba dando crédito a esse tipo de distorção pois é tanta insanidade e idiotice(teoria da conspiração)reproduzida que qualquer pessoa mais atenta percebe e descarta esses sites. O público cativo desse tipo de blog "revisionista" é quase sempre o mesmo (que já cultiva essas crendices negacionistas antes mesmo de conhecer esses blogs "revis").

Roberto disse...

"E nessa postagem, existe um comentário hilariante. Um ser (des) humano que escreve a seguinte pérola:
...(os judeus) envenenam seus (o deles) filhos com vacinas...
Mais um pouco e teremos a "Marcha da Poliomielite"!
E pensam ser levados a sério...
E os otários estão lá, batendo palmas para um maluco dançar."


Quem dá crédito e aval a essas "teorias da conspiração", como comentei acima, é o público cativo que são chegados a essas teorias da conspiração e sites "revisionistas". No Orkut uma parte deles só usa fakes porque sabem do problema de crime de racismo, como os orgãos desse país que são responsáveis por fiscalizar esse tipo de problema não fazem nada, e as entidades que deveriam pressionar esses orgãos a agirem também não fazem nada e estão mais "preocupadas" com conflitos no Oriente Médio, a coisa continua em circulação.

Só que tenho que concordar com o Roberto Muehlenkamp e o Leo quando eles se posicionam contra a lei sobre negação do Holocausto, embora eu particularmente seja a favor dela, o melhor e único antídoto eficiente em relação a esse tipo de problema de doutrinação é uma educação humanista, informação e conhecimento.

Pronto, falei! disse...

Roberto,
Eu já não penso assim. Sou favorável a criminalização pois, na minha opinião, racismo não é opinião e sim crime. Existe uma tática, que não engana ninguém, de transformar essa "opinião" em uma discussão política. Troca-se inocentemente a palavra "judeu" por "sionista". Está aí uma tentativa de escapar da marginalidade (elementos que vivem a margem da lei). Mas, uma simples leitura das postagens mostra o equívoco do discurso. Não existe a possibilidade de tratar indivíduos desconhecidos, no caso os judeus, por exemplo, colocando o rótulo de sionistas neles.
Não adianta. Esse corja é composta de bandidos, e como tal devem ser tratados.

Pronto, falei! disse...

Alguns detalhes esquecidos por mim de postar:
- Não acredito que "este senhor" seja um ex-combatente. Para mim trata-se de um farsante. Quanto TERMINOU a guerra ele tinha 16 anos. Ele foi combatente com que idade? 12 ou 13 anos?

- Repare que continuam levando a sério a sátira. São tão medíocres que sequer reconhecem que "este senhor" tenha pisado na bola (como sempre). Tentam, a todo custo, a qualquer preço transformar algo fictício em realidade. São teóricos de teorias!

- Para mim, não refiro a esses bandidos como "revisionistas". Muito menos "históricos". São é nazistas mesmo. Um comentarista (outro bandido) de codiniome "mario" (com minúscula mesmo como ele posta) ainda afirmará que o "Zé Gotinha" é um agente do imperialismo sionista.
Só rindo!

Roberto disse...

"Roberto,
Eu já não penso assim. Sou favorável a criminalização pois, na minha opinião, racismo não é opinião e sim crime. Existe uma tática, que não engana ninguém, de transformar essa "opinião" em uma discussão política. Troca-se inocentemente a palavra "judeu" por "sionista". Está aí uma tentativa de escapar da marginalidade (elementos que vivem a margem da lei). Mas, uma simples leitura das postagens mostra o equívoco do discurso."


Eu também sou favorável a criminalização da negação do Holocausto mas por outros motivos, pelo menos como vejo eu essa lei, que é a de ser uma ferramenta poderosa pra desarticular grupos neonazis e afins, mas eu também concordo com a posição do Leo e do Roberto M. sobre o assunto e acho que só esse tipo de lei não resolve o problema, pelo contrário, pode passar uma impressão errada de que o problema do racismo doutrinado(pra fins políticos) se resolve por meio de decreto ao invés de educação.

Foi isso que eu destaquei, não sou contra a lei, mas acho que só isso não resolve o problema, pelo contrário, pode passar a falsa impressão de que se está resolvendo o problema da propagação do racismo só por haver uma lei, caso mesmo do Brasil onde existe uma legislação racista pesada mas que é pouco aplicada e onde o racismo se propaga porque não há educação alguma nas escolas pra combater esse tipo de ideologia, quando não, tabus como o do mito da "democracia racial" brasileira.

"Não existe a possibilidade de tratar indivíduos desconhecidos, no caso os judeus, por exemplo, colocando o rótulo de sionistas neles. Não adianta. Esse corja é composta de bandidos, e como tal devem ser tratados."

O problema é que o discurso "revi" é mais sútil, nem sempre dá pra enquadrar tudo o que é comentado por esses caras como racismo e muitas vezes a pessoa conseguir desacreditar a pregação deles surte mais efeito do que uma prisão, é mais difícil de enquadrar o "revisionismo" (mesmo todo mundo sabendo do que se trata, e acho isso mais importante, dizer o que eles pensam pois a maioria deles negam que são nazis ou simpatizantes do nazismo/fascismo) ao contrário de um nazi declarado que sai pregando racismo explicitamente.

Roberto disse...

O problema também reside nos orgãos que em tese deveriam combater isso, cadê o Ministério Público? Só vi o MP fazer estadalhaço quando a coisa "estourou" no Orkut e chamou "atenção" da imprensa (porque "achavam" que não "havia" antissemitas organizados no Brasil) e resultado concreto nenhum. Há até um site que surgiu no lugar daquele Valhalla88(os dois são abertamente criminosos pois são explicitamente apologistas do nazismo, com cruz suástica e tudo) e nenhum orgão desses faz absolutamente nada.

Só vi estardalhaço desses orgãos com uma ONG em coisas pontuais como pedofilia no Orkut, só que isso é algo fácil de combater, só que faz mais repercussão na imprensa que grupos neonazistas, pelo menos no Brasil.

Roberto disse...

"Alguns detalhes esquecidos por mim de postar:
- Não acredito que "este senhor" seja um ex-combatente. Para mim trata-se de um farsante. Quanto TERMINOU a guerra ele tinha 16 anos. Ele foi combatente com que idade? 12 ou 13 anos?"


Não sei se a participação dele na guerra procede, teoricamente era possível sim pois houve uso de gente até os 16 anos no fim da guerra, por isso não é improvável que ele de fato tenha ido pra Alemanha ajudar e se alistado no regime, até porque, pelo que ele conta (eu li isso há muito tempo, não sei se ainda consta daquele blog lá pois havia outro antes desse), houve uma repressão a alemães e descendentes de alemães no país, por Vargas, e foi nessa ocasião que alguns deles se mandaram pra Alemanha pra se juntar de vez ao regime. Não sei porque não ficaram lá de vez.

E isso explica muito a devoção dele na reabilitação da imagem do Terceiro Reich, como comentei acima, há as pessoas que com o término da guerra reflitiram e viram a tragédia que a própria Alemanha ficou mergulhada por conta de seguir o delírio de um cabo megalomaníaco e genocida, mas há sempre os 'seguidores fieis' do credo, esses é que são o problema.

Eu não sabia da existência dessa pessoa, só que não lembro exatamente de como soube. Eu lembro de uma divulgação de um livro sobre brasileiros (descendentes de alemães) servindo na Alemanha no regime nazi, de um historiador brasileiro e citam esse cara, só que acho já havia visto(se não me engano pois memória trai) algo sobre ele por conta de um livro chamado "E a guerra continua", que os "revis" nem sequer compraram, digitalizaram uma fotocópia do livro e colocaram o PDF pra baixar na rede.

Não lembro exatamente como tomei conhecimento deste senhor até porque os "expoentes" do "revisionismo" no Brasil eram outros, como o Castan e um tal de Sérgio Oliveira, o Castan mais ainda pois era o mais ativo. Mas praticamente não há destaque algum desses "revis" made in Brazil no exterior, o único citado é o Castan por aquele neonazi pirado extraditado do Canadá, o Zundel, o resto é totalmente desconhecido até nesse meio revimané de fora do país.

Roberto disse...

"- Repare que continuam levando a sério a sátira. São tão medíocres que sequer reconhecem que "este senhor" tenha pisado na bola (como sempre). Tentam, a todo custo, a qualquer preço transformar algo fictício em realidade. São teóricos de teorias!"

O que move esse pessoal é a crença na história dos Protocolos dos Sábios de Sião, eles acreditam de fato que judeus controlam tudo, e não é retórica, eles acreditam nisso piamente. Por isso que qualquer "história"(até sátiras como essa, que eles só não levaram adiante porque foi desacreditada e eles passariam por bocós se dessem crédito totalmente a coisa) que se encaixe nessa crença deles de "domínio judeu-bolchevique do mundo", eles cultuam sem o menor problema.

Não se está lidando com pessoas extremamente racionais ou céticas e sim com gente fanática e crédula até a médula, pelo menos esses mais caricatos e extremados se enquadram nisso. Eles acreditam de fato que "judeus" conspiram pra dominar o mundo e tudo que se 'encaixar' nessa crença deles, eles passam a ter a coisa como fato e ponto final. É por isso que jamais espere desse pessoal "revi" fanático (eufemismo) que algo que não seja um delírio ou pregação de que judeus dominam tudo, a própria negação tem por base isso, de que foi algo "forjado" por judeus pra que o mundo "tivesse pena" deles depois da 2aGM e todo aquele bla bla bla enfadonho deles que só leva a sério quem de fato concorda com esse credo revimané, ou alguém que seja muito trouxa. O problema é que alguns "revis" (que não acreditam nas mentirasm que soltam) não se preocupam propriamente com o negacionismo e sim veem nisso uma forma de propagar racismo, antissemitismo e a ideologia deles.

Havia uma lista de "revisionismo" bem antiga onde um integralista liderava o credo mas esse eu duvido que acreditava no que pregava, esse seguia a linha política fascista mesmo pra angariar simpatizantes pro fascismo, no caso, o integralismo.

"- Para mim, não refiro a esses bandidos como "revisionistas". Muito menos "históricos". São é nazistas mesmo. Um comentarista (outro bandido) de codiniome "mario" (com minúscula mesmo como ele posta) ainda afirmará que o "Zé Gotinha" é um agente do imperialismo sionista. Só rindo!"

O problema nessa questão é que, no Brasil o tal "revisionismo" não é crime, apologia do nazismo e racismo sim, mas por mais esdrúxulo e escroto que eu ache essa pregação(e é), eles exploram as brechas da legislação do país (já que não há lei que reprima isso e nem interesse das autoridades pra coibir a coisa, tampouco pressão de entidades pra que esses orgãos atuem desarticulando esses bandos) pra seguir pregando, por isso que digo que diante desse quadro o jeito é rebater as falácias "revis" e que o povo avalie a coisa, a maioria sabe que o que eles pregam é bobagem, mentira e antissemitismo, só que tem muito antissemita que não é propriamente "revisionista", esse é que é o maior problema a meu ver, pois esse tipo de pessoa não se enquadra nessa questão do "revisionismo" e é tão nocivo ou mais que os próprios "revis".

Eu acho até que depois de tão detonados, esse credo "revi" hoje está bem desacreditado, eles já foram "sensação"(quando a coisa era novidade) na rede, mas hoje eles têm um baixo impacto, embora não se deva se descuidar disso, baixo impacto ou não o que eles pregam de distorção e de tentativa de reabilitação do nazismo e fascismo é bem sério.

Pronto, falei! disse...

Roberto,
Concordo em quase tudo que você escreveu. Mas nos raros sites/blogs nazis que por aqui povoam, a judeofobia está presente. Talvez por ignorância pois quando algum deles é pego e preso, desaparece a coragem e a agressividade que praticam no anonimato da internet, e começam a chamar até cinegrafistas de Senhor Doutor e choramingam...Eu não fiz nada...quero mamãe...uso fralda tamanho GG. E por aí vai.
O próprio Castan, que o diabo o tenha, mesmo em pó, sempre se recusou a aparições públicas. Sabia que seria desmascarado antes de abrir o bico.
São todos bandidos.

Pronto, falei! disse...

E o velhote bandido nazi, ex-combatente infanto-juvenil não admite que pisou na bola. Continua escrevendo e insistindo na mesma porcaria, desviando o assunto. Deve ser a tal senilidade...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget