sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

O Holocausto em fotos (The Atlantic, especial WWII)

Especial da Revista The Atlantic (EUA) com fotos do Holocausto e da Segunda Guerra em alta resolução (uma parte do Arquivo Nacional dos EUA). Segue abaixo a parte com as fotos relativa ao Holocausto com a posterior tradução das legendas das fotos.

Só um aviso: apesar da tradução do aviso da matéria da revista eu reforço o aviso aqui, pra quem se chocar demais com esse tipo de foto é recomendável cautela pois as fotos chocam, principalmente pela alta resolução da imagem. Eu já vi várias mas com resolução pior, a alta resolução das fotos dá uma visão mais chocante da tragédia.
__________________________________________

Tradução: Um dos termos mais terríveis da história foi usado pela Alemanha nazista para designar seres humanos cujas vidas não tinha importância, ou aqueles que devessem ser mortos imediatamente: lebensunwertes Leben, ou "vida indigna da vida". A frase foi aplicada ao deficiente mental e mais tarde para os "racialmente inferiores", ou "sexualmente desviados", bem como os "inimigos do Estado", tanto internos como externos. Desde o princípio da guerra, parte da política nazista era assassinar civis em massa, especialmente direcionadas para os judeus. Mais tarde na guerra, esta política se transformou na "solução final" de Hitler, o extermínio completo dos judeus. Ela começou com os esquadrões da morte dos Einsatzgruppen no Leste, que matou cerca de um milhão de pessoas em inúmeros massacres, e continuou em campos de concentração onde os prisioneiros tinha negadas alimentação adequada e cuidados de saúde. Isso culminou na construção de campos de extermínio - instalações governamentais cujo objetivo era o assassinato sistemático e a eliminação de um número em massa de pessoas. Em 1945, com o avanço das tropas aliadas, elas começaram a descobrir estes campos e descobriram os resultados dessas políticas: centenas de milhares de prisioneiros famintos e doentes trancados com milhares de cadáveres. Eles encontraram evidências de câmaras de gás e crematórios para grandes volumes, assim como milhares de valas em massa, documentação de terrível experimentação médica, e muito mais. Os nazistas mataram mais de 10 milhões de pessoas desta maneira, incluindo 6 milhões de judeus. (Esta entrada é a parte 18 de uma retrospectiva de 20 partes, semanal, da II Guerra Mundial) [45 fotos]

Aviso: Todas as imagens desta entrada são mostrados na íntegra, não sendo excluído o conteúdo chocante das fotos. Há muitos cadáveres. As fotos são chocantes e pesadas. Esta é a realidade do genocídio, e de uma parte importante da Segunda Guerra Mundial e da história humana.

1. Uma menina russa de 18 anos de idade, magra olha para a lente da câmera durante a libertação do campo de concentração de Dachau em 1945. Dachau foi o primeiro campo de concentração alemão, inaugurado em 1933. Mais de 200.000 pessoas foram detidas, entre 1933 e 1945, e 31.591 mortes foram declaradas, a maioria por desnutrição, doenças e suicídio. Ao contrário de Auschwitz, Dachau não era explicitamente um campo de extermínio, mas as condições eram tão terríveis que centenas de pessoas morriam a cada semana. (Eric Schwab / AFP / Getty Images)

2. Nesta foto fornecida pelo Memorial do Holocausto de Paris mostra um soldado alemão dispararando contra um judeu ucraniano durante uma execução em massa em Vinnytsia, Ucrânia, em algum momento entre 1941 e 1943. Esta imagem é intitulada de "O último judeu em Vinnitsa", o texto que foi escrito no verso da fotografia foi encontrado em um álbum de fotos pertencente a um soldado alemão. (AP Photo/ USHMM/LOC)

3. Soldados alemães interpelam judeus após o Levante do Gueto de Varsóvia, em 1943. Em outubro de 1940, os alemães começaram a concentrar a população da Polônia de mais de 3 milhões de judeus em guetos superlotados. No maior deles, o Gueto de Varsóvia, milhares de judeus morreram devido à doença galopante e fome, mesmo antes dos nazistas começaram suas deportações em massa do gueto para o campo de extermínio de Treblinka. O Levante do Gueto de Varsóvia - a primeira rebelião em massa urbana contra a ocupação nazista da Europa - ocorreu de 19 de abril até 16 de maio de 1943, e começou depois que tropas alemãs e policiais entraram no gueto para deportar os habitantes sobreviventes. O levante terminou quando a resistência mal-armada e sem suprimentos foi esmagado pelas tropas alemãs. (OFF/AFP/Getty Images)

4. Um homem leva embora corpos de judeus mortos no Gueto de Varsóvia, em 1943, onde as pessoas morriam de fome nas ruas. A cada manhã, cerca de 4-5 da manhã, carros fúnebres recolhiam uma dúzia ou mais cadáveres das ruas. Os corpos de judeus mortos foram cremados em covas profundas. (AFP/Getty Images)

5. Um grupo de judeus, incluindo um garoto, é escoltado do Gueto de Varsóvia por soldados alemães em 19 abril de 1943 (foto). A imagem faz parte de um relatório da SS do general Stroop para seu comandante, e foi apresentado como prova nos julgamentos de Crimes de Guerra em Nuremberg, em 1945. (AP Photo)

6. Após a Revolta do Gueto de Varsóvia, o gueto foi completamente destruído. Dos mais de 56.000 judeus capturados, cerca de 7.000 foram mortos, e o restante foi deportado para centros de extermínio ou campos de concentração. Esta é uma vista dos restos do gueto o qual a SS alemã pôs ao chão com dinamite. O Gueto de Varsóvia só existiu por alguns anos, e nesse tempo, cerca de 300.000 judeus poloneses perderam a vida lá. (AP Photo)

7.Um alemão em um uniforme militar atira em uma mulher judia depois de uma execução em massa em Mizocz, Ucrânia. Em outubro de 1942, as 1.700 pessoas no gueto de Mizocz lutaram contra auxiliares ucranianos e policiais alemães que tinham a intenção de liquidar a população. Cerca de metade dos moradores conseguram fugir ou se esconder durante a confusão antes do levante ser finalmente abatido. Os sobreviventes capturados foram levados para uma ravina e fuzilados. Foto cedida pelo Memorial do Holocausto de Paris. (AP Photo/USHMM)

8. Deportados judeus no campo de trânsito de Drancy, perto de Paris, França, em 1942, em sua última parada antes dos campos de concentração alemães. Alguns 13.152 judeus (incluindo 4.115 crianças) foram caçados pelas forças policiais francesas, tirados de suas casas para o "Vel d'Hiv", o estádio de inverno de ciclismo, no sudoeste de Paris, em julho de 1942. Eles foram mais tarde levados para um terminal ferroviário em Drancy, a nordeste da capital francesa, e depois deportados para o leste. Apenas um punhado retornou. (AFP/Getty Images)

9. Anne Frank posa para foto em 1941 nesta foto disponibilizada pela Casa Anne Frank em Amsterdã, Holanda. Em agosto de 1944, Anne, sua família e outras pessoas que estavam se escondendo das forças de segurança alemãs de ocupação, foram capturados e enviados para uma série de prisões e campos de concentração. Anne morreu de tifo aos 15 anos no campo de concentração de Bergen-Belsen, mas seu diário publicado postumamente fez dela um símbolo de todos os judeus mortos na Segunda Guerra Mundial. (AP Photo/Anne Frank House/Frans Dupont)

10. Chegada e processamento de um transporte inteiro de judeus da Carpática Rutênia, região da Tchecoslováquia anexada em 1939 à Hungria, ao campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau na Polônia, em maio de 1944. A foto foi doada ao Yad Vashem em 1980 por Lili Jacob. (AP Photo/Yad Vashem Photo Archives)

11. Czeslawa Kwoka, de 14 anos, aparece em uma foto de identidade de prisioneiro fornecida pelo Museu de Auschwitz, tomada por Wilhelm Brasse enquanto trabalhava no departamento de fotografia em Auschwitz, na parte administrativa do campo de extermínio nazista onde cerca de 1,5 milhões de pessoas, a maioria judeus, morreram durante Segunda Guerra Mundial. Czeslawa era uma menina católica polonesa, de Wolka Zlojecka, na Polônia, que foi enviada para Auschwitz com sua mãe, em dezembro de 1942. Dentro de três meses, ambas foram mortas. Fotógrafo (e companheiro de prisão) Brasse lembrou das fotografias de Czeslawa em um documentário de 2005:.. "Ela era tão jovem e tão aterrorizada. A menina não entendia por que ela estava lá, e ela não conseguia entender o que estava sendo dito a ela. Então esta Kapo mulher (um prisioneiro superintendente) pegou um pau e lhe bateu no rosto. Esta mulher alemã estava apenas extravasando sua raiva na menina. Uma menina tão bonita, tão inocente. Ela chorou, mas não podia fazer nada. Antes das fotografias serem tomadas, a menina enxugou as lágrimas e o sangue do corte no lábio. Para dizer a verdade, eu senti como se estivessem atingindo a mim, mas eu não podia interferir. Isto teria sido fatal para mim." (AP Photo/Auschwitz Museum)

12. Uma vítima de experiências médicas nazistas. Um braço da vítima mostra uma queimadura profunda de fósforo em Ravensbrueck, na Alemanha, em novembro de 1943. A fotografia mostra os resultados de uma experiência médica com fósforo, que foi realizada por médicos em Ravensbrueck. Na experiência, uma mistura de fósforo e de borracha foi aplicada sobre a pele e depois queimada. Depois de vinte segundos, o fogo foi apagado com água. Depois de três dias, a queimadura foi tratada com Echinacin na forma líquida. Depois de duas semanas a ferida havia curado. Esta fotografia, tirada por um médico do campo, foi inscrita como prova durante o Julgamento dos Médicos em Nuremberg. (U.S. Holocaust Memorial Museum, NARA)

13. Prisioneiros judeus no campo de concentração de Buchenwald, depois da libertação do campo em 1945. (AFP/Getty Images)

14. Soldados norte-americanos silenciosamente inspecionam alguns dos vagões carregados com mortos que foram encontrados no tapume ferroviário no campo de concentração de Dachau na Alemanha, em 3 de maio de 1945. (AP Photo)

15. Um francês esfomeado sentando ao lado de cadáveres no sub-campo do campo de trabalho forçado de Mittelbau-Dora, em Nordhausen, Alemanha, em abril de 1945. (U.S. Army/LOC)

16. Corpos jazem empilhados contra as paredes da sala de um crematório num campo de concentração alemão em Dachau, na Alemanha. Os corpos foram encontrados pelas tropas norte-americanas do Sétimo Exército que tomaram o campo em 14 de maio de 1945. (AP Photo)

17. Um soldado dos EUA inspeciona milhares de alianças de casamento de ouro retiradas de judeus pelos alemães e escondidas nas minas de Salt Heilbronn, em 3 de maio de 1945 na Alemanha. (AFP/NARA)

18. Três soldados americanos olham corpos dentro de um forno em um crematório, em abril de 1945. Foto tirada em um campo de concentração na Alemanha não identificado, no momento da libertação por Exército dos EUA. (U.S. Army/LOC)

19. Este amontoado de cinzas e ossos são os escombros de um dia de extermínio de prisioneiros alemães por 88 soldados no campo de concentração de Buchenwald, perto de Weimar, na Alemanha, exibidos em 25 de abril de 1945. (AP Photo/U.S. Army Signal Corps)

20. Prisioneiros atrás da cerca elétrica do campo de concentração de Dachau saúdam soldados norte-americanos em Dachau, Alemanha, em uma foto sem data. Alguns deles usam o uniforme listrado azul e branco da prisão. Eles decoraram suas cabanas com as bandeiras de todas as nações que haviam feito secretamente ao ouvirem as armas da 42ª Divisão Arco-íris ficarem cada vez mais altas quando foram chegando a Dachau. (AP Photo)

21. General Dwight D. Eisenhower e outros oficiais norte-americanos no campo de concentração de Ohrdruf, pouco depois da libertação do campo em abril de 1945. Quando as forças norte-americanas foram chegando, os guardas atiraram nos prisioneiros restantes. (U.S. Army Signal Corps/NARA)

22. Um prisioneiro moribundo, fraco demais para se sentar em meio a seus trapos e sujeira, vítima de inanição e incrível brutalidade, no campo de concentração de Nordhausen na Alemanha, em 18 de abril de 1945. (AP Photo)

23. Prisioneiros em uma marcha da morte de Dachau para o sul ao longo da rua Noerdliche Muenchner em Gruenwald, Alemanha, em 29 de abril de 1945. Milhares de prisioneiros foram levados à força de campos de prisioneiros para campos distantes e mais dentro da Alemanha porque forças aliadas estavam chegando perto. Milhares de pessoas morreram ao longo do caminho, qualquer pessoa incapaz de se manter em pé foi executado no local. Na foto, o quarto da direita é Dimitry Gorky, que nasceu em 19 de agosto de 1920 em Blagoslovskoe, Rússia, de uma família de camponeses. Durante a Segunda Guerra Mundial, Dmitry foi preso em Dachau por 22 meses. A razão de sua prisão não é conhecida. Foto divulgada pelo Museu Memorial do Holocausto dos EUA. (AP Photo/USHMM, cortesia do KZ Gedenkstaette Dachau)

24. Soldados norte-americanos andam em fila próximos às pilhas de cadáveres no chão ao lado de barracas, no campo de concentração nazi em Nordhausen, Alemanha, em 17 de abril de 1945. O campo era localizado a cerca de 70 km a oeste de Leipzig. Quando o campo foi libertado em 12 de abril, o Exército dos EUA encontrou mais de 3.000 cadáveres e um punhado de sobreviventes. (AP Photo/US Army Signal Corps)

25. Um prisioneiro morto estirado em um vagão de trem próximo ao campo de concentração de Dachau, em Maio de 1945. (Eric Schwab/AFP/Getty Images)

26. Soldados libertadores, do Corpo XX do 3º Exército do Tenente-General George S. Patton, são mostrados no campo de concentração de Buchenwald ao lado de um carroceria com cadáveres, perto de Weimar, Alemanha, em 11 de abril de 1945. (AP Photo/U.S. Army)

27. General Patch, da 12 ª Divisão Blindada, fazendo seu caminho em direção à fronteira com a Áustria, descobrindo os horrores do campo de prisioneiros alemão de Schwabmünchen, a sudoeste de Munique. Mais de 4.000 trabalhadores escravos, todos os judeus de várias nacionalidades, foram alojados na prisão. Os internos foram queimados vivos brutalmente por guardas que atearam fogo aos barracos nos quais os prisioneiros dormiam, atirando em qualquer um que tentasse escapar. Esparramado aqui no recinto da prisão estão os corpos queimados de alguns dos trabalhadores escravos judeus descobertos pelo 7º Exército dos EUA em Schwabmünchen, em 01 de maio de 1945. (AP Photo/Jim Pringle)

28. O cadáver de um prisioneiro se encontra na cerca de arame farpado em Leipzig-Thekla, um campo secundário de Buchenwald, perto de Weimar, Alemanha. (NARA)

29. Estas vítimas mortas pelos alemães foram retiradas do campo de concentração de Lambach, na Áustria, em 6 de maio de 1945, por soldados alemães sob as ordens de soldados do Exército dos EUA. Assim que todos os corpos foram removidos do campo, os alemães os enterraram. Este campo originalmente abrigou 18.000 pessoas, cada edifício com lotação de 1600 pessoas. Não havia camas ou quaisquer instalações sanitárias, e de 40 a 50 prisioneiros morriam por dia. (AP Photo)

30. Um jovem se senta em um banquinho ao lado de um corpo queimado no campo de Thekla em Leipzig, em abril de 1945, depois que as tropas norte-americanas entraram Leipzig em 18 de abril. No dia 18 de abril, os trabalhadores da fábrica de avião Thekla foram trancados em uma construção isolada da fábrica pelos alemães e queimados vivos por bombas incendiárias. Cerca de 300 prisioneiros morreram. Aqueles que conseguiram escapar morreram no arame farpado ou foram executados pela Juventude Hitlerista, de acordo com o relatório de um capitão dos EUA. (Eric Schwab/AFP/Getty Images)

31. Corpos queimados de prisioneiros políticos jazem espalhados sobre a entrada de um celeiro em Gardelegen, Alemanha, em 16 de abril de 1945, onde eles encontraram a morte nas mãos das tropas alemães da SS, que colocou o celeiro em chamas. O grupo tentou fugir e foi fuzilado pelas tropas da SS. Dos 1.100 presos, apenas 12 conseguiram escapar. (AP Photo/U.S. Army Signal Corps)

32. Alguns restos/pedaços de esqueletos humanos encontrados por homens da Terceira Divisão Blindada do Primeiro Exército dos EUA, no campo de concentração alemão de Nordhausen em 25 de abril de 1945, onde centenas de "trabalhadores escravos" de várias nacionalidades estavam mortos ou morrendo. (AP Photo)

33. Quando as tropas norte-americanas libertaram os prisioneiros do campo de concentração de Dachau, na Alemanha, em 1945, muitos guardas alemães da SS foram mortos pelos prisioneiros que jogaram seus corpos no fosso ao redor do campo. (AP Photo)

34. O tenente-coronel Ed Seiller de Louisville, Kentucky, está em meio a uma pilha de vítimas do Holocausto, quando ele fala a 200 civis alemães que foram forçados a ver as condições cruéis no campo de concentração de Landsberg, em 15 de maio de 1945. (AP Photo)

35. Prisioneiros subnutridos, quase mortos de fome, aparecem na foto em um campo de concentração em Ebensee, Áustria, em 7 de maio de 1945. O campo foi supostamente usado para experimentos "científicos". (NARA/Newsmakers)

36. Um sobrevivente russo, liberado pela 3ª Divisão Blindada do Primeiro Exército dos EUA, identifica um ex-guarda de campo que espancava brutalmente prisioneiros em 14 de abril de 1945, no campo de concentração de Buchenwald, na Turíngia, Alemanha. (AP Photo)

37. Cadáveres pilhados no campo de concentração de Bergen-Belsen depois das tropas britânicas libertarem o campo em 15 de abril de 1945. Os britânicaos encontraram 60.000 homens, mulheres e crianças morrendo de fome e doenças. (AFP/Getty Images)

38. Tropas alemãs da SS carregam vítimas do campo de concentrção de Bergen-Belsen em caminhões para o enterro, em Belsen, Alemanha, em 17 de abril de 1945. Guardas britânicos seguram fuzis ao fundo. (AP Photo/British Official Photo)

39. Cidadãos de Ludwigslust, Alemanha, inspecionam as proximidades de um campo de concentração sob as ordens da 82ª Divisão Aerotransportada em 6 de maio de 1945. Corpos de vítimas dos campos alemães de prisioneiros foram encontrados jogados em fossas no quintal, num poço contendo 300 corpos. (NARA)

40. Uma pilha de corpos deixados para apodrecer no campo de Bergen-Belsen, em Bergen, na Alemanha, encontrados após o campo ser libertado pelas forças britânicas em 20 de abril de 1945. Cerca de 60.000 civis, a maioria sofrendo de febre tifóide, tifo e disenteria, morriam às centenas por dia, apesar dos esforços frenéticos dos serviços médicos que percorriam o campo. (AP Photo)

41. Quem aparece algemado após sua prisão é Joseph Kramer, comandante do campo de concentração de Bergen-Belsen em Belsen, fotografado em 28 de abril de 1945. Depois de julgado, Kramer, "A Besta de Belsen", foi condenado e executado em dezembro de 1945. (AP Photo)

42. Mulheres alemãs da SS removem os corpos de suas vítimas para caminhões no campo de concentração de Belsen, Alemanha, em 28 de abril de 1945. Fome e doença mataram centenas de milhares de encarcerados no campo. Soldados britânicos aparecem ao fundo segurando fuzis na lama que vai encherá a vala comum. (AP Photo/British official photo)

43. Um guarda alemão da SS, em pé em meio a centenas de corpos, transporta outro cadávers de uma vítima do campo de concentração para uma vala comum em Belsen, na Alemanha em abril de 1945. (AP Photo)

44. Pilhas de cadáveres no campo de concentração de Bergen-Belsen em 30 de abril de 1945. Cerca de 100.000 pessoas são as estimativas do que deve ter morrido apenas neste campo. (AP Photo)

45. A mãe alemã cobre os olhos de seu filho quando eles andam com outros civis passado por uma fileira de corpos exumados em Suttrop, Alemanha. Os corpos eram de 57 russos mortos por soldados alemães da SS e despejados em uma vala comum, antes da chegada das tropas do Nono Exército dos EUA. Soldados da 95ª divisão de Infantaria foram levados por informantes à sepultura em massa em 3 de maio de 1945. Antes do enterro, todos os civis alemães na vizinhança foram obrigados a ver as vítimas. (U.S. Holocaust Memorial Museum, U.S. Army Signal Corps)

Fonte: The Atlantic (EUA)
Tradução: Roberto Lucena

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget