sexta-feira, 15 de março de 2013

Judeus na Lituânia: o fim de uma esplêndida cultura

A história dos judeus na Lituânia tem em torno de 600 anos: do início do século 14 até seu auge, no começo do século 20. Com a ocupação nazista, ela teve um fim sangrento.

Emanuel Zingeris demonstra certa angústia quando se lembra do passado judaico de seu país: "O fim da história da 'Idichelândia', o fim da cultura judaica que ultrapassava fronteiras e do orgulho do ídiche é uma tragédia até hoje", diz o parlamentar lituano, que, em casa, ainda fala ídiche com a mãe.

Zingeris tem um sonho: ele quer coletar e reunir em Vilnius os vestígios, fragmentos e resquícios da herança cultural judaica, que ainda estão espalhados pelo mundo. E também tudo o que artistas judaico-lituanos modernos criaram. Sempre com a consciência de que isso reflete apenas um mínimo do que existiu no passado.
Emanuel Zingeris empenha-se em prol da memória histórica judaica em Vilnius

Lembrança desvanecida

O político lituano de 55 anos e ex-diretor do Museu Judaico de Vilnius lembra também que somente depois da derrocada do regime soviético, em 1990, é que se tornou possível quebrar o tabu e começar a falar sobre as vítimas judias e sobre o extermínio de sua cultura no país.

Um processo doloroso, mas de forma alguma concluído, diz Zingeris. O Parlamento lituano não fica longe da região onde antigamente ficava o Schtetl – o bairro judeu, que se transformou em gueto com a invasão dos nazistas em 1941. Sair em busca desses rastros hoje é difícil, pois não restou praticamente nada, exceto alguns pequenos vestígios. A jovem Isaiah Urken, fotógrafa e membro da comunidade judaica de Vilnius, conhece os poucos resquícios e ajuda a decifrá-los.
Um dos raros resquícios: estrela de Davi nos muros de uma casa

Esplendor e ascensão

A história do judaísmo lituano é uma história de ascensão, prosperidade e extermínio. O Principado de Vytautas deu início a tudo, quando, no ano de 1388, concedeu aos judeus, que viviam em seu território, direitos próprios e privilégios. Cerca de dois séculos mais tarde, passaram a viver na região muitos judeus, que foram desenvolvendo no lugar suas comunidades, com infraestrutura e certo bem-estar social.

O período que começa em meados do século 18 é caracterizado como a primeira fase de prosperidade e diferenciação da cultura judaica na região. Naquela época, o famoso e influente rabino Elijahu, chamado de "o grande gaon de Vilnius", era uma autoridade inquestionável em questões religiosas.

Por outro lado, surgia também o movimento haskala (esclarecimento), calcado em exemplos da Europa Ocidental, sob a influência do filósofo alemão Moses Mendelssohn. O movimento defendia um judaísmo moderno, uma educação secular e a integração social. E havia hostilidades e conflitos entre essas duas frentes.
Sinais do passado: escritos em hebraico na fachada de uma casa

A "Jerusalém do norte"

Ao mesmo tempo, porém, foi se desenvolvendo na região até o início do século 20 uma rica cultura judaica, que se manifestava nas diversas instituições científicas, políticas e de ensino, em centros religiosos, teatros, editoras e jornais.

Com suas 110 sinagogas, Vilnius se transformava na "Jerusalém do norte" – uma metrópole esplêndida, que exercia um fascínio sobre as pessoas para muito além das fronteiras da própria Lituânia, atraindo judeus de outros países europeus, inclusive dos de língua alemã.
Pátio de um antigo gueto

Em 1925, foi fundado o Instituto YIVO ( a abreviatura em ídiche para Instituto Científico de Ídiche), voltado para a pesquisa da cultura e língua judaicas. Pois o ídiche era a língua materna dos judeus da Lituânia: um idioma criado a partir da união do alto alemão médio (Mittelhochdeutsch) com o hebraico, línguas eslavas e outras influências, que era falado por todos os lados no Leste Europeu até a Segunda Guerra Mundial.

Grandes poetas como Abraham Sutzkever, Scholem Alejchem, Isaac Bashevis Singer e muitos outros escreviam em ídiche. Em 1928, havia até mesmo um PEN Club de escritores judeus em Vilnius.

Única sinagoga que restou das 110 do passado em Vilnius

Ídiche: língua culta

O ídiche escrito em alfabeto hebraico é um produto da história milenar dos judeus na Europa, diz o professor argentino Avraham Lichtenbaum: "Era uma língua europeia, que despertava orgulho e era falada em diversos países. Quem quer hoje saber como pensavam os judeus naquela época, precisa conhecer esse idioma", diz ele. Lichtenbaum, cujos antepassados emigraram da Alemanha para a Argentina, dá aulas de ídiche em Vilnius e em Buenos Aires.

Vilnius era, portanto, a capital exuberante de uma Lituânia que abrigava o centro cultural do judaísmo europeu e onde viviam 250 mil judeus. Dali saíram diversos artistas importantes, que se espalharam mais tarde pelo mundo. Entre eles o violinista Jascha Heifetz, o pintor Chaim Soutine, o escultor Jacques Lipschitz, e também Ludwig Zamenhof, criador do esperanto, bem como o lingista Max Weinreich e diversos pesquisadores do ídiche – todos responsáveis pelo desenvolvimento da cultura europeia, apesar das adversidades históricas e políticas que tiveram de enfrentar no decorrer dos séculos.

Extermínio e recomeço

A catástrofe começou em junho de 1941, com a ocupação alemã, quando foram criados guetos em Vilnius, Kaunas e em outras regiões. Começaram as caçadas aos judeus, prisões, torturas, trabalhos forçados. Em grande estilo, a SS e a Wehrmacht planejaram a morte e execução de milhares de pessoas nas ruas ou em lugares destinados a fuzilamentos em massa.

Em muitos casos, o horror teve a ajuda de colaboradores lituanos. O saldo foi de apenas 5% de sobreviventes entre os litvaks, como os judeus lituanos se denominam. Em meados de 1944, com a entrada do Exército Vermelho no país, a Lituânia havia se transformado num mar de valas comuns.
Em Paneriai, 10 mil judeus foram assassinados

Hoje, vivem no país aproximadamente cinco mil judeus, a maioria deles já idosos, sobreviventes do Holocausto, e seus descendentes. As comunidades judaicas, fundadas novamente, têm problemas em angariar membros.

Jovens como a fotógrafa Isaiah Urken são uma raridade: "Não sou muito religiosa, mas conheço as tradições e tento me ater a algumas regras", diz ela. Ela conta que muitos de seus amigos judeus se mudaram para o exterior, em busca de uma vida melhor.

Dois pesos: passados nazista e soviético

Os dois passados da Lituânia dificultam o discurso histórico: depois de 1945, com o fim da Segunda Guerra, 10 mil lituanos (judeus e não judeus) foram vítimas do regime soviético. Para muitos habitantes do país hoje, não é óbvia a obrigação de falar sobre o extermínio do povo judeu no país e de dar ao assunto um lugar na memória coletiva.

Um pequeno museu lembra o genocídio. O moderno centro, com suas instalações claras, volta-se, com exposições e ofertas didáticas, para as novas gerações. O tema ao menos é tratado nas escolas do país e em conferências científicas.

Cemitério judaico de Vilnius: luto pelos horrores do passado

O cemitério judaico de Vilnius é um lugar silencioso, onde às vezes se ouve inglês, francês ou hebraico, pois os descendentes dos litvaks costumam visitar os túmulos de seus antepassados. Emanuel Zingeris lamenta, contudo, não apenas o passado. "Depois do Holocausto, a decadência da cultura judaica é a segunda grande perda. Apesar disso, gostaria que essa cultura importante e rica se tornasse novamente visível, tanto hoje, quanto no futuro", diz.

Autora: Cornelia Rabitz (sv)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Fonte: Deutsche Welle (Alemanha)
http://www.dw.de/judeus-na-litu%C3%A2nia-o-fim-de-uma-espl%C3%AAndida-cultura/a-16621150

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget