terça-feira, 21 de abril de 2015

O "Mises Daily" e a negação do Holocausto

Desde 2003, um certo cavalheiro vem publicando artigos no Mises Daily, que é um diário (newsletter) com artigos do Ludwig von Mises Institute (LMI), que atinge cerca de 40.000 pessoas por dia de acordo com o "Sobre" da página do LMI (sigla do instituto). Aqui está a lista de seus artigos no Mises Daily [Screenshot]. O Daily e seus assinantes não foram avisados de que esta pessoa começou uma carreira paralela na Internet como negador do Holocausto.

Este mês, o relatório do negacionista do Holocausto, Bradley R. Smith, publicou um artigo dele intitulado "Free-Riding on the Juggernaut of Conscience" (O parasitismo no Rolo Compressor da Consciência), que defende, sem citar quaisquer fontes, que, dessas pessoas que alegam ser sobreviventes ou parentes de sobreviventes do Holocausto, "a proporção de merecimento ... é minúscula." E ele prevê que
... apesar da forte saúde do Rolo Compressor e da capacidade ilimitada para sua expansão, um câncer está virando uma metástase e um dia vai quebrar seus eixos, quebrar sua sustentação e o conduzir a uma parada catastrófica súbita no centro de uma multidão, que de repente perceberá o quanto foi crédula em relação a essas pessoas por muitos anos, e de que eles têm montantes muito grandes de uma parte do que seria hoje seu próprio tesouro, além da decepção inercial da multidão sobre o Rolo Compressor e seus agora pilotos destroçados.
E conclui:
E quando a parada finalmente ocorrer, e os caronas forem jogados pela estrada entre seus antigos adoradores, aqueles que sentirem os impulsos de vingança contra qualquer um deles terão um conforto em saber que nenhum deles nunca pagou de forma alguma por seu passeio alto e poderoso, a bordo do Rolo Compressor da Consciência.
Quem é o autor desta luta livre com seus estereótipos ofensivos sobre massas de judeus parasitas?

Vejam seus perfis na Amazon [screenshot] e na Wikipedia [Screenshot], comparem os endereços de email. Ele afirma na crítica da Amazon [screenshot] que
Assim como a fumigação de roupas com gás cianeto para aliviar epidemias de tifo deu origem a acusações da realização de gaseamentos homicidas em Auschwitz, a inoculação por prisioneiros em Andersonville contra a varíola produziu encargos de que a vacina nocional foi usada para matar seus destinatários. Assim como os processos destinados à implicação de Hitler em ordenar o extermínio de populações de campos de concentração, foi secretamente oferecida a Wirz clemência se ele implicasse Jefferson Davis, presidente da Confederação, em um suposto programa de assassinar prisioneiros da guerra da União.
Ele expandiu seu "argumento" em um longo trecho de Outubro de 2009 chamado "The Last Casualty is Never Buried" (O último desastre nunca é enterrado) que pode ser encontrado em sua página no Scribd, na qual ele afirma:
"Zyklon B" é de fato o nome comercial do fumigante feito para tais fins na Alemanha desde muito antes da Segunda Guerra Mundial, quando foi ocasionalmente importado para uso nos Estados Unidos, entre outros países. Apesar da inadequação de um fumigante para fins de matar pessoas, as memórias de Hoss relatam sua ampla utilização para esse fim. É possível que Höss, ciente da prevalência e popularidade do rumor entre seus captores, comprometeu-se a apoiar a história em suas memórias, mesmo que apenas para ganhar uma curta trégua em sua sentença de morte iminente. Também é possível que esses trechos de suas memórias tenham sido escritos ou ditados por outra pessoa; Höss estava inegavelmente e totalmente à mercê dos seus captores determinados e vingativos. De qualquer forma, Höss foi executado pelo uso de um produto que havia sido introduzido no campo, pelo menos inicialmente, para aliviar a morte e sofrimento entre os presos.
Ele também postou extensivamente o negacionismo do Holocausto na página de discussão da Amazon. Ele afirma lá [screenshot] que o verdadeiro número de mortos do Holocausto é de 1.723.433. Ele também edita regularmente páginas da Wikipédia sobre luminares como David McCalden e David Irving, e também fez uma tentativa frustrada de ter a página da Wikipédia de David Cole reintegrada.

Parece que ele é apenas mais uma pessoa de ascendência germânica, cuja incapacidade de aceitar o resultado da Segunda Guerra Mundial levou-o a abraçar negação. O fato é que ele esperou até atingir a idade de 65 para 'vir a público' com essas crenças, o que não as torna menos condenáveis. Temos certeza de que o Mises Daily e seus leitores chegarão à mesma conclusão.

Não temos nenhum desejo de restringir seu direito de postar suas opiniões de negação do Holocausto e velados ataques ad hominem a judeus (basta prestar atenção no futuro sobre seus 'impulsos vingativos' sendo expressos contra eles) no CODOH ou em qualquer outro lugar, mas acreditamos que os assinantes do Mises Daily tem o direito de fazer escolhas informadas sobre quais os autores que recebem em suas caixas de e-mails.

Fonte: Holocaust Controversies
http://holocaustcontroversies.blogspot.com/2010/01/mises-daily-columnist-is-holocaust.html
Texto: Jonathan Harrison
Título original: "Mises Daily" and HD
Tradução: Roberto Lucena

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget