terça-feira, 9 de junho de 2015

Sobre Ben Abraham e o video do debate da TV Bandeirantes

A quem não acompanhou ou leu a discussão, vale a pena dar uma olhada nessa discussão abaixo (basta clicar no título do post) na caixa de comentários de um post sobre um impostor espanhol que se fazia passar por sobrevivente do Holocausto como perseguido político do franquismo. Pra quem não conhece a história da parte espanhola nesse "latifúndio", vários espanhóis republicanos (de esquerda), foram enviados/deportados pra campos de concentração pelo franquismo ou mais precisamente via França (vários fugiram pra França e foram pegos pelo regime de Vichy), (houve uma guerra civil na Espanha com pelo menos 500 mil mortos) e vários desses deportados que sobreviveram à guerra civil morreram nesses campos (cerca de 5 mil), com destaque pro campo de Mauthausen-Gusen na Áustria:
"O espanhol que se dizia sobrevivente do Holocausto, mas foi desmascarado"

A discussão saiu do contexto espanhol pra resvalar numa figura conhecida no Brasil que é a do Ben Abraham.

O João Lima (que comenta no post) comparou a figura do espanhol Enric Marco (o espanhol impostor) com a do Ben Abraham alegando que são impostores. Então tive que fazer uma ressalva comentando que não são casos parecidos.

Mas aproveito pra comentar essa questão do Ben Abraham de uma vez pois não quero retornar mais a esse assunto, porque apesar de nunca ter feito post sobre essa questão dele eu já comentei várias vezes o que penso sobre esse vídeo dele em discussões com "revisionistas" e é irritante ter que repetir tudo de novo pela enésima vez, então é melhor colocar tudo num post a ter que repetir a mesma coisa várias vezes. O fato de não se ter o registro do comentário (até porque a maior parte disso ficou no Orkut e o Orkut foi liquidado pelo Google que deve ter todo o conteúdo daquela rede arquivado) dá margem pra alguém sair alegando isso ou aquilo sem que ninguém tenha feito defesa dessas pessoas ou dito o que pensa sobre essas figuras e dos relatos.

O problema central com a figura do Ben Abraham vem de dois vídeos que mostram ele entrando em contradição (os vídeos estão editados em um só, chequem no link), embora uma das alegações de contradição não chega a ser (comento abaixo), todas as contradições foram tiradas de um debate na TV Bandeirantes (ou Band, como chamam hoje), de 1989, onde ele diz que passou cinco anos e meio em Auschwitz e noutro vídeo, de uma entrevista da TV Educativa de Porto Alegre, ele comenta que passou apenas duas semanas neste campo de extermínio, seguido do "sarcasmo" filonazi do S.E. Castan (já falecido).

A segunda contradição apontada pela edição dos vídeos é que ele fala que foram jogadas cápsulas de cianureto (cianeto, Zyklon-B) no trecho da Bandeirantes, e na TV de Porto Alegre ele fala que o gás saem de chuveiros na câmara de gás fechada, e novamente o S.E. Castan solta o "sarcasmo" dele repetindo uma bobagem sobre a Polônia.

Antes de ir pra questão dos cinco anos e meio de Auschwitz, a quem quiser saber como uma câmara de gás funcionava, sugiro lerem o texto abaixo (tradução) do The Holocaust History Project sobre as colunas Kula. De fato a descrição feita pelo Ben Abraham não está incorreta, as pastilhas ou cápsulas de Zyklon-B (cianeto) eram colocadas acima e o gás entrava na câmara como um "chuveiro" (a câmara obviamente lacrada pra ninguém fora inalar o gás), confiram o texto:
Colunas de Zyklon - coluna Kula (Câmaras de Gás)

Ou seja, a tal 'segunda contradição' não é tão contradição assim. Alguém acha que é algo complexo usar este método pra matar pessoas num local totalmente fechado com um gás altamente letal? Disso o Castan não tirou sarcasmo.

No vídeo do trecho da Band aparece mais abobrinhas ditas por um integralista, e aparece outro neofascista (neofascismo) de nome Armando Zanine (presumo que seja esse). O integralista cita o livro do Castan "Acabou o gás" (aparece a capa do livro) que nada mais é que uma cópia do Relatório Leuchter traduzida pro português:
Tag Relatório Leuchter

Só um adendo que já fiz nos comentários: os trechos do debate da Bandeirantes foram picotados, não subiram o debate inteiro quando deveriam subir por completo se o possuem gravado, pois, apesar do programa ser sensacionalista ao extremo (como quase toda programação de TV desse país), tirar conclusão de um debate só por trechos picotados é no mínimo "brincadeira".

O contexto político do país na época era de que o Brasil havia começado a redemocratização há apenas 4 anos (em 1985) e havia uma eleição altamente polarizada com Collor dum lado (representando a direita) e Lula e Brizola do outro (representando as forças de esquerda), eleição que foi a segundo turno com a disputa Collor e Lula onde o Collor foi eleito. Foi provavelmente a primeira vez que deram destaque a esse grupo negacionista no país. A Bandeirantes, a meu ver de forma irresponsável só pensando em audiência, deu margem a isso ignorando a problemática em torno desses grupos.

Mas voltando ao assunto, o Ben Abraham entra mesmo em contradição no primeiro ponto sobre o tempo em Auschwitz, não há o que negar ou "chorar" sobre isso, está gravado pra quem quiser ver. A segunda afirmação dele de que esteve por duas semanas é que é a correta pois entrar em Auschwitz em 1940 ou antes e sair vivo seria bem 'complicado', até porque o campo foi aberto em maio de 1940 e quem entrou primeiro no campo I foram prisioneiros políticos.

Como dito acima, Auschwitz foi aberto em maio de 1940 pra prisioneiros políticos, o campo de Auschwitz I. Auschwitz é dividido em 3 partes (ou campos) e mais 45 campos satélites, os principais são os 3 campos que recebem o nome de Auschwitz. O extermínio propriamente dito só começa em 1941 em Birkenau ou Auschwitz II, conhecido também como Auschwitz-Birkenau que é o campo de extermínio propriamente dito.

Auschwitz III ou Monowitz-Buna serviu como campo de trabalho escravo pra IG Farben, complexo industrial químico (maior empresa química da Europa na época, e talvez do mundo, estou citando de memória).

O que disse num dos comentários (que não é nem ideia nova já que esse assunto é bem antigo e os "revis" citam o nome do Ben Abraham como disco arranhado) é de que não dá pra entender a postura de entidades que deveriam cuidar disso com completo descaso com essas coisas, entidades como a CONIB etc. Em vez de se preocuparem com isso ficam mais preocupadas (neuróticas) com conflitos no Oriente Médio e uma ideia fixa com Israel. E essa questão da segunda guerra, pra elas, é tratada como algo secundário (na melhor das hipóteses) enquanto que fora do país há várias entidades que cuidam disso com bastante atenção.

Há tempo que percebo isso e toda vez que alguém, indevidamente, vem cobrar que a gente tome posição "X" ou "Y" sobre coisas que só dizem respeito a essas entidades, a resposta é essa: cobrem delas, falem com elas.

Estão pedindo demais dos outros e menos de quem deveria ter mais atenção (e recursos) com a coisa por envolver diretamente a questão judaica, embora a questão do genocídio não fique circunscrita à comunidade judaica (por isso que o tema é amplamente discutido, pois resvala sempre na questão do racismo e preconceito). O assunto nazismo e segunda guerra é muito abrangente, mas este cuidado em particular de testemunhas deveria receber uma atenção melhor dessas entidades ou grupos que cuidam disso.

É algo relativamente fácil de se resolver, bastaria alguém entrar em contato com ele (o quanto antes pois ele está em idade avançada) e tirar a dúvida (gravar um vídeo) sobre as afirmações. Fim de problema. Encerrava-se a "dúvida" levantada pelo negacionista já falecido Castan que aparece nos vídeos editados com o "sarcasmo" dele. E já devem ter visto os vídeos.

No frigir dos ovos ficará o dito pelo não dito com os vídeos gravados se não houver qualquer pronunciamento (e registro) da pessoa sobre esses erros.

E sim, isso é um problema, pois quando ele morrer o que valerá é o que está gravado pros mais "céticos" ("céticos" entre aspas é referente a quem tem uma cisma fora do comum com o assunto), pois mesmo que você demonstre o erro e qual a afirmação certa irão contestar. Algo simples de resolver mas não fazem nada.

Como já disse acima, eu tenho uma opinião sobre esse descaso, eu acho que a falta de ação sobre se coletar um simples relato é desleixo e desinteresse mesmo, mas os "revis" vão alegar que não gravaram nada porque ele está mentido (e que sabiam disso e ficaram com medo de rebater) e que todo o relato do Holocausto é feito por mentirosos e o bla bla bla enfadonho deles. É assim que eles acusam, e estão dando margem a isso com o desleixo.

Por essa razão e outras eu não uso relatos do Ben Abraham. Não uso e nem vou usar.

No blog só há uma matéria com o Ben Abahram na Folha de SP, com um relato, publicado há muito tempo (2008) quando não se tinha muita atenção com esses problemas. O Castan alega que o Ben Abraham é o que mais divulga o Holocausto no Brasil, eu mesmo não havia ouvido falar dele por isso (só notei que era a pessoa revendo o vídeo) que acho curiosas essas alegações "revisionistas".

Fora que eu removi quase todas as matérias da Folha de SP do blog depois daquela defesa ridícula (uma matéria cretina, patética) que este jornal fez (abriu espaço) daquela Mayara Petruso depois daquela confusão de 2010 pós-eleição. Inclusive essa matéria valeria um post.

Eu não publico uma vírgula sequer deste jornal depois deste episódio e de todos a mídia que segue a linha deste jornal, exceto se for pra criticar alguma coisa deles. Só não removi todas as matérias já postadas da Folha de SP pra não amputar o blog (teve umas matérias, poucas, que não deu pra substituir, mas não gosto disso por isso evito cortar mas abro exceções), mas no que foi possível eu troquei a matéria do jornal por tradução de alguma matéria estrangeira ou de Portugal, mas a vontade que dá é de remover até o que não deu pra cortar.

Voltando ao tema de novo, fora do Brasil o escrutínio com essas testemunhas do Holocausto é muito maior, existe um rigor, não precisa um blog ou site apontar o problema pra que grupos que cuidam disso (como o USHMM e outros) verifiquem o problema e apontem erros e não sejam rechaçados de forma leviana por fazerem isso.

Eu disse nos comentários que havia mais erros dele, e esse os "revis" nunca comentaram, pelo menos nunca vi. Citarei pela primeira vez abaixo (pelo menos no blog já que apontei isso no Orkut).

A TV Globo uma vez passou um episódio de um programa policial (que programação horrível, o bizarro é que o povo no país só fica sabendo das coisas se essa emissora passar, não existe comportamento parecido a esse em país algum do mundo) sobre a figura do Mengele. Consegui achar o vídeo: Linha Direta.

Pois bem, no vídeo o Ben Abraham é convidado a comentar e dá mais bolas fora alegando que o Mengele fugiu pros Estados Unidos e não morreu no Brasil, sem apontar prova alguma. Não lembro de mais coisa do vídeo, mas lembro nitidamente dessa. Ou seja, todas as provas colhidas que mostram que o "Anjo da Morte" de Auschwitz (Mengele) morreu no interior de São Paulo, afogado, são deixadas de lado por uma afirmação sem prova alguma de que ele fugiu que só dá pano pra manga pra negacionistas fazerem a festa. Eu não sei como os negacionistas não notaram isso já que ficam vidrados/alucinados com qualquer tema sobre nazismo e judeus.

Podem notar que a exclusão dos relatos do Ben Abraham não é por má vontade mas é que seria irresponsável, inconsequente, colocar depoimentos de uma pessoa que uma hora diz uma coisa e noutra diz outra sem qualquer crítica aos erros gravada, fora as alegações desqualificando a versão apontada pela polícia de que o Mengele havia de fato morrido no Brasil sem apontar prova alguma que demonstre que isso é falso.

Eu acho bizarro que nenhum departamento de Universidade do Brasil que cuide disse se pronuncie sobre essas questões, acho bizarro que nenhuma entidade que cuide da memória disso no país tenha cuidado ou escrutínio com esses relatos, o descaso é total, é simplesmente absurdo a forma como lidam com esse assunto, ao ponto deu dizer (ou torcer) que é melhor que nem discutam isso no país pra não sair besteira porque a maioria não lê nada ou quando lê, são aquelas besteiras rasas reproduzidas em algum site ou revista de quinta como a Veja ou outra publicação do tipo também publicando bobagem, ou a discussão rasa pautada num emocionalismo que remonta a guerra fria, cheio de tabus sobre o racismo no Brasil e esses grupos de extrema-direita.

Faz tempo que eu gostaria de pegar posts antigos ou questões antigas e comentar erros nos textos, esse foi o primeiro. E deve ter muitos outros, por exemplo, o da Ustasha que inclusive estou devendo um post no Holocaust Controversies com as correções do primeiro texto que publiquei sobre ela.

7 comentários:

João P. Santos disse...

Gostei do esclarecimento. No orkut os revisionistas citavam o Ben Abraham como prova de picaretagem e sempre usavam este vídeo. Concordo com o texto por esclarecer as acusações que eles fazem. O descaso citado destas instituições no Brasil também ocorre, além de haver uma militância radical a favor de Israel muito ignorante ou composta por fundamentalistas evangélicos que travam qualquer discussão, quando não fazem ameaças.

Roberto disse...

João, quanto ao Ben Abraham e outros (tem post também sobre o Elie Wiesel), como eu comentei no texto, eu não cito ou uso essas pessoas como referências, por isso não entendo a persistência dos "revis" em citar essas figuras como prova de que "não houve Holocausto" quando o alcance do Ben Abraham se restringe ao Brasil ou às vezes nem isso pois mal passam mais documentários ou vídeos sobre o genocídio da segunda guerra e da própria segunda guerra na TV brasileira.

O descaso que eu mencionei ocorre há tempo, e ocorre justamente por darem uma atenção desmedida ao conflito do Oriente Médio ignorando a realidade política do país e do mundo. E há problema ideológico também na questão, boa parte da comunidade judaica brasileira (e dos ditos crentes fundamentalistas que fazem defesa de Israel por crendices religiosas colocadas por pastores) se alinha à direita. Até aí nada demais (opção) se não fosse o caso do sectarismo de direita que rola no país e o tendenciosismo em discutir esse tipo de assunto por esse viés. Automaticamente quem não se alinha a essa corrente liberaloide datada da guerra fria com aqueles clichês olavéticos não quer saber de discussão com esse pessoal.

O que vc disse procede, esses grupos pró-Israel (como eu chamo) geralmente são bem rasos nessas discussões e prepotentes, não costumam levar em consideração o que a gente comenta, o que me dá o mesmo direito de tb não levá-los a sério em qualquer tipo de discussão.

Se já observou alguns sites "revis" lusófonos, sempre aparecem fakes com esse tipo de discurso batendo boca com "revis", o hilário é alguns deles insinuarem que esse bando de fakes olavetes seja da gente quando já fiz mais de um post criticando essas pessoas com fakes discutindo besteira com eles. Ficam contemporizando com "revis".

João Lima disse...

não é questão de negacionismo! Ben Abraham mentiu na cara dura! Farsantes que nem eles só vai dar moral aos "revis". reveja o video... Ben falou de botijão de gás (lapsus linguae), capsulas e chuveiros...
E mais... existem muitos farsantes que se dizem sobreviventes! Aliás... vários foram presos !
http://www.haaretz.com/jewish-world/fbi-arrests-17-for-defrauding-u-s-holocaust-fund-1.323840

ah... o integralista (Anésio Lara) no programa da Band é irmão paterno de Eduardo Suplicy !

Roberto disse...

João (2), pra distinguir do outro João, sim, há farsantes que se passam por sobreviventes, é uma denúncia mais que válida pois esse tipo de conduta dá força aos ditos negacionistas, só que o Bren Abrahan cria até um problema maior, pois ele aparenta de fato ser sobrevivente mas a história dele fica confusa com essas duas versões que ele comenta nos vídeos, sem fazer um vídeo definitivo que comente isso.

Outro problema é a postura dessas entidades judaicas no Brasil, a maioria não tem rigor com esse tipo de problema (ao contrário das de fora) e fazem de conta que não existe o problema. Depois o povo espalha esses vídeos, fica o dito pelo não dito pois obviamente ele mentiu no programa da Bandeirantes, fora outros erros que apontei no post e outros que devem existir pois nunca li livro dele.

É um problema parecido com o Elie Wiesel, o livro dele premiado é uma catástrofe (sem trocadilho), no sentido de que "revis" fariam a festa com o livro se quisessem, e posa como "autoridade" "representando" sobreviventes, fora a mistura que ele faz disso com questões do conflito Israel-Palestina, o que torna a postura política dele algo inconveniente no que toca a memória da segunda guerra.

Roberto disse...

"ah... o integralista (Anésio Lara) no programa da Band é irmão paterno de Eduardo Suplicy !"

Não seria o tal Zanoni (não lembro do primeiro nome dele)o primo do Suplicy? Tem dois no programa da Band, o Lara e o Zanoni discutindo, esse último nem sei se tá vivo.

João Lima disse...

http://historia-do-prp.blogspot.com.br/2012/09/dr-anesio-campos-lara-junior-in-memoriam.html
"... o falecimento do meio-irmão mais velho do Senador Eduardo Suplicy, Dr. Anésio Campos Lara Junior, ocorrido no dia 12 de julho de 2012, na cidade de São Paulo - SP. Nascido no dia 26 de maio de 1929"

Roberto disse...

Obrigado pelo link. Minha dúvida vem desde o Orkut pois tocaram nesse assunto lá, só que eu achava que o irmão do Suplicy era o tal Zanoni (o outro que aparece no debate da Bandeirantes, apesar de não terem subido o vídeo inteiro do debate). Esse Anésio Lara parece que aparece (citando de memória) no documentário do Documento Especial "Cultura do Ódio" que coloquei no blog (os links). Esperar pra ver se o canal que abriram com os vídeos do Documento Especial original sobe o vídeo inteiro sem os cortes de comercial da cópia que subiram.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget