quinta-feira, 14 de abril de 2016

Estrangeiros descobrem que Globo ameaça a democracia; blindagem garante domínio dos Marinho sobre opinião e espaço públicos

A quem quiser ler o texto diretamente sem essa "introdução" (comentário), pode pular pra parte abaixo da linha que separa os textos. Assim não precisa deixar de ler o texto do Viomundo (que é o que interessa) pra ler esta parte, que é só um comentário breve (mas ficou longo de novo, posso colocá-lo num post à parte se eu notar que está atrapalhando a leitura do outro texto) mas que ficou "meio" extenso.

Peço desculpas mais uma vez pelo assunto abordado não ser diretamente ligado ao tema do blog, mas... como já comentei em um post passado, não tomar posição e fazer de conta que não está ocorrendo nada no país com um golpe de estado urdido por um corrupto mentecapto e psicopata como Eduardo Cunha, com o vice de enfeite (e maçom) Michel Temer, é endossar a escrotice dessa corja apoiada pela quadrilha do congresso nacional, blindada pela Rede Globo principalmente, emissora cabeça (maior aríete intelectual do golpe) do golpismo, sendo o Eduardo Cunha o articulador do golpe no congresso.

A quem quiser ler sobre o tema da segunda guerra, material não falta. São 1676 posts publicados sendo que a maioria absoluta é só sobre segunda guerra e genocídio da segunda guerra, fora os mais de 118 ebooks/PDFs disponíveis na parte de ebooks do blog, mais o ebook exclusivo do blog Holocaust Controversies sobre a Operação Reinhard. Ou seja, se o problema é a ausência de posts sobre Holocausto e cia (por motivos de força maior: a situação do país), há coisa demais para ser lida e revista, mais os ebooks e mais os blogs com temática da segunda guerra nos links do blog (um blog sensacional sobre filmes), e destaque pro blog do Daniel (A Vida no Front) e pro próprio Holocaust Controversies (em inglês) do Roberto Muehlenkamp, Nick Terry e demais pessoas do HC team.

Voltando ao assunto inicial, irei colocar abaixo uma matéria do Viomundo já que não foi possível eu elaborar um texto sobre a "Revolução Colorida" de 2013, e nem sei se há clima pra isso agora. Se der, eu faço, mas também não prometo.

A questão do golpe nunca foi o PT e sim a democracia e retrocessos sociais no país. Quem reduz tudo o que se passa (essa ofensiva contra a democracia do país, mesmo com todos os defeitos) a uma neurose sobre um partido: ou é trouxa, ou sabe porque repete este discurso (os golpistas sabem porque repetem isso, pra tirar proveito político disso) ou é completamente cretino. Cure-se enquanto é tempo, o que irá ocorrer domingo afetará o país nas próximas décadas, vocês das marchas na Av. Paulista ajudaram a criar tudo isso, são politicamente um dos principais culpados do que se passa. Não farei discurso "fofucho" como o G. Duvivier fez dizendo pra isentar de "culpa" esse pessoal "alienado" dessas marchas dizendo que são possivelmente mal informados (não estou conseguindo localizar o texto agora), isso não elimina ou atenua a cagada que fizeram, como o ataque frontal ao pré-Sal pela direita entreguista neoliberal do país. Eu não sou de passar a mão na cabeça do povo quando fazem besteira, nunca adotei o discurso "Lulinha paz e amor", sou bem duro nessa questão, se fizeram besteira, precisam assumir que fizeram ou deixar de maluquice (sectarismo).

Espero que haja um desfecho positivo sobre o que se passa no país com o golpe sendo barrado domingo, caso contrário, haverá resistência e os golpistas de um possível governo ilegítimo e golpista Temer-Cunha não terão sossego dia algum, nem seus apoiadores. Se querem jogar este país no caos terão que arcar com o ônus disso pra História. Apunhalar a democracia porque não conseguem eleger uma chapa que defenda pauta neoliberal (até porque o neoliberalismo provoca crises sociais mundo afora vide a maior crise social europeia desde a segunda guerra, e a própria crise nos EUA) é coisa de golpista e não merece respeito, tampouco reconhecimento (legitimidade). Passando ou não o golpismo, quem apoiou isto já tem a pecha de golpista pra sempre colada na testa e já entrou pra história como escória do país. O peso do termo golpista é pesado, mas vocês fizeram por merecer, não foram obrigados a apoiar isto, não venham chorar depois posando de "arrependidos", teleguiados da Globo.

Eu não estou criticando quem tenha críticas ao atual governo, eu mesmo tenho várias, e posso listar num post futuramente essas questões, uma delas, uma das críticas centrais, foi a aceitação daquele pimpolho tucano neoliberal na pasta do Ministério da Fazenda, o Joaquim Levy. Disparado foi quem pôs esse governo abaixo com o arrocho e cortes de tesoura dele, não fez nada além disso (fora a crise de confiança que criou) enquanto esteve no cargo, aceito de forma equivocada do governo aceitando passivamente o lobby que a Rede Globo pra esse pulha tucano Chicago Boy ser aceito no Ministério da Fazenda. O estrago está aí e os efeitos políticos idem, porque a Dilma na época não quis ouvir as críticas (só queria ceder à histeria dos reacionários da Av. Paulista insuflados pela Globo). Só que eu tenho crítica e eu votei neste governo, eu tenho direito de estar irritado e não aceito que um golpista que promoveu o caos atual pro golpe venha se "indignar" por mim por ela ter "me enganado", ela não me enganou, ela cometeu erro político sério porque ela não entendeu o que circundava o governo dela e não tem a mesma habilidade política do Lula, mas isto não justifica GOLPE de estado pra apeá-la do poder por capricho de um grupo que PERDEU eleição pra presidente em 2014, mesmo sendo vitoriosos no congresso com essa legião de bandidos que colocaram lá pra depois reclamar que a política no país "vai mal" (nem as divisões de poderes do Estado, e a força de cada uma, essas antas sabem quais são, em vez de ler pra saber ficam enchendo o saco na internet pregando "soluções mágicas" pra tudo com um simplismo de doer nos nervos).

Sem mais delongas, texto abaixo.
______________________________________________________________

Estrangeiros descobrem que Globo ameaça a democracia; blindagem garante domínio dos Marinho sobre opinião e espaço públicos

publicado em 14 de abril de 2016 às 00:24







Da Redação

A radiodifusão brasileira é regulamentada por uma lei de 1962, assinada pelo presidente João Goulart. Desde então, é a selva. Segundo a deputada Luiza Erundina (PSOL-SP), a selva favorece ao atuais radiodifusores, especialmente à Globo.

Não é, portanto, uma selva casual, já que na ausência de uma lei moderna a Globo faz o que quer. Se a legislação é desconexa, desatualizada, a Globo tem o poder de emplacar as mudanças administrativas ou mesmo legislativas que bem entende. Basta usar o poder de pressão que obteve graças aos favores recebidos durante a ditadura militar.

Neste sentido, a Globo é o maior dos entulhos autoritários que resta remover desde o fim formal da ditadura. A emissora reproduz, através de suas afiliadas locais, a coalizão de interesses econômicos que governa o Brasil desde 1964.

É o poder da Globo em relação ao Estado, sem qualquer tipo de controle, que permite à emissora usar espaço público para suas atividades sem pagar nada — das praias de Copacabana para os eventos de futebol de areia ao parque Ibirapuera para gravações de novela.

Em Nova York, a prefeitura cobra de emissoras de TV e produtoras de cinema todas as locações feitas nas ruas da cidade: da hora extra do policial ao eventual prejuízo dos comerciantes.

Livre de qualquer tipo de regulamentação, a Globo usa o poder de seu grupo — que inclui no mesmo mercado emissora de TV, jornal, portal e emissoras de rádio — para extorquir, ameaçar e “convencer” autoridades com mandato popular. Há vários exemplos:

1. Paula, herdeira da família Marinho, recebeu através do marido, como permissionária — sem concorrência pública — o estádio de remo em área nobre da cidade, adjacente à lagoa Rodrigo de Freitas, para montar cinemas, restaurantes e clube noturno; estava tudo formalmente em nome do marido, mas ela assinou um dos aditivos como fiadora e desfrutava de bens resultantes do contrato;

2. a Fundação Roberto Marinho administra museus construídos com dinheiro público, o que também faz em São Paulo no Pacaembu (Museu do Futebol) e na estação da Luz (Museu da Língua Portuguesa). Em todos os casos, a Globo entra apenas com a promoção. Os locais são públicos e o dinheiro para manutenção é levantado através da Lei Rouanet, ou seja, acaba saindo do bolso do contribuinte na forma de isenção fiscal;

3. Através de relação carnal com a CBF, a Globo tem controle dos direitos de transmissão dos principais eventos do futebol brasileiro e da FIFA, numa relação desenvolvida ao longo de décadas com dirigentes como Ricardo Teixeira, João Havelange e outros, todos implicados em escândalos que foram ou estão sob investigação de autoridades da Suiça e dos Estados Unidos.

4. No Rio, conforme denunciado pelo candidato a prefeito Marcelo Freixo, o modelo de ocupação do espaço público segue os princípios gerais da TV Globo: um modelo autoritário de cidade. Militarização das favelas, que atende ao projeto de estender os serviços de TV a cabo da emissora aos morros e grandes projetos privados financiados com dinheiro público, como o Porto Maravilha, onde fica o Museu do Amanhã, administrado pela Fundação Roberto Marinho. Em São Paulo, depois de construir seu prédio na avenida Berrini, a emissora conseguiu acelerar a construção de uma obra de prioridade duvidosa, a ponte Octávio Frias de Oliveira sobre o rio Pinheiros, com o objetivo de usá-la como backdrop para seu estúdio envidraçado.

A ponte que teve construção acelerada para servir de cenário, a herdeira blindada e um dos museus que a Globo controla no Rio: dona do espaço construído com dinheiro público, tudo mantido com isenção fiscal
No plano mais geral da política, a Globo atua como o principal partido de oposição, filtrando seu noticiário de acordo com os interesses dos maiores bilionários do Brasil — os irmãos Marinho. Tais interesses são subordinados aos objetivos mais gerais da política externa dos Estados Unidos: privatização de bens públicos a preço de banana para investidores estrangeiros, entrega do patrimônio nacional para exploração pelo capital internacional — das minas de ferro de Carajás ao pré-sal — dominação do campo pelas empresas multinacionais — curiosamente, a Globo integra uma associação do agronegócio!

De outra parte, a política editorial da emissora criminaliza aqueles que se opõem a seus interesses, o que resulta em críticas constantes, distorcidas e infundadas à esquerda e aos movimentos sociais em geral e a líderes específicos que discordem de seus objetivos: de Leonel Brizola a João Pedro Stédile, do MST, do ex-presidente Lula ao deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

O conluio com outros donos de meios de comunicação, que jogam um papel subordinado ou têm negócios em sociedade com os Marinho, garante blindagem quase absoluta à emissora na mídia.

Para tratar apenas de três casos da atualidade:

1. Passou quase batido pelo noticiário o fato de que a Globo foi denunciada pela Receita Federal como autora de uma manobra para sonegar impostos no Brasil através da criação de uma empresa de papel nas ilhas Virgens Britânicas, a Empire. Os Marinho, sempre segundo inspetor da Receita, simularam investimento externo na empresa, que em seguida foi desmontada, com o capital transferido para a compra de direitos de transmissão. Isso resultou em multa de mais de R$ 600 milhões por sonegação de impostos no Brasil através de artifício contábil. O processo desapareceu de dentro de uma sede da Receita no Rio de Janeiro, o que retardou ação que poderia resultar em denúncia criminal dos Marinho — segundo nossas fontes, eles pagaram a multa que ascendeu a cerca de R$ 1 bilhão.

2. Embora não tenham sido citados na contabilidade paralela da empreiteira Odebrecht, os irmãos Marinho deixaram de noticiar em detalhes a existência de contribuições de campanha a seus aliados políticos. As justificativas: “faltaria tempo” no Jornal Nacional e era impossível determinar exatamente quais pagamentos tinham sido ilegais. No entanto, este mesmo cuidado nunca foi observado quando se tratava de delações que comprometiam o PT, Lula ou a presidente Dilma. O grampo entre Dilma e Lula, captado ilegalmente, foi reproduzido no mesmo Jornal Nacional sem qualquer tipo de observação que poderia macular seu conteúdo.

3. A neta xodó de Roberto Marinho, Paula, filha de João Roberto Marinho, teve o nome diretamente associado a três empresas offshore criadas pela panamenha Mossack-Fonseca. Paula, pelas anotações, teria pago taxas de manutenção das empresas Vaincre LLC, Juste International e A Plus Holdings. Os documentos, apreendidos no escritório da Mossack em São Paulo, nunca foram avaliados ou divulgados pela mídia corporativa. A família Marinho diz que Paula não tinha relação com as empresas, que pertenciam ao marido dela, Alexandre Chiappetta Azevedo. Porém, a investigação segue sem que haja vazamentos como aqueles que acompanharam outras investigações da Lava Jato. O juiz Sérgio Moro, herói promovido pela Globo, remeteu os dados da apreensão para análise do Supremo Tribunal Federal (STF), sem que se tenha determinado que as empresas pertencessem a pessoas com foro privilegiado.

Tal é o poder da Globo!

Fonte: Viomundo
http://www.viomundo.com.br/denuncias/estrangeiros-descobrem-que-a-globo-ameaca-a-democracia-blindagem-de-parceiros-da-midia-garante-queda-lenta-da-ficha-no-brasil.html

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget