quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Timothy Ryback - A Biblioteca de Hitler

"Os livros foram fundamentais para a sua vida e o seu pensamento", afirma Timothy Ryback, autor de "A Biblioteca Privada de Hitler"*, editado entre nós pela Civilização. Apesar de ter dado ordens para queimar milhões de obras, o líder nazista tinha uma biblioteca própria de fazer inveja a qualquer coleccionador, com cerca de 16 mil títulos. De salientar que Adolf era um profundo admirador do inglês William Shakespeare, mais do que os compatriotas Johann Wolfgang von Goethe e Friedrich Schiller, dois nomes de sempre das letras germânicas.

Ryback assegura que a frase que Hitler mais admirava da obra de Shakespeare era o "Ser ou não ser", de Hamlet, embora a obra que mais apreciava fosse Júlio César. "Ele chegou a fazer esboços para uma encenação para o Acto I", assegura o autor, que desvenda no seu livro a incrível variedade de géneros literários da biblioteca particular de Hitler. A admiração por Shakespeare, apesar de parecer contraditória, é justificada:

"A raça esteve sempre na base do pensamento e nos actos de Hitler. Ele considerava o Inglês como parte da Raça Nórdica. Portanto, Shakespeare cabia confortavelmente na sua visão do Mundo."

Por isso, não é de estranhar que na biblioteca de Hitler esteja por exemplo a tradução alemã de "The Passing of the Great Race"(O Declínio das Grandes Raças), de Madison Grant, um pensador norte-americano racista que desenvolveu a sua própria teoria da superioridade da raça nórdica.

"Hitler chamou este livro de 'A minha Bíblia'", revela Ryback, que, através das notas e reflexões que escreveu nas margens dos seus livros, conclui que Hitler "era um homem de uma capacidade intelectual superficial que se afundou em livros mais para lhes roubar ideias do que propriamente para o seu enriquecimento e aprendizagem".

Por exemplo, um dos últimos livros lidos por Hitler antes do seu suicídio no bunker foi uma biografia de Friedrich II, "O Grande", Rei da Prússia (1772-1786). "Ele foi salvo da derrota militar devido a um milagre político. Hitler esperava um milagre semelhante, mas este nunca aconteceu", refere Ryback, que garante que o líder nazista foi um "leitor e coleccionador voraz", embora não confirme que o ditador tenha lido "um livro por noite durante grande parte da sua vida adulta", como na altura afirmou.

"No momento em que ele morreu, a sua biblioteca particular continha mais de 16.000 livros."

Devido a sua escolaridade incompleta, Ryback não acredita que Hitler tenha lido "todas" as grandes obras da literatura mundial, principalmente porque o líder nazista "tinha uma capacidade limitada de distinguir a grande literatura da trivial".

Para escrever "A Biblioteca Privada de Hitler", o historiador levou seis anos da sua vida num périplo entre a Europa e a América. Mas isso foi suficiente pare ver apenas um terço da colecção, "já que uma grande parte da biblioteca está em Moscovo, que continua à espera de ser descoberta". Nesta viagem literária, Ryback confessa que ficou surpreso por ter situado muitos dos livros da biblioteca de Hitler a momentos específicos da sua vida e carreira. "O livro mais velho é datado de 1915, quando Hitler tinha 26 anos e era apenas um soldado. O último foi no seu bunker, em Berlim, em 1945".

Nessa biblioteca com mais de 16 mil títulos entre 1915 e 1945 encontramos por exemplo "Dom Quixote de la Mancha", "Robinson Crusoe" ou "As Viagens de Gulliver". Como afirma Ryback, livros que definem a personalidade de um homem marcante na história da humanidade.

"Uma vez Hitler disse: "Quando uma pessoa dá, eles têm de aceitar. Eu tiro o que é preciso dos livros". Neste caso, podemos confirmar as suas palavras. Os livros foram centrais na sua vida e no seu pensamento."

Texto: Pedro Justino Alves

Fonte: Diário Digital(Portugal)
http://www.dinheirodigital.com/news.asp?section_id=188&id_news=499575

*No Brasil este livro saiu com o título de "A biblioteca esquecida de Hitler".

Ver mais:
Hitler's Private Library by Timothy W Ryback (The Guardian)

Bibliografia do Holocausto, nazismo e Segunda Guerra
Caso alguém queira dar uma olhada no nome de outros títulos disponíveis em português sobre o Holocausto e Segunda Guerra, checar o post de bibliografia do blog. O post foi atualizado recentemente.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget