segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

[Pausa Musical] - Paralamas do Sucesso. Feliz 2014

Eu ia soltar um "pausa musical" bem antes mas acabou não dando. Em todo caso, seguem abaixo duas músicas que não ouvia há muito tempo e não lembrava do quanto tinha qualidade as músicas, principalmente "Alagados" que, além da qualidade musical (e dos riffs da música e ritmo 'meio reggae' acelerado). Essa música é uma crítica social que toca na ferida da desigualdade social do país, sendo que o clipe da música vai além disso mostrando que a desigualdade social é também (e principalmente) "racial" (segregação étnica) já que as favelas do país literalmente parecem guetos étnicos.

Tem gente que nega isso, cinicamente ou não (no caso, quem nega cinicamente sabe que o problema existe mas não quer vê-lo resolvido, e há os que negam por ignorância, esse segundo caso ainda dá pra dar um "desconto"... até quando, não sei). E por que digo isso? Porque volta ou outra sempre aparece um desses fascistas ou "reaças" negando um monte de fatos, ideologicamente, sempre chamando todo mundo que retrata o problema de "comunista" etc e tal. Aliás, é bem conveniente pra esse pessoal chiliquento dizer que todo mundo é comunista pra nunca discutir a questão, deixar tudo como está, tem sido esse um dos artifícios de discurso da elite brasileira pra empurrar os problemas graves do país (o mais sério deles, disparado, é o da desigualdade de renda e regional) pra debaixo do tapete.

Não falo com certeza pois não há registro disso sobre a música (não achei na web) e lembro vagamente, mas se eu não estiver enganado (caso alguém saiba de mais detalhes e queira comentar), esse clipe de "Alagados" mostra imagens da Favela da Maré (Rio de Janeiro capital) e parece (não tenho certeza, portanto, caso não tenha sido nem levem a sério essa parte) o clipe foi trocado na TV por outra versão de clipe mais leve com a música (vocês acham no Youtube, eu já assisti no Youtube por isso me veio à mente a questão).

A dedução de segregação "racial" (ou étnica) é minha, vendo as imagens do clipe hoje dá pra ter uma leitura melhor da coisa, embora não seja algo novo pra ninguém. A letra da música compara a situação de três grandes favelas, Alagados (Salvador, Bahia, link1 link2), Trenchtown (Kingston, Jamaica) e Favela da Maré (Rio de Janeiro capital), que são cidades conhecidas por serem "festivas" embora a realidade "oculta" dessas cidades (pra maioria da população delas) seja bem diferente. A alegria acaba se transformando em uma forma de mascarar as desgraças (mazelas sociais).

O clipe de "Alagados" era e continua chocante (atual) pois mostra sem retoques coisas que a própria TV brasileira tenta negar diariamente perpetuando o estado de segregação brasileiro que lembra muito o quadro da África do Sul. Quando não é isso, é fomentando atrito regional pra camuflar problemas.

Talvez a diferença dos dois modelos de segregação seja que a segregação na África do Sul era escancarada, explícita, em pleno século XX (onde houve muitos registros gráficos) quando não se tolerava mais isto, enquanto no Brasil se adotou o discurso cínico do "lusotropicalismo", depois de extinguirem a segregação estatal no século XIX aplicando a eugenia pra branquear a população como política de Estado da Monarquia "brasileira", sendo essa segregação da ideologia do "lusotropicalismo" mais silenciosa, "oculta", feita na surdina usando o discurso de que "somos todos mestiços" então "racismo não existe" ("ignorando" que o racismo é uma construção social). E agora há gente insuflando um monte de gente simpática (e idiota) a escancarar os preconceitos, adotando um discurso não mais mascarado de segregação racial com slogans como "os brancos estão sendo perseguidos" e coisas desse tipo. No fundo eu fico me perguntando se essas pessoas ao dizerem isso acha que vão convencer alguém de que a segregação não existe, pois mesmo o país não querendo resolver o problema, pelo menos muita gente sabe que existe. Negacionistas são sempre escrotos.

Seguem as duas músicas, "Cinema Mudo", em homenagem especialmente pro Lobão (os 'fortes' entenderão o porquê da homenagem, rsrsrsrs) e o clipe de "Alagados" (1986) que é chocante até hoje, a banda grava em locações da própria Favela da Maré e aparece um baile da época na favela onde a banda visita o baile e grava com a população dela, Bi Ribeiro, João Barone e Herbert Vianna, os Paralamas do Sucesso.

Não lembrava do quanto essa música era boa pros que acham que brasileiro não sabe fazer música (desliguem a TV um pouco e parem de assistir besteira na TV aberta, tem conteúdo de sobra na web basta ter curiosidade e saber procurar). Realidade nua e crua que causa mal estar e fúria na elite segregadora do país.






Pra não perder viagem no post, segue um bônus com Vital que acabou deixando a bateria por sua moto. Essa música é demais e a edição do clipe ficou fantástica. Mais uma dedicada ao Lobão (hahahaha), #partiuLobão

domingo, 29 de dezembro de 2013

Doutores do inferno: o horror do barracão 46 de Buchenwald

Publicado em 5 junho, 2012

Arthur Dietzsch
[Testemunho de Eugen Kogon, prisioneiro de Buchenwald, durante o processo médico pertencente aos julgamentos de Nuremberg]:

[…] No campo todo mundo sabia que o barracão 46 era um lugar temível. Muito poucas pessoas no campo tinham uma ideia exata do que se passava no barracão 46. O medo se apoderava de todo aquele que tinha que se relacionar de algum modo com esse barracão. Se escolhiam pessoas e as levavam do barracão 46 para a enfermaria, sabiam que a coisa era fatal. O horror indescritível que rodeava esse barracão piorava ainda mais as coisas. (…)

À parte disso, no campo se sabia que o Kapo Arthur Dietzsch impunha uma disciplina férrea no barracão 46. Ali quem mandava era o chicote. Todo o que ia para o barracão 46 como sujeito de experimentação não só esperava, portanto, a morte, e em certas circunstâncias uma morte muito demorada e penosa, senão também ser torturado e sofrer a privação completa dos últimos vestígios de sua liberdade pessoal.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/05/doctores-del-infierno-el-horror-del-barracon-46-de-buchenwald/
Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, pág. 241; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena

sábado, 28 de dezembro de 2013

Doutores do inferno: eutanásia com fenol em Buchenwald

Dr. Schuler-Ding
Publicado em 7 junho, 2012

A prova 283 de acusação é uma declaração jurada do doutor Erwin Schuler: o célebre "doutor Ding". Como testemunha de aplicação da eutanásia mediante fenol puro sem diluir em Buchenwald, declarou:
"Um a um foram entrando quatro ou cinco prisioneiros. Entravam com a parte superior do tronco nua para que não se distinguisse a insígnia de sua nacionalidade (na roupa). Eram de idade avançada e estavam em más condições físicas. Não recordo do diagnóstico pelo qual iriam lhes aplicar a eutanásia, mas seguramente tampouco o perguntei.

Sentaram-se tranquilamente em uma cadeira, ou seja, sem nenhum nervosismo, próximos a uma luz. Um enfermeiro pressionava a veia do braço, e o doutor Hoven (Waldemar Hoven, médico chefe de Buchenwald) injetava rapidamente o fenol. Morriam com uma convulsão imediata e total, durante a aplicação da injeção, sem nenhum outro sinal de dor. Calculo que o tempo transcorrido entre o início da injeção e a morte era de meio segundo. O resto da dose se injetava como medida de precaução, ainda que para provocar a morte bastasse apenas uma dose da injeção. (Calculo que cerca de 5 cc.)

Os enfermeiros levavam o morto a uma habitação antiga. Eu calculo que estive ali uns dez minutos".

[…]
Durante a realização do programa de eutanásia, descrito mais adiante, foram assassinados milhares de pessoas mediante injeções de fenol. A cifra dos assassinados por este método ascendeu a mais de vinte mil pessoas.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/07/doctores-del-infierno-eutanasia-con-fenol-en-buchenwald/
Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, págs. 264-265; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

A Espanha franquista foi pioneira no "photoshop" do "pudor" (pra censurar)

Cartazes de filmes mostram a censura durante a ditadura na Espanha. Livro mostra como o regime cobriu decotes na Espanha franquista. Atualizado em 26 de dezembro, 2013 - 09:56 (Brasília) 11:56 GMT

A Espanha de Franco

O livro La censura franquista en el cartel de cine (A censura franquista nos cartazes do cinema) nasceu a partir da pesquisa de Bienvenido Llopis. Segundo ele, os cartazes mostram os “ajustes que os artistas tiveram que fazer” para se adequar “a linha da decência” imposta pelo regime.

A personalidade de Francisco Franco começou a se impor na Espanha em 1936, ano do início da Guerra Civil Espanhola. Franco liderou os nacionalistas, que se opunham à jovem república estabelecida em 1931. O conflito foi um dos mais sangrentos da Europa e considerado um ensaio para a Segunda Guerra Mundial.

Com a vitória, em 1939, Franco tornou-se ditador e governou o país com mão de ferro até sua morte, em 1975. Nesse tempo, obras foram censuradas, inimigos perseguidos e as identidades regionais oprimidas, caso do idioma catalão, proibido por Franco.

O livro "La censura franquista en el cartel de cine" mostra vários cartazes de filmes censurados como “The Biggest Bundle”, de 1968. A atriz Raquel Welch, de biquini, teve o corpo coberto, mas as pernas continuaram à mostra, assim como o decote na versão espanhola.


Na publicidade do filme que na Espanha ganhou o nome de “Amor a la Inglesa”, desaparece a cama em que o ator Peter Sellers aparece entediado esperando a namorada. Já a lingerie da atriz Sinead Cusack é substituida por uma saia vermelha.


Lançado em março de 1934, o filme estrelado por Joan Crawford e Gary Cooper fazia sucesso na Espanha. Crawford, no entanto, ficou publicamente do lado republicano na Guerra Civil Espanhola, que culminou com a vitória franquista. Em 1942, o filme ganhou outro cartaz, no qual o nome da atriz desaparece.


Marilyn Monroe também foi alvo de censura franquista. O decote, considerado ousado, foi retocado, para não mostrar mais do que o regime franquista considerava moral.


Francisco Franco foi ditador da Espanha de 1936 até sua morte, em 1975. Durante esse tempo, o Gabinete de Censura Democrático foi encarregado de rever a publicidade dos filmes que chegavam ao país. Na foto, imagem retocada da atriz italiana Sophia Loren.


O livro "La censura franquista en el cartel de cine" nasceu a partir da pesquisa de Bienvenido Llopis. Segundo ele, os cartazes mostram os “ajustes que os artistas tiveram que fazer” para se adequar “a linha da decência” imposta pelo regime.


Fonte: BBC Brasil
http://www.bbc.co.uk/portuguese/videos_e_fotos/2013/12/131225_galeria_censura_franco_4_mm.shtml

Ver matéria completa (em espanhol): “La censura franquista en el cartel de cine”, el régimen vs el poder de la imagen
http://culturacolectiva.com/la-censura-franquista-en-el-cartel-de-cine-el-regimen-vs-el-poder-de-la-imagen/

Observação: pois é, um decote era "algo criminoso" pra "moral e bons costumes" dos fáscios (que vê perversão em tudo por só pensarem em sacanagem o tempo todo). Vai ver que "tesão" pros fáscios (no caso da matéria são os da Espanha, embora todos os fascistas seguem a mesma linha, ou seja, são farinha do mesmo saco) era isso:

Repressão na Espanha franquista
Um decote é "pecado", já usar o garrote (link2) e bater no povo de forma deliberada pra reprimir, deve/devia ser algum tipo de tara/fetiche/perversão sexual deles. Esses fascistas são uma 'gente meio "estranha": caso Max Mosley.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

[Pausa Musical] - Boas festas e centenário da Primeira Guerra Mundial em 2014

2014 será um ano especial pro mundo, será centenário de uma guerra emblemática: a primeira guerra mundial, que teve tanto peso na definição do mundo atual como a segunda guerra, há quem considere que são uma guerra só e não duas (com um intervalo), mas não vamos entrar nesse tipo de consideração. Mas como dizia, sobre a primeira guerra, ela é menos conhecida ou comentada provavelmente pelo impacto da segunda guerra (e ela ser mais recente e com formato "moderno") como também por não existir "figuras bizarras de culto" como o cabo maníaco austríaco e a polarização ideológica da segunda guerra mundial (democracias, nazifascismo e o bloco socialista).

Antecipando o centenário da primeira guerra mundial em 2014 e aproveitando que nos próximos dias se comemora o Natal, vem bem a calhar colocar este vídeo sobre um episódio ocorrido no Natal de 1914 quando houve uma pausa entre as partes beligerantes no Natal.

O vídeo é da música Pipes of Peace (link2) de Paul McCartney, do disco homônimo de 1983 que tem faixas da parceria dele com o Michael Jackson como o hit Say Say Say. Esse disco saiu na época da guerra das Malvinas (Argentina x Reino Unido), por isso o enfoque na questão da paz e guerra que já havia sido abordado no disco anterior de 1982 Tug of War (link2). Na verdade esses dois discos deveriam ser um álbum duplo só que foram lançados separadamente por imposição da gravadora, EMI). Ambos os discos foram produzidos por George Martin, conhecido como o "quinto beatle" ou o produtor dos Beatles (o que explica a qualidade acima da média dos dois álbuns).

Lançaram um filme em 2005 sobre esse episódio do natal de 1914 sobre a pausa da guerra nas trincheiras que se chama Joyeux Nöel.

Mas eu conhecia esse episódio por conta do disco e do clipe do P. McCartney mencionado. Era engraçado o povo citar esse episódio por conta do filme acima sendo que esse fato foi retratado muito antes no videoclipe, desconhecido por muita gente (até porque o brasileiro em geral tem fixação na "programação" da TV, com uma "qualidade" pra lá de duvidosa, sendo bem generoso no adjetivo).

Ele faz o papel no clipe de Pipes of Peace (Flauta da Paz) de um soldado alemão e de um soldado do lado britânico/francês (da Entente), a mulher que aparece nas fotos que são trocadas é a finada esposa dele, Linda. No clipe de Tug of War o casal também aparece com ele tocando violão e imagens daquela época sendo exibidas (do cabo de guerra).

Vou colocar não só o clipe de Pipes of Peace como o de Tug of War (música homônima do outro disco de 1982), pois são praticamente complementos e deveriam ser do mesmo disco.

Tem muito "revi" que fica "pirando na batatinha" quando se fala em pacifismo etc, são os "soldados" de videogame que borram nas calças quando escutam um tiro nas ruas mas ficam delirando de forma ridícula e cretina com guerras fictícias e regimes totalitários racistas dos quais nem sequer fazem ou fariam parte. Por isso não poderia deixar de dedicar os clipes em "homenagem" a eles (conteúdo irônico, hahahahaha).

Sem mais delongas, assistam os clipes abaixo onde um deles aborda justamente esse episódio do Natal de 1914 na primeira guerra mundial. Pra mim (opinião pessoal), essa música Pipes of Peace é uma das melhores da carreira solo sendo que, estranhamente, ele nunca a tocou ao vivo.

A todos, um Feliz Natal e boas festas. Creio eu que não haverá mensagem sobre 2014, então já deixo aqui registrado os votos de boa virada de ano a todos.



domingo, 22 de dezembro de 2013

Discórdia na Cesspit (Codoh) com Mark Weber. Mais um racha no mundo "revisionista"

Pros que não sabem o que significa o termo Cesspit, confira clicando nas tag CODOH e Cesspit.

Parece que há um visível racha no clero "revisionista", e insatisfação e suspeita com o cabeça do IHR, Mark Weber. E para não confundir, este Mark Weber não é o ex-piloto de Fórmula 1 da RBR, os dois são homônimos, apesar do ex-piloto de F1 ter dois 'bês' no sobrenome.

Em post do Codoh um "revi", com foto de jogador do leste europeu, toca no assunto expondo o texto de uma "revi" neonazi (ou "supremacista branca", sempre rio desses termos "supremacismo"), Carolyn Yeager (não sabe quem ela é? Clique aqui e aqui), a crise e insatisfação de "revis" "gurus" como Rudolf com Mark Weber: link

C.Y: 'Is the IHR a dead horse?' (O IHR é um cavalo morto?)
Texto original

A queixa deles com Weber, tradução livre minha:
Mark Weber adquiriu o controle do Instituto para "Pesquisa" Histórica (vulgo IHR)control na metade dos anos 90 e mudou todo seu propósito distante do "Revisionismo" do Holocausto para nenhuma posição ou qualquer coisa semelhante;

Weber nunca foi um "revisionista" de verdade (mesmo nos anos 80), de acordo com ambos, Berg e Rudolf;

Weber resistiu em publicar livros de Germar Rudolf, e não queria textos traduzidos de "revisionistas" alemães, e queria escrever seus próprios artigos sumários por terceiros;

Com David Irving, Weber foi observado como se comportando como um total sicofanta; ele até parecia estar "apaixonado" por Irving;

Muitos ainda pensam que o IHR sob Weber "parece bem" e então financeiramente apoia isso;

Caller Jim trouxe o "discurso de Posen" de H. Himmler, que ambos, Berg e Rudolf, consideram-no genuíno porém um mal-entendido;

Dana apresentou a questão de que a maioria das pessoas que estão de saco cheio do "holocausto" na mídia - de que ele espera que haja reação sobre o que Germar disse, mas mais na Europa que nos Estados Unidos.
E há mais duas acusações de um outro "revi" com nick de Werd (que aparenta se contentar com o stalking promovido pela dupla dona de um site tosco sobre Holocausto nos EUA) sobre Weber:
Mark Weber conspira para vender listas de email para a ADL.
http://www.vho.org/GB/c/TOK/Whistleblower.html

A visão de Rudolf sobre a crise do IHR com Weber:
http://www.vho.org/GB/c/GR/IHRCrisis.html
Resumindo: haja choro e paranoia no "mundo" "revi"*, pra variar.

O IHR, pra quem não sabe, é o principal difusor de textos de negação do Holocausto no mundo (com sede nos Estados Unidos) junto com um site também hospedado nos EUA (host de Nova York, suspeito que o host seja do Michael Santomauro), VHO, com ramificação na Europa (Bélgica etc).

Observação:


Mas se me permitem, vou fazer algumas considerações sobre essa temática do combate ao negacionismo aproveitando o post em questão. Vou reforçar coisas que já disse antes pois é bom deixar claro que não só rola problemas no "lado "revi"" como de gente que se coloca na posição de "anti-"revi"", que não é uma posição exclusiva de A, B ou C obviamente, mas a partir do momento que tentam se passar (ou insinuar) por a gente, a coisa muda de conversa. Quem age por conta própria assumindo, eu nunca critiquei embora eu posso não concordar com certos posicionamentos (em geral o pessoal é de direita e meio paranoico, e eu sou de esquerda e cético até o talo, o que gera na maioria das vezes um conflito ideológico pois não tenho muita paciência com essa direita paranoica hidrófoba lunática brasileira).

Sobre o termo "revi" (que coloquei o asterisco pra comentar), passarei a preferir essa escrita ou mesmo chamar por "revisionista" (com aspas) do que o termo "revimané", que não fomos nós que criamos, foi um colega nosso no Orkut anos atrás. A quem usa o termo aleatoriamente achando que é "criação" nossa, taí mais um detalhe que não sabiam (pra variar), que inclusive já comentei aqui antes, só que as pessoas que leem seletivamente (de forma atabalhoada, como sempre) nunca prestam atenção aos detalhes.

Há gente mal-intencionada usando fakes tentando insinuar ou se passar pelo pessoal do blog (pra causar confusão) explorando a paranoia dos "revis" usando esses termos e expressões que usamos ironizando esse pessoal. Pra alguém mais safo dá pra notar de cara a falsificação, pra gente mais "burrinha" (ou seja, a maioria...) a falsificação não é algo tão óbvio assim e disso vem o problema.

Pra alguém mais paranoico, quem escreve o termo (que já é de domínio público) "x" só existe uma dedução lógica primária (pois não vão além disso): "só pode ser esse pessoal pois eles usam o termo". Nunca passa na cabeça desses imbecis que qualquer pessoa pode usar o termo pra confundir (ou mesmo porque gostou já que não tem "copyright") e pode se esconder com fakes.

Eu não uso fakes, escrevo com meu nome, discutia com "revis" usando meu nome e já emiti o que penso (mais de uma vez) sobre esse pessoal que se borra com "revis (No Reino da Fantasia dos Trolls "Ocultos"). Penso de fato que se uma pessoa se pela de medo desses "revis" se valendo desse artifício pra tentar confundir, como já disse antes aqui, deveria parar de fazer isso ou sumir, pois além da atitude covarde (pois a impressão que se passa é essa), só vejo discussão imbecil com esses caras, com um vitimismo ridículo, uma contemporização ridícula e localizei mais ou menos de onde é um dos perfis (do estado do Ceará).

A quem pensa que só "revis" criam problema, desencanem disso, as piores brigas e confusões que vi no Orkut foram causadas por gente que se dizia "anti-"revi"" criando atrito com esses "revisionistas" e afins, entravam lá posando de "valentões" e brigões e quando algum desses "revis" (ou neos) cismavam e iam pra cima, os caras corriam com o rabo entre as pernas e vinham tentar jogar o problema pro nosso lado, principalmente quando se entocavam em comunidades sobre conflito no Oriente Médio misturando questões como conflito israelense-palestino com essa questão do negacionismo no Brasil. E vou dizer claramente, esse pessoal hoje me irrita tanto quanto os "revis".

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Doutores do inferno: experimentos com tifo

Publicado em 12 junho, 2012

O tifo se converteu num problema médico de primeira magnitude no outono de 1941, depois que a Alemanha atacou a Rússia. Como naquele momento escasseavam as vacinas, só se imunizavam contra o tifo o pessoal de saúde sanitária que ocupava postos de risco.

Entre dezembro de 1941 e março de 1942, iniciou-se um perverso e mortífero programa de experimentação médica usando reclusos dos campos de concentração de Buchenwald e Natzweiler. Seu propósito era avaliar diversas vacinas contra o tifo, a febre amarela, a varíola, a febre paratifoide A e B, o cólera e a difteria. Esperava-se com ele produzir um soro de convalescente para combater o tifo.

Durante o processo foi demonstrado que 729 presos foram submetidos a experimentos com tifo, dos quais 154 morreram. (…)

Ainda que os imputados Handloser, Schroeder, Genzken, Rudolf Brandt, Mrugowsky, Sievers, Rose e Hoven fossem condenados por experimentos com tifo que constituíam delito criminoso, a maioria dos experimentos realizados em Buchenwald foi conduzido por um médico de sinistra fama, conhecido como o doutor Ding (Schuler), que se suicidou ao término da guerra e, portanto, não pode ser conduzido à justiça. O diário profissional do doutor Ding sobreviveu e, passado um tempo, foi entregue ao magistrado chefe para crimes de guerra, o general norte-americano Telford Taylor, e passou a ser uma das 1471 provas documentais preparadas pelos alemães. Desempenhou papel essencial na hora de condenar os médicos depravados.

Doutor Eugen Haagen
O doutor Eugen Haagen, oficial do Serviço Médico da Força Aérea e professor da universidade de Estrasburgo (França) durante a ocupação alemã, dirigiu experimentos com tifo em Natzweiler.

(…)

O melhor modo de descrever esses experimentos é recorrer ao testemunho do doutor Eugen Kogon, prisioneiro de um campo de concentração e testemunha de acusação, que foi interrogado pelo promotor McHaney:

Promotor McHaney: – O Sr. poderia, por favor, explicar ao tribunal, com suas próprias palavras, como foram efetuados esses experimentos com tifo?

Testemunho de Kogon: – Depois que se destinou para uma série de experimentos entre quarenta e sessenta pessoas (às vezes até cento e vinte), separava-se a um terço delas, e os dois terços restantes lhes vacinavam com um tratamento protetor ou lhes administravam de outro modo, se era um tratamento químico. (…) O contágio se efetuava de diversas maneiras. Transferia-se o tifo mediante o sangue injetado por via intravenosa ou intramuscular. No princípio também se fazia arranhando a pele, ou praticando uma pequena incisão no braço. (…)

Para manter os cultivos de tifo, utilizavam uma terceira categoria de sujeitos de experimentação. Eram as chamadas "pessoas de trânsito", entre três e cinco pessoas por mês. Elas eram contaminadas unicamente com o fim de assegurar um fornecimento constante de sangue infectado de tifo. Quase todas essas pessoas morreram. Não creio exagerar se digo que 95 por cento delas morreram.

Promotor: – A testemunha quer alegar que contaminavam premeditadamente com tifo entre três e cinco pessoas ao mês só para terem vírus vivos e disponíveis no sangue?

Testemunha: – Só com essa finalidade concreta.

[…]

Promotor: – Pode dizer ao tribunal se esses sujeitos de experimentação sofreram de forma apreciável no transcurso dos experimentos com tifo?

Testemunha: – […] os sujeitos de experimentação esperavam na enfermaria dia ou noite que lhes fizessem algo; não sabiam o que seria, mas adivinhavam que seria uma morte espantosa.

Se lhes vacinavam, às vezes ocorriam as cenas mais horrendas, porque os pacientes temiam que as injeções fossem letais. O Kapo tinha que restabelecer a ordem com mão de ferro.

Passado certo tempo depois da infecção, quando a enfermidade havia se manifestado, apareciam os sintomas normais do tifo, que, como é bem conhecido, é uma das enfermidades mais graves que existem. A infecção, como já foi descrito, havia se fortalecido muito durante anos e mais uma metade de ano anteriores na qual o tifo começou a aparecer em sua forma mais terrível. Havia casos de loucura furiosa, delírios, pessoas que se negavam a comer e uma grande porcentagem delas morria.

Os que sofriam a enfermidade em uma forma mais benigna, talvez porque fossem mais fortes de constituição ou porque a vacina surtia efeito, tinham que assistir constantemente a agonia dos outros. E isto ocorria em um ambiente que dificilmente poderia se imaginar. Durante o período da convalescência, os que sobreviviam ao tifo não sabiam o que seria deles. Seguiram no barracão 46 para serem utilizados para outros fins? Os utilizariam como ajudantes? Temeriam que eles como testemunhas sobreviventes dos experimentos com seres humanos e os matariam, portanto? Eles não sabiam, e ele agravava as condições desses experimentos.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/12/doctores-del-infierno-experimentos-con-tifus/
Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, págs. 239-242; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Museu do Holocausto recupera diário de Alfred Rosenberg. Diário completo colocado online

Museu do Holocausto recupera diário de criminoso de guerra nazi

O Museu do Holocausto dos Estados Unidos anunciou hoje ter recuperado o diário de um quadro nazi, que está disponível 'online' para promover o conhecimento sobre o extermínio de judeus e outras minorias orquestrado por Adolf Hitler.

REUTERS/Gary Cameron
Museu do Holocausto recupera diário de criminoso de guerra nazi
O Museu do Holocausto, situado em Washington, tentou, durante anos, recuperar o diário de Alfred Rosenberg, fiel do ditador alemão e um dos principais autores e promotores da teoria da supremacia da raça ariana.

"Hoje, a busca termina", regozijou-se a diretora do museu, Sara Bloomfield, na cerimônia oficial de transferência para as autoridades federais americanas das 425 páginas, manuscritas e datilografadas, que constituem o diário.

Depois de ter passado por várias mãos, o documento estava agora na posse de um editor acadêmico americano, que o terá recebido de um dos promotores públicos envolvidos nos julgamentos de Nuremberg.

Desaparecido desde 1946, quando terminaram os julgamentos de Nuremberg aos crimes cometidos pelo regime nazi, o diário de Rosenberg ilustra, ao longo de um período de dez anos, com início em 1934, o plano racista que conduziu ao extermínio de seis milhões de judeus e cinco milhões de pessoas de outras minorias étnicas ou sexuais.

Capturado pelas tropas aliadas no final da II Guerra Mundial, Rosenberg foi condenado em Nuremberg e executado em outubro de 1946, aos 53 anos.

Fonte: Tsf/Reuters (Portugal)
http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Internacional/Interior.aspx?content_id=3593500

Pra quem quiser ver o diário completo online, o USHMM disponibilizou as páginas digitalizadas e transcritas (em alemão): Diário de Alfred Rosenberg
http://collections.ushmm.org/view/2001.62.14?page=1

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

O médico da SS, Dr. Horst Schumann (Eutanásia em doentes mentais, Aktion T4)

Dr. Horst Schumann, médico da SS
Envolvido no programa de Eutanásia
O Dr. Horst Schumann (tenente superior da Força Aérea e Sturmbannführer da SS) nasceu em 1906 em Halle an der Saale, filho de um médico de medicina general. Desde 1930 afiliado ao NSDAP com o número 190 002 e desde 1932 membro da SA. Schumann se formou em medicina em 1933 em Halle, e em 1934 trabalhou para Saúde Pública em Halle e quando estourou a guerra em 1939 foi recrutado como médico adjunto da Força Aérea.

Viktor Brack, chefe da oficina da aktion T4 (no qual se praticava a eutanásia dos doentes mentais, os doentes crônicos, os judeus e os assim chamados antissociais) lhe pediu em 1939 que participasse como médico nesta ação de eutanásia, ao que Schumann aceitou pouco tempo depois. Em janeiro de 1940 foi nomeado chefe da clínica de eutanásia de Grafeneck em Württemberg; ali a eutanásia consistia em assassinar as pessoas mediante gases de escape. No verão de 1940 foi nomeado diretor da clínica Sonnenstein próxima de Pirna na Saxônia.

Depois que Hitler houvesse ordenado oficialmente a aniquilação dos assim chamados "doentes incuráveis", pondo-a sob o nome de código "14 f 13" também os presos dos campos de concentração, Schumann fez parte das comissões de médicos que selecionavam os presos incapacitados para trabalhar, assim como os presos extremamente débeis nos campos de concentração de Auschwitz, Buchenwald, Dachau, Flossenburg, Groß-Rosen (Gross-Rosen), Mauthausen, Neuengamme e Niederhangen, para serem transportados às clínicas de eutanásia, onde eram gaseados.

Em 28 de julho de 1941 Schumann chegou pela primeira vez a Auschwitz, onde selecionou 575 presos que foram transportados para a clínica de eutanásia em Sonnenstein próxima de Pirna, onde foram assassinados. A partir de agosto de 1941, a SS prosseguiu com sua ação "14 f 13", agora com os presos doentes lhes era injetado fenol diretamente no coração. Um ano e meio mais tarde, Schumann voltou a Auschwitz para pôr a prova um método "econômico e rápido", com raios-X, para esterilização em massa de homens e mulheres. Quase nenhuma de suas numerosas vítimas sobreviveu; sendo as causas dessas mortes as queimaduras sofridas, as "intervenções complementares" (extirpação de ovários e testículos), o esgotamento físico e o choque psíquico. Em 1944 Schumann abandonou Auschwitz. Em outubro de 1945 apareceu em Gladbeck, onde se deu alta no Registro e onde também foi nomeado médico desportivo.

Mediante um crédito que se concedia exclusivamente aos refugiados (!), abriu em 1949 sua própria clínica, e até 1951 as autoridades pertinentes não se deram conta de que na realidade se tratava de um criminoso nacional-socialista procurado. Schumann pode fugir. Nos anos seguintes, segundo suas declarações, exerceu medicina em um barco, trabalhou a partir de 1955 no Sudão, de onde fugiu em 1959, via Nigéria e Líbia, para Gana. Até 1966, Schumann não havia sido extraditado para a República Federal da Alemanha. Em setembro de 1970 foi aberto o processo contra Schumann, interrompido em abril do ano seguinte pela hipertensão arterial do acusado. Em 29 de julho de 1972 foi posto em liberdade, fato que passou desapercebido do grande público. Passou o resto de seus dias em Frankfurt, onde faleceu em 5 de maio de 1983, onze anos depois de haver sido posto em liberdade. Graças aos certificados médicos pode se livrar de uma condenação e até da prisão.

Fonte: Institut fuer Sozial- und Wirtschaftsgeschichte - Uni Linz (Áustria)
http://www.wsg-hist.uni-linz.ac.at/auschwitz/htmlesp/Schumann.html
http://www.wsg-hist.uni-linz.ac.at/auschwitz/htmld/Schumann.html
Foto: Arquivo Yad Vashem (http://collections.yadvashem.org/photosarchive/en-us/1059_12880.html)
Tradução: Roberto Lucena

Ver mais:
Experimentos Médicos - Oberhauser e Schumann
Tag Cobaias Humanas

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Doutores do inferno: experimentos em altitudes elevadas

Publicado em 14 junho, 2012

Os experimentos relativos a altitudes elevadas tinham como objetivo pôr a prova os limites da resistência e da vida humanas em altitudes extremamente elevadas, com e sem oxigênio. Isto foi conduzido pela Força Aérea alemã no campo de concentração de Dachau entre março e agosto de 1942, aproximadamente. Tinham como propósito reproduzir as condições atmosféricas que o piloto alemão poderia encontrar em combate ao cair de grandes distâncias sem paraquedas e sem fonte de oxigênio. Esses experimentos foram realizados colocando a vítima numa câmara hermética de baixa pressão provida pela Luftwaffe, e simulando as condições atmosféricas e de pressão de altitudes até num máximo de vinte mil metros.

A iniciativa partiu do médico da Luftwaffe Sigmund Rascher, que em 15 de maio de 1941 propôs ao chefe da SS, Heinrich Himmler, levar a cabo este tipo de experimentos criminosos. Himmler autorizou os experimentos de boa vontade. Os experimentos de combate aeronáutico e naval, assim como os experimentos de resgate, centraram-se principalmente nessas provas de simulação de altitudes elevadas (acima de dez mil metros, assim como em provas de exposição ao frio e relativas à capacidade humana de metabolizar água marinha tratada (…)

Nos documentos, os seres humanos da experimentação aparecem mencionados com as siglas VP (Versuchsperson, que quer dizer, "sujeito de experimentação"). Os cerca de duzentos sujeitos foram escolhidos aleatoriamente. Entre os selecionados havia civis russos, prisioneiros de guerra russos, poloneses, judeus de diversas nacionalidades e presos políticos alemães. Desses duzentos, não mais que quarenta haviam sido condenados à morte. (O fato de que os sujeitos dos experimentos houvessem sido sentenciados à pena capital foi esgrimido como argumento pelos imputados para justificar suas mortes.) Setenta e oito pessoas morreram como consequência dos experimentos. O doutor Rascher prometeu a alguns reclusos que, se se oferecessem como voluntários, seriam liberados; por conta disto alguns se ofereceram voluntariamente. Só que a tal promessa nunca foi cumprida.

Um relatório redigido em maio de 1942 descreve como em alguns desses testes se utilizaram delinquentes habituais judeus que haviam sido condenados por Rassenschande, ou seja, literalmente, "vergonha racial". A vergonha racial, tal e como definiam os alemães, era o matrimônio ou a relação carnal entre os arianos e os não-arianos (entendendo por "arianos" os alemães de "sangue puro").

O acusado Weltz tinha jurisdição sobre as atividades do doutor Rascher. É interessante anotar que Weltz havia se colocado em contato com os renomados especialistas no campo da medicina aeronáutica, o doutor Lutz e o doutor Wendt, para que tomassem parte nesses experimentos. Ambos se negaram por motivos morais e afirmaram que as diferenças de comportamento entre seres humanos e animais não bastavam para justificar a realização de perigosos experimentos com pessoas.

George August Weltz, chefe do instituto de medicina
para aviação em Munique. Foi declarado inocente
da acusação de ser responsável dos experimentos
com grande altitude e congelamento. Fonte: USHMM
(…)

Os imputados Weltz, Ruff, Romberg, Rudolf Brandt e Sievers participaram nos experimentos de simulação de queda de paraquedas. A câmara de baixa pressão móvel na qual se obrigava a entrar os seres da experimentação foi transportada do instituto do acusado Ruff em Berlim, até Dachau. As vítimas eram fechadas uma a uma no habitáculo hermético e circular. Prontamente a pressão variava para reproduzir as condições atmosféricas até um máximo de 20.670 metros de altitude. Podia-se ou não subministrar oxigênio adicional às cobaias.

(…)

Os documentos fotográficos exibidos como provas não respaldavam o argumento dos acusados segundo o qual, ainda que os experimentos pudessem provocar a morte da pessoa, não implicavam em tortura física nem sofrimento. Algumas filmagens confiscadas pelos alemães que mostravam convulsões espasmódicas e expressões de sofrimento e dor contradizem por completo este argumento.

(…)

Outro argumento esgrimido pelos acusados foi a “necessidade do Estado” (…)

Até que ponto foram científicos os experimentos de simulação em altitudes elevadas? Na prova 66 da acusação relativa a "Experimentos de simulação em altitudes elevadas", um relatório assinado pelo doutor Rascher e o imputado Romberg, afirmava:

“Posto que era evidente a urgência de resolver o problema, sobretudo tendo em conta as condições dadas do experimento, foi necessário prescindir naquele momento do esclarecimento total sobre questões puramente científicas".

Esta afirmação demonstra que os acusados sabiam que os experimentos não eram científicos e que não cumpriam o que era estipulado pelos protocolos médicos a respeito da voluntariedade do sujeito da experimentação. Resumindo, entre 180 e 200 vítimas foram submetidas a este experimento, com o resultado de graves lesões físicas e entre 70 e 80 mortes.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/14/doctores-del-infierno-experimentos-con-altitudes-elevadas/
Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, págs. 113-129; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Judeus na África do Sul (no regime de Apartheid)

Em homenagem à figura de Nelson Mandela que faleceu ontem (18.07.1918* - 05.12.2013+), e teve um forte impacto em muita gente no Brasil (e no mundo) sobre a questão do combate ao racismo pelo que representava aquele regime de Apartheid da África do Sul, segue o texto abaixo que saiu na revista alemã Deutsche Welle com uma história sobre o Apartheid e a participação de judeus fugidos da guerra na Europa (e seus descendentes) na luta antiapartheid na África do Sul para marcar a data.
_______________________________________

Judeus no estado do Apartheid

Nelson Mandela escreveu uma vez: "Encontrei judeus mais abertos que a maioria dos brancos em questões de raça e política, talvez porque eles mesmos tenham sido historicamente vítimas de preconceitos".

Milton Shain, professor de história e diretor do Centro Kaplan de Estudos Judeus da Universidade de Cidade do Cabo, confirma as palavras de Nelson Mandela, histórico defensor dos direitos cívicos e primeiro presidente negro da África do Sul: houve muitos judeus que fugiram da Alemanha nazi que se comprometeram politicamente com o movimento antiapartheid. E isto, apesar de que os próprios refugiados não foram recebidos precisamente com os braços abertos em sua nova terra. Milton Shain explica o contexto histórico:

"Não são bem-vindos"

"Pela metade dos anos trinta, a situação era muito tensa. O barco de refugiados 'Stuttgart' chegou ao porto em final de outubro de 1936 e foi recebido com violentos protestos. Também houve destacados acadêmicos que se manifestaram contra a imigração de judeus alemães. Entre eles estava o chamado arquiteto do Apartheid, o professor Hendrik Verwoerd, que mais tarde se tornaria primeiro-ministro. Estas figuras davam voz a um movimento da direita radical que havia começado na África do Sul há alguns anos. Os chamados camisas cinzas e negras imitavam os nazis e outros fascistas europeus e se opunham veementemente à imigração contínua de judeus. Esta gente advogava a adoção de medidas para cortar a presença judia e suas possibilidades de sobrevivência no país. Contudo, suas ideias não eram aceitas majoritariamente mas formavam uma força importante que crescia de forma alarmante.

A corrente de pensamento político principal que a representava, não obstante, um político como Daniel Malan, iria se converter no primeiro-ministro do regime do Apartheid em 1948. Malan argumentava já nos anos trinta que os judeus podiam ser fonte de conflitos se se concentrassem por demais em um país, pelo que, restringindo sua entrada, ele atuava no final das contas em seu próprio interesse. A África do Sul acolheu aproximadamente 3.500 judeus alemães até que, no começo de 1937, foi aprovada a chamada 'Aliens Act', que fechava as portas a esses imigrantes.

Judeus e Apartheid

Nesse contexto há que considerar a questão das atividades políticas no sistema de Apartheid. Os imigrantes judeus alemães, vítimas do racismo e antissemitismo clássicos, chegaram a um país com uma sociedade colonial, exploradora e segregada racialmente. Os judeus brancos, que ainda eram vítimas na Europa, converteram-se de repente em 'beneficiários' dessa estrutura hierárquica baseada na raça. Isto recaía numa enorme contradição, a de que muitos, certamente, não eram conscientes. Muitos refugiados eram jovens e não compreendia com frequência as circunstâncias políticas do país. Outros já tinham suficiente com o que se preocupar na África do Sul e encontrar trabalho e casa. Naturalmente, a maior parte da comunidade judia vivia como os anglo-falantes brancos. Apesar de tudo, também houve muitos judeus imigrantes que se comprometeram com a luta antiapartheid.

Vamos dar uma olhada atrás e recordarmos o contexto histórico de então. Estava-se produzindo, por exemplo, a exterminação dos judeus na Lituânia: mais de 90 por cento foram assassinados na Segunda Guerra Mundial. A comunidade judia da África do Sul procedia em sua maior parte da Lituânia, pelo que havia uma relação muito estreita com esses acontecimentos. Os litvaks (como os judeus lituanos se chamam a si mesmos) haviam emigrado antes de que se começasse a fechar as fronteiras. Mais tarde, também chegaram à Cidade do Cabo vítimas da perseguição que haviam conseguido sobreviver. Provavelmente era esperar demais que essas pessoas perseguidas e traumatizadas se manifestassem com voz ativa contra o Apartheid.

Ativismo judeu

Apesar de tudo, a pressão social se radicalizava cada vez mais. Uma nova geração de jovens judeus bem formados exigiam mudanças. Sabiam que no período nazi havia existido simpatizantes naquele país e não queriam sê-los também na África do Sul. Naturalmente, também houve judeus de extrema-esquerda que atacaram frontalmente o regime de Apartheid desde o primeiro dia. Esses, contudo, não estavam integrados à comunidade judaica. Entre eles havia nomes como Ruth First, Joe Slovo e Ronnie Kasrils. No processo de Rivônia, que levou à prisão Nelson Mandela, havia 15 acusados; os cinco brancos eram judeus.

Em resumo, pode se dizer que o ativismo judeu contra o Apartheid teve bastante peso. Em todo caso, foi muito mais importante que o de outros grupos minoritários. Não obstante, muitos membros da comunidade judaica, sobretudo aqueles mais jovens, manifestaram às vezes uma inquietude crítica ante o passado".

Autor: Ludger Schadomsky
Editora: Claudia Herrea

Fonte: Deutsche Welle (Alemanha, edição em espanhol)
http://www.dw.de/jud%C3%ADos-en-el-estado-del-apartheid/a-16585152
Tradução: Roberto Lucena

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 02

Mão-de-obra das Forças Armadas e o recrutamento da SS

Soldado da Legião "Freies Arabien"
"Legião Árabe Livre"
No início da guerra na Europa, a organização Waffen-SS que acabaria por implantar a maior parte da mão de obra estrangeira usada na guerra, apenas recentemente havia ganho o reconhecimento oficial como uma força militar. A SS (Schutzstaffel) originou-se na década de 1920 como uma força especial de segurança do Partido Nazista, que protegia Hitler e seus principais funcionários quando eles excursionavam pela Alemanha. Com a elevação de Heinrich Himmler como chefe dos 280 homens da SS em 1929, seu caráter final começou a tomar forma. Após a tomada do poder pelos nazistas e a derrubada da milícia revolucionária nazi (SA) pela SS em 1934 , esta organização se institucionalizou como a guardiã do movimento e começaram a demonstrar sua influência, como tentáculos, através da hierarquia nazista e dos quadros econômicos, jurídicos , sociais e educacionais da nova Alemanha. [06]

Funções quase militares dentro do já crescente SS debruçavam-se sobre um largo guarda-costas, o Verfügungstruppen (tropas especiais de impostos), que havia formado quatro regimentos de infantaria motorizada em 1938. Rigorosamente selecionados pela maleabilidade política e ideológica e características raciais corretas, estas tropas exerceram funções cerimoniais de rotina, mas não tinha nenhuma função militar clara. [07] A única base legal para sua existência decorre do decreto de Hitler de 17 de Agosto de 1938, que lhes designou como uma unidade militar ativa obediente a sua direção e independente da Wehrmacht ou da polícia alemã.

Armados, treinados, e estabelecidos como formações militares convencionais, as tropas da SS receberam armas, equipamentos, munições e publicações de doutrina e tática do Exército. Eles estavam sujeitos à mobilização, mas até aquele momento o Exército poderia exercer sua autoridade de inspeção só em matéria de treinamento com armas e somente com a permissão de Himmler. Além disso, o serviço nos regimentos da SS, eventualmente, contavam para cumprimento da obrigação de serviço militar de um cidadão alemão. [08] Como "exército" pessoal de Hitler, os regimentos Verfügungstruppen lutaram nas primeiros campanhas da Blitzkrieg, subordinados aos comandantes de campo da Wehrmacht, mas administrativamente independentes, sob a burocracia de Himmler.

 Essa dicotomia foi parcialmente corrigida quando negociações estendidas com o Alto Comando das Forças Armadas sobre a composição, formação e papel da força militar SS culminou na ordem de 2 de Março de 1940, que designou, pela primeira vez, os regimentos de guarda, divisões recém-formadas e unidades de apoio como a "Waffen (Armada)-SS". Este ato foi o mais próximo que a SS armada viria a ser oficialmente designada como membro de direito da Wehrmacht. Embora a Waffen-SS continuou a operar taticamente sob o comando do Exército e da Wehrmacht e seu recrutamento, formação, equipamento e doutrina permaneceram em conformidade com as normas da Wehrmacht, Himmler ainda controlava a atual administração e treinamento da força para o momento em que as unidades individuais fossem usadas no front. [09] [10]

Acadêmicos há muito tempo pensaram que a exclusão da Waffen-SS de ter um status militar oficial frustrou a busca de Himmler por seu reconhecimento como "o quarto ramo da Wehrmacht." Sabemos agora que as ambições de Himmler excedeu em muito essa meta, e que ele procurou substituir as forças armadas convencionais por uma ordem superior, ideologicamente preparada e revolucionária. Sua principal luta foi centrada no recrutamento e expansão. Desde o início de seu serviço de campo eficaz na era da Blitzkrieg, a Waffen-SS procurou ter um papel como uma força armada de elite e permanente postura como tropa de choque do partido. Os líderes da SS imaginaram a eventual substituição das forças armadas regulares como um desenvolvimento necessário para a transformação da Alemanha para no "Reich de Mil Anos" da Nova Ordem, que só poderia ser policiado por uma força militar politicamente doutrinada. Tais motivos dificilmente poderiam ser admitidos nos primeiros dias, especialmente quando Hitler tinha prometido consistentemente a cada um dos diversos serviços militares, a responsabilidade exclusiva pela defesa do Estado alemão. [10]

A obtenção de mão de obra para as novas divisões Waffen-SS tornou-se a principal responsabilidade do brigadeiro-general da SS Gottlob Berger, um homem de considerável capacidade de organização, que no final de 1939 estabeleceu um escritório nacional de recrutamento na sede da SS em Berlim para coordenar as atividades dos escritórios locais de vários distritos militares. Com o apoio entusiasmado de Himmler, Berger explorou brechas deixadas para a SS pelo Alto Comando das Forças Armadas (OKW). Este último tinha alocado recrutas para 1940 entre o Exército, Marinha e Força Aérea na relação 66-9-25. O recrutamento da Waffen-SS não foi levado em consideração nesta alocação. Pelo contrário, a SS recebeu autoridade simplesmente para preencher divisões especificamente autorizadas, regimentos e tropas de apoio necessários. Berger e seus assessores impiedosamente exploraram este acordo de cavalheiros, no qual o OKW não fiscalizou a execução detalhada da política da SS. Os recrutadores da SS ignoraram todos os limites implícitos e pegaram tantos voluntários em idade de recrutamento quanto a propaganda poderia atrair. [12]

Não contente com tais subterfúgios burocráticos, Berger também procurou fontes de mão de obra não diretamente controladas pelo OKW, incluindo homens que não eram cidadãos do Reich alemão. Alemães étnicos, ou Volksdeutsche, a partir de territórios anexados ou ocupados mostravam-se como promessa para um pool de recrutamento, especialmente quando a guerra deixou partes da Europa Oriental sob controle alemão. Finalmente, os chamados povos "nórdicos" do norte da Europa, finlandeses, suecos, dinamarqueses, noruegueses e holandeses poderiam cumprir as exigências raciais dos recrutadores da SS e, ao se tornarem voluntários, não constariam das estatísticas de recrutamento do OKW. Cem desses países nórdicos tinham entrado no serviço da SS em 1940. Depois de abril do mesmo ano, os escritórios de recrutamento de Berger foram atrás deles a sério. [12]

Sem os frutos do combate, no entanto, a Waffen-SS não poderia ter crescido em mão de obra e quantidade de material como o fez. As ações de um Verfügungsdivision e vários regimentos motorizados na Batalha da França, como parte da ponta de lança mecanizada, estabeleceu o seu valor na visão de Hitler, que era o mais importante. A justificação para uma maior expansão foi encontrada na campanha em curso contra a Rússia, de modo que a força de campo da SS dobrou entre a queda da França e o início da ofensiva da "Barbarossa", como a invasão da União Soviética era conhecida. [13]

Dada essa expansão, os planos megalomaníacos de Himmler e seu chefe de recrutamento pareceram um pouco viáveis. Ao final de 1941, a Waffen- SS tinha emergido como um segundo exército, e, graças à sua formação ideológica, constituiu "uma alternativa nacional-socialista intransigente ao tradicional estabelecimento militar". Contanto que ele perseguiu um papel ativo no cumprimento confiável da "missão histórica" de Hitler, como um instrumento pessoal de seu destino, a Waffen-SS podia se sentir segura. A imagem cultivada pela SS como um corpo ideológico único, separado do Exército, e mais estreitamente ligada à autoridade política e do partido, seria proteger ainda mais a sua posição após a tentativa de assassinato em 20 de julho de 1944 sobre Hitler, no qual vários oficiais do Exército alemão participaram. Esta tentativa manchou o Exército aos olhos de Hitler e fez com que Himmler elevasse a SS ao status de único braço viável portador da nação, apesar do fato de que a guerra foi a seguir chegando a seu final, e por sua vez, com a fatal derrota alemã. [14]

Notas:

Nota 6: Gerald Reitlinger, The SS: Alibi of a Nation 1922-1945 (New York: Viking Press, 1957) has been supplanted by Robert Koehl's The Black Corps as the standard authority. However, its narrow concept of the Waffen-SS as an armed formation designed for internal security must be replaced by notions of the SS as an emerging revolutionary state in its own right, and the Waffen-SS as its future army, as asserted by Bernd Wegner, The Waffen-SS: Organization, Ideology, and Function. (Oxford: Basil Blackwell, 1990), 360-65. Back.

Nota 7: Stein, Waffen-SS, xxv-xxxii.

Nota 8: Ibid., 22; Alfred Schickel, "Wehrmacht und SS," Wehrwissenschaftliche Rundschau 19:5 (May 1969): 247-50.

Nota 9: Stein, Waffen-SS, 49; Schickel, "Wehrmacht und SS," 257; Helmut Krausnick, Hans Buchheim, Martin Broszat and Hans-Adolph Jacobsen, Anatomy of the SS State (New York: Walker, 1968), 260-74.

Nota 10: Stein, Waffen-SS, 48. Wegner, Waffen-SS, 128-29.

Nota 11: Stein, Waffen-SS, 35-36, 48; Wegner, Waffen-SS, 209 ff. On the organization of Berger's office, see Gerhard Rempel, "Gottlob Berger and Waffen-SS Recruitment, 1939-1945," Militärgeschichtliche Mitteilungen (MGM) 27:1 (1980): 107-22. General Alfred Jodl, Chief of Staff, OKW, commented in his diary entry for 25 May 1940, "the plan for a limitless expansion of the SS is alarming." Schickel, "Wehrmacht und SS," 260. Berger became head of the SS Central Office in August of 1940, but this only added duties of overseeing ideological training; Wegner, 209-12.

Nota 12: The OSS estimated that some 442,000 Volksdeutsche, including Alsatians, were available for military service, with 15,000 more coming of age each year. National Archives and Records Administration, Military Records Division, Record Group 226, OSS (R & A) document 1238, 25 September 1943. Luxemburgers and some Alsatians were considered citizens of the Reich under a complex set of rules. See Norman Rich, Hitler's War Aims, vol. 2, The Establishment of the New Order (New York: W. W. Norton, 1974), 23-35, 166; Willard A. Fletcher, "The German Administration in Luxemburg, 1940-42," The Historical Journal 13:3 (March 1970): 533-44. Bernd Wegner, "Auf dem Wege zur pangermanischen Armee," MGM 28 (1980): 101-3. For a statistical breakdown of early volunteers by nationality, see Kurt G. Klietmann, Die Waffen-SS: eine Dokumentation (Osnabrück: Munin, 1965), 501.

Nota 13: Schickel, "Wehrmacht und SS," 260.

Nota 14: Ibid., 262-64; Wegner, "Auf dem Wege," 103, 113n; Stein, Waffen-SS, 17. Wegner later enlarged and detailed the Himmler vision of a new army decisively in his masterly Waffen-SS; see especially 346-59.

Fonte: A European Anabasis — Western European Volunteers in the German Army and SS, 1940-1945; Gutenberg-e (Columbia University Press)
Autor: Kenneth W. Estes
http://www.gutenberg-e.org/esk01/frames/fesk01.html
Tradução: Roberto Lucena

Anterior:: O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 01
Próximo:: O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 03

Fotos: Legion Freies Arabien (http://de.wikipedia.org/wiki/Legion_Freies_Arabien)
Free Arabian Legion (http://en.wikipedia.org/wiki/Free_Arabian_Legion)
Category:Legion "Freies Arabien"
(http://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Legion_%22Freies_Arabien%22)

Comentário: Eu acho desnecessário repetir o comentário que fiz no primeiro post desse texto, mas... como sei que muita gente nem lê os links (com a parte 01), acho melhor repetir aqui já que o texto está dividido em várias partes.

A escolha da foto do post foi intencional pois a mesma costuma aparecer em sites "revisionistas" (e similares de extrema-direita, neonazis etc) espalhando informações distorcidas intencionalmente sobre o assunto, como propaganda para insinuar que o regime nazi não era racista por conta do uso destas tropas de voluntários da Waffen-SS, sem qualquer explicação do contexto de como essas tropas foram montadas (como é explicado na tradução acima e no site com o texto completo de Kenneth W. Estes).

Já vi "revi" alegar que este assunto é "escondido", afirmação esta que beira a comédia e pura má fé, pois como podem ver acima, o que não falta na web (e fora da web) são informações sobre o assunto, livros etc, mas obviamente que nenhum revimané vai procurar algo que preste pra ler a não ser a literatura batida deles com distorções e mentiras de extremistas. Basta a pessoa saber procurar o assunto e não cair no comodismo e preguiça (ou devido a uma certa credulidade no que o credo revimané diz) de sair repetindo como papagaio o primeiro texto distorcido que lê em sites "revis" na web. Se impressionar porque desconhece um assunto é uma coisa, agir como idiota sem procurar saber do que se trata é outra coisa completamente diferente, não caiam na segunda opção.

A foto do post anterior foi tirada do site Axis History Factbook da seção sobre os voluntários estrangeiros da subsseção Deutsche-Arabische Bataillon Nr 845. A bibliografia está no site, ou estava, pois mudaram as páginas do Axisforum, numa sequência tentarei atualizar isso. As fotos acima foram dessa vez tiradas da Wikipedia em alemão e inglês.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Doutores do inferno: o "campo pequeno" de Buchenwald

Publicado em 6 junho, 2012

O doutor Eugen Kogon, ex-recluso de Buchenwald e testemunha de acusação, declarou que o doutor Mrugowsky, um dos acusados, "selecionava sistematicamente a inválidos e pessoas mais velhas, especialmente franceses, que estavam no chamado "campo pequeno" de Buchenwald a fim de lhes extrair sangue para usá-lo na preparação de plasma sanguíneo.

Quando lhe foi perguntado se algum desses doadores de sangue do "campo pequeno" morreram por consequência disso, Kogon contestou: "O caso é que fica muito difícil formar uma ideia clara do "campo pequeno" de Buchenwald. Ali as pessoas morriam em massa. Pela noite havia
cadáveres nus estendidos pelos barracões porque os demais prisioneiros os arrancavam das camas para se ter um pouco mais de espaço. Os que queriam sobreviver lhes arrancavam até a menor peça de roupa. É impossível determinar se morreu alguém como consequência direta e imediata dessas extrações de sangue, porque muita gente caia e morria enquanto andava pelo "campo pequeno".

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/06/doctores-del-infierno-el-campo-pequeno-de-buchenwald/
Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, pág. 245; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

No Reino da Fantasia dos Trolls "Ocultos"

Antes de retomar os posts com traduções sobre experimentos médicos com cobaias humanas no Holocausto, encontrados em um blog espanhol com vários textos resumidos do livro de Vivien Spitz, irei fazer um último aviso e espero que seja definitivo pois não há mais o que falar sobre o assunto que é título do post a não ser deixar este tipo de problema no colo de quem o estimula. Não era nem pra ter este post, mas paciência. Último mês do ano e esse tipo de problema se repetindo.

A quem quiser ler os outros avisos que foram feitos no blog basta dar um clique na tag avisos que lerá em sequência (pela data) a todos os posts com avisos e quase sempre tratando do mesmo problema: trollagem, trolls e fakes trolls.

Com isso quero destacar que não tenho objeção a quem por ventura queira usar um pseudônimo num perfil pra comentar e participar de redes sociais de forma saudável. Um troll pode nem ser anônimo. Minha objeção é destinada a apenas o problema que listei antes: trollagem, trolls e 'troll fakes'.


Como tem chegado mais queixas de outras pessoas sobre trolls bancando "justiceiros" na rede (ou "aparentam" ser), dando uma de "joão-sem-braço" com "revis", agora dá pra tecer um comentário melhor e definitivo sobre o problema.

Como dito antes, eu e os amigos do blog só comentamos com perfis do blog e usando o nome, em qualquer site ou fórum. Ninguém se esconde com medo de fascistas como alguns trolls covardes fazem, só que não iremos nos submeter ao que um fake anônimo quer que a gente faça (aliás, é muita pretensão achar que alguém aqui vai ser induzido a fazer o que meia dúzia de idiotas querem por acharem que manipulam terceiros). Portanto, qualquer perfil fake fazendo menção/insinuando que é alguém deste blog, ou é algo falso ou apenas insinuação cretina (pra variar) de "revis" paranoicos (pleonasmo) vendo "inimigos" em todo canto, comportamento bastante habitual da parte deles (sem inimigos imaginários e crenças conspiratórias a motivação dessa extrema-direita conspiratória costuma cair num vazio).

Vale deixar isso registrado pra passar na cara de 'revimanés' que por ventura queiram insistir neste tipo de babaquice (afirmação cretina).

Ninguém tem poder de mandar A, B ou C parar de comentar na web, cabe a cada pessoa refletir se é pertinente ou não fazer isso, e tampouco respondo pelo que A, B ou C comentam ou pensam. Só que há pessoas com bom senso e muitas sem noção alguma (que infelizmente são a maioria). E justamente por isso, por não ter como impedir que A, B ou C (dos sem noção) comente e haja de forma escrota, é preciso pelo menos deixar claro que alguns perfis não têm nada a ver com o pessoal daqui do blog e os deixar no "colo" dos "revis" que os abrigam, pois se abrigam é porque gostam deles.

Como dizia, não temos nada a ver com esses trolls em muitos aspectos, principalmente no quesito humanismo e na forma de encarar a extrema-direita. Muitos desses trolls inclusive são de extrema-direita só divergindo dos "revis" em relação à questão do Oriente Médio e a paranoia antijudaica. Não é porque o pessoal aqui é anti-"revisionista" e anti-nazi que necessariamente comunga do mesmo espectro ideológico de quem por ventura também seja anti-"revisionista", não há um "clube fechado" disso, "tchurma" (nunca houve).

Eu penso que se um indivíduo (qualquer que seja) se 'pela de medo' de um bando de "revis" e usa o artifício do fake só pra provocar brigas, trollagem sem sentido pra não assumir a consequência dos atos, seria melhor que ficasse afastado desse tipo de discussão. Seria o mais sensato e prudente, mas prudência e bom senso são coisas que não fazem parte do ideário desse tipo de troll "bem intencionado" (atenção às aspas).

Outro ponto importante a se destacar é que: que eu lembre só deixei uma única vez, como teste, o espaço de comentários deste blog com possibilidade de comentários anônimos, lá pelos idos de 2011, e todos os comentários que chegaram ficaram registrados em emails.

Como só chegava besteira e comentário de gente covarde que nunca comentava no sistema normal de comentários porque só expressam essas idiotices como anônimo (pois no sistema convencional é necessário ter pelo menos uma conta no blogger/Google etc pra comentar, o que pode tornar o perfil identificável), e além da falta de credibilidade dos comentários anônimos, resolvi tirar em definitivo e em muito pouco tempo a opção de comentários anônimos.

A experiência com comentários anônimos não deve ter durado um mês (com muita boa vontade, nem duas semanas). Recomendo que mais gente (caso sejam sérios) adote a mesma postura, cortando assim a proliferação desse tipo de comentário de perfis anônimos que só tem em mente publicar toda e qualquer tipo de asneira para não assumir posições por medo, coibindo a covardia e trollagem na rede.

Eu já encontrei comentário como se tivesse sido feito pelo Leo, com o nome dele, feito provavelmente por algum desses trolls e inclusive mostrei a ele e ele confirmou que não fez o comentário ( tirei o print caso apaguem). Até coisas desse tipo já aconteceram.

Há trolls bancando "justiceiros" na rede, apesar da hipótese de também poderem ser fakes de "revis" bancando "bobos da corte" pra dar "levantadas" pros "revis" darem cortadas "brilhantes" na ausência de gente pra "discutir" com eles, e isso ocorre há bastante tempo, desde o Orkut.

O problema dos trolls não começou no Orkut (é muito antigo, vem desde os anos 90), mas adquiriu notoriedade no Brasil nesta rede social do Google (Orkut), muito em virtude do "deslumbre" do brasileiro (generalizando) que não tinha contato com essas redes sociais antes do estouro delas (pois já havia redes antes disso, não chega nem a ser algo "novo" apesar da maioria achar que é). Houve um crescimento do público com acesso à internet no Brasil neste período de crescimento do Orkut e com isso o aumento considerável desses problemas (trolls, pregação neonazi, negacionista etc). Misture ignorância, deslumbre e idiotice e eis uma mistura bombástica que detona qualquer fórum de discussão, rede social e afins (foi essa uma das causas do declínio do Orkut). Quer ver um fórum se desintegrar no Brasil? Deixa os trolls tomarem conta e o estrago está feito.

Que essas pessoas tenham em mente que: fazem isso por conta própria, agem por si próprios. Não digo isso pra eles mas para os idiotas que sempre tentam usar essas pessoas e insinuar que esses fakes são nossos. Que não se escondam atrás de perfis tentando nos usar como "escudos" por serem covardes por saberem que toda vez que "revis" querem mirar vem sempre em uma direção (ou a este site ou ao blog do Daniel "A vida no front") e nunca cortam os fakes anônimos (por conivência). Mas dessa vez não irão fazer isso mais pois estou me precavendo do problema ao detalhar a coisa neste post.

E que esses trolls não se valham da paranoia dos "revis", de forma cretina (ou não, pois pode ser apenas cinismo) ao afirmarem que são perfis da gente pra ficar criando brigas e atritos com esse tipo de gente porque nunca assumem as consequências dos atos e das provocações se valendo de anonimato, tanto que só comentam como anônimos por covardia, pois se estivessem agindo de boa fé comentariam com o nome e perfil normal, ou um único perfil com pseudônimo, e não se comportariam dessa forma descrita no post.

Tem perfil com mais de mil nomes e sempre com a mesma forma de escrever, seguido de mais algum outro perfil. Mais gente critica a ação desses trolls bancando o papel de idiotas motivando os "revis" a ficarem com o trololó enfadonho de sempre. Até porque se forem discutir com "revis", vão ter que saber pelo menos o 'be a bá' da segunda guerra e a maioria não sabe. E tampouco ficar com "papo miguxo" com "revis".

O assunto em questão (racismo, antissemitismo, genocídio, negacionismo) é sério, não é pra inconsequentes, por pura diversão, ficarem de lorota incitando briga de ego com quem não conhece quase nada do assunto ou com fascistas convictos, por acharem que irão "mudar" a forma desses fáscios "pensarem" (algo que beira a cretinice).

Entendam uma coisa, vocês não irão "domesticar" nem persuadir um bando de fascistas convictos, surtados, que odeiam judeus e creem em teorias da conspiração e escatologia fazendo média e com "diálogo apaziguador".

Digo isso apenas pra pessoas que de fato forem pessoas querendo confrontá-los honestamente (embora de maneira equivocada), pois há sempre a suspeita que também possam ser fakes dos "revis" pra ativar discussão já que quase ninguém contrário a eles fica dando muito atenção a essas figuras. Refiro-me ao cenário brasileiro, não ao cenário estrangeiro (que tem outra dinâmica).

Aparentemente os perfis descritos acima nem judeus são, aparentam ser daqueles 'fundamentalistas' que ficam posando de "judeus" pregando idiotices e escatologia. Pra quem não conhece, eu ia colocar um texto mais detalhado sobre o problema mas não concordo com a posição ideológica do blog que achei, por isso segue o link da wikipedia mesmo pois dá pro gasto: messigélicos. Há outra vertente que fica numa de "ouvi falar que os portugueses que colonizaram o Brasil, cristãos-novos, eram judeus" e bla bla bla, aí entram nessas seitas pra lá de questionáveis, com ideias totalmente distorcidas sobre religião, etnia, história etc, e ficam enchendo o saco de todo mundo.

Eu dei uma olhada, por curiosidade, na página da Conib (pra quem não sabe o que é, confira o link) no Facebook e sinceramente, não sei como essa entidade (o pessoal que controla a página) tolera os comentários desses fanáticos religiosos na página fazendo proselitismo (contra judeus) e com insultos religiosos (geralmente direcionados contra católicos). Achei aquilo bizarro. Proselitismo, intolerância religiosa etc. Deveriam mandar esse pessoal de vez pruma "Sibéria virtual" (banimento) pra esses caras deixarem de ser paspalhos e aprenderem a respeitar os outros já que entram nessas páginas não pra aprender e sim pra fazer pregação religiosa.

Como dá pra notar, não sou adepto da "filosofia" de tolerância com intolerantes, sou mais a favor do "bateu, levou" com intolerantes. Não tolero gente sem educação e mal-intencionada. Frouxidão não educa gente mala sem alça, pelo contrário, a frouxidão (falta de ação firme/rígida/dura pra coibir isso) estimula ainda mais o comportamento cretino e intolerante dessas pessoas/fanáticos, criando um problema descomunal pois a intolerância se propaga fácil.

sábado, 30 de novembro de 2013

Doutores do inferno: experimentos de congelamento em Dachau

Publicado em 15 junho, 2012

Os experimentos de congelamento ocorreram em Dachau entre agosto de 1942 e maio de 1943, aproximadamente, para proveito da Luftwaffe. Tratava-se de investigar como tratar pessoas que haviam sofrido hipotermia ou haviam estado submetidas a um frio intenso.

Realizaram experimentos em água gelada e terra seca que reproduziam as condições de frio extremo que padeciam os pilotos alemães cujos aviões se chocavam no mar, ou as tropas do exército alemão que lutavam a temperaturas abaixo de zero em meio a grossa capa de neve. Tinham como objetivo pôr a prova distintos modos de reanimar os aviadores e soldados alemães.

Os acusados Karl Brandt, Handloser, Schroeder, Gebhardt, Rudolf Brandt, Mrugowsky, Poppendick, Sievers, Becker-Freyseng e Weltz foram acusados de conduta criminosa por dirigir esses experimentos.

A acusação partiu para o Departamento de Medicina da Aviação, a quem era responsável o então imputado Becker-Freyseng.

(…)

Nos experimentos com água gelada (entre 360 e 400) utilizaram-se uns 280 ou 300 presos políticos, cidadãos estrangeiros e prisioneiros de guerra. Morreram entre 80 e 90 sujeitos. Rascher conduziu os experimentos adicionais, servindo-se de outros 50 ou 60 sujeitos. Deles, morreram entre 15 e 18.

Não há melhor modo de descrever esses experimentos que acudir as declarações da testemunha Walter Neff, um prisioneiro do campo de concentração que atuou como auxiliar. Neff foi interrogado entre 17 e 18 de dezembro de 1946 pelo promotor James McHaney.

(…)

Testemunha: – a banheira de experimentação estava cheia de madeira. Tinha dois dois metros de comprimento por dois de largura. Erguia-se a uns cinquenta centímetros do chão e ficava no barracão número 5. Tanto na câmara de experimentação como na banheira havia muitas lâmpadas e outros aparatos que eram usados para tomar medidas (…)

Testemunha: – as banheiras se enchiam de água e se acrescentava gelo até que a água alcançasse uma temperatura de 3º C, e os sujeitos da experimentação iam vestidos com traje de voo, ou os colocavam nus na água gelada. (…) Quando os sujeitos da experimentação estavam conscientes, passava algum tempo até se manifestar a chamada narcose por congelamento. A temperatura era tomada pelo reto e pelo estômago, mediante o galvanômetro. A queda de temperatura corporal até 32º C era terrível para o sujeito da experimentação. A 32º C, o sujeito perdia a consciência. Essas pessoas eram congeladas até alcançar os 25º C de temperatura corporal, e para que se compreenda o problema, eu gostaria de lhes dizer algo acerca da época de Holzloehner e Finke. (…) não morreu nenhum sujeito da experimentação na água. A morte ocorria porque durante a reanimação a temperatura caia todavia mais e se produzia uma parada cardíaca. Isto ocorria porque também a terapia era mal aplicada (…) Mas as coisas mudaram quando Rascher ficou responsável pessoalmente dos experimentos. Naquela época, muitas das pessoas que tomaram parte nos experimentos eram mantidas na água até que morressem.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)
http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/15/doctores-del-infierno-experimentos-de-congelacion-en-dachau/
Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, págs. 131-135; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Documentário sobre o Holocausto é recuperado e restaurado (Bergen-Belsen)

quarta, 27 novembro 2013 13:23. Publicado por Jorge Pereira
Fonte: Screen Daily

Um documentário inédito sobre o Holocausto, em que Alfred Hitchcock serviu como consultor, está a ser restaurado com a ajuda do realizador Stephen Frears. O filme, executado em 1945 pelo exército britânico, mas nunca terminado, mostra a libertação dos detidos no campo de concentração de Bergen-Belsen, apresentando mesmo imagens bastante chocantes que tinham como objetivo impedir que os alemães negassem as atrocidades cometidas na 2ª Guerra Mundial.

O anúncio foi feito durante o Festival Internacional de Documentários de Amsterdã (IDFA), estando confirmada a chegada da produção aos cinemas (provavelmente em festivais) e à TV em 2015, data em que se assinalam os 70 anos da libertação da Europa.

A acompanhar este trabalho estará ainda uma outra longa-metragem documental, intitulada Night Will Fall. Nesta produção, realizada por André Singer, o produtor executivo de The Act of Killing, acompanha-se a elaboração do documentário e também a forma como ele foi abruptamente cancelado e «escondido» durante décadas. Consta que o Governo Britânico e o Departamento de Estado dos EUA impossibilitaram a finalização da produção devido a esta ser bastante penalizadora para a reconstrução da «nova» Alemanha.

No inicio dos anos 80, a fita foi «descoberta» no Imperial War Museum em Londres e em 1985 chegou mesmo a ser apresentada na TV americana (PBS) sob o titulo Memories Of War, com a narração do ator Trevor Howard.

O filme foi agora recuperado, restaurado e editado de forma cronológica pelo Dr Toby Haggith, que finalizou assim o projeto original.

Fonte: site C7nema
http://www.c7nema.net/producao/item/40580-documentario-sobre-o-holocausto-e-recuperado-e-restaurado.html

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Doutores do inferno: experimentos com malária

Publicado em 18 junho, 2012

Mais de 1084 acusados de diversas nacionalidades, inclusive sacerdotes católicos, foram submetidos a experimentos com malária (testes de imunização e tratamento diversos). Esses experimentos ocorreram no campo de concentração de Dachau entre fevereiro de 1942 e abril de 1945, aproximadamente, e foram concluídos apenas antes da rendição da Alemanha, em 8 de maio de 1945.

Wolfram Sievers
Infectava-se premeditadamente com malária os reclusos que eram considerados sãos, servindo-se de mosquitos infectados ou mediante injeção de sangue infectado com malária. Para manter uma provisão constante de sangue infectado, todos os meses se contaminava artificialmente com malária entre três e cinco reclusos, de modo que seu sangue pudesse ser usado para infectar outros.

(…)

Os imputados Karl Brandt, Handloser, Rostock, Gebhardt, Blome, Rudolf Brandt, Mrugowsky, Poppendick e Sievers foram acusados de responsabilidade especial e participaram na conduta criminosa devido a esses experimentos, mas só Sievers foi condenado neste julgamento. Sievers negou haver tomado parte nos experimentos com malária.

(…)

Em Dachau, um tribunal militar estadunidense nomeado em 2 de novembro de 1945, ajuizou quarenta médicos e assistentes no caso Estados Unidos contra Martin Gottfried Weiss, Friedrich Wilhelm Ruppert, et al. Entre os imputados se encontrava o doutor Claus Karl Schilling. (…)

Schilling foi o principal responsável pelos experimentos levados a cabo em Dachau, dado que esteve perfeitamente disposto a utilizar os métodos de experimentação nazi servindo-se de acusados do campo numa época em que outros médicos e cientistas alemães se negaram a tomar parte deles ou fugiram do país. Schilling acreditava que era seu dever humanitário encontrar a cura para a malária, à margem de que seus métodos ameaçavam a vida de reclusos do campo submetidos à experimentação contra sua vontade.

Claus Karl Schilling
Antes do julgamento, em 30 de outubro de 1945, o doutor Schilling efetuou, de seu próprio punho, uma declaração jurada ante o subtenente Werner Conn. Esta declaração foi admitida como indício provatório com o número 122 das provas da acusação. Schilling afirmava haver inoculado pessoalmente entre novecentos e mil prisioneiros. (…)

Muitos dos internos infectados com malária morreram de tuberculose, disenteria e tifo. Segundo sua declaração, Schilling assistiu a autopsia de uma das vítimas e solicitou o cérebro, o fígado, o rim, o baço e um pedaço do estômago.

No julgamento de Dachau, um sacerdote católico preso, o padre Koch, declarou que primeiro lhe fizeram radiografias e posteriormente o enviaram para sala de malária. Metido em um quarto pequeno, teve que segurar uma caixa de mosquitos durante meia hora todos os dias pelo intervalo de uma semana. Cada tarde lhe colocavam outra caixa de mosquitos entre as pernas enquanto estava na cama. Todas as manhãs lhe tiravam uma amostra de sangue da orelha.

O padre Koch saiu do hospital passados dezessete dias. Oito meses depois teve um ataque de malária que voltou a se manifestar a cada três semanas durante seis meses. Sofria de febre alta, calafrios e dores articulares. Infectou-se assim mesmo prisioneiros poloneses e russos mediante injeções procedentes dos próprios mosquitos ou com extratos de glândulas mucosas dos mosquitos. A malária foi a causa direta de trinta mortes, enquanto que as complicações derivadas dela ocasionaram entre trezentas e quatrocentas mortes, um terço das 1200 vítimas submetidas a esses experimentos.

(…)

Durante seu julgamento em Dachau, o doutor Schilling se defendeu alegando que seu trabalho era parte de seus deveres; que ficou inacabado; e que o tribunal de Dachau devia fazer o que pudesse para ajudá-lo a concluir seus experimentos em benefício da ciência.

Fonte: extraído do blog El Viento en la Noche (Espanha)

http://universoconcentracionario.wordpress.com/2012/06/18/doctores-del-infierno-experimentos-con-malaria/

Trecho do livro (citado no blog): "Doctores del Infierno" (livro original em inglês, Doctors from Hell), Tempus, 2009, págs. 147-156; de Vivien Spitz
Tradução: Roberto Lucena

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.