domingo, 29 de abril de 2012

Baviera vai publicar edição comentada do livro de Hitler

Objetivo é reduzir o aproveitamento comercial de "Minha luta", que cairá em domínio público em 2015. Edição comentada ajudará também a desmistificar o panfleto nazista.

O estado alemão da Baviera vai publicar uma edição comentada do livro Minha luta (Mein Kampf), do ditador nazista Adolf Hitler, em 2015, quando os direitos autorais do principal panfleto do nazismo se tornarem de domínio público.

Segundo o governo da Baviera, a decisão é uma tentativa de desmistificar o livro, bem como de reduzir o aproveitamento comercial da obra oferecendo uma edição com comentários de especialistas. A edição comentada já está sendo preparada, afirmou o governo bávaro.

"O objetivo é desmistificar o Mein Kampf e elucidar os alunos sobre o caráter da obra, porque a abolição dos direitos autorais pode levar a uma propagação mais ampla dela junto aos jovens", declarou o secretário das Finanças da Baviera, Markus Soeder, nesta terça-feira (24/04) em Munique.

Até hoje, o estado da Baviera havia impedido qualquer tentativa de publicar o livro ou trechos dele na Alemanha. A Baviera detém os direitos sobre o livro porque o estado foi o último domicílio de Hitler.

"Queremos tornar claro o grande disparate que é o Mein Kampf, mas um disparate com consequências funestas", acrescentou Soeder, aludindo ao genocídio de 6 milhões de judeus pelo regime nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Recentemente, o Tribunal Regional de Munique proibiu o editor britânico Peter McGee de publicar trechos comentados de Minha luta no seu semanário Zeitungszeugen, a pedido do estado da Baviera.

A primeira edição de Minha luta surgiu em 1925 e, até 1945, foram vendidos na Alemanha 9,8 milhões de exemplares da obra, sobretudo porque, após a chegada dos nazistas ao poder, em 1933, o livro passou a ser oferecido a cada casal, durante o registro civil do matrimônio.

AS/lusa/dpa/epd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Fonte: Deutsche Welle (Alemanha)
http://www.dw.de/dw/article/0,,15908019,00.html

terça-feira, 24 de abril de 2012

Crime neonazista faz três anos sem punidos

Todos os acusados estão soltos depois de receberem habeas corpus; julgamento pode ocorrer em maio

Do Metro Curitiba noticias@band.com.br

No último sábado, completaram-se três anos do duplo homicídio que vitimou o casal Renata Waechter Ferreira e Bernardo Dayrell Pedroso em Quatro Barras, Região Metropolitana de Curitiba. Segundo as investigações do Cope (Centro de Operações Policiais Especiais), seis pessoas participaram do crime, que teria ocorrida pela disputa de poder entre grupos neonazistas.

Todos eles foram detidos, mas soltos através de habeus corpus. “Pelo que o promotor me disse, o julgamento deve até o fim de maio”, conta a mãe de Renata, Vilma Waechter. “Ela era minha única filha, meu objetivo de vida. A nossa dor não vai passar, mas com o julgamento vamos ter pelo menos uma sensação de justiça”, afirma.

A demora no julgamento, diz Vilma, vem sendo uma estratégia dos advogados da defesa. “Eles estão fazendo de tudo para atrasar e achar brechas na lei”, afirma. O mandante do crime seria Ricardo Barollo, que é de São Paulo. Jairo Fischer é de Teotônia-RS e Rodrigo Mota, Gustavo Wendler e Rosana Almeida são de Curitiba. João Guilherme Correa, o último acusado, morava em Pato Branco.

Fonte: band.com.br
http://www.band.com.br/noticias/cidades/noticia/?id=100000499168

Polícia investiga denúncia de racismo na UNESP Araraquara (neonazis)

Um grupo formado por dez estudantes da Unesp (Universidade Estadual Paulista) em Araraquara registrou um boletim de ocorrência no 4º DP da cidade para denunciar um ato de racismo ocorrido no campus.

De acordo com o delegado Antônio Luiz de Andrade, responsável pelo caso, os jovens denunciavam uma inscrição preconceituosa feita em um muro que fica dentro da Unesp. A frase diz “Sem cotas para os animais africanos”.

Os estudantes são beneficiários do Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G), do Governo Federal, que oferece intercâmbio para alunos de Países em desenvolvimento com os quais o Brasil mantém acordos educacionais.

De acordo com Andrade, a pena para crimes de preconceito varia de um a três anos de prisão.

Para ele porém, será difícil identificar o autor da frase, já que não há provas técnicas que apontem um culpado.

— Esperamos que alguma testemunha se apresente, pois assim o culpado será punido e novas ações como essa poderão ser evitadas.

A faculdade de ciências e letras da Unesp de Araraquara divulgou uma nota informando que já nomeou uma comissão preliminar para apuração dos fatos. A unidade também informou que notificaria o ocorrido à Polícia Civil, à Polícia Federal e ao Ministério Público local.

De acordo com Dagoberto José Fonseca, professor da instituição que acompanha o grupo de africanos, alguns estudantes da instituição já haviam relatado que, nos últimos dois anos, inscrições de grupos neonazistas têm sido vistas nos banheiros masculinos no campus.

— Isso mostra que o preconceito ainda é muito presente em nosso país. Com essa denúncia queremos também garantir mais segurança aos estudantes africanos, já que a agressão escrita pode evoluir e causar algum ato violento.

Segundo Fonseca, ainda essa semana será feita uma reunião com a Polícia Federal, que também deve apurar o caso.

Postado por R7.com em 17 abril, as 18:20

Fonte: R7/Boainformacao.com.br
http://www.boainformacao.com.br/2012/04/policia-investiga-denuncia-de-brracismo-na-unesp-araraquara/

Ler mais:
Unesp investiga denúncia de racismo contra africanos (Jornal Cidade, Brasil)

sábado, 14 de abril de 2012

Sobre comentários no blog

A quem interessar e quiser ler a discussão que deu origem a este post, segue o link.

A quem interessar também, leiam o que eu comentei há algum tempo atrás nesse post (Sobre fóruns e e-mail).

Só que espero que esse seja o último post que comento sobre esse tipo de coisa sob pena deu suspender o blog por perceber que pessoas estão brincando com esse tipo de assunto, jogando brigas pros outros (no caso, pra cima das pessoas do blog), com um comportamento de "justiceirismo virtual", quando fica claro que esse tipo de postura de leva-e-traz é incompatível com quem de fato queira combater extremismo político. Achei que não haveria outro comentário citando determinados sites ou comentários em tom pessoal mas hoje houve mais um.

Há algum tempo eu tenho notado a insistência de citação de um determinado site em todo comentário feito por perfis sem idenfiticação no blog, e uma repetição sem aparente propósito (já que os posts não tratavam desse site) sempre chama atenção. O pessoal do blog já discutiu muito com "revisionistas" pra ter esse tipo de cautela com perfis sem identificação que chegam relatando brigas com "revis".

O fato de sermos contra o "revisionismo" (negação do Holocausto) e contrários totalmente ao nazismo e fascismo, não faz com que a gente concorde com todo ou qualquer tipo de ação feita em direção a "revisionistas", ou mesmo concordantes com políticas de quaisquer países do Oriente Médio (já que sempre tentam misturar este tipo de assunto com os conflitos da Segunda Guerra). Há que se ter uma postura firme e bem clara sobre o assunto, mas entrar em fóruns "revisionistas" pra brigar pessoalmente com radicais de direita, para trazer o assunto para envolver terceiros sem que as pessoas sejam consultadas a respeito (digam o que acham do assunto ou mesmo quando dizem acabem sendo ignoradas no que comentam), porque não souberam rebater falácias de "revisionistas", não é uma boa atitude.

A princípio, não vejo problema que um pessoa use um perfil com nick pra participar ou comentar com o mesmo, desde que o mesmo seja dirigido pra discutir um assunto abordado. Só que visivelmente estava ficando claro que o intuito dos comentários (por conta do tom e repetição de um site "revisionista", sem razão aparente já que costumamos citar mais sites estrangeiros) era de trazer briga de fóruns os quais o pessoal do blog não participa, e que por conta da falta de identificação os comentários sempre recaem automaticamente sobre o blog e não sobre quem comenta, justamente pelo perfil não ter identificação e pelo tom do comentário ser de cunho pessoal.

No Brasil não existe a cultura de discussão livre dos EUA, pelo menos pra mim isso sempre foi bem claro, não sei se é ruim ou bom mas isso é um fato, por isso que quem quiser discutir dizendo o que quer sem "pensar nas consequências", que procure um fórum norte-americano.

Eu já disse isso antes mas direi de novo, se uma pessoa não suporta certos assuntos (que podem ter um impacto diferente de pessoa pra pessoa), e isso não é problema pois o assunto genocídio não é mesmo agradável, que não se envolva diretamente com o mesmo se for pra sair brigando a esmo, pois esse tipo de postura de "justiceirismo virtual" não resolverá coisa alguma e criou inúmeros problemas que levaram ao esfacelamento da rede social do Google(o Orkut) por conta de insegurança e vandalismo, e também acarretou no apagamento de várias provas em relação a vários delitos cometidos naquele site.

Em função disso e se atendo ao problema de que briga pessoal deve ser tratada entre as partes envolvidas e onde a briga começou e não aqui, até porque o pessoal daqui não usa nicks e comentam com os nomes:

1. A partir de hoje a pessoa que quiser comentar no blog terá que ter o mínimo de identificação possível ou pelo menos se ater ao assunto tratado no post, fora isso não terá publicado o comentário.

2. Se o que as pessoas querem é ver confusão, baderna e briga gratuita, não terão aqui.

3. Brigas pessoais de terceiros surgidas em outros fóruns e que não dizem respeito aos membros do blog devem ser tratadas nos locais de origem, não aqui.

Há um tempo atrás houve discussão com alguns "revis" de outros países (com mesmo idioma) e o resultado foi péssimo, acabou em baixaria e troca de farpas abertas (começadas pelos ditos "revisionistas" que costumam dizer que são "defensores da liberdade de expressão" mas não verdade não são). O "nivel" de discussão com "revis" lusófonos geralmente é terrível, baixaria total (e isso não é um elogio aos "revis" de países não-lusófonos, só que o nível de baixaria e cretinice das discussões em português faz qualquer discussão em inglês, espanhol e outros idiomas, parecerem uma "coisa leve").

Então, repetindo: fica vedado trazer briga pessoal de fóruns nos quais as pessoas do blog não participam. Quem arrumar briga pessoal com pessoa A, B ou C ou contra grupos, que resolva com essas pessoas diretamente, ou se achar que é o caso, acione a justiça pra resolver o assunto.

Não adianta trazer problema policial ou briga pessoal praqui pois o blog não é delegacia. Tampouco é o Ministério Público pra tratar de questões judiciais, algo que qualquer pessoa com um mínimo de bom senso perceberia.

Eu não participo de fóruns brasileiros sobre "revisionismo", exceção feita à lista do Marcelo Oliveira (que está desativada). Que eu saiba os demais membros do blog também não participam de fóruns brasileiros sobre "revisionismo" e comentam usando o nome.

Ou o leva-e-traz de briga desse tipo de fórum pára, ou terei que suspender o blog por tempo indeterminado pois não irei me irritar/estressar com esse tipo de palhaçada. Esse tipo de briga gratuita e sem direção, satura e tem imite.

As pessoas do blog sabem quais sites em português "discutem" "revisionismo", sabem a origem deles, não é "surpresa" pra nós o tipo de assunto tratado nesses sites, só que os membros do blog podem achar que a citação a esmo de determinados sites sem qualquer discussão relevante (ou com brigas pessoais) só serve para divulgação desses sites, quando não, criar envolvimento das pessoas do blog em brigas pessoais alheias. O que é consenso é que ninguém do blog e o mesmo será movido a uma discussão por conta de direcionismo de briga de terceiros, de coisas que não participamos.

Quem não concordar com essa postura pode criar um blog e dar a direção que quiser ao assunto. Temos uma conduta própria pra lidar com o assunto, não é algo que surgiu na semana passada e sim coisa de bastante tempo e não mudaremos isso. Como também não acataremos sermos direcionados a certos tipos de atrito e brigas quando nem sequer participamos dos sites que deram origem a este tipo de briga pessoal. Pensamos que não é desta forma (confronto pessoal, atrito, uso de fakes) que se combate esse tipo de extremismo político e sim com informação e educação.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Himmler e suas Waffen-SS

Desde 1934 estava claro que Himmler preparava sua SS para criar seu próprio exército privado, uma guarda pretoriana acima da autoridade da Wehrmacht, com capacidade de combate e apenas leal ao seu führer. Ninguém devia acusar seus policiais, ou os guardas dos campos de concentração, de escapulir do front.

O começo dessa "elite" não foi muito prometedor, mas o que lhe faltava em experiência ou adestramento o supriram com seu entusiasmo, sofrendo mais baixas que outras unidades. Na Polônia, em que pese seu entusiasmo (ou por conta dele mesmo) o regimento motorizado da guarda de Hitler (o Leibstandarte de Sepp Dietrich) foi cercado e teve que ser resgatado por uma vulgar infantaria. Ao estar submetidos à disciplina do exército, este se empenhou em julgar um policial e um soldado de artilharia da SS por assassinar um de cinquenta judeus. Foram condenados a três anos. Mas não tiveram que cumprir um só dia, já que houve uma anistia geral para todos os casos deste tipo de "indisciplina" antes da campanha da França.

Exaustos no front, em 27 de maio de 1940 uma companhia da Totenkopf sob comando do tenente Fritz Knöchlein fuzilou a uma centena de prisioneiros britânicos do 2º regimento de Norfolk em Le Paradis, depois de haver sofrido baixas sob seu fogo. Em 28 o segundo batalhão da Leibstandarte fez o mesmo com uns oitenta prisioneiros desarmados em um celeiro próximo de Wormhoudt, em Flandes.

Os 18.000 SS armados de 1939 haviam se convertido em 100.000 em maio de 1940. Além disso, já não estavam submetidos à polícia militar do exército alemão.

Himmler ante os oficiais da Leibstandarte SS Adolf Hitler, outono de 1940
[...] Onde com uma temperatura de quarenta graus abaixo de zero tivermos que trasladar, a milhares, a dezenas de milhares, a centenas de milhares, onde tivermos que ter dureza de, e que vão escutar e depois esquecer imediatamente, matar a tiros centenas de dirigentes poloneses, onde tivermos que ser extremamente duros porque, caso contrário se voltarão contra a gente depois. Em muitos casos, é muito mais simples entrar na batalha com uma companhia de infantaria que suprimir uma população obstrutora de baixa cultura ou executar pessoas ou removê-las.
Notas:

Lang, the divided Self, 1966. pg 121 Citado por Padfield, Peter: Himmler, el líder de las SS y de la Gestapo. (Himmler, Reichführer SS, Nueva York 1990), Tradução de Ana Mendoza, La Esfera de los Libros, Madrid 2003. pg. 358.

Para referência dos primeiros crimes de guerra das Waffen-SS na França, em maio de 1940:
Lumsden, Robin: Historia secreta de las SS (Hitler’ Black Order, 1997) Tradução de Alejandra Devoto. La Esfera de los Libros, Madrid 2003. pp. 292-293.

Padfield, Peter: Himmler, el líder de las SS y de la Gestapo. (Himmler, Reichführer SS, 1990), Tradução de Ana Mendoza, La Esfera de los Libros, Madrid 2003. pg. 372-73.

Wykes, Alan: Guardia de Hitler, SS Leibstandarte (SS Leibstandarte, 1970.Tradução Lázaro Minué). Editora San Martín, Madrid 1977. pg. 95-99.

Elting, John R; Steinn, George: Las SS (The SS, 1990 Tradução de Domingo Santos) Editora Rombo, Barcelona 1995 pg. 155-156.

Fonte: blog antirrevisionismo. El III Reich y la Wehrmacht
http://antirrevisionismo.wordpress.com/2007/07/26/himmer-y-sus-waffen-ss/
Tradução: Roberto Lucena

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Breivik não sofre de psicose, diz avaliação

Homem foi o autor dos ataques de 22 de julho, onde 77 pessoas morreram

Da AFP noticias@band.com.br

População contestou os resultados da primeira
avaliação psiquiátrica de Anders Behring Breivik
/ Jon-Are Berg-Jacobsen/Aftenposten/AFP
Um segundo painel de psiquiatras que analisou Anders Behring Breivik concluiu que o autor dos ataques de 22 de julho de 2011 na Noruega não sofre de psicose e, portanto, é penalmente responsável.

"Nós concluímos que o acusado não era psicótico no momento dos fatos", declarou o psiquiatra Agnar Aspaas durante uma coletiva de imprensa realizada após a entrega do relatório ao Tribunal de Oslo. O processo deve começar na segunda-feira.

A nova avaliação contradiz os resultados de um primeiro exame psiquiátrico oficial que no ano passado concluiu que Breivik sofria de esquizofrenia paranoide, e que, portanto, deveria ser enviado para um hospital psiquiátrico, e não para uma prisão.

Um dos advogados de Breivik afirmou que seu cliente está "satisfeito" com a nova avaliação. Solicitada pela justiça norueguesa após as várias críticas dirigidas à primeira avaliação, esta nova ainda é provisória e de valor apenas consultivo.

Em última instância, será o veredicto dos juízes que decidirá a complicada questão da responsabilidade penal de Breivik e determinará o seu destino: prisão ou hospital psiquiátrico. Em ambos os casos, Breivik poderá permanecer trancafiado entre quatro paredes até sua morte.

Apesar de a pena máxima por "atos de terrorismo" ser de 21 anos na Noruega, um mecanismo de retenção de segurança permite prolongar indefinidamente a prisão de um detento, enquanto este for considerado perigoso.

Ultradireitista fanático, Breivik detonou uma bomba diante de um prédio do governo em Oslo e pouco depois abriu fogo contra jovens social-democratas que participavam em uma reunião política na ilha de Utoeya, matando 77 pessoas no total.

"Existe um alto risco de ele reincidir", afirmam Aspaas e seu colega Terje Toerrissen, em um comunicado do Tribunal que resume as conclusões. "Estamos muito seguros (de nossas conclusões) de que isso é possível", disse Toerrissen, acrescentando que os dois especialistas tiveram acesso "a tanto, ou mais material" do que seus colegas para avaliar a saúde mental de Breivik.

O relatório tem como base 11 entrevistas com o acusado, três semanas de observações contínuas e registros de interrogatórios policiais.

Mesmo sujeito a alterações até o final do julgamento, de acordo com o comportamento de Breivik durante o processo, seus resultados são esperados para reforçar a linha de defesa dos advogados do extremista que, a seu pedido, vão trabalhar para reconhecer a responsabilidade penal do cliente.

Um dos advogados de Breivik afirmou que seu cliente está "satisfeito" com a nova avaliação. Breivik acredita que ser declarado irresponsável por seus atos, invalidaria a sua ideologia islamofóbica e hostil ao multiculturalismo, resumidas no manifesto distribuído por ele no dia dos ataques.

Em uma carta enviada na semana passada para os jornais noruegueses, ele afirmou que um hospital psiquiátrico seria "pior do que a morte" e que a avaliação dos primeiros peritos-psiquiatras era "a maior humilhação."

Em uma inversão impressionante dos papéis habituais, o Ministério Público afirmou no mês passado que está preparado para manter a irresponsabilidade penal de Breivik, reservando a possibilidade de mudar de posição caso apareçam novas provas eventuais.

Fonte: AFP/Band
http://www.band.com.br/noticias/mundo/noticia/?id=100000496512

Ver também:
Noruega: irmão de princesa é uma das vítimas (AFP)

terça-feira, 10 de abril de 2012

Sede na fazenda de antiga colônia nazista será demolida

Pesquisador defende conservação de imóvel no interior que também abrigou órfãos escravos
08 de abril de 2012 | 3h 02

JOSÉ MARIA TOMAZELA, SOROCABA - O Estado de S.Paulo

Prédios de tijolos com suástica
darão lugar à plantação
de cana-de-açúcar - Divulgação
As construções remanescentes de uma colônia nazista que funcionou na década de 1930 na Fazenda Cruzeiro do Sul, em Paranapanema, a 260 km de São Paulo, serão destruídas. O novo proprietário decidiu limpar as terras para facilitar o cultivo de cana-de-açúcar. Está prevista a derrubada dos prédios das oficinas, da cocheira e da pequena igreja. A antiga piscina de alvenaria será soterrada.

Os tijolos usados nas construções trazem impressa a suástica, símbolo do nazismo de Adolf Hitler. O antigo proprietário da fazenda, José Ricardo Rosa Maciel, e sua mulher, Senhorinha, contaram que o comprador consultou os órgãos do patrimônio histórico antes de fechar o negócio para se certificar de que as construções não são tombadas.

Como a venda foi feita com cláusula de confidencialidade, eles não revelaram o nome do novo dono. "Ele vai arrendar as terras para o plantio de cana mecanizado, por isso precisa do terreno desimpedido", disse a mulher. A prefeitura de Paranapanema informou que as terras são particulares e o município não tem condições de desapropriá-las, apesar do interesse cultural.

A fazenda foi comprada no início do século passado por Luis Rocha de Miranda, simpatizante do movimento fascista Ação Integralista Brasileira (AIB). A propriedade tinha geradores de energia elétrica, pista de pouso cimentada, uma estação de trens particular e silos aéreos importados dos Estados Unidos.

Segundo o pesquisador Sidney Aguilar Filho, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a fazenda foi palco de um esquema escravista nos anos 1930. Os irmãos Rocha Miranda trouxeram 50 meninos do orfanato Romão Duarte, do Rio de Janeiro, poucos meses depois de Hitler ter tomado o poder na Alemanha, em 1933. Os garotos tiveram os nomes trocados por números e seriam obrigados a aderir a ritos nazistas.

Com o fim da AIB após a instalação do Estado Novo por Getúlio Vargas, em 1937, as crianças foram libertadas e as marcas do nazismo no local foram suprimidas. Nos anos 1960, a fazenda foi adquirida pelo alemão Amdt Von Bohlen und Halbach, servindo como local de férias para a família, mas acabou vendida anos depois. Os tijolos com a suástica foram descobertos anos mais tarde por Maciel, que adquiriu a propriedade, quando demolia uma granja de porcos.

Aguilar Filho transformou as pesquisas feitas no local na tese Educação, autoritarismo e eugenia - Exploração do trabalho e violência à infância no Brasil (1930-1945). Ele disse que será "uma calamidade" se a demolição ocorrer. "É um patrimônio público, seja ou não reconhecido pelo Estado. O que aconteceu ali é uma história inconveniente, mas que precisa ser contada." Segundo ele, a pesquisa sobre a célula nazista e a história dos meninos escravos não está completa. "Ainda há muito a ser contado sobre as relações do Estado brasileiro com o regime nazista."

Estudo. A tese de Aguilar Filho analisa aspectos da educação brasileira entre 1930 e 1945 a partir de relatos de vida de 50 meninos "órfãos ou abandonados" sob guarda do Juizado de Menores do Distrito Federal. Eles foram retirados do Educandário Romão de Mattos Duarte, da Irmandade de Misericórdia do Rio de Janeiro, e levados a uma propriedade no interior de São Paulo - a Fazenda Cruzeiro do Sul.

A transferência dessas crianças de 9 a 11 anos foi respaldada pelo Código do Menor de 1927. Por uma década, as crianças foram submetidas a uma educação baseada em longas jornadas de trabalho agrícola e pecuário sem remuneração. Foram submetidas a cárcere, castigos físicos e constrangimentos morais em fazendas de integrantes da cúpula da Ação Integralista Brasileira, simpatizantes do nazismo.

Fonte: O Estado de SP
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,sede-de-antiga-colonia-nazista-sera-demolida-,858463,0.htm

Matéria na Record(TV) sobre a fazenda nazi, de 2008:
A Fazenda Nazista no Brasil e o emprego de trabalho escravo - rastros deixados pelos nazistas no país

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Nascidos depois de 1945

Por Ana Sá Lopes, publicado em 12 Mar 2012 - 04:00

A política do esquecimento está a ter consequências assustadoras

Sarkozy
A Europa como a conhecemos nasceu da barbárie: o nazismo. A criação dos primeiros embriões do que viria a ser a União Europeia funcionaram como catarse do horror – era preciso continuar a escrever poemas depois do Holocausto. O nazismo e o anti-semitismo estavam longe de ser um exclusivo de Hitler.

Hoje, preferimos ignorar que boa parte da Europa era anti-semita e que o nazismo não foi obra de “um louco isolado”. A invasão da Noruega foi muito fácil e os noruegueses não precisaram da ocupação alemã para criarem um estado nazi: eles próprios meteram mãos à obra e o ocupante não precisou de enviar um grande contingente. Mesmo na Inglaterra combatente, o sentimento anti-semita era enorme. As sondagens da época (as avaliações do “Mass Observation”) revelam um povo ferozmente anti-judeu. Quando uma parte do governo inglês (Chamberlain e outros) defendia a contemporização com Hitler, sabia que não estava a ir muito contra a vontade popular. É horrível, mas aconteceu.

O esforço de catarse foi notável durante 40 anos, ao ponto de nos discursos oficiais os dirigentes europeus recorrerem muitas vezes a uma espécie de “superioridade moral” da civilização europeia, como se ela existisse ou tivesse sido notória há 50 anos. É um mito reconfortante, mas falso, como grande parte dos mitos. Os pais fundadores da Europa tinham vivido a Segunda Guerra e sabiam as responsabilidades da sua ínclita geração – promover a catarse e criar uma situação para que fosse possível fazer poemas depois do Holocausto. Reconheça-se que foram muito bem sucedidos durante décadas. E se a Europa unida não conseguiu evitar a guerra dos Balcãs, cumpriu parcialmente o sonho de Jean Monnet. Nunca mais houve nenhuma guerra que envolvesse as grandes potências.

A geração seguinte sentiu-se desobrigada do imperativo moral. Nicolas Sarkozy nasceu a 28 de Janeiro de 1955, dez anos depois do fim da guerra. Terá muito mais memórias da brincadeira do Maio de 68 que, genuinamente, não foi uma coisa séria, do que da França ocupada. Podia ter estudado, se quisesse. Mas cedeu à voragem do esquecimento, um dos outros vértices da catarse, como bem explica Tony Judt no seu “Pós-Guerra”. Se para continuar foi preciso esquecer até à ignorância, desconhecemos agora onde a ignorância nos vai levar, ou regredir a um ponto inicial.

Quando Sarkozy faz o discurso que faz sobre os imigrantes está a regredir para a história nazi inscrita no tenebroso ADN da Europa. A política do esquecimento (como também se vê na crise do euro) está a ter consequências assustadoras.

Fonte: IOnline (Portugal)
http://www.ionline.pt/opiniao/nascidos-depois-1945

domingo, 8 de abril de 2012

Historiadores contra revisionistas

Uma trintena de especialistas em século XX participam em uma obra que enmienda o enviesamento ideológico do polêmico ‘Diccionario Biográfico Español’ (Dicionário Biográfico Espanhol).

Tereixa Constenla Madrid 7 ABR 2012 - 18:58 CET


Franco passando em revista em
Logroño, 1938, ante forças
legionárias italianas. / EFE
Apresentar o livro En el combate por la historia (Ediciones Pasado y Presente) como um contradicionário, uma réplica corrigida das falidas resenhas do século XX incluídas no Dicionário Biográfico Espanhol da Real Academia de História (RAH), é um astuto ardil comercial, mas que faz um fraco favor à causa que motivou a todos, editor e historiadores, que se somaram ao projeto. Sem querer, ele fomenta a visão de que a história espanhola do século XX pode ser contada sob dois pontos de vista e que os historiadores estão loteados nos mesmos grupos daqueles da Guerra Civil. E na verdade os únicos grupos possíveis são óbvios: historiadores bons e historiadores maus.

A maioria dos 33 especialistas reunidos para este projeto levam anos investigando o século XX e gozam de reconhecimento. Há, além disso, alguns que participaram do Dicionário como Fernando Puell ou Carlos Barciela. “Eu não estou nem com uns ou com outros, mas o que não se pode é justificar o golpe de Estado. Un golpe é um golpe e não um Glorioso Levante, e tampouco se pode chamar só de 'grupo nacional' a uns porque de iguais nacionalidades eram tanto uns como outros. O problema daquela obra é que algumas tantas vozes contaminaram o resto, é um livro que saiu imbecilizado”, afirma Fernando Puell, professor de História Militar no Instituto Universitário Gutiérrez Mellado da UNED e coronel reformado, que contribuiu com 40 biografias para a coleção da RAH e que analiza as operações militares durante a Guerra Civil e o papel do Exército durante o regime franquista no livro da editora Pasado y Presente.

Para Carlos Barciela, catedrático de História e Instituções Econômicas da Universidade de Alicante, ele não gosta da etiqueta de contradicionário. "Eu não faço contrainvestigação nunca. Fiz investigação e o que se vai publicar é o trabalho de muitos anos de estudo”, pontualiza. Colaborou com o Dicionário com cerca de umas 200 biografias de engenheiros agrônomos, recompiladas durante oito anos, e duas entradas para En el combate por la historia. Na parte que dedica à reforma agraria, ele demonstra que foi um aspecto capital para os sublevados: “Resultou como agressivo que desde agosto de 1936 começam a promulgar decretos que têm como finalidade paralizar a reforma agrária da República e devolver as terras a seus proprietários”.

O enviesamento ideológico e o escasso rigor que impregnavam algumas biografias sobre o século XX encarregadas pela Real Academia de História indignaram no ano passado a Gonzalo Pontón, histórico editor de Crítica que agora fundou a editora Pasado y Presente. Ele pediu a Ángel Viñas que coordenasse uma obra que sintetizasse com rigor o ocorrido entre 1931 e 1975, com a atualização do investigado nos últimos anos, e que gerou um volume de quase 1.000 páginas. “Aqui há uma escola historiográfica muito sólida e sensata, e não podíamos permitir que os historiadores espanhois fossem aqueles representados pela RAH”, expõe Viñas.

Quase ninguém disse não. Entre os 33 assinantes figuram alguns dos maiores especialistas no período: Paul Preston, Julio Aróstegui, Julián Casanova, Enrique Moradiellos, Ricardo Miralles, José-Carlos Mainer, Josep Fontana e Eduardo González Calleja. “Estão representadas três gerações: uma dos mais antigos Elorza ou Fontana; a intermediária com gente como Casanova e a mais jovem que está fazendo um trabalho muito rigoroso como Jorge Marco, Gutmaro Gómez Bravo ou José Luis Ledesma”, afirma o coordenador da obra, que ataca o revisionismo — e alguns expoentes do mesmo — num duro epílogo.

O volume inclui as biografias de 12 protagonistas do período (Aguirre, Azaña, Companys, Franco, Pasionaria, Carrillo, Largo Caballero, Mola, Negrín, Prieto, Primo de Rivera, Rojo e Serrano Suñer), além de 41 capítulos sobre as questões mais destacáveis da Segunda República, da Guerra Civil e do Franquismo (entre outros: anarquistas, reforma agrária, conspirações, operações militares, nacionalismos periféricos, a violência, a Igreja, o exílio, a repressão ou a política externa da ditadura). "Se faz uma atualização — ou resposta— ao Dicionário e a toda uma onda de revisionismo que é feita pela direita entusiasticamente defendendo que a Guerra Civil e a Ditadura foram meros acidentes e que metade do país estava enfrentando a outra metade. Foi reunida gente séria que investigou cada tema", assinala Josep Fontana, catedrático de História Econômica e autor de uma trintena de obras. "Pessoalmente, quando se desataram as iras com o Dicionário, tampouco aceitei criticar a obra em conjunto. O que é imperdoável é que se tenha a montado sem controle e que uma parte anule a validez da obra inteira. Eu espero que este livro seja uma ajuda para pôr as coisas no seu lugar", confia Fontana.

Franco, por Paul Preston...

Dizer que Franco foi uma figura medíocre não explica como chegou ao poder absoluto (...) ao lhe comparar com Hitler e Mussolini, e ele teve muito em comum com ambos, tropeça-se com o fato de que Franco tinha o hobby de jogar loteria e que ganhava de vez em quado.

A falta de escrúpulos em bombardear povos asturianos e o uso de mercenários marroquinos revelaram que Franco sentia pelos trabalhadores de esquerda o mesmo desprezo racista que lhe haviam despertado as tribos do Rif.

Levou a cabo uma guerra de terror, na qual a matança de tropas contrárias se veria acompanhada de uma repressão sem piedade da população civil. Ele se propôs a realizar uma inversão em terror para estabelecer a edificação de um regime duradouro.

A partir de 1953, começou a forjar uma nova imagem: a de pai do povo. Foi o momento em que na prática se retirou do posto de Chefe do Executivo (...) restou-lhe as obrigações rotineiras que cumpria ao estilo de um monarca.

...e por Luis Suárez

Montou um regime autoritário, mas não totalitário, já que as forças políticas que lhe apoiavam, a Falange, o Tradicionalismo e a Direita, ficaram unidas num Movimento e submetidas ao Estado.

Ao produzir a revolução de outubro de 1934, Franco foi chamado a Madrid como conselheiro do ministro, colaborando na extinção da revolta sem tomar parte das operações.

Uma guerra longa de quase três anos lhe permitiu derrotar um inimigo que em princípio contava com forças superiores. Mas ele, faltando possíveis mercados, e contando com a hostilidade da França e da Rússia, estabeleceu estreitos compromissos com Itália e Alemanha.

Em 22 de novembre de 1966, Franco se apresentou ante às Cortes a Lei Orgânica do Estado, que foi aprovada em referendo por uma maioria muito considerável. O regime dava a si mesmo uma Constituição, que Franco considerou como um êxito pessoal.

Arquivado em: Francisco Franco Guerra civil RAH Paul Preston Luis Suárez Fernández Guerra civil española Guerra Civil Espanhola Segunda república española Reales Academias Guerra Franquismo Instituciones culturales Historia contemporánea Historia Conflictos Cultura

Fonte: Seção de Cultura do jornal El País (Espanha)
http://cultura.elpais.com/cultura/2012/04/07/actualidad/1333817885_831167.html
Tradução: Roberto Lucena

Observação: eu não concordo com a linha editorial desse jornal espanhol, só que relevo algumas coisas que saem na seção de Cultura pois dá pra serem lidas e (se for possível) ter alguma tradução. No mais, como disse antes, não gosto desse jornal. Digo isso porque por vezes gente mal intencionada querendo fazer graça ou encher o saco, ou simplesmente com "pensamento binário" ou enviesado, pelo fato de uma pessoa traduzir um texto de um jornal altamente enviesado, acham que a pessoa que traduziu o texto concorda integralmente com um jornal. O pensamento binário(pensamento de "torcida", "ou está comigo ou contra mim") no Brasil, infelizmente, é um fato, e que leva um país ao radicalismo, alienação e polarização da população.

Eu iria trocar o título do post mas achei por bem mantê-lo embora a troca seria mais apropriada ao tema, o título era esse "Brasil e Espanha, países com sérios problemas de memória histórica", pois ambos possuem o mesmo problema e comportamento parecido com esse tipo de assunto, um fanatismo doentio (pleonasmo), além da desonestidade latente, pra distorcer o passado por falta de coragem em assumir erros históricos, e tanto as populações têm culpa na coisa como as elites desses países. Nunca vi tanta semelhança (no pior sentido do termo) pra distorcer o passado e tentar criar uma mitologia em torno de ditaduras(a da Espanha com o franquismo e as do Brasil, com Vargas e a ditadura civil-militar de 1964-1985) que ocorreram em ambos os países. Maldita estupidez cultural hereditária.

sábado, 7 de abril de 2012

Livro: "Soldaten" em espanhol, de Sönke Neitzel e Harald Welzer

Saiu em espanhol esse livro Soldaten, lançado em alemão e agora com a tradução pro espanhol com o título Soldados del Tercer Reich (Testimonios de lucha, muerte y crimen), de Sönke Neitzel e Harald Welzer. Para quem quiser ler um livro bom sobre o período do nazismo e sobre os crimes do regime, eis uma dica (pela proximidade do idioma) já que o título não foi traduzido para o português e é difícil que saia no Brasil.

Se possível, essa matéria do El País (Espanha) sobre o livro será colocada depois aqui (traduzida): Así mataban los soldados de Hitler

A ideia é de futuramente fazer um ranking de livros (listando uns 10 ou 20 apenas) sobre o Holocausto lançados em português (e possivelmente em espanhol e inglês) para servir de consulta para quem for procurar livros sobre o tema, indicando os que a gente considera como principais sobre o assunto (pelo menos os que se encontram em catálago). Embora haja no blog a parte de bibliografias, com uma lista muito maior, caso alguém tenha interesse em consultar.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Deputado húngaro acusado de antissemitismo

Vista exterior para o Parlamento húngaro
na capital do país, Budapeste
(4 de Abril, 2012) O dia-a-dia político da Hungria volta a merecer destaque. Vários deputados do país exigiram esta quarta-feira a demissão de um membro do partido de extrema-direita com assento parlamentar, após ter proferido um discurso que consideram ter sido antissemita.

Zsolt Barath, deputado do Jobbik, endereçou-se ao parlamento húngaro ao recordar um famoso caso jurídico do país, remontante ao século XIX, quando vários judeus foram considerados inocentes de terem assassinado uma camponesa.

Já na época, o caso ergueu uma discussão nacional na Hungria acerca do antissemitismo, e as palavras de Barath caminham no mesmo sentido.

Ontem, terça-feira, o deputado recordou e criticou o caso ao dizer que na altura o juiz tinha provas para acusar os judeus, mas que terá optado por não o fazer. Segundo Barath, o juiz acabaria por sucumbir à pressão para os absolver, por receio que, como consequência, os investidores internacionais empurrassem depois a Hungria para a bancarrota.

A avaliação do deputado de extrema-direita pode ser encarada como uma crítica paralela ao contexto político-económico atual da Hungria, que tem partilhado tensas relações com o FMI e a UE, devido a uma eventual ajuda financeira ao país.

Deputado debaixo de fogo

As declarações de Zsolt Barath motivaram uma chuva de críticas vindas de vários outros partidos da cena política húngara.

Janos Fonagy, deputado do Fidesz, o partido do governo, acusou Barath de «abrir feridas com séculos de existência», e o movimento ‘A Política Pode Ser Melhor’ defendeu que «não se pode tolerar antissemitismo mal disfarçado dentro das paredes do parlamento».

Já Rabbi Slomo, da Congregação dos Judeus Húngaros, defendeu que o deputado direitista deveria ser colocado perante o Comité de Ética do parlamento, ao considerar de «sem precedentes» a gravidade das suas declarações, e que «o antissemitismo escalou até um ponto que não pode ser ignorado por nenhuma pessoa decente».

Durante o período do Holocausto, na Segunda Guerra Mundial (1939-45), estima-se que tenham morrido cerca de 550 mil judeus húngaros. Atualmente, perto de 100 mil dos 10 milhões de húngaros serão judeus.

Fonte: SOL(Portugal)/AP
http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=45975

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Anders Breivik prefere morrer a ser internado

Autor confesso do massacre na Noruega. Anders Breivik prefere morrer a ser internado

O autor confesso do massacre na Noruega
quer ser considerado imputável (Foto:
Jon-Are Berg-Jacobsen/Aftenposten/Reuters)
O extremista norueguês Anders Behring Breivik, autor confesso do massacre na ilha de Utoya e do atentado à bomba em Oslo no Verão do ano passado, de que resultaram 77 mortos e 151 feridos, diz que prefere morrer a ser internado numa instituição psiquiátrica.

“Enviar um ativista político para um hospício é mais sádico e mais maléfico do que matá-lo!”, escreveu Breivik numa carta publicada pelo jornal norueguês Verdens Gang.

Breivik, 33 anos, está em prisão preventiva e já foi submetido a duas avaliações psiquiátricas. Numa delas foi considerado responsável pelos seus actos, pelo que poderia ser julgado e condenado a uma pena de prisão, mas um segundo relatório concluiu que sofre de esquizofrenia paranóide, o que poderá levar à substituição de uma pena de prisão pelo internamento num estabelecimento psiquiátrico.

Na carta enviada ao Verdens Gang, com 38 páginas, Anders Behring Breivik contesta os resultados desta última avaliação, considerando que 80% do relatório dos psiquiatras Torgeir Husby e Synne Soerheim contém erros, e afirma que o internamento é “um destino pior do que a morte”.

Segundo as conclusões da avaliação clínica, Breivik é um psicótico que, com o tempo, desenvolveu uma esquizofrenia paranóide que teria alterado o seu juízo antes e durante os ataques, afirmou Svein Holden, procurador do Ministério Público da Noruega. "Ele vive no seu próprio universo delirante e os seus pensamentos e atos são regidos por esse universo", disse o responsável.

Eram 15h26 do dia 22 de Julho de 2011, quando uma bomba explodiu em Oslo. O ataque tinha sido anunciado num manifesto de mais de 1500 páginas escrito por Breivik ao longo de nove anos e que fora publicado na Internet horas antes das explosões. Às 17h25, surgiam relatos de tiros disparados na ilha de Utoya, onde decorria um acampamento de jovens do Partido Trabalhista. A equipa especial antiterrorismo chega a Utoya mais de uma hora depois de o atirador, disfarçado de polícia, ter desembarcado de um ferry na ilha. Nessa hora, Breivik disparou contra dezenas e dezenas de jovens, com balas modificadas para maximizar o número de vítimas. Matou 69 pessoas na ilha e outras oito morreram na explosão em Oslo.

O início do julgamento está marcado para o próximo dia 16 e Anders Behring Breivik insiste em ser julgado como uma pessoa sã e imputável.

Fonte: Público (Portugal)
http://www.publico.pt/Mundo/anders-breivik-diz-que-prefere-morrer-a-ser-internado-1540789

terça-feira, 3 de abril de 2012

Negacionistas de Hoax: John Ball e Richard Krege

Uma minoria no CODOH[1] começou a afirmar que o citado trabalho de Krege[2] sobre Treblinka é um hoax (fraude), não simplesmente porque não foi publicado mas devido a afirmação de ausência de remoção no solo. Como pode ser visto neste post e neste outro, os tipos de panfletagem ligeiramente menos estúpidas, de Kollerstrom e Kingfisher, estão cientes de que haveria algum tipo de perturbação no solo se os mortos nos transportes e por doença tivessem sido enterrados lá.

O mesmo critério pode ser usado para descartar o texto de John Ball[3]: onde Ball afirma aqui que o solo em todos os três campos da Operação Reinhard estava intacto. Até hoje o site de Ball ainda afirma que "Belsec [sic] era na verdade um campo de logging camp onde tocos de árvores e o solo fino teriam impedido o enterro dos corpos." Além disso, em 2004, ninguém menos que Graf estava aderindo a tese da "ausência de perturbações" na linha aqui: "há ausência de todos os traços similares a remexidas de solo em Treblinka e Belzec." O Graf de 2004 portanto objeta o MGK[4] de 2010. Tal é o grande recepiente vazio que só restam as velas de restos de apologética pró-nazi. [Nota de rodapé: obrigado a Jason Myers por me apontar na direção de Ball].

Fonte: Holocaust Controversies
http://holocaustcontroversies.blogspot.com.br/2012/01/denier-hoaxes-ball-and-krege.html
Texto: Jonathan Harrison
Tradução: Roberto Lucena

Notas:

[1] Codoh: ler sobre Cesspit.

[2] (Richard) Krege: negacionista do Holocausto australiano conhecido por um "relatório" sobre Treblinka. Para saber mais sobre a picaretagem de Krege, ler o texto do HDOT (em inglês), http://www.hdot.org/en/learning/myth-fact/graves1.

[3] John Ball: negacionista do Holocausto (vulgo "revisionista", entre aspas) refutado pelo prof. John C. Zimmerman da Universidade de Nevada (Las Vegas). Podem conferir os textos traduzidos diretamente no blog na tag John Ball.

[4] MGK: sigla dos sobrenomes de três negacionistas do Holocausto, Mattogno (Itália, tag1, tag2), Jürgen Graf (Suíça, tag1, tag2) e Thomas Kues (EUA, tag).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.