sexta-feira, 29 de maio de 2009

São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 4 - Hoess e demografia

Hoess escreveu que em 1944 (166) dezenas de milhares de judeus foram transferidos de Auschwitz para serem usados na indústria de fabricação de armas alemã. Ele não especifica o período de 1944, mas aparentemente deve ser quando os húngaros deportados começaram a chegar, em maio. Os registros do campo de Auschwitz mostram que, de 29 de maio a 13 de agosto, cerca de 20.000 foram transportados para fora do campo.[45] Um total de 437.000 foram deportados da Hungria, de meados de maio a meados de julho.[46] No entanto, Hoess observou (166-167) que os trabalhadores eram inúteis para o esforço de guerra alemão porque eram inaptos para o trabalho. “Eu sempre pensei que os judeus mais fortes e saudáveis deveriam ser escolidos.” A observação de Hoess é confirmada pelas atas das reuniões do Ministério dos Armamentos. Em 26 de maio, o Gerente do Departamento Central para o Ministério, Fritz Scmelter, queixou-se: “Para a construção de caças foram oferecidos apenas crianças, mulheres e homens idosos com os quais muito pouco pode ser feito...”[47] Duas semanas depois Schmelter anunciou que ele poderia ter de 10.000 a 20.000 trabalhadoras judaicas. No entanto, apenas 520 foram selecionadas, que eram, em última análise não consideradas aptas para o trabalho.[48]

A mais importante observação demográfica de Hoess diz respeito ao número total de vítimas que foram assassinadas em Auschwitz. Ele deu o total (39) de 1.130.000. Até recentemente. Muitos disputaram o tamanho desta estimativa. A maioria dos estudos de Auschwitz deu um número pelo menos duas vezes mais elevado ou superior. Mesmo a capa da edição destas memórias utilizadas para este estudo utiliza o número de 2 milhões de assassinados. No entanto, em 1991 o Historiador polonês e uma autoridade em Auschwitz, Dr. Franciszek Piper, fez o mais completo estudo demográfico do número de deportados para o campo já realizado. Ele começou o seu estudo em 1980. Ele descobriu que 1,3 milhões haviam sido deportados para Auschwitz em seus 4 anos e meo de existência, mas que apenas 400.000 receberam um número de registro. Desses 400.000 apenas 200.000 não foram mortos. Todos os deportados que não foram registrados, não podem ser contabilizados, foram mortos. Isso significa que 1,1 milhões foram mortos.[49] O USHMM em Washington D.C. agora está aceitando este número.[50]

Hoess foi incorreto em alguns detalhes. Por exemplo, ele exagerou o número de judeus franceses e holandeses que morreram em Auschwitz e sub-avaliou outros. No entanto, isso não é incomum. Ele não tinha os dados subjacentes à sua frente, uma vez que tinham sio destruídos. Mas ele sabia o total. Isto é algo que seria provável de se lembrar.

O aspecto mais significativo para a colocação de Hoess do número de 1,1 milhões é que isso constitui a prova definitiva de que Hoess não poderia ter sido obrigado a mentir nas suas memórias. No momento em que Hoess escreveu suas memórias o valor já fixado sobre o número de assassinados era de 4 milhões. Os soviéticos, que libertaram Auschwitz em janeiro de 1945, emitiram um relatório em 6 de maio de 1945, informando o número de 4 milhões. Este relatório foi apresentado posteriormente no Tribunal Militar Internacional em Nuremberg como documento USSR-0008. Muitos dos antigos prisioneiros afirmaram que 4 milhões foram mortos em Auschwitz. Esse número também foi aceito pelas autoridades polonesas que julgaram Hoess.[51] Mas ao mesmo tempo, sobre estes relatórios que foram listados 4 milhões de assassinados, Hoess repudiou seu antigo testemunho que deu no Tribunal Militar Internacional, antes ele entregou aos poloneses que eram 2,5 milhões de mortos. Ele escreveu (39): “Considero o número total de 2,5 milhões um numero demasiado alto. Mesmo Auschwitz tinha limites para sua capacidade destrutiva. Números dados por antigos prisioneiros são fragmentos da imaginação deles e não tem qualquer base de fato.”

Hoess desafiou diretamente a credibilidade de seus captores. Ele simplesmente não poderia ter escrito isso sob coação. Pelo contrário, se ele estava sendo forçado a escrever estas memórias o número de 4 milhões deveria aparecer certamente. Além disso, isto mostra que suas memórias não foram adulteradas pelos poloneses ou pelas autoridades soviéticas. Isso poderia explicar a razão – embora o autor não tenha nenhuma informação nesse sentido – as memórias de Hoess não foram liberadas pelos poloneses até 1958, mais de onze anos depois que foram escritas.

Convém, no entanto, salientar a imparcialidade dos antigos prisioneiros e entidades que investigativas que relataram que 4 milhões era um número que eles não conheciam. Só sabiam que o número era muito elevado. A contagem dos mortos foi baseada no número de corpos que as autoridades pensavam que poderiam ter sido cremados nos fornos. Os números apresentados pelos soviéticos no documento USSR-008 eram demasiados elevados, em parte porque foram baseados no pressuposto de que todos os fornos crematórios funcionaram a toda velocidade em torno de 2 anos e meio. A hipótese estava errada e será examinada em maior profundidade por este site em um próximo estudo. Tal como muitos acontecimentos históricos, todos os fatos só se tornaram conhecidos com o passar do tempo.

(todos os grifos do tradutor)

Notas para esta parte:

[45] Czech, Auschwitz Chronicle, pp. 633, 636, 641, 642, 643, 647, 648, 650, 655, 661, 666, 671, 673, 686.
[46] Letter dated July 11, 1944 from Edmund Veesenmayer, Germany's Plenipotentiary to Hungary, NG 5615 in Randolph Braham, The Destruction of Hungarian Jewry: A Documentary Account (NY:1963), Vol. 2, p. 443.
[47] NOKW 266, in Nuremberg Military Tribunal, Trials of War Criminals (Washington D.C. 1947), Vol. 2, p. 557.
[48] Raul Hilberg, The Destruction of the European Jews (NY: 1985), Vol. 3, p. 935.
[49] Franciszek Piper, "Estimating the Number of Deportees to and Victims of the Auschwitz-Birkenau Camp", 21 Yad Vashem Studies (1991), pp. 97-99 for a summary of the data appearing earlier in the study. Piper has done a more comprehensive work on this subject in German. See his Die Zahl Der Opfer von Auschwitz: Aufgrund der Quellen der Etrage der Forschung, 1945-1990 (Oswiecim:1993).
[50] United States Holocaust Memorial Museum, Atlas of the Holocaust (NY:1996), p. 97.
[51] Piper, "Estimating the Number of Victims", pp. 53, 54, 58, 59. Text of USSR-008 in German appears in International Military Tribunal, Trials of Major War Criminals (Washington D.C., 1947), Vol. 39, pp. 241-261. Four million reference on p. 260.

Fonte: The Holocaust History Project
http://www.holocaust-history.org/auschwitz/hoess-memoirs/; Link 2
Autor: Prof. John Zimmermann
Tradução: Leo Gott

Sequência:
São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 3 - Hoess e a eliminação de corpos
São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 5 - Hoess e o sigilo

quinta-feira, 28 de maio de 2009

São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 3 - Hoess e a eliminação de corpos

Hoess escreveu sobre os problemas enfrentados na eliminação dos cadáveres das vítimas assassinadas. Este tema tem gerado uma grande discussão na Internet e em publicações de negadores. O tema será tratado abrangentemente em outro local [NT.: já foi tratado, o estudo de Hoess foi anterior a este e traduzido neste blog].[36] O objetivo do estudo seguinte é a avaliação dos escritos de Hoess à luz do que é conhecido.

Hoess escreveu (32) que os dois bunkers, referidos anteriormente, haviam sido convertidos em câmaras de gás. Prisioneiros foram gaseados e os seus corpos foram enterrados. No entanto, os corpos foram enterrados até o fim do verão e as cremações em massa começaram. As cremações foram até o final de novembro de 1942 altura esta em que todas as valas comuns tinham sido abertas. Um relatório do jornal The New York Times no fim de novambro de 1942 afirma:
As informações recebidas aqui dos métodos pelos quais os alemães na Polônia estão levando a cabo o massacre de judeus incluem relatos de transportes de trens lotados de adultos e crianças para os grandes crematórios de Oswiencim[sic] perto de Cracóvia.[37]
Oswiecim era o nome polonês de Auschwitz. Este relatório de “grandes crematórios” é coerente com o tempo e às cremações ao ar livre mencionadas por Hoess. A altura que este relatório foi escrito, Auschwitz tinha apenas seis fornos (este número foi posteriormente aumentado para 52). As cremações ao ar livre foram utilizadas porque os crematórios não poderiam tratar de todos os mortos.

Hoess escreveu (36) que os oito fornos do Crematório IV tornaram-se operacionais em março de 1943[38] “falharam completamente após um curto espaço de tempo e depois não [foram] utilizados em tudo.” Isso é confirmado pela visita a Auschwitz em maio de 1943 do Engenheiro-Chefe que era responsável pela construção dos fornos. Ele afirmou que os fornos do Crematório IV não poderiam ser reparados.[39] Convém notar que, se os captores poloneses de Hoess estavam tentando coagir falsas informações, certamente não teria sido permitido a ele falar das permanentes avarias dessas estruturas, o que sugere limitações para os crematórios. Como será visto depois, os poloneses basearam em uma elevada taxa de mortalidade em Auschwitz, na capacidade destes fornos para cremar mais corpos do que eram capazes.

Hoess escreveu (37) que os corpos gaseados no Crematório V foram cremados principalmente em covas atrás desta estrutura. Uma foto aérea tomada do complexo em 31 de maio de 1944 mostra uma coluna de fumaça saindo de trás do Crematório V. A foto veio a público em 1983.[40] Um recente enhancement desta fotografia foi feito pelo Supervisor de Aplicações Cartográficas e Processamento de Imagens do Caltech/NASA, Laboratório de Propulsão a Jato de Pasadena mostra prisioneiros marchando para o Crematório V.[41] Existe também uma conhecida foto mostrando corpos nus sendo cremados ao ar livre em Birkenau. A paisagem de fundo mostra que esses corpos estão sendo cremados atrás do Crematório V.[42] Uma foto aérea da área de Birkenau tirada em 26 de junho de 1944 mostram marcas no terreno atrás dos crematórios IV e V consistentes com covas.[43]

Hoess escreveu (36) que um sexto crematório foi planejado. A idéia foi abandonada porque Himmler ordenou a interrupção do extermínio em 1944. Uma carta para Hoess datada de 12 de fevereiro de 1943 do Chefe da Agência de Construção de Auschwitz afirma que a idéia para um sexto crematório tinha sido discutida com o engenheiro da empresa que construiu os fornos.[44]

(todos os grifos do tradutor)

Notas para esta parte:

[36] Chapter 10 of the source cited in note 6 herein and a forthcoming study for this site entitled "Body Disposal at Auschwitz: the End of Holocaust Denial."
[37] New York Times, November 25, 1942, p. 10.
[38] Czech, Auschwitz Chronicle, p. 357. The date was March 22, 1944.
[39] Pressac, Les Crematoires d' Auschwitz, pp. 79-80, citing a letter from the Auschwitz Archives in Moscow dated June 9, 1943.
[40] Dino Brugioni, "Auschwitz-Birkenau," Military Intelligence(January-March, 1983), p. 53.
[41] Michael Shermer, Why People Believe Weird Things (NY:1997), p. 236. The photo analyst is Dr. Nevin Bryant.
[42] Pressac, Auschwitz: Technique and Operation of the Gas Chambers, p. 422. The background of this photo is consistent with Crematorium V. Many photos of the Crematoriums, including Crematorium V, were published by Pressac. See also the photos reproduced in Czech, Auschwitz Chronicle. The photo may be found online at http://www.holocaust-history.org/crosslink.cgi/http://www.nizkor.org/ftp.cgi/camps/auschwitz/images/burning-pit.jpg.
[43] Dino Brugioni and Michael Poirier, The Holocaust Revisited: A Retrospective Analysis of the Auschwitz-Birkenau Extermination Complex (CIA:1979), p. 6.
[44] Piper, "Gas Chambers and Crematoria," p. 175.

Fonte: The Holocaust History Project
http://www.holocaust-history.org/auschwitz/hoess-memoirs/; Link 2
Autor: Prof. John Zimmermann
Tradução: Leo Gott

Sequência:
São confiáveis as memórias de Hoess - Parte 2 - Hoess sobre gaseamentos e assassinatos em massa
São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 4 - Hoess e demografia

quarta-feira, 27 de maio de 2009

São confiáveis as memórias de Hoess - Parte 2 - Hoess sobre gaseamentos e assassinatos em massa

(todos os grifos do tradutor)
Hoess escreveu sobre uma ordem secreta (29;155) dada no outono de 1941 para matar todos os comissários e políticos soviéticos nos campos. Esses indivíduos estavam constantemente chegando em Auschwitz. Hoess então reconta (30) como aconteceu o primeiro gaseamento de POWs soviéticos no porão do Bloco 11, a execução no bloco acontecia normalmente por tiro ou enforcamento, mas não por gaseamento. No entanto, este parece ser o primeiro gaseamento que aconteceu no Bloco 11 ou um dos dois gaseamentos.[16] O Bloco 11 era inapropriado para gaseamento porque levou dois dias para o ar sair do porão. Hoess, em seguida, afirma que o gaseamento dos POWs soviéticos foi transferido para o Crematório I. Os judeus (31) foram gaseados em outro lugar.

Hoess está sendo confiável? Um cartão de arquivo de POWs soviéticos no outono de 1941 mostra que 9.997 foram levados para o campo.[17] Os registros do necrotério de Auschwitz – não devem ser confundidos com os Livros de Mortos de Auschwitz[18] – mostram que 7.343 prisioneiros soviéticos morreram em quatro meses, de outubro de 1941 a janeiro de 1942, assombrosos 73%.[19]

Negadores do Holocausto argumentam que isso não foi o primeiro gaseamento de POWs soviéticos em Auschwitz.[20] Entretanto, em 1994, o Instituto de Pesquisas Forenses de Cracóvia fez um estudo exaustivo das estruturas de Auschwitz identificadas como câmaras de gás homicidas. O Instituto encontrou vestígios de HCN, o gás venenoso usado para assassinato em massa, no porão do Bloco 11, no local identificado por Hoess como o local do primeiro gaseamento. Além disso, o Instituto também apurou que existiam baixos níveis de HCN quando comparados com outros locais de gaseamento, justificando assim a afirmação de Hoess que os gaseamentos no Bloco 11 foram abandonados logo de início porque o local era inapropriado. O Instituto também encontrou HCN no Crematório I, onde Hoess afirmou que as operações de gaseamento dos POWs soviéticos foram transferidas.[21]


Hoess escreve (28) que ele teve um encontro com Adolf Eichmann, chefe da Gestapo do Escritório Judaico, “que me disse sobre os assassinatos por gases dos escapamentos de motores de vans e como eles tinham sido utilizados no Leste [o território ocupado Soviético] até agora.”


O negador do Holocausto David Irving obteve as memórias não publicadas de Eichmann. Estas memórias foram escritas antes dele ser capturado pelos israelenses, portanto não pode ser alegado que elas foram escritas sob coação. Irving cita o escrito de Eichmann em que ele estava em um ônibus e disse para o motorista “olhar através do olho mágico na parte de trás do ônibus para ver alguns prisioneiros sendo gaseados por gases do escapamento.”[22]


Irving tentou “escapar pela direita” sobre a admissão de Eichmann alegando que este foi um incidente isolado. Ele também tentou argumentar que as memórias de Eichmann acusam Hoess. Mas Irving sabia mais. A caracterização de Hoess nos papéis de Eichmann tinha sido confirmada por Irving antes dele se tornar um negador. Em 1977 Irving escreveu sobre a descoberta de um documento de 1941 mostrando que Eichmann tinha aprovado “uma proposta que estes [Judeus] que chegaram a Riga [na Letônia] deveriam ser mortos por caminhões de gaseamento.”[23] O memorando confirma em detalhes a descrição de Hoess do papel de Eichmann nesses assuntos. Trata-se de um memorando secreto do Assessor para Assuntos Judaicos do Ministério do Reich para Territórios Ocupados a Leste intitulado “A Solução da Questão Judaica”. Está escrito:
Favor informar que [Chefe Executivo do Escritório] Brack da Chancelaria do Fuehrer afirmou a sua disponibilidade para ajudar na construção das adaptações necessárias e aparelhos de gaseamento [Vergasungsapparate]. No momento não temos em mãos a quantidade suficiente de aparelhos, de modo que primeiramente devem ser construídos... Devo ainda salientar que [Major] Eichmann, o Assessor de Assunto Judaicos do Escritório Central de Segurança do Reich está em plena consonância com este procedimento. Segundo informação recebida aqui à partir de [Major] Eichmann, campos para os judeus serão construídos em Riga e Minsk...Dada a situação atual, os judeus que estão incapacitados para o trabalho podem ser eliminados sem reservas através da utilização do dispositivo de Brack.[24]
Hoess também escreveu (42) que testemunhou em Treblinka que grandes caminhões e tanques “foram ligados e os gases do escapamento eram alimentados por tubos para as câmaras de gás...” Este foi o método preferido de gaseamento em Treblinka, Belzec, Chelmno e Sobibor e vans de gaseamento que rondavam o território Soviético. Suas observações são confirmadas por um memorando “secreto” datado de 16 de maio de 1942 sobre as atividades nos territórios ocupados à partir de agosto do Tenente SS August Becker que relatou que “para chegar a um fim tão rápido quanto possível, o motorista pisa no acelerador ao máximo. Por isso as pessoas que vão ser executadas têm uma morte sofrida por asfixia e não cochilando como foi planejado.” Quatro semanas mais tarde, um memorando foi enviado do Escritório Central de Segurança do Reich pedindo “a transferência de 20 mangueiras de gás para três S-vans”, que estavam para ser usadas em um “transporte de judeus que serão tratados de forma especial quando chegarem semanalmente”.[25] Aproximadamente no mesmo tempo, outro relatório do Escritório Central de Segurança do Reich menciona que desde dezembro de 1941, “noventa e sete mil foram processados usando três vans.” O relatório menciona que “a fim de facilitar a rápida distribuição de CO [monóxido de carbono]...dois buracos...serão feitos no teto da parte traseira.” Afirma que o “tubo que liga o escapamento da van pode enferrujar, porque ele é deteriorado por líquidos que fluem nele.”[26]

Hoess escreve (44) que as câmaras de gás de Auschwitz foram decoradas com chuveiros, a fim de dar a impressão de um real local de banho. Uma lista de inventário das autoridades do campo para o necrotério 1 do Crematório III lista “14 chuveiros” e uma “porta hermética”.[27] Negadores ainda têm muita dificuldade para explicar porque razão um chuveiro e uma porta hermética deveriam estar em um necrotério. Hoess também escreveu (32,44) que removiam os dentes de ouro das bocas das vítimas de gaseamentos. Esse testemunho foi comum entre os sobreviventes. O documento de conclusão do Crematório II afirma que no porão onde existiam dois necrotérios era uma sala de processamento de ouro.[28] Dois meses antes, em 29 de janeiro de 1943, um destes necrotérios foi identificado como um “porão de gaseamento” em um relatório das autoridades de construção do campo.[29]

Hoess cita (32) que, no verão de 1942 cinco alojamentos foram construídos perto de dois bunkers. Os dois bunkers tinham sido convertidos em câmaras de gás na área arborizada do campo de Birkenau, conhecido como Auschwitz II, e eram usadas para assassinar judeus. Estas duas câmaras de gás precediam os quatro crematórios de Birkenau, que se tornaram operacionais em 1943 e também foram utilizados para gaseamento.(36) Os alojamentos eram utilizados como instalações de despir. Um memorando das Autoridades de Construção de Auschwitz de julho de 1942 solicita “quatro alojamentos [stuck baracken] para tratamento especial [Sonderbehandlung] dos prisioneiros em Birkenau.” Este documento é o primeiro a apoiar todos os testemunhos de testemunhas oculares sobre a existência dessas estruturas.[30] Hoess também escreveu (38) que o termo “tratamento especial” era uma denominação de Eichmann para os transportes de judeus para serem assassinados.


O termo “tratamento especial” era um bem conhecido termo nazista para camuflar a palavra assassinato. Em Auschwitz, dois relatórios que sobreviveram mostram que “tratamento especial” significava o desaparecimento de prisioneiros. Um relatório do campo de 8 de março de 1943 apóia Hoess na definição do significado do termo para assassinato dos transportes judaicos. O relatório afirma que em 5 de março um total de 1.128 judeus chegaram de Berlim. Apenas 389 desses presos foram admitidos no campo, enquanto o restante, mulheres e crianças receberam “tratamento especial”. Os registros dos arquivos de Auschwitz de 6 de março mostram que 389 homens e 96 mulheres foram registradas à partir deste transporte. O mesmo relatório afirma que, em 5 de março chegaram 1.405 judeus de Breslau. Este transporte, de acordo com o relatório, mostra 406 homens e 190 mulheres registradas, enquanto o restante recebeu “tratamento especial”. Os arquivos de registros de Auschwitz mostram 406 homens e 190 mulheres que foram admitidos neste transporte.


O mesmo relatório também afirma que, em 7 de março 690 prisioneiros chegaram de Berlim, dos quais 243 foram admitidos no campo, enquanto o restante – 30 homens e 417 mulheres – receberam “tratamento especial”. Os arquivos de registros de Auschwitz de 7 de março mostram que 243 chegaram de Berlim e receberam um número de registro.[31] Assim, em todos estes três transportes em que os prisioneiros receberam “tratamento especial”, estes desapareceram após a chegada em Auschwitz. Os dados obtidos nestes três transportes também apóiam a declaração de Hoess (35) , entre 25 e 30% dos recém-chegados foram considerados aptos e admitidos no campo.


Um relatório do campo de 8 de outubro de 1944 sobre a força de trabalho para o campo das mulheres em Birkenau afirma que em 7 de outubro havia 38.782 prisioneiros. Chegaram mais 8 totalizando 38.800. O relatório cita em seguida que foram reduzidos 2.394, com isso o total baixou para 36.406. Essas diminuições consistem de sete mortes naturais, oito que foram soltos, 1.150 transferidos e 1.229 sob o título de “SB”. Uma vez que este “SB” não pode significar morte natural, libertação ou transferência, só pode significar que estes prisioneiros foram mortos.[32]


Um dos exemplos mais recentes que emergem este termo com o gaseamento de prisioneiros é um memorando da Agência de Construção de Auschwitz datado de 29 de janeiro de 1943 que aborda os problemas com eletricidade no Crematório II. É citado: “O funcionamento está limitado às máquinas existentes (portanto, permitindo simultaneamente cremação com tratamento especial)”[33] Cremação só pode significar cremação de corpos. Este memorando afirma que, no Crematório II “tratamento especial” [ou seja, gaseamento] e cremação podem ocorrer simultaneamente. A data de 29 de janeiro é altamente significativa. Lembrar que neste mesmo dia, a mesma agência afirmou que existia um “porão de gaseamento” no Crematório II. A ligação de um tratamento especial com gás venenoso foi ainda estabelecida em um memorando de 26 de agosto de 1942 quando foi dada permissão para o campo de concentração de Auschwitz “para despacho de um caminhão de Dessau para carregar material de tratamento especial.” Dessau era onde o veneno Zyklon B era fabricado.[34] O Instituto de Pesquisas Forenses de Cracóvia, referido anteriormente, encontrou muitos vestígios de Zyklon B no porão do Crematório II.[35]


Assim, a descrição de Hoess do termo “tratamento especial” é confirmada em todos os seus aspectos essenciais. A expressão está ligada diretamente ao que aconteceu nos crematórios, o uso de gás venenoso e o desaparecimento de prisioneiros.

Notas desta parte:

[16] On page 30 Hoss gives the impression that this was the only gassing in Block 11, but later on (155-156) he suggests that there was another gassing at this block.
[17] Czech, Auschwitz Chronicle, 121.
[18] The Auschwitz Death Books are discussed in Chapters 4 and 10 of the source cited in note 6 above. They will also be discussed in a future study intended for this site entitled "Body Disposal at Auschwitz: The End of Holocaust Denial."
[19] Czech, Auschwitz Chronicle, pp. 102, 112, 120, 131.
[20] See denier Carlo Mattogno, "The First Gassing at Auschwitz: The Genesis of a Myth," 9 Journal of Historical Review No. 2 (Summer 1989), pp. 212-213. Mattogno actually provides a great deal of useful information to show that the gassing occurred, something that appears to have escaped Mattogno and the JHR. He argued that the first gassing did not occur because of contradictions in the eyewitness testimonies as to the date of the first gassing in the Fall of 1941. However, in light of the findings of the Cracow Institute, discussed below, the actual date is not as important as the event itself. Also, there may have been some confusion as to the first gassing because there could have been two gassings in Block 11 as suggested by Hoss (155-156).
[21] The report appeared in the Polish journal Z Zagadnien Sqdowych. z XXX 1994, pp. 17-27. An English translation appears at http://www.nizkor.org/hweb/orgs/polish/institute-for-forensic-research/. I have received written permission from the Institute to reproduce the study in an appendix in the source cited in note 6 above.
[22] David Irving, "The Suppressed Eichmann and Goebbels Papers," 13 Journal of Historical Review No. 2 (March/April 1993), p. 22.
[23] David Irving, Hitler's War (NY:1977), p. 330.
[24] NO-365 dated October 25, 1941. Translation in Gerald Fleming, Hitler and the Final Solution (Berkeley:1982), pp. 70-71. My thanks to the National Archives for providing me with a photocopy of the original document.
[25] The texts of both of these reports are in PS-501 in Office of the Special Counsel, Nazi Conspiracy and Aggression (Washington D.C. 1947), Vol. 3, pp. 418-422.
[26] Photocopy of the original German with an English translation in Eugen Kogon, Hermann Langbein and Adalbert Ruckerl, Nazi Mass Murder: A Documentary History of the Use of Poison Gas (Yale:1993), pp. 228-235.
[27] Jean-Claude Pressac, Auschwitz: Technique and Operation of the Gas Chambers (NY:1989), p. 429. Photocopy of the list on p. 430.
[28] Original text with English translation in ibid., p. 231.
[29] Text in ibid., p. 211. The German word "Vergasungskeller," gassing cellar, is underlined in the original report. The "gassing cellar" was Corpse Cellar I. See ibid., p. 212.
[30] Jean Claude Pressac, Les Crématoires d' Auschwitz: La Machinerie du Meurtre De Masse (Paris: 1993), p. 107, fn. 256. Pressac discovered this document in the Auschwitz Archives in Moscow. The eyewitness testimony is reproduced in Pressac, Auschwitz: Technique and Operation of the Gas Chambers, pp. 161, 164, 171, 181.
[31] Text of the report in Jeremy Noakes and G Pridham, Nazism 1919-1945 (Exeter:1988), Vol. 3, p. 1184. Registration data in Czech, Auschwitz Chronicle, p. 347.
[32] Text in Kogon, Langbein and Ruckerl, Nazi Mass Murder, p. 160.
[33] "Aktenvermerk Betr: Stromversorgung und Installation des KL und KGL" in Auschwitz [34] Archives From Moscow, File 502-1-26 Reel 20. My thanks to Aaron Kornblum of the United States Holocaust Museum for providing me with this and other documents from the archives.
[35] Text in Raul Hilberg, Documents of Destruction (NY:1971), pp. 220-221. Photocopy of the original in Death Books From Auschwitz: Remnants (London:1995), Vol. 1, Appendix, p. 144.
Source cited in note 21 herein.

Fonte: The Holocaust History Project
http://www.holocaust-history.org/auschwitz/hoess-memoirs/; Link 2
Autor: Prof. John Zimmermann
Tradução: Leo Gott

Sequência:
São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 1 - Introdução
São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 3 - Hoess e a eliminação de corpos

terça-feira, 26 de maio de 2009

São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 1 - Introdução

Por John C. Zimmermann
Professor Associado da Universidade de Nevada, Las Vegas

Uma das questões que tem surgido no âmbito do Holocausto é a confiabilidade do depoimento de testemunhas oculares. Os negadores do Holocausto estão sempre atacando as testemunhas como mentirosos ou pessoas propensas ao exagero. Não pode haver dúvida de que nem todos os depoimentos de testemunhas oculares são confiáveis. Além disso, é verdade que algumas testemunhas mentem ou exageram.

O principal problema com os testemunhos no entanto, é que muitas vezes, são inconsistentes no que diz respeito aos detalhes. Isso não é incomum. Qualquer advogado processual sabe que existem diferenças na maneira como as testemunhas vêem um evento. Mas, apesar das testemunhas poderem diferir quanto aos detalhes de um evento, raramente elas estão erradas quanto ao evento em si. Assim, as testemunhas para o número de pessoas que foram gaseadas na câmara de gás do Crematório I de Auschwitz informam montantes variáveis como: 600, 700, 900 e 1000.[1] Os negadores do Holocausto exploram as diferenças neste tipo de depoimento, alegando que se existem diferenças quanto ao número de pessoas que foram gaseadas, então deve haver dúvidas quanto a saber se o evento ocorreu.

Os historiadores do Holocausto não tem evitado a questão da credibilidade desses testemunhos. O falecido historiador do Holocausto Lucy Dawidowicz escreveu:
Milhares de histórias orais dos sobreviventes recontando suas experiências existem em arquivos de vários países ao redor do mundo. A sua qualidade e utilidade varia significativamente de acordo com a memória do informante, compreensão do evento, idéias e naturalmente precisão. Quanto maior o tempo expirado [entre o evento e os depoimentos], é menos provável que o informante mantenha fresca a recordação. Os depoimentos transcritos que eu examinei estavam cheios de erros de data, nomes dos participantes, locais, e são evidentes os equívocos aos eventos propriamente ditos. Para os pesquisadores incautos alguns relatos podem servir mais para atrapalhar do que ajudar.[2]
O negador do Holocausto Mark Weber citou incorretamente um relatório do diretor dos arquivos de testemunhos em Israel, declarou que mais da metade dos 20.000 depoimentos que estão nos arquivos não são confiáveis.[3] Um artigo atual citou o diretor dizendo que muitos testemunhos, não a maioria, são inexatos.[4] Weber não revelou que com raiva o diretor negou a declaração atribuída a ele. Schmuel Krakowski, o diretor escreveu: “Eu disse que existem alguns – felizmente poucos – testemunhos que se revelaram inexatos”.[5]

Como pode então a confiabilidade destes depoimentos serem avaliados? Um bom método consiste em comparar a outros testemunhos sobre o assunto. É o testemunho global, coerente quando comparado a outros testemunhos sobre o mesmo evento? Outro método consiste em comparar o testemunho a outras evidências corroboradas. Existe alguma prova documental que suporta o testemunho? Por exemplo, Miklos Nyiszli era um médico judeu que fez parte dos deportados húngaros que foram transportados para Auschwitz, de maio a junho de 1944. Suas memórias foram escritas em Março de 1946 e publicadas em Budapeste em 1947. Uma cópia original em húngaro está na biblioteca principal da UCLA. Eles foram traduzidos para o inglês em 1960. Nyiszli serviu como prisioneiro médico para o famoso [Dr.] Joseph Mengele. Ele testemunhou sobre os corpos de vítimas mortas por gaseamento e as cremações de corpos nos Crematórios. Ele também assistiu a cremações ao ar livre para eliminação das vítimas assassinadas. Como pode ser avaliado o seu testemunho? Seu testemunho pode ser classificado como depoimento de vítima, o essencial pode ser comprovado por outras vítimas. Perpetradores também comprovam os aspectos essenciais de seu testemunho.[6] Mas hà outras provas onde a veracidade de seu testemunho pode ser avaliado. Nyiszli escreveu que, quando ele estava em Auschwitz, havia 860 prisioneiros de comandos especiais [Sonderkommando] designados para dispor das vítimas assassinadas nos quatro crematórios.[7] Este é um número muito grande e é coerente com o que as autoridades do campo tinham para dispor das vítimas que estavam sendo assassinadas em massa. Uma lista de empregados do campo datada de 29 de agosto de 1944 mostra 874 trabalhadores especiais [Sonderkommando] atribuídos aos quatro crematórios. Eles são divididos equitativamente entre as instalações e divididos novamente em turnos, diurno e noturno.[8] Assim, o testemunho de Nyiszli é muito credível baseado nesta corroboração.

Rudolf Hoess

Rudolf Hoess foi comandante de Auschwitz durante a maior parte da existência do campo. Suas memórias revelam que ele ocupava uma posição única na história da implementação nazista da solução final da questão judaica.[9] Ele era intermediário entre quem ordenou o assassinato dos judeus e os que executaram a política. Assim, ele pôde testemunhar a solução final de ambos os lados. Ele relata como Heinrich Himmler, segundo na autoridade global do III Reich, disse a ele (27-28) que Hitler tinha ordenado que todos os judeus dentro do alcance nazista deveriam ser aniquilados.

As memórias de Hoess são divididas em duas partes, que foram invocadas e citadas por historiadores desde a sua publicação em 1959. A primeira parte é intitulada A Solução Final da Questão Judaica e é datada de novembro de 1946. Aqui ele detalha como a maquinaria de extermínio de Auschwitz foi desenvolvida. Deve salientar que seu relato está de acordo com outros testemunhos de vítimas e de perpetradores.[10]

A segunda parte das suas memórias, datada de fevereiro de 1947, lida com a sua origem através da hierarquia nazista e de alguns problemas administrativos que enfrentou em Auschwitz. Aqui ele revela (142) uma ordem de 1941 que “[t]odos os judeus, sem exceção deveriam ser destruídos.” Existe um capítulo separado sobre gaseamento (155-164), mas não é dado muito detalhe como no capítulo da solução final.

Por razões óbvias, os negadores do Holocausto estão escoriando estas memórias durante anos, argumentando que elas não valem nem o papel em que foram escritas. O argumento típico é que Hoess foi torturado e falsamente confessou os crimes que não foram cometidos. Hoess escreveu estas memórias enquanto estava no cativeiro polonês. No entanto, sabemos que ele foi torturado por seus captores britânicos antes de ser entregue para os poloneses. O que os negadores nunca revelam é que sabemos disso porque Hoess afirmou isso em suas memórias. Se houve uma tentativa por parte de seus captores poloneses para falsificar essas memórias ou fazê-lo mentir, esta informação nunca apareceu. Hoess explica (179):

Durante o primeiro interrogatório bateram-me para obterem provas. Eu não sei o que estava transcrito, ou o que eu disse, apesar de eu ter assinado, porque eles me deram licor e me bateram com um chicote. Foi demais para que eu pudesse suportar.

Parece que o tratamento duro foi causado por sargentos judaicos cujos pais tinham morrido em Auschwitz. Um sargento judeu alegou que Hoess admitiu sem um pingo de remorso que ele havia sido responsável por cerca de dois milhões de mortes. No entanto esse mesmo sargento falou sobre as cartas de Hoess para sua esposa. “Às vezes um caroço vem na minha garganta. Havia dois homens diferentes em um homem. Um deles era brutal, sem respeito pela vida humana. O outro era ameno e carinhoso“.[11]

Hoess foi levado ao Tribunal Militar Internacional [NT.: Tribunal de Nuremberg] para depor, porque o advogado de defesa de um dos acusados de crimes de guerra Ernst Kaltenbrunner, o antigo chefe do Escritório Central de Segurança do Reich, queria-o como testemunha. Hoess escreve (180) que, comparado ao que tinha sido antes, “uma prisão como a do TMI foi como ficar em um SPA.” Ele então foi entregue aos poloneses para ser julgado em Cracóvia, na Polônia. Ele descreve (181) sua primeira semana na prisão como “bastante tolerável”. No entanto, as atitudes dos guardas mudaram para pior. Tanto ele como prisioneiros poloneses foram maltratados. O gabinete do Promotor interveio e as coisas mudaram. “Tenho de confessar abertamente que eu nunca teria esperado ser tratado de forma tão decente e gentil em uma prisão polonesa, como tenho sido desde a intervenção do gabinete do Promotor.” A surpresa de Hoess provinha, sem dúvida, do fato de que cerca de 300.000 poloneses, na sua maioria judeus, pereceram em Auscwitz.

A confiabilidade destas memórias pode ser testada comparando-as com provas independentes que foram corroboradas. Todos os testemunhos das principais testemunhas oculares sobre Auschwitz corroboram as memórias de Hoess. Pery Broad, um homem da SS que servia em Auschwitz enquanto Hoess foi comandante, escreveu sobre as câmaras de gás e os crematórios, em suas memórias.[12] Do mesmo modo, são confirmadas também pelo diário que foi mantido pelo médico SS em Auschwitz Johann Kremer.[13] Os depoimentos do pós-guerra das vítimas e dos perpetradores no julgamento de Belsen em 1947 e de muitos guardas que serviram em Auschwitz são também provas corroboradas.[14] Houve também uma grande parte de testemunhos de vítimas e perpetradores no Julgamento de Auschwitz em Frankfurt, Alemanha, em meados dos anos 1960 e também de 20 réus que estavam servindo no campo. [15]

No caso de Auschwitz, hà também uma grande quantidade de provas documentais que sobreviveram, que sustenta as memórias de Hoess em todos os detalhes. A análise seguinte analisará esta documentação para testar a confiabilidade de suas memórias.

Notas desta parte:

[1] Franciszek Piper, "Gas Chambers and Crematoria" in Yisrael Gutman and Michael Berenbaum, Anatomy of the Auschwitz Death Camp (Bloomington: 1994), p. 177, fn. 18.
[2] Lucy Dawidowicz, The Holocaust and the Historians (NY:1981), pp. 176, 177, fn. 1.
[3] Mark Weber, "My Role in the Zundel Trial," 9 Journal of Historical Review No. 4 (Winter 1989/1990), p. 405.
[4] Jerusalem Post, August 17, 1986, p. 1.
[5] Jerusalem Post, August 21, 1986, p. 10. See also the Nizkor file http://www.holocaust-history.org/crosslink.cgi/http://www.nizkor.org/ftp.cgi/people/k/krakowski.shmuel/press/jerusalem-post.0886.
[6] The area of victim and perpetrator testimony in light of corroborating evidence in the Holocaust will be thoroughly examined in John C. Zimmerman, Holocaust Denial: Demographics, Testimonies and Ideologies, Chapters 5 and 6. Forthcoming.
[7] Miklos Nyiszli, Auschwitz: A Doctor's Eyewitness Account (NY:1993), p. 41.
[8] Danuta Czech, Auschwitz Chronicle (NY:1990), p. 699.
[9] Rudolf Hoess, Death Dealer: The Memoirs of the SS Kommandant at Auschwitz (NY:1992). Edited by Steven Paskuly and translated by Andrew Pollinger. Citations to this source will appear in the text smaller and in a different face, e.g.: (27-28).
[10] See the source cited in note 6 above.
[11] Rupert Butler, Legions of Death (Feltham:1983), pp. 237, 238.
[12] Text of Pery Broad's "The Reminiscences of Pery Broad," in Jadwiga Bezwinska and Danuta Czech, Eds., K L Auschwitz Seen by the SS (NY:1984). Abridged text in Bernd Naumann, Auschwitz (NY:1966), pp. 162-183.
[13] Text of Kremer's diary and his explanations of the entries in Bezwinska and Czech, ibid pp. 214-231. For a comprehensive analysis of Kremer's diary entries and denier portrayal of those entries see Chapter 4 of the source cited in note 6 above.
[14] Text of this testimony is in David Fyfe, The Belsen Trial of Joseph Kramer and Forty Four Others (London: 1949).
[15] For an analysis of all the testimony at the Auschwitz trials in the mid 1960s see Bernd Naumann, Auschwitz (NY:1966). Naumann was a journalist who covered the trial. This is the only comprehensive analysis of the trials in English. The transcripts of the hearings were published in Hermann Langbein, Der Auschwitz Prozess: eine Dokumentation (Wien:1965) 2 vols.

Fonte: The Holocaust History Project
http://www.holocaust-history.org/auschwitz/hoess-memoirs/; Link 2
Autor: Prof. John Zimmermann
Tradução: Leo Gott

Sequência:
São confiáveis as memórias de Hoess - Parte 2 - Hoess sobre gaseamentos e assassinatos em massa

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Investigacao de neonazistas chega a São Paulo

Polícia de São Paulo investiga 35 suspeitos de integrar grupo neonazista armado no estado
Cleide Carvalho, O Globo

SÃO PAULO - Cerca de 35 pessoas estão sendo investigadas pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) de São Paulo, suspeitas de integrar o grupo neonazista liderado pelo economista Ricardo Barollo, 33 anos, preso e acusado de ser o mandante da morte de um casal de integrantes do movimento no Paraná. Segundo a delegada Margarette Barreto, titular da Decradi, cerca de 25 grupos neonazistas atuam no estado, mas o de Barollo, denominado Neuland, é considerado o mais organizado ideologicamente, possuindo inclusive atuação política. Além de São Paulo, os neonazistas estão sendo investigados no Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Nesta sexta, cinco suspeitos serão ouvidos pela polícia do Paraná.

- O grupo tem forte atuação ideológica e não costuma executar crimes de intolerância, mas dá ordem para que outros o façam - afirma a delegada.

Leia também: Rio Grande do Sul já identificou cerca de 50 integrantes

O grupo Neuland tem células em atuação na capital paulista, onde está o maior número de participantes, e nas cidades de Campinas, Sorocaba e Limeira. Além de Barollo, apenas mais um integrante do grupo foi indiciado por crime ligado à ação do grupo. Trata-se de Alessandro Martines, 31 anos, preso em 13 de junho de 2008, no município de Santo André, no ABC paulista, com 147 itens de armamentos, entre espingardas, pistolas, carabinas, carregadores, munição e facas Butterfly. O processo contra Martines foi distribuído no último dia 18 à 2ª Vara Criminal do Fórum de Santo André. Martines está sendo acusado, principalmente, por crimes vinculados ao porte ilegal de armas. Não há informação disponível sobre possível indiciamento por crime de racismo.

Segundo Margarette, o grupo paulista é considerado mais de extrema-direita do que os organizados nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. No Rio Grande do Sul, cerca de 50 membros foram identificados e são monitorados.

O mapeamento do Decradi indica que o grupo Neuland produz material de propaganda nazista, como panfletos e camisetas em São Paulo. O recrudescimento da ação do grupo, com compra de armamentos em grande quantidade, teria sido, segundo a polícia gaúcha, a principal divergência que levou ao assassinato dos estudantes Bernardo Dayrell Pedroso, de 24 anos, e de Renata Waechter Ferreira, de 21 anos, ocorrido em 21 de abril passado no km 6 da BR-116, no município de Quatro Barras, no Paraná.

Os integrantes do Neuland têm entre 16 e 40 anos, mas não é descartada a presença de outros mentores. Barollo, por exemplo, aparece como financiador de cursos de informática e compra de computadores a jovens integrantes do grupo, mas não há informações de como obteve os recursos. Funcionário de uma construtora, ele recebia salário mensal em torno de R$ 10 mil, segundo o delegado Paulo César Jardim, responsável pela investigação.

Margarette afirma que o grupo repudia outras organizações neonazistas em atuação no estado, principalmente por terem sido criadas na periferia e aceitarem no grupo pessoas consideradas mestiças (branco não-puro).

- Eles são de classe média e média alta e se dizem descendentes de europeus, não acham que são miscigenados e querem um país sem negros, homossexuais e judeus. Pessoas destes grupos são consideradas 'peso morto' para o país. Eles perseguem estas pessoas, mas não atuam com as próprias mãos - explica a delegada.

Grupos aliados ao Neuland são acusados de fazer panfletagem contra a criação de cotas para negros. Cinco pessoas foram presas e autuadas em flagrante por panfletagem na região do Jabaquara, na capital paulista, acusadas de integrar o grupo Resistência Ariana. Os nomes não foram divulgados. Em Campinas, células associadas ao Neuland são acusados de fazer pichações em locais de aglomeração de negros, incluindo um salão de beleza destinado a afro-descendentes.

De acordo com Margarette, integrantes de movimentos neonazistas podem ser indiciados por formação de quadrilha, desde que seja comprovada a articulação.
Chama a atenção a discriminação existente entre os próprios grupos neonazistas. Numa conversa travada pela internet, um interessado em aderir ao movimento pergunta: "Gostaria de saber (pelo fato de ter muitas discussões sobre) qual os princípios raciais básicos para um Brasileiro aderir ao movimento ... e se considerar um ariano. Claro que é necessário ser branco e ter origem européia pelo que já li, mas tenho muitas dúvidas sobre olhos e cabelo. É necessário ter olhos claros e ser loiro?. Pergunto isso pois em questão de descendência européia minha bisavó era italiana e migrou ao Brasil na 1ª Guerra. Sou branco (bem branco, não moreno como alguns farsantes) e loiro médio, mas não possuo olhos claros (apenas castanhos claros). Isso é motivo para "cartão vermelho" na entrada do movimento?"

A resposta: "Para fazer parte da iniciativa do nacionalismo branco basta que possuas ascendência branca européia pura e um comportamento que esteja de acordo com os ideais do movimento e da raça que representas. Ou seja, nós somos contra comportamentos prejudiciais como a miscigenação racial, o sexo interracial, o uso de drogas, o desrespeito às leis...Estamos lutando por uma preservação da nossa raça e cultura."

Fonte: O Globo
O Globo

Ler mais: Grupo neonazi preparava ataque a sinagogas e a grupos rivais
Polícia investiga conexão internacional com grupo neonazista no RS
Objetivo do esquema é comprar armas ilegalmente na Argentina.
Novo grupo faz apologia ao nazismo e se formou em cidades gaúchas.
Fonte: G1

Polícia desarticula no Estado grupo de neonazistas
Testemunhas e documentos revelaram à polícia o plano de ataques a sinagogas e confrontos contra grupos rivais. Os atentados ocorreriam este ano em Porto Alegre, além de outros municípios da Região Metropolitana e Serra. A polícia ainda investiga como os suspeitos executariam os crimes.
Fonte: Zero Hora

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Eliminação de Corpos em Auschwitz - O fim da negação - Parte 10 - Cremações ao ar livre 1942-1943

(todos os grifos do tradutor)

O principal método para a eliminação dos corpos das vítimas dos massacres em massa foram as cremações ao ar livre. O método foi utilizado pelas autoridades do campo de concentração de Bergen-Belsen quando ocorreram elevadas taxas de mortalidade.[190] A prática foi utilizada no campo de concentração de Majdanek, onde ocorreram gaseamentos e assassinatos em massa.[191] Os alemães também utilizaram cremações ao ar livre para eliminar os corpos de seus cidadãos que foram mortos como resultado dos bombardeios aliados. Há fotos de vítimas alemãs do bombardeio Aliado de Hamburgo que foram cremadas em valas ou piras.[192]

O método de cremações ao ar livre foi usado na Operação Reinhard, nos campos de Belzec, Sobibor e Treblinka, onde as vítimas eram gaseadas e cremadas. Até recentemente, as únicas evidência que sobreviveram à partir destes campos foram os depoimentos de perpetradores e vítimas.[193] Quase todas as provas incriminatórias foram destruídas. Odilo Globocnik, que tinha a responsabilidade geral pela Operação Reinhard, esceveu “CONFIDENCIAL” em um memorando de 5 de janeiro de 1944, depois que esses campos tinham sido destruídos, ele cita que:

[n]o que diz respeito às contas finais da “Operação Reinhard” devo acrescentar que todos os papéis devem ser destruídos assim que possível, como tem sido feito com todos os outros documentos relativos a esta operação.[194]
Assim como em Auschwitz, as provas mais incriminatórias foram destruídas. No entanto, recentes escavações no local do campo de extermínio de Belzec por uma equipe arqueológica, revelaram valas comuns com milhares de corpos que os alemães não incineraram, bem como cinzas de corpos incinerados. [195]

Outro documento que recentemente veio à luz é um relatório diário do comandante militar do Governo Geral, uma unidade administrativa alemã que ocupou a Polônia, de outubro de 1942 sobre Treblinka. O relatório afirma:
Comando Supremo...informa que os judeus em Treblinka não foram sepultados adequadamente, e que como resultado, um insuportável mau cheiro de corpos no ar.[196]

O comandante do campo de Treblinka Franz Stangl testemunhou em seu julgamento que escavaram os cadáveres no início de 1943 para serem cremados, juntamente com os prisioneiros recém gaseados.[197]

Mattogno nunca admitiu diretamente que os números acima fossem um problema. Entretanto, ele está sem dúvida consciente de que em algum ponto um pesquisador irá comparam as mortes dos prisioneiros registrados nos períodos colocados em discussão com as entregas de coque e concluir que sua tese não funcionou. Por isso, ele fez algo que nenhum outro negador jamais havia feito: ele admitiu que aconteceram cremações de corpos ao ar livre. Sua outra única opção era admitir que estes corpos haviam sido eliminados nos fornos. Todavia, se ele fizesse isso iria invalidar seus argumentos sobre a limitação de coque. Sua fonte para as cremações externas no campo foi [o livro] da Historiadora Danuta Czech. Mattogno escreveu: “De acordo com Auschwitz’s Chronicle de Danuta Czech a incineração dos corpos exumados começou em 21 de setembro, o que parece muito credível, e terminou em novembro”.[203] O problema é Mattogno ocultou deliberadamente a fonte da informação de Czech. Ele invocou essa informação das memórias do comandante do campo de Auschwitz, Rudolf Hoess.[204] Como já notado em outros locais, as memórias de Hoess são extremamente fiáveis e existem boas documentações independentes para a maioria das declarações feitas por ele.[205] Desde que suas memórias confirmam que o massacre estava acontecendo em Auschwitz e os meios que estava sendo realizado, os negadores se impacientam dizendo que são falsas. Obviamente, portanto, Mattogno não poderia citar diretamente. No entanto, o que é particularmente interessante é que ele as achou fiáveis como muitos outros historiadores ao tentar resolver um problema.

No entanto, Mattogno ignorou o principal contexto da invocação de Czech para as memórias, e do contexto em que Hoess apresentou esta informação acerca das cremações ao ar livre:
Durante a primavera de 1942, estávamos ainda lidando com pequenas ações policiais. Mas, durante o verão os transportes tornaram-se mais numerosos e fomos forçados a construir outro local de extermínio [além do Crematório I]...Cinco alojamentos foram construídos, dois perto do Bunker I e três perto do Bunker II. Bunker II era o maior deles. Cabia cerca de 1.200 pessoas. Até o verão de 1942 os corpos ainda estavam sendo enterrados em valas comuns. Não até o fim do verão [setembro] de 1942, quando começamos a queimá-los. Na primeira, colocamos 2.000 corpos em uma grande pilha de madeira. Então, abrimos as valas e os novos corpos cremaram em cima das antigas sepulturas...As cremações eram contínuas – todo dia e toda noite. Até o fim de novembro todas as valas comuns foram limpas. O número de corpos enterrados em valas comuns foi 107.000. Este número inclui não apenas o primeiro transporte de judeus que foram gaseados quando começamos a cremar, mas também o corpos dos prisioneiros que morreram no Campo Principal [Auschwitz I] durante o inverno de 1941 e 1942, porque o crematório ainda não existia. Os presos que morreram em Birkenau foram incluídos neste número.[206]

Os dois bunkers estavam localizados em uma área arborizada, várias centenas de metros além, atrás de Birkenau, não muito longe de onde os Kremas IV e V viriam a ser construídos. Eles eram conhecidos como Bunker Vermelho, ou Bunker I, e Bunker Branco, ou Bunker II. Os cinco alojamentos mencionados por Hoess são referidos pelo Bauleitung em um longo relatório sobre o campo de 15 de julho de 1942 como “5 alojamentos para prisioneiros (tratamento especial) [Sonderbehandlung]”.[207] Conforme observado anteriormente, tratamento especial era a palavra usada para assassinato. O pesquisador francês Jean-Claude Pressac encontrou nos arquivos do Museu de Auschwitz um documento de inventário com 120 itens de material necessário para a conclusão dos quatro crematórios em Birkenau, no período de 10 a 18 de dezembro de 1942 foram legendados: “No que diz respeito ao Campo de Prisioneiros de Guerra de Auschwitz (realização de Tratamento Especial)” [Durchführung der Sonderbehandlung].[208] Documentos similares que citam “tratamento especial”, em conexão com o Bauleitung já surgiram nos Arquivos de Auschwitz em Moscou.[209] A ligação de “tratamento especial” para assassinar prisioneiros e cremar é referido em um memorando carimbado “Secreto” da sede da Gestapo em Düsseldorf. O assunto do memorando é “Tratamento Especial para Trabalhadores Estrangeiros.” A parte mais relevante diz:
...eu solicito que as pessoas submetidas a tratamento especial sejam enviadas para o crematório para serem cremadas, se possível...para fins de intimidação, o anúncio por meio de cartazes da execução da sentença de morte no campo de trabalho terá continuidade.[210]

O time line para a referência de Hoess aos prisioneiros mortos no campo principal como sendo enterrados não é clara na medida em que estes óbitos ocorreram no inverno de 1941 e 1942. Ele pode ter se referido a duas semanas de fevereiro, porque os números de coque são do início a meados do mês. Se a afirmação de Mattogno de que houve entregas de coque para novembro de 1941 e janeiro de 1942 estiver correta, então a primeira metade de fevereiro seria este período de tempo. Por outro lado, se não houvesse entregas de coque em seguida, os fornos do Krema I poderiam ter sido feitos para dois ou três meses. Conforme referido anteriormente, não existem números de coque para qualquer período anterior a meados de fevereiro de 1942 – a menos que nós estejamos dispostos a aceitar os números de Mattogno de novembro de 1941 a janeiro de 1942 como sendo valores exatos.

A referência de Hoess para os prisioneiros de Birkenau que foram mortos e enterrados para em seguida serem cremados ao ar livre também não é clara. Ele está se referindo a todos os prisioneiros que morreram em Birkenau em 1942 ou somente aqueles que morreram no período que ele define como o inverno de 1941 a 1942? Mattogno alegou que todos os prisioneiros mortos em Birkenau à partir de 1942 foram enterrados em valas comuns, assim ele poderia salvar os seus argumentos sobre o coque.[211] Ele não mencionou, naturalmente, que sua fonte foi Hoess – e nem sequer é certo que isto significa o que Hoess disse.

A questão de quantos prisioneiros foram cremados no Krema I durante o período que precedeu a construção dos quatro crematórios de Birkenau – antes de março de 1943 – é problemática. Qualquer prisioneiro registrado que foi gaseado em um dos dois bunkers, foi obviamente cremado ao ar livre. Muitos prisioneiros registrados foram mortos por injeção de fenol no hospital do campo principal, onde o Krema I estava localizado. Houve também prisioneiros não-registrados que foram mortos na câmara de gás do Krema I. Segundo o Sonderkommando Alter Feinsilber, cerca de 250 prisioneiros não registrados foram levados ao campo principal e uma semana depois foram abatidos.[212] Nós não sabemos quantos outros prisioneiros não registrados foram mortos na câmara de gás do campo principal e, portanto, a quantidade de coque que era usada para cremar cada prisioneiro. Birkenau estava a cerca de 1 ½ milha do campo principal, e é possível que qualquer prisioneiro registrado que morreu ali foi cremado previamente ao ar livre até a construção dos quatro crematórios. Não existem informações concretas sobre o assunto.

Hoess relata que as cremações externas eram resultantes principalmente dos gaseamentos nos dois bunkers, isso foi confirmado nas memórias do Soldado SS de Auschwitz Pery Broad, que foram escritas no mesmo período que as de Hoess.[213] Estas atividades de cremações de corpos e o contexto em que elas ocorreram também foram confirmadas pelo Sonderkommando Alter Feinsilber[214], Szlama Dragon[215], Henryk Tauber[216], e Filip Müller[217]; e dois prisioneiros que escaparam em abril de 1944 e apresentaram um relatório que foi publicado pela Câmara de Refugiados de Guerra[218]. Os gaseamentos nos dois bunkers também foram confirmados pelo prisioneiro e médico francês Andre Lettich[219], e nos testemunhos pós-guerra do médico da SS em Auschwitz Johann Kremer e homens das SS Karl Höblinger e Richard Böck.[220] Mattogno tentou cooptar todas estas evidências para parecer que as cremações exteriores só foram de prisioneiros registrados que tinham morrido de tifo.

No entanto, Mattogno criou um dilema para o seu argumento. Ele já tinha identificado o método de eliminação de corpos, confirmado por muitas testemunhas, que não era dependente dos fornos. Isso significa que mesmo que todos as falsas limitações que Mattogno colocou aos fornos estivessem corretas, isso não faz diferença. As cremações externas não eram dependentes de coque e não houve necessidade de se preocupar com avarias ou manutenção. Portanto, os corpos poderiam ser cremados em uma quantidade ilimitada. Sendo este o caso, não havia nenhuma razão para que o número de corpos cremados dos prisioneiros assassinados, que excedeu a um milhão, não poderiam ter sido eliminados. A fim de libertar de sua própria argumentação, ele alegou então que as cremações ao ar livre cessaram quando o novo crematório tornou-se operacional. Ele teve que fazer isso ou então admitir que os seus argumentos sobre as limitações que colocou aos fornos eram irrelevantes. A fonte de Mattogno foi a do crítico dos negadores Jean-Claude Pressac, cujos escritos ele tentou hà alguns anos desacreditar.[221] No entanto, Mattogno teve que cuidadosamente omitir o contexto em que foram feitas as observações de Pressac. Pressac reproduziu o depoimento do Sonderkommando Szlama Dragon, que discutia o gaseamento e a cremação de prisioneiros. Dragon afirmou:

Após a construção em Birkenau do [C]rematório II, a [sala de despir] cabana situada próxima ao bunker 2 [a segunda dos dois bunkers de gaseamento que também são conhecidos como “Bunker Branco”] também foram desmanteladas. As valas foram preenchidas com terra e a superfície alisada. O bunker em si foi mantido até o final. O que restou não foi utilizado por um longo tempo e então foi utilizado novamente para o gaseamento dos judeus húngaros [no início de maio de 1944]. Eles então construíram novas cabanas e cavaram novas valas.[222]

Assim, com toda a sua bruxaria pseudo-técnica, em sua última análise, Mattogno foi forçado a recorrer às memórias de Hoess, através de Danuta Czech e do testemunho de Dragon, através de Pressac. No entanto, ele não poderia revelar as verdadeiras fontes para a sua argumentação ou o contexto no qual Hoess e Dragon fizeram as suas observações. Um dos principais problemas que Mattogno teve com o depoimento de Dragon é que ele menciona especificamente o Bunker 2 – também conhecido como Bunker Branco ou Bunker V em algumas literaturas – foi reativado para a operação húngara em maio de 1944. Mattogno argumentou que as cremações ao ar livre não aconteceram depois que o novo crematório foi ativado.

A declaração de Dragon que as cremações ao ar livre perto do Bunker Branco cessaram com a construção do Crematório II até quando a operação húngara foi iniciada, necessita de mais alguns comentários. Concordando com Hoess, conforme referido acima, Mattogno achou muita credibilidade nestas questões, o Bunker Branco foi mantido em standby quando os Crematórios II e III avariaram.[223] Eu seu depoimento em Nuremberg Hoess declarou que os dois bunkers “também foram utilizados mais tarde quando os crematórios eram insuficientes para lidar com o trabalho.”[224] Seu depoimento somente difere de suas memórias que, na anterior ele menciona que ambos bunkers ficavam ativos quando necessário, e em suas memórias ele somente menciona o Bunker Branco.

O Bunker Branco estava em uma área arborizada fora do campo de Birkenau. Como será mostrado mais adiante, ele pode ser visto em uma fotografia tirada do campo em 1944. Até mesmo Mattogno admite que existiu quatro valas enormes na área usada para eliminação de corpos – embora ele não admita a existência do Bunker Branco.[225] O uso contínuo desta área após a construção dos crematórios é sugerido pelo testemunho do prisioneiro soviético Nicolai Vassiliev no julgamento de Auschwitz na Alemanha em meados dos anos 1960. Ele afirmou que, no verão de 1943 cerca de 300 prisioneiros soviéticos foram “exterminados”, em uma área arborizada fora do campo. Esta descrição enquadra-se no espaço onde o Bunker Branco estava localizado.[226] Outra peça de informação útil é um relatório do Bauleitung de 13 de junho de 1943. Ele afirma que as portas do Krema II são “urgentemente necessárias para a execução de medidas especiais...do mesmo modo, a conclusão das janelas do edifício de recepção e as portas de 5 [alojamentos] para a acomodação de prisioneiros [Häftlingsunterkünfte] é urgentemente necessária, pelas mesmas razões.”[227] Não hà mais informações sobre os cinco alojamentos no memorando. Recordar, porém, que Hoess mencionou 5 alojamentos em suas memórias para os dois bunkers na área onde os prisioneiros foram gaseados, e este é o mesmo número referido para “tratamento especial” no memorando do Bauleitung de 15 de julho de 1942.

Parece que os cinco alojamentos que aparecem no memorando de junho de 1943 são os mesmos utilizados como sala de despir nas áreas onde os dois bunkers estavam localizados. Assim, seu uso contínuo após a construção dos crematórios e antes da realização da operação húngara é fortemente sugerido. Além disso, o uso contínuo após a construção dos quatro crematórios é a única explicação do porque do Bunker Branco não ter sido destruído até as autoridades do campo terem cessados todos os gaseamentos. O bunker I, Bunker Vermelho, foi desmantelado em algum momento – embora não se saiba exatamente quando. A única razão concebível para não destruir o Bunker Branco foi porque o seu uso foi previsto e, de fato, para alguns períodos ocorreu após a conclusão dos crematórios, até o momento da operação húngara. A estrutura poderia não ter sido mantida após a construção do crematório para o propósito expresso da operação húngara, porque a Alemanha não controlava a Hungria até março de 1944, um ano após a finalização do primeiro crematório. A esta altura, o primeiro dos crematórios entrou em serviço, as autoridades de Auschwitz não poderiam não ter conhecimento de que as deportações húngaras iriam acontecer. Como iremos ver na próxima parte deste estudo, não hà evidências fotográficas que documentem a existência do Bunker Branco.

Conforme referido anteriormente, Mattogno alegou que o Crematório II foi estabelecido em 115 dias de 25 de março a 18 de julho de 1943 e o Crematório III foi abaixo de 60 dias em 1944, o que significa que houve potencialmente 175 dias seguintes de março de 1943, quando as cremações ao ar livre poderiam ter tido lugar na área dos bunkers. No entanto, foi igualmente observado que não hà suporte para a afirmação de Mattogno sobre o baixo tempo desses fornos.[228] No entanto, foi notado que o Krema II foi estabelecido em um mês, de maio a junho de 1943.[229] É também razoável supor que houve períodos em que os fornos não funcionavam a plena capacidade por causa dos reparos e outros fatores. Esta interpretação seria compatível com os comentários de Hoess sobre o assunto. Por outro lado, os dois prisioneiros que escaparam em abril de 1944, antes do Bunker Branco ser reativado para a operação húngara em meados de maio de 1944, afirmaram que os gaseamentos e cremações foram interrompidos com a inauguração do novo crematório.[230] Então, esta versão está de acordo com a de Dragon.

Como iremos ver na próxima parte deste estudo, o Bunker Branco foi usado para os transportes húngaros que começaram a chegar em meados de maio de 1944. Quantas vezes ele foi utilizado entre março de 1943 e maio de 1944 não é conhecido. O testemunho sugere que ele ficou fechado por um período de tempo, e reativado em maio de 1944. O período de tempo exato que ele ficou fechado, entre março de 1943 e maio de 1944 não pode ser afirmado com certeza. Foi usado quando necessário, tal como sugerido por Hoess, ou foi fechado por 14 meses, conforme indicado pelos fugitivos e Dragon? É possível conciliar os dois relatos admitindo que o Bunker Branco foi fechado oficialmente em março de 1943, mas que a área ao redor do bunker ainda era utilizada para cremações ao ar livre quando surgiram os problemas com o crematório. As tentativas de Mattogno de que os bunkers foram fechados definitivamente em março de 1943 são baseadas no testemunho que: (1) ele utilizou fora de contexto, (2) contradiz os argumentos que ele estava fazendo sobre a não existência de assassinatos em massa e gaseamentos em Auschwitz, e (3) ele se recusou a citar as fontes originais para atingir as suas pretensões.

O ponto chave é que as instalações externas sempre estiveram lá caso precisassem, tal como sugerido por Hoess, Vassiliev e o memorando de junho de 1943, e as autoridades do campo não precisavam ser prejudicadas por quaisquer limitações que poderiam ter sido impostas pelo novo crematório, assumindo que houveram tais limitações.

Fonte: The Holocaust History Project
http://www.holocaust-history.org/auschwitz/body-disposal/
Tradução: Leo Gott

Continuação - Partes: (1);(2);(3);(4);(5);(6);(7);(8);(9);(10);(11);(12);(13)

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Mattogno e Graf "em parafusos" com a própria fonte

(todos os grifos são do tradutor)
Eu sua arenga sobre Treblinka, Mattogno e Graf usam o seguinte episódio como “prova” que Treblinka era um campo de trânsito para a URSS:

Finalmente a chegada de, pelo menos um transporte do Gueto de Varsóvia para uma localidade a leste de Treblinka foi documentado para além de qualquer dúvida. Em 31 de julho de 1942, o Comissário do Reich para a Rússia Branca, Wilhelm Kube, enviou um telegrama para o Comissário do Reich de Ostland, Heinrich Lohse, em que protesta pelo despacho de um transporte de “1.000 judeus de Varsóvia para trabalhar em Minsk,” porque isso levaria ao perigo de epidemias e ao aumento da atividade guerrilheira.

Isto é o resumo da lógica dos negadores: um documento onde burocratas protestam amargamente sobre o transporte de 1.000 judeus para um trabalho essencial em sua área é usado como prova de que os mesmos burocratas teriam acedido ao transporte de mais de 700.000 judeus via mesma zona de Treblinka. Estes são os fios finos aos quais os negadores se agarram.

Além disso, Mattogno e Graf provam novamente que sua utilização de fontes é desonesta, porque o mesmo documento cita que foi enviado no mesmo dia uma conhecida carta, do mesmo autor, Kube, para o mesmo destinatário, Lohse, que revela que (Documento PS-3428, IMT):

Após exaustivas discussões com o SS-Brigadefuehrer Zenner e o extremamente capaz Líder do SD, SS-Obersturmbannfuehrer Dr. Strauch, que foram liquidados cerca de 55.000 judeus na Bielorússia nas últimas 10 semanas. Na área do condado judaico de Minsk foram completamente eliminados, sem qualquer perigo para a necessidade de mão-de-obra. Na área predominantemente polonesa de Lida, 16.000 judeus foram liquidados, em Slonim, 8.000, etc.

Devido à invasão pelo Army Rear Zone (comando), que já foi relatado, não houve interferência com os preparativos que tínhamos feito para a liquidação dos judeus de Glebokie. Sem contatar-me, o Comando do Army Rear Zone liquidou 10.000 judeus, cuja eliminação sistemática em todo caso havia sido planejada por nós. Na cidade de Minsk cerca de 10.000 judeus foram liquidados em 28 e 29 de julho. Destes, 6.500 eram judeus russos – principalmente idosos, mulheres e crianças – e o resto de inaptos para trabalhar, que foram enviados a Minsk em novembro do ano passado por ordem do Fuehrer, principalmente de Viena, Bruenn, Bremen e Berlim.

O Distrito de Sluzk também foi aliviado de milhares de judeus. O mesmo se aplica a Nowogrodek e Wilejka. Medidas radicais estão previstas para Baranowitschi e Hanzewitschi. Em Baranowitschi existem ainda mais de 10.000 judeus, na cidade em si, dos quais 9.000 serão liquidados no próximo mês.

Além disso, a carta de Kube termina com uma frase que revela que o comandante local do SD pretende liquidar tais transportes:

Estou plenamente de acordo com o Comandante do SD na Bielorússia, que devemos liquidar todos os transportes de judeus não combinados, ou anunciados por nós, por nossos oficiais superiores, para evitar novos transtornos na Bielorússia.

Mattogno e Graf então citam um documento, sem admitir que o seu autor tinha, no mesmo dia, enviado uma carta ao mesmo destinatário descrevendo claramente a atividade de genocídio de seus heróis nazistas, o que contradiz diretamente e refuta a tese de reassentamento de Mattogno e Graf.

Mattogno e Graf, portanto, levam a cabo duas trapaças de uma só vez. A primeira trapaça foi a de chamar uma inferência à partir de sua fonte (‘reassentamento em larga escala no Leste’), que foi descabida, dado que a fonte expressa explicitamente o oposto ao reassentamento. A segunda trapaça foi a de omitir dados contextuais de assassinato em massa contido em um documento muito mais famoso, enviado pelo mesmo autor ao mesmo destinatário e no mesmo dia, o que tem sido citado por vários historiadores, e é de domínio público hà mais de sessenta anos.
Fonte: Holocaust Controversies - Dr. Jonathan Harrison
Tradução: Leo Gott

terça-feira, 19 de maio de 2009

Biografias - Perpetradores - Franz Stangl


Franz Stangl (1908-1971)




Franz Stangl, filho de um guarda noturno, nasceu em Altmünster, Áustria em 26 de março de 1908. Depois de trabalhar como tecelão, Stangl entrou para a polícia austríaca em 1931 e logo depois ao então ilegal Partido Nazista.

Após o Anschluss, Stangl foi rapidamente promovido de posto. Em 1940, Stangl tornou-se superintendente do T4, o Programa de Eutanásia do Instituto Schloss em Hartheim, onde os deficientes mentais e físicos eram enviados para serem assassinados.

Em 1942 ele foi transferido para a Polônia onde trabalhou sob as ordens do SS-Obergruppenfuehrer (Tenente-General) Odilo Globocnik. Stangl foi comandante de Sobibor de março de 1942 até setembro de 1942, quando foi transferido para Treblinka. Sempre vestido com roupas brancas de equitação, Stangl ganhou reputação de administrador eficiente e foi descrito por Odilo Globocnik como “o melhor comandante de campo, que teve as maiores partes de toda ação...”.

No fim da guerra, Stangl conseguiu esconder sua identidade e, apesar de preso em 1945, conseguiu escapar dois anos mais tarde. Ele fugiu para a Itália com o seu colega de Sobibor, Gustav Wagner, onde foi ajudado por alguns funcionários do Vaticano para chegar à Síria com um passaporte da Cruz Vermelha. Stangl entrou com sua família e esposa na Síria e ficou por três anos antes de se mudar para o Brasil em 1951. Com a ajuda de amigos, Stangl foi empregado na fábrica da Volkswagen em São Paulo, e continuou usando seu próprio nome.

Durante anos a sua responsabilidade no massacre de homens, mulheres e crianças era conhecida das autoridades austríacas, mas a Áustria não emitiu um mandado de prisão para Stangl até 1961. Demorou mais seis anos antes que ele fosse monitorado pelo caçador de nazistas Simon Wiesenthal e preso no Brasil.

Após a extradição para a Alemanha Ocidental, ele foi julgado pela morte de aproximadamente 900.000 pessoas. Ele admitiu estas mortes, mas agumentou: “Minha consciência está limpa, Eu estava simplesmente fazendo o meu dever...” Considerado culpado em 22 de outubro de 1970, Stangl foi condenado à prisão perpétua. Ele morreu de ataque cardíaco na prisão de Düsseldorf em 28 de junho de 1971.

Franz Stangl foi entrevistado pela autora Gitta Sereny em 1970 e os seus comentários abaixo aparecem no livro: Into That Darkness: An Examination of Conscience (1983):

“Seria certo dizer que você foi utilizado para as liquidações?” Ele pensou por um momento. “Pra dizer a verdade”, disse ele, devagar e pensativamente, “fui acostumando a isso.”

Em dias? Semanas? Meses?

“Meses. Meses antes eu poderia encarar um deles no olho. Eu enganava a todos tentando criar um lugar especial: jardins, novos alojamentos, novas cozinhas, tudo novo, barbeiros, alfaiates, sapateiros, carpinteiros. Havia centenas de maneiras de distraí-los, eu usei todas elas.”

“Mesmo assim, se você se sentia forte, como tinha de ser, talvez à noite, no escuro, quando você não conseguia evitar pensar nisso?”

“No final, a única forma de lidar com isso era com a bebida. Tomava um grande copo de conhaque toda noite antes de ir para a cama, eu bebia.”

“Eu acho que você está se esquivando de minha pergunta.”

“Não, eu não queria, mas claro, vieram pensamentos. Mas eu os mando embora. Eu fazia o mesmo trabalho concentrado, trabalhava e voltava a trabalhar.”

“Seria correto dizer que você finalmente achava que eles não eram realmente seres humanos? “

“Quando eu fiz uma viagem uma vez, anos atrás no Brasil”, diz, com o rosto profundamente concentrado e obviamente revivendo a experiência, “meu trem parou próximo a um matadouro. Ouvia o barulho no trem do gado nos cercados, andei rapidamente até as cercas e olhei fixamente o comboio. Eles estavam muito perto da minha janela, amontoando uns aos outros, olhando pra mim através da cerca. Pensei então, “Olha isso, me fez lembrar da Polônia, exatamente como as pessoas me olhavam, confiantemente, pouco antes de entrarem nas latas...”

“Você disse latas”, eu interrompi. “O que você quer dizer? “, Mas ele não ouviu ou respondeu-me.

“...eu não podia comer carne enlatada depois disso. Aqueles grandes olhos me olhavam não sabendo que depois todos eles estariam mortos.” Ele pausou. Seu rosto ficou abatido. Neste momento ele olhou e o desgaste foi real.

“Então você não sentia que eles eram seres humanos?”

“Carga, “ disse ele monotonamente. “Eles eram carga.” Ele levantou a mão e a largou em um gesto de desespero. Nossas vozes baixaram. Foi uma das poucas vezes nestas semanas de conversas que ele não fez qualquer esforço para encobrir seu desespero, e sua tristeza desesperada permitiu um momento de compaixão.

“Quando você começou a pensar que eles eram carga? A maneira como você falou no início, do primeiro dia quando você foi para Treblinka, o horror que sentiu ao ver corpos mortos por toda parte – não eram ‘carga’ para você, então, eles eram?”

“Eu acho que começou na primeira vez que vi o Totenlager em Treblinka. Lembro-me de Wirth parado ali, ao lado de uma vala cheia de cadáveres –azul-preto. Ela não tinha nada de humanidade, não poderia ter, era um monte – um monte de carne podre. Wirth disse ‘O que vamos fazer com esse lixo?’ Acho que inconscientemente eu comecei a pensar neles como carga.”

“Foram tantas crianças, o que você pensa sobre seus filhos, como você sentiu na posição daqueles pais? “

“Não,” ele disse devagar, “Não posso dizer que nunca pensei dessa forma.” Ele pausou. “Veja,” ele então continuou, ainda falando com extrema seriedade, e obviamente tentando encontrar uma nova verdade dentro de si, “Eu raramente os vi como indivíduos. Era sempre um enorme monte. Às vezes eu ficava na parede e os via pelo tubo. Mas como eu posso explicar isso – eles estavam nus, espremidos juntos, correndo, sendo conduzidos por chicotes...” a frase acabou.

“Você poderia ter mudado isso?” Eu perguntei. “Em sua posição, você não poderia ter acabado com a nudez, os chicotes, o horror dos cercados de gado?”

“Não, não, não. Este era o sistema. Wirth tinha inventado isso. Funcionava e porque funcionava, era irreversível.”


Fonte: Jewish Virtual Library
Link:
http://www.jewishvirtuallibrary.org/jsource/biography/Stangl.html
Tradução: Leo Gott

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Polícia brasileira faz operação contra neonazistas

Polícia faz operação contra neonazistas em cinco cidades gaúchas

Novo grupo que faz apologia ao nazismo estaria se formando no RS.
Casal que integrava o mesmo esquema foi assassino em abril no Paraná.

Material com apologia ao nazismo foi apreendido pela polícia (Foto: Marcelo Oliveira/Dário Gaúcho/Ag.RBS)

A Polícia Civil de Porto Alegre realizou, nesta segunda-feira (18), uma operação para tentar localizar integrantes de um novo grupo neonazista em cinco cidades gaúchas.

Foram apreendidos mais de 300 peças, entre fotos, DVDs, livros, três bombas caseiras, facas, estiletes, roupas com suásticas e inclusive fardas militares em Cachoeirinha (RS), Viamão (RS), Porto Alegre e em outras duas cidades da Serra Gaúcha, que a Secretaria de Segurança Pública prefere manter em sigilo.

O material foi apreendido nas casas de cinco integrantes de um novo grupo neonazista que estaria sendo formado no Rio Grande do Sul, chamado de New Land, o grupo tem cerca de um ano e seu principal líder seria o gaúcho de 21 anos, natural de Teutônia (RS), preso em abril deste ano sob a suspeita de matar um casal que também integrava um grupo neonazista. As duas facções seriam rivais.

Segundo o titular da 1ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, Paulo César Jardim, o grupo estaria planejando ataques a judeus e a grupos de homossexuais no estado. "Até o momento, nós tínhamos esses grupos fazendo propaganda do neonazismo, defendendo suas teses, suas teorias, mas agora eles partiram para o confronto."

O delegado explicou que o grupo se divide em três segmentos: político, propaganda e paramilitar. O terceiro teria a obrigação de selecionar soldados, que seriam encarregados de preparar bombas e explodi-las em locais específicos. Sinagogas e passeatas de homossexuais seriam os principais alvos do grupo.

"Eles não esconderam que, se precisam matar judeus, era melhor matar vários de uma vez. O mesmo vale para os homossexuais. É uma ideia bastante grave, bastante séria e nós temos a obrigação de prender essas pessoas", disse Jardim.

Para ingressar é preciso ser branco e, de preferência, com descendência europeia, além de ter conhecimentos gerais sobre o nazismo. A polícia está investigando cerca de 50 pessoas que teriam relação com o grupo, que estaria ligado a movimentos do Paraná e São Paulo. Nos últimos 60 dias, a polícia investiga a participação do grupo em pelo menos 10 mortes no estado.

Fonte:
http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1158567-5598,00-POLICIA+FAZ+OPERACAO+CONTRA+NEONAZISTAS+EM+CINCO+CIDADES+GAUCHAS.html

domingo, 17 de maio de 2009

Opositor de Ahmadinejad critica negação do Holocausto

Irã: Candidato critica negação do Holocausto

"Ahmadinejad fez favor a Israel", disse Mahdi Karroubi

(Foto): Karroubi é um dos dois reformistas que tentará bater Ahmadinejad em Junho.

O candidato iraniano moderado Mahdi Karroubi criticou ontem o Presidente, Mahmoud Ahmadinejad, pela sua negação do Holocausto.

Um dos dois reformistas que tentará bater Ahmadinejad nas presidenciais de 12 de Junho, Mahdi Karroubi afirmou que as tiradas frequentes de Ahmadinejad questionando a ocorrência do Holocausto só servem os interesses do Estado hebraico e fazem com que o Irã fique cada vez mais isolado a nível internacional. “Ahmadinejad fez um grande favor a Israel levantando a questão do Holocausto porque o mundo levantou-se em apoio de Israel”, disse.

Ahmadinejad já negou várias vezes a amplitude do Holocausto e chegou mesmo a negar a existência da Shoah, promovendo uma conferência internacional dedicada a debater se o genocídio de judeus durante a II Guerra Mundial tinha mesmo ocorrido.

Karroubi não é o primeiro reformador a criticar Ahmadinejad por estas posições.

Fonte: Público(Portugal)
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1381045&idCanal=11

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Crescendo Negro na Alemanha Nazista

A vida marcante de Hans Massaquoi

Por Audrey FISCHER

Uma imagem pode valer mais do que mil palavras, mas a foto de um rapaz de pele escura vestindo uma suástica em um pátio de escola em Hamburgo, na Alemanha, tirada em 1933, não é o início da história da marcante vida de Hans J. Massaquoi. Ele, o ex-editor da revista Ebony, conta agora sua história em seu livro mais recente, Destined to Witness: Growing Up Black in Nazi Germany (“Destinado a testemunhar: crescendo negro na Alemanha nazista”.

"A primeira vez que ouvi falar do livro, eu fiquei paralisado", disse Yvonne Poser, professor de alemão da Universidade Howard, que entrevistou o Sr. Massaquoi no Teatro Pickford em 16 de fevereiro, como parte do programa mensal da Biblioteca de História Afro-Americana. "Sua história é uma história das vítimas ainda por contar".

A questão de como Massaquoi foi criado na Alemanha nazista tem sido feita "milhões de vezes". Neto do cônsul geral da Libéria em Hamburgo, o Sr. Massaquoi nasceu em 1926 de pai africano e mãe alemã. Na infância, teve uma vida privilegiada, por ser neto de um diplomata.

"Eu associava a pele negra à superioridade, já que nossos empregados eram brancos," disse Massaquoi. "Meu avô era 'o homem'", ele brincou.

Sua situação mudou radicalmente quando seu pai e seu avô regressaram à Libéria em 1929. Recusando-se a expor seu filho doente a um clima tropical, a mãe de Massaquoi preferiu criar seu filho na Alemanha da melhor forma possível com seu ínfimo salário de ajudante de enfermeira. Embora ele tivesse passado seus primeiros anos em uma vila, no início Massaquoi achava “interessante” a vida em um apartamento que só possuía água fria. O que mais o angustiava era ser o "estranho no quarteirão”.

"Era um problema constante", disse ele. "Eu era apontado sempre por causa de minha aparência exótica. Eu só queria ser como todos os outros." À semelhança de outros rapazes, ele nada mais queria do que se juntar à Juventude Hitleriana.

"Os nazistas encenavam o melhor espetáculo entre todos os partidos políticos. Havia desfiles, fogos de artifício e uniformes - estes foram os dispositivos pelos quais Hitler conquistou os jovens para as suas idéias. Hitler sempre se gabou que, apesar da persuasão política dos pais, a juventude alemã pertencia a ele". Massaquoi recebeu um golpe quando soube que a Juventude Hitleriana, assim como o playground local, não estavam abertos a "não-arianos".

Dois eventos ocorridos durante o Verão de 1936 fez com que ele sentisse "um orgulho genuíno de sua herança africana, numa época em que tal orgulho era extremamente difícil possuir". Dois jovens atletas negros americanos, o boxeador Joe Louis e o corredor olímpico Jesse Owens, dominaram as notícias. No início, Massaquoi torcia pelo alemão Max Schmeling, que iria lutar com Louis, mas logo mudou de idéia e passou a torcer para "a bomba marrom", por conta de observações racistas atribuídas a Schmeling. Seus colegas de classe começaram a chamá-lo de "Joe", o que lhe deu um muito bem vindo prestígio.

"Acho que fui mais esmagado que Louis quando ele perdeu de Schmeling", brincou Massaquoi. Em uma revanche vários meses mais tarde, Louis nocauteou Schmeling na primeira rodada.

Massaquoi sentiu um orgulho semelhante no legendário desempenho de Jesse Owens nos Jogos Olímpicos de 1936 em Berlim. Ele teve a sorte de ser incluído quando o pai de um de seus colegas levou um grupo de meninos ao jogos. O triunfo de um "não-ariano" sobre atletas alemães não era o que Hitler pretendia mostrar no filme quando encomendou ao cineasta alemão Leni Riefenstahl um documentário sobre os Jogos Olímpicos.

Anos mais tarde, enquanto trabalhava como jornalista, Massaquoi encontrou Owens e Louis e agradeceu-lhes "por terem lhe permitido andar um pouco mais alto entre os seus colegas naquele verão."

Quando se tornou adulto, Massaquoi foi impedido de se juntar ao exército alemão, prosseguir sua educação e se preparar para uma carreira profissional. Em vez disso, ele se tornou um aprendiz de maquinista. Após a II Guerra Mundial, ele imigrou para os Estados Unidos com um visto de estudante. Embora não fosse cidadão americano, foi requisitado para se apresentar ao serviço militar por causa de um erro de escrita e serviu por dois anos como soldado pára-quedista na Divisão Aerotransportada 82 durante a Guerra Coreana. Posteriormente, ele se aproveitou de GI Bill ** (Ato de Reajusto Militar) e obteve um diploma em jornalismo na Universidade de Illinois, que preparou o caminho para uma carreira de quase 40 anos na revista Ebony.

Ao ser perguntado como sobreviveu ao reinado de terror de Hitler, Massaquoi assinalou dois fatores. O fato de que havia tão poucos negros na Alemanha na época fez com que não fossem prioridade para o extermínio em massa. Além disso, o rápido avanço das tropas aliadas deu a Hitler "mais o que pensar do que se preocupar com Hans Massaquoi".

O que ele pensa da Alemanha hoje? "Eu a amo. É a minha pátria." Sua opinião de Joerg Haider, o recém-eleito líder da Áustria, do partido de direita liberal, cujas opiniões têm sido equiparadas ao nazismo, é muito diferente: "Ele deve ser repudiado. O mundo todo deve mostrar que não toleraremos este tipo de ideologia“. (Haider já renunciou como presidente de seu partido).

A Sra. Fischer é uma especialista em assuntos públicos do Instituto de Assuntos Públicos.

** O G.I. Bill (oficialmente chamado de Ato de Readaptação de Militares de 1944, P.L. 78-346, 58 Stat. 284m ,) fornece universidade ou educação vocacional no retorno de veteranos da Segunda Guerra (comumente referem-se a eles como GIs ou G.I.s) como também um ano de compensação por desemprego. Também provém muitos diferentes tipos de empréstimos no retorno de veteranos para compra de casas e início de negócios. Desdo o ato original, o termo vem incluindo outros programas de benefícios de veteranos criados para assistir veteranos das guerras subsequentes como também serviços em tempos de paz.

Retornar para Março de 2000 - Vol. 59, No. 3

Fonte: Library of Congress(Biblioteca do Congresso, EUA)
http://www.loc.gov/loc/lcib/0003/black_nazi.html
Tradução: Carla Jammer

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.