sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

[Pausa Musical] - Supertramp

Capa do disco "Breakfast in America"
Bom, eu acabei esquecendo do que ia escrever por isso que segue de qualquer jeito esse post. O post era sobre outro músico (a) mas como os caras do Supertramp não colaboram, vai sobre eles mesmo. Pra quem não conhece, o Supertramp é uma banda de rock britânica formada ainda no fim dos anos sessenta só que chegando ao auge no final da década de setenta e início dos anos oitenta, quando um dos cabeças da banda, Roger Hogdson abandona a banda e praticamente a liquida (o que sobrou foi um caco da mesma). O auge da banda foi o disco Breakfast in America (embora eu até goste mais do disco sequente ...Famous Last Words...) chegando à venda de 20 milhões de cópias, um dos discos mais vendidos da história da indústria fonográfica e a banda hoje é praticamente desconhecida do grande público.

Eles removeram todos os vídeos com versões ao vivo da banda do Youtube e qualquer outro site de vídeos (aqueles sites com muito acessos, mas se pegam algum vídeo desses shows eles removem), por isso que não há nenhum vídeo de show ao vivo pra colocar sobre a banda a não ser apresentações solo dos ex-membros principais, Roger Hodgson e Rick Davies (link2), que viviam as turras e se reuniram depois do lançamento de um DVD/Blu-ray sem autorização dos dois de um concerto na França. Quem quiser ver detalhes da briga com o DVD/Blu-ray checar o link.

O problema de músicas da banda no Youtube (e sites semelhantes) é sério, você não encontra nem um vídeo com áudio da música Crazy (isto aqui é um cover desta música, melhor cover que achei) que abre os shows de 1983 e demais músicas no Youtube, versões dos shows ao vivo pior ainda (todas foram removidas, eu cheguei ainda a ver algumas no Youtube).

Por sinal, incrível o empenho dos dois pra detonar este lançamento, que mesmo sem autorização dos dois resgata um momento importante da trajetória da banda já que ambos não preservam o legado da banda exceto pelo ego exacerbado dos dois se apresentando em separado.

Nenhum DVD remasterizado, com imagem restaurada, dos shows de Munique (Alemanha) e Toronto (Canadá), ambos de 1983, últimos shows do grupo com a formação clássica, foi lançado; apenas uma coletânea com vídeos de execuções dos dois concertos de 1983, suponho que com truques pra esconder falhas na imagem que não me parece ter sido da cópia master dos shows (fica numa névoa escura nas bordas (inferior e superior, se não me engano) do vídeo pra esconder provavelmente falhas da imagem (daqueles traços que ficam em imagem de fitas VHS). Vergonhoso.

Só não é vergonhoso o talento dos caras. Então segue em separado algumas apresentações solo deles com algumas músicas bem conhecidas da banda, o que é uma pena pois pra quem já assistiu os dois shows (Munique e Toronto) sabe a diferença que há entre essas apresentações individuais pra da banda original.

Achei duas músicas do show de Munique em 1983, pra acessar cliquem no link com nome da música:
Give a Little Bit - Supertramp
From Now On - Supertramp

Nesse concerto de Munique o Hodgson anuncia que sairia da banda antes de começar "Give a little bit". A conta da banda no Youtube é mais outra vergonha, parece abandonada (quase não tem vídeos e os que tem não estão em HD, não foram restaurados pra serem lançados), em todo caso, prossegue...

Algumas curiosidades de dois videoclipes abaixo: no videoclipe de "It's raining again" a banda aparece no clipe no meio da história do mesmo, no ônibus, dando carona etc. No clipe de "My kind of lady" a banda aparece de barba feita, algo não muito comum por isso é estranho ver a banda com esse visual.

Essa todo mundo conhece, não?
Supertramp - It's Raining Again
(álbum ...Famous Last Words...)


E eu achando que quem fazia a voz fina no refrão dessa música era o Hodgson, o Davies repete o truque de Goodbye Stranger, do mesmo disco ...Famous Last Words...


Aqui uma muito conhecida, Logical Song, só que ele sozinho com orquestra, acho que isso foi gravado na Alemanha (citando de memória, depois completo as infos) e nunca vi DVD disso.


Essa é uma das que eu gosto mais, também do mesmo show com orquestra
Hide in your shell

Mas essa não podia ficar de fora


Pra não carregar mais o post pois em algumas máquinas é pesado de carregar os vídeos, segue o link dessa apresentação de Babaji nos anos 70. Milagre não terem apagado também esse vídeo.
Supertramp - Babaji

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

A memória viva de Stepan Bandera (o fascista antissemita "herói nacional" na Ucrânia)

A memória viva de Stepan Bandera
por Paulo Marcelino, p.marcelino@netcabo.pt

Imagem de Stepan Bandera.
Líder de grupo fascista ucraniano
Em Lvov, ou Lviv, no final de Janeiro foi realizada uma homenagem a Stepan Bandera, nacionalista ucraniano que liderou um movimento de guerrilha nas décadas de 1930 a 1950 pela independência da Ucrânia. O seu lema principal era "limpar" a Ucrânia de indivíduos de outras nacionalidades, em especial de russos e polacos, embora as suas atividades de "purificação" étnica se estendessem a ciganos, húngaros, checos e judeus. Colaborou na altura ativamente com o exército alemão na altura da ocupação nestas ações.

A região da Volynia-Galitsia é uma extensa região da Ucrânia ocidental, sul da Polônia e Lituânia. Foi aí que no século XIV Danilo Galitsi fundou um estado efêmero que perdurou cerca de 100 anos até ser dominado por polacos, lituanos e pelas invasões mongóis.

Será esta a gênese da atual Ucrânia, as origens históricas da sua nacionalidade, que se desenvolveu bem mais tarde em termos de literatura, língua e cultura autônoma.

Já a cidade de Lvov, ou Lviv em ucraniano foi fundada por um nobre polaco, Lev, em 1256 e significa literalmente "dos Leões" de lev, leão. Essa zona do país esteve grande parte sob influência polaca, mas também sob domínio letão e do império austro-húngaro.

Nota disso o teatro de Lviv, réplica do mesmo em Viena, magnificente e belo.

Pertança da Polônia até 1939, quando os russos invadiram a região ao encontro do exército alemão que em 1 de setembro de 1939 invadiu a Polônia, pensando Stalin que criara uma zona tampão para o futuro avanço do exército alemão na Rússia soviética, por mais obtusa que esta ideia se tenha provado.

Em 1933 Stepan Bandera cria um movimento revolucionário com vista à instauração de um estado ucraniano puro, onde não tinham lugar outras nacionalidades.

Criou pouco depois o Exército de Libertação da Ucrânia (bandeiras vermelho/negras visíveis nas manifestações transmitidas pela TV), que atuou ativamente a partir de então.

A missão era no fundo uma limpeza étnica, forçando fundamentalmente os polacos a saírem dessas zonas geográficas. Quando os alemães nazis invadiram a União Soviética, foi um ativo colaboracionista.

Foi nessa altura que as suas "limpezas" deram mais resultado. Estima-se que cerca de 70000 polacos foram exterminados, apesar de uma relação dúbia com os judeus, também participou na sua exterminação; às suas mãos "desapareceram" cerca de 200.000 judeus.

A colaboração cessou em 1943, pois foi entretanto preso pelos próprios alemães, mas em 1944 o exército soviético entrou e ele reiniciou as suas atividades bélicas na zona.

Aproveitando o esforço militar a ocidente, o seu movimento guerrilheiro cresceu em atividade e de fato no final dos anos 40 ocupou uma região de cerca de 160000 km2 na zona.

Progressivamente o novo poder soviético foi tomando conta da situação e o movimento decresceu em importância militar, confinou-se a pequenos grupos de guerrilha nas montanhas dos Cárpatos (de uma beleza digna de visita) e pereceu já na década de 50, Lviv esteve sob lei marcial até 1955.

Stepan Bandera foi assassinado pelos serviços secretos soviéticos no final de Janeiro de 1959 em Munique, efeméride que foi relembrada em Lviv.

O movimento "Svoboda" da atual contestação ucraniana não relega as ideias de limpeza étnica de Stepan Bandera. O seu líder foi a semana passada espancado algures na Ucrânia e prontamente assistido na Lituânia.

Os movimentos do ex-boxeur Klitshko (com o curioso nome de UDAR, que significa MURRO) e de Iatseniuk desmarcaram-se deste movimento mais extremista.

Mas observando com atualidade tudo isto, parece que a Europa revive os momentos de 1933, ano da chegada ao poder do partido de Adolf Hitler.

A aposta no nacionalismo e na pureza da raça, faz eco no crescendo de nacionalismos europeus estúpidos, materializados no recente referendo Suíço, mas também em Le Pen, no Sobbit (Jobikk) húngaro ou na Aurora Dourada grega.

A contestação ucraniana, não isenta de razão ou justificação, se entendida contra um poder de oligarcas com negócios florescentes no Ocidente, aproveita as diferenças seculares entre etnias e nacionalidades, que em vez de funcionarem com impulso para um mundo livre, multicultural e daí interessante, funciona como uma separação irreparável que só serve a desagregação, o conflito e a dependência externa.

Será a Ucrânia a próxima Iugoslávia? Sob o imparável impulso alemão que conquista territórios sem uso da força? Ou caminhamos para um impensável futuro próximo.

Que se recorde Stepan Bandera como europeu da década de 30 e 40, pré-guerra e que se tirem os devidos ensinamentos.

Que estes fatos não se esqueçam hoje, para que na nossa memória fiquem os momentos mais marcantes da nossa maior fragilidade e nossa maior fortaleza: que se preservem as diferenças em nome de uma Europa unida pela diferença e pela diversidade. E que estende de Lisboa a Vladivostok, como dizia De Gaule.

E aguardemos o fim das Olimpíadas de Sotshi, após o que tudo se esclarece e o verniz estala; para recordar a história daquela zona geográfica, tudo é escrito sobre muitos cadáveres...

Fonte: Diário de Notícias (Portugal)
http://www.dn.pt/inicio/opiniao/jornalismocidadao.aspx?content_id=3693616&page=-1
____________________________________________________________

Correção: sobre a foto com um agrupamento nazista onde eu apontei (tacitamente) que o do centro seria o Bandera, agradeço a correção feita aqui que aponta que o nazi ao centro é Reinhard Gehlen.

Eu gosto de colocar fotos nos posts e muitas vezes na pressa não dá pra checar todas (se não é foto de um assunto muito específico como foto do genocídio, muitas vezes confiro pelo "tato"), encontrei a foto dos nazis acima numa página de um grupo que denuncia atrocidades deste grupo fascista do Bandera contra poloneses (étnicos) na Ucrânia na época da segunda guerra, só que não lembro o link (acha-se fácil no banco de imagens do Google pelo nome "Stepan Bandera"). De cara achei estranha a foto, apesar dos dois terem algumas semelhanças físicas, porque o fardamento do Gehlen é de oficial da Wehrmacht (exército), que tem aquela águia com a suástica aos pés no fardamento e outras insígnias de oficial de exército, o Bandera não usaria fardamento de oficial do exército alemão.

Como o Bandera era ucraniano, só poderia 'lutar' com os nazis, ou no próprio agrupamento fascista dele (UPA) ou pela Waffen-SS como voluntário estrangeiro, sendo que os voluntários estrangeiros da Waffen-ss não usavam este fardamento de oficial da Wehrmacht, e na gola, em vez do emblema da SS (que só alemães usavam) cada unidade com voluntários de vários países usava uma insígnia pra cada grupo étnico ou país. Só como exemplo, mirem a gola deste agrupamento croata da Waffen-SS, não consta o SS dos oficiais alemães.

Este é um voluntário sueco, mirem a gola com a insígnia da unidade sueca da Waffen-SS. Curiosamente achei um voluntário finlandês com uma insígnia da SS (não só essa foto, algumas), embora a unidade finlandesa possuísse sua insígnia, mas o normal seria usar a insígnia étnica do grupo ao qual ele pertence pela classificação racista nazista.

Este assunto do uniforme é um assunto a ser tratado depois pois. Apesar de aparentar ser banal, o assunto é relevante para identificar os diversos grupos nazis em fotos pois há uma campanha de "revisionistas" (negacionistas) tentando alegar que estrangeiros que eram vistos como inferiores pela doutrina racista nazista seriam "aceitos" pelo exército alemão e isso colocaria em "cheque" o racismo nazista. É algo tão ridículo que eles nem sequer comentam quais e como/de que forma esses grupos eram aceitos no esforço de guerra nazista. Leiam este texto que trata do assunto (ainda falta completar a tradução inteira dividida em partes):
O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 01
O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 02

A Waffen-SS era o braço militar (tropa) da SS (Schutzstaffel) que era a milícia do Partido Nazi, não eram parte do Exército alemão (Heer) embora tenham lutado juntos.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

"Pedem que judeus ucranianos deixem Kiev depois que Yanukovych foi deposto pelo Parlamento"

Fiz este post sobre o grupo de extrema-direita (fascista) que encabeça a baderna na Ucrânia, apoiado pelo governo dos Estados Unidos e da União Europeia sob liderança do governo alemão, com o título "A crise da Ucrânia: fascistas (extrema-direita) perto do poder (Black Blocs atuam)". O que era hipótese virou fato. Só um adendo antes se prosseguir, o post é de minha responsabilidade (opinião).

Primeira consequência da mudança política naquele país do leste europeu pode ser lida abaixo. Brincam com fogo, como comentei antes, brincam achando que controlam um bando de fanáticos pra tirar proveito político disso, tal qual fizeram em outras ocasiões e as consequências foram desastrosas.

Pior ainda é o destaque do governo alemão neste episódio pois é o país líder da União Europeia e não dá pra se esconder sob o manto da UE. Angela Merkel e outros líderes europeus terão o desplante de visitar memoriais do Holocausto falando que "não toleram nazismo" depois de apoiarem um grupo fascista a derrubar presidente eleito em um país? Um dos fatos mais graves desde a segunda guerra mundial.

Barack Obama, primeiro presidente negro dos EUA, do Partido Democrata (o partido mais bélico dos EUA), é um dos responsáveis políticos pela ajuda dada a um grupo nazifascista para derrubar um governo eleito na Ucrânia visando o conflito (reedição mal-ajambrada da guerra fria) com a Rússia. Nem W. Bush conseguiria tal "proeza".

O engraçado é ler de um bando de "revis" idiotas (pleonasmo) do país, dizendo que o governo alemão é "sionista" e mais neuroses deles rotulando tudo de "sionista" porque veem judeus em todo canto por conta do antissemitismo psicótico e não conseguem entender nada do que se passa ao redor porque só visualizam o mundo através de "crenças", superstições e preconceitos (a muleta dos idiotas).

Mais ridículo ainda será ver a crise do "lado eurasiano" dessa extrema-direita do Brasil, que idolatra o Putin e seguem ideologicamente um "Rasputin" de extrema-direita/fascista, Aleksandr Dugin, "líder" do grupo neonazi russo Nazbol (uma alegoria com o termo "bolchevique", sendo na prática outro grupo neonazi misturando termos pra tentar se dissociar da imagem do nazismo), sem saberem que posição tomar sobre a crise na Ucrânia, pois os fascistas da Ucrânia odeiam russos e o governo russo (ídolos deles), tendo ligações com os nazistas na segunda guerra que tinham política de extermínio de eslavos. O Dugin merece até um post à parte com a "Third Position" dessa patota (isso é fascismo por outro nome).
_______________________________________________________

Pedem que Judeus ucranianos deixem Kiev depois que Yanukovych foi deposto pelo Parlamento

Judeus ucranianos foram instados a deixar Kiev, e se possível a Ucrânia, pouco antes de o Parlamento do país votar para derrubar o presidente Viktor Yanukovich do poder.

Crédito: Wikimedia Commons.
(JNS.org) Na esteira de uma escalada de confrontos entre manifestantes e forças do governo ucraniano, que já causou a morte de mais de 120 pessoas na semana passada, o Parlamento da Ucrânia votou neste sábado a remoção do presidente Viktor Yanukovych do cargo e da realização de uma nova eleição em 25 de maio. O Parlamento também votou a favor da libertação da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, que foi, então, solta sábado do hospital da prisão, informou a Reuters. Yanukovych fugiu de seu escritório em Kiev.

Na sexta-feira, o rabino ucraniano Moshe Reuven Azman pediu que os judeus de Kiev deixassem a cidade e, se possível, o país, devido a temores de que os judeus possam se tornar alvo no caos em curso. Informou a Israel National News na sexta-feira que algumas lojas judaicas foram vandalizadas.

"Eu disse a minha congregação para deixar o centro da cidade ou a cidade todos juntos e, se possível, o país também ... Eu não quero abusar da sorte ... mas há avisos constantes a respeito das intenções de atacar instituições judaicas:" disse Rabi Azman ao Maariv .

Os manifestantes primeiro inundaram a Praça da Independência de Kiev, conhecido como "Maidan", em novembro de 2013 para protestar contra a decisão de Yanukovych para congelar planos de entrar em um acordo de livre comércio com a União Europeia. Em vez disso, Yanukovych apontou uma intenção de se juntar à União Aduaneira da Eurásia, uma união econômica idealizada pelo presidente russo, Vladimir Putin, que é visto como um precursor de uma União Eurasiática de países do Leste Europeu e do Cáucaso.

Até segunda-feira, a oposição e o governo ucraniano pareciam estar trabalhando em direção a um acordo, mas o negócio caiu completamente. Na terça-feira, manifestantes e forças do governo se enfrentaram violentamente novamente, levando a muitas baixas em ambos os lados do conflito na semana passada.

"Contactamos o ministro (israelense) das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, solicitando que ele nos ajude com a segurança da comunidade", disse Edward Dolinsky, chefe da organização de apoio de judeus da Ucrânia.

Fonte: JNS.org
Título original: Ukrainian Jews urged to leave Kiev as Yanukovych is ousted by Parliament
http://www.jns.org/news-briefs/2014/2/22/ukrainian-jews-urged-to-leave-kiev-as-yanukovich-is-ousted-by-parliament
Tradução: Roberto Lucena

Pra quem quiser ler mais, não foi possível traduzir e o post acabaria com excesso de informação, segue os links:
'Estarei combatendo judeus e russos até eu morrer': militantes da extrema-direita ucraniana visando o poder (RT, edição em inglês)
Ucrânia: Agência Judaica envia fundos para garantir segurança dos judeus no país (Expresso, Portugal)
Jewish Agency to send emergency aid to Ukraine’s Jews (Times of Israel)
Jewish Agency offering emergency help to Ukraine Jews (JTA)
Ucrânia: não faça de bode expiatório seus judeus e muçulmanos (Jewish Daily Forward)
Na crise da Ucrânia, não esqueçam da segurança das minorias judaica e muçulmana (Huffington Post)
Israeli agency sends funds to aid Ukrainian Jews' security (Yahoo!)

sábado, 22 de fevereiro de 2014

A psiquiatria de Franco. A mulher, intermediário entre criança e animal

Mulher, entre criança e animal
Rodolfo Serrano; Madrid, 7 de janeiro de 1996

Antonio Vallejo-Nágera,
psiquiatra franquista
As mulheres marxistas também foram objeto de estudo. Vallejo-Nágera e Eduardo M. Martínez, diretor da Clínica Psiquiátrica de Málaga e diretor da prisão desta cidade, analisaram 50 presas de guerra. O método foi similar ao empregado com os brigadistas; mas com uma exceção: para os homens foi realizado um estudo antropomórfico, mas "no sexo feminino", escreve Vallejo e Martínez, "carece de finalidade pela impureza dos contornos". O conceito que ambos professores tinham sobre a mulher é perfeitamente expresso em seus textos.

Para justificar o alto grau de participação feminina nas fileiras da República, recordam sua "debilidade mental" e asseguram que "como o psiquismo feminino tem muitos pontos de contato com o infantil e o animal", quando se rompem os freios sociais que contém a mulher "despertando-se no sexo feminino o instinto da crueldade e ultrapassa todas as possibilidades imaginadas, precisamente por lhes faltar inibições inteligentes e lógicas".

Em busca do 'gene vermelho'

Mas não só isso. Ambos os professores estavam convencidos de que "nas revoltas políticas" as mulheres têm oportunidade "de satisfazer seus apetites sexuais latentes". A sexualidade das presas é estudada com verdadeiro interesse.

Destacam sua libertinagem, - advertem que foram sinceras ao se pronunciar nos interrogatórios, salvo nas "infidelidades conjugais que nenhuma confessou" - e oferecem tabelas sobre virgindade e desfloração e sobre as perversões sexuais das presas. Mas neste último aspecto dizem que "são raras as marxistas malaguenhas (de Málaga), pois somente três delas conhecem toda classe de perversões sexuais". "O amor lésbico tampouco é muito frequente", escrevem, "já que só seis pessoas (das 50), uma delas virgem, mostrou tendência deste tipo".

Os professores concluem que a mulher quando se lança à política "não o faz arrastada por suas ideias, senão por seus sentimentos que alcançam proporções imoderadas, inclusive patológicas, devido à irritabilidade da personalidade feminina". E sublinham que a crueldade feminina "não fica satisfeita com a execução do crime, senão que aumenta durante sua realização".

Somente três presas, das estudadas, segundo ambos doutores, apresentava uma inteligência superior. E seis, boa. O resto oferecia inteligência média ou inferior. E duas eram débeis mentais, segundo o estudo. A conclusão dos autores era de que o marxismo espanhol se nutria das pessoas menos inteligentes da sociedade.

Fonte: El País (Espanha)
http://elpais.com/diario/1996/01/07/espana/820969221_850215.html
Tradução: Roberto Lucena
_______________________________________________

Este texto estava em destaque como link no texto maior "Em busca do 'gene vermelho' ("ciência" fascista) - Vallejo Nágera", sobre um psiquiatra fascista espanhol. Quem quiser ler, segue abaixo:
http://holocausto-doc.blogspot.com/2014/02/em-busca-do-gene-vermelho-ciencia-fascista-vallejo-nagera-franquismo.html

Pra minha surpresa, a família desse psiquiatra fascista, Vallejo Nágera, ainda tem destaque na Espanha.

Ambos textos são de 1996 do jornal El País (Espanha), sobre bizarrices/aberrações da "ciência" (médica) do franquismo. O termo bizarro é por minha conta pois não há como qualificar isso de outra coisa. Percebe-se o quanto os fascistas espanhóis contribuíram para o progresso da ciência (conteúdo obviamente irônico) com sua misoginia (ódio ao sexo feminino) provavelmente oriunda de cultura religiosa.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Sobre denuncias de sites "revisionistas" neste blog. Este não é o local

Removi esse aviso deste post sobre a tatuagem da unidade francesa da Waffen-SS e o Front National da França, pois destoava do texto e vou reproduzi-lo abaixo e tirá-lo do outro post.

Acho vergonhoso ter que colocar um aviso (mais um) por conta de mau comportamento com denúncia de sites, algo que poderia ser evitado. Eu evitei comentar antes pois estava evitando me aborrecer em ter que comentar isso de novo, mas uma hora a paciência esgota. E não vou esperar que terceiros mudem de postura pra tomar uma atitude. Mesmo porque há vários avisos no blog sobre isso e pelo visto não leem. Quem quiser checar clique na tag avisos, quase sempre é o mesmo problema.

A impressão que passa é que a gente está falando sozinho pro "vento" ou pruma "parede" pois quando a gente dá um "esporro" ou aviso não pinta um pra comentar. Se são tão ligeiros pra denunciar e fazer alarmismo, por que não sabem vir discutir ou ignoram a posição/opinião do pessoal do blog?

Acho que fui excessivamente tolerante com este tipo de conduta (do pessoal que fala ignorando o que você diz) e de fato não pretendo mais ser tão "tolerante" com este tipo de postura, até porque não irei me desgastar por conta de paranoia alheia.

Eu já tive que tirar o email do blog pra parar de receber emails esdrúxulos com mensagens absurdas. E não, as mensagens mais absurdas não foram de "revisionistas" (negacionistas), pois seria de se esperar isso deles, não?

Eu nem me espanto mais com o que eles ("revis") dizem, pois é quase sempre a mesma ladainha sempre sendo que não representam mais uma "novidade" (só cai no discurso deles quem pensa como eles), mas como dizia, eu me espanto é com o outro lado (que se apresenta pra "combatê-los") faz, pois em tese deveria ter outra postura.

Segue abaixo o comentário com aviso que fiz no outro post. Não irei mais repetir o assunto, próxima vez que pintar o mesmo problema em algum post futuro, copio o link deste post e fica dado o aviso. Quem quiser insistir vai ter que brigar.
____________________________________________________________________

Só um aviso, já que citei um site neo abandonado, infelizmente o texto se estendeu, e se for o caso coloco em um post à parte: como já disse antes, o blog não é local pra denúncia de sites, "revis" ou não, quem quiser fazê-lo ou achar que é o caso, envie o conteúdo pros sites apropriados da Polícia Federal ou denuncie diretamente à polícia ou Ministério Público do seu estado, inclusive podem fazer isso pessoalmente, eles devem orientar sobre o problema. O que eu cito eu me responsabilizo, mas não irei me responsabilizar por denúncia de terceiros em hipótese alguma. Mas vejam que um site com apologia do nazismo está no ar há 7 anos sem que os autores sejam responsabilizados, então não criem muitas ilusões sobre possíveis punições de todo e qualquer site deste tipo na web com autores nascidos no Brasil.

Por que estou repetindo este aviso? Porque mesmo escrevendo mil vezes o mesmo alerta sobre esta questão, vez ou outra aparece denúncias de sites como se o blog fosse destinado a isso, apenas porque o blog tem conteúdo contrário aos negacionistas.

A finalidade do blog está na descrição dele ("sobre o blog"), a linha é a mesma do Holocaust Controversies (blog em inglês) e do The Holocaust History Project (site hospedado nos EUA que combate o negacionismo fornecendo informação de primeira sobre segunda guerra, nazismo e Holocausto). Eu penso que se combate o extremismo com informação de qualidade, tem gente que acha que vai barrar isso dando uma de "Rambo" e "justiceiro", comparando o impacto das duas coisas, os sites citados em inglês fizeram infinitamente mais estrago no negacionismo do que "justiceiros" agindo na rede apagando rastros desses bandos, quando não criando mais problemas com brigas.

Por que comento isso? Porque vez ou outra sempre surge pessoas criticando como se a gente fosse "calmo" demais com a questão quando apenas se trata de ter visões distintas do problema. O que ocorre é que o lado mais irritadiço não consegue enxergar a coisa por outro ângulo e quer impor essa forma truculenta "Rambo" de agir que como disse acima, só cria problemas e é uma completa idiotice.

Esse comportamento de denuncismo e de "justiceiro" do brasileiro acaba reduzindo a liberdade de postar/discutir na rede. São os efeitos colaterais de quem incentiva esse comportamento no Brasil.

Quando veem que algum site "revi" é citado (como no caso acima, eu citei um blog neonazi abandonado), isso passa a impressão errada pruma minoria (pois este gesto não significa "sinal verde" pra fazer denuncismo, como disse acima), que muitas vezes não age corretamente e de forma sincera, de que se pode denunciar aqui, ou que é lugar pra isso, quando não é. Quando comento sobre sinceridade é que não deixam claro o que querem com as denúncias no blog e não falam claramente o que pensam, posicionamento ideológico etc e não consideram que tais posicionamentos podem entrar em choque com o pessoal do blog. Em resumo, aqui não é lugar pra isso.

Eu até havia escrito um texto sobre esse problema aqui e removi, se for o caso coloco num post à parte. Mas esse ficará longo também. Só sei que é triste ter que repetir isso várias vezes porque simplesmente ficam achando que somos um bando de imbecis, testando nossa paciência, porque só pode ser essa a explicação pra tanta insistência e simplesmente ignorarem os alertas, eu não estou falando pra portas, pretendo endurecer a linha com quem repetir esse comportamento já que o diálogo não resolve.

Voltando ao assunto, eu sei quais são a maioria dos sites negacionistas, não preciso que ninguém me diga quais são nem que me "ensinem" nada sobre fascismo ou negacionismo. Isso soa pedante? Talvez, mas não é pedantismo e cito um caso que ilustra o problema logo abaixo.

Vou citar um caso do Orkut sobre essa questão.

Havia uma pessoa nessa rede social do Google, um carola, que usava um fake, que justamente por colocar um viés religioso em tudo que discutia (num tom bem apocalíptico por sinal) não conseguia entender esses assuntos de um ponto de vista analítico, político e histórico. Comentava como se fosse o maior "conhecedor" do assunto nas comunidades que a gente fazia parte, apesar de não ter lido um livro sobre o tema (essa é a pior ironia do caso). E não adiantava a gente colocar uma fonte ou texto de livro referência sobre o assunto que a figura, no ápice da sua prepotência ignorante (pois o cara não sabia nem interpretar direito um texto, e tratava o assunto na base da histeria), ou ignorava o que a gente comentava e reproduzia (os textos), ou simplesmente continuava a fazer pregação de sua "própria lógica" religiosa distorcida pois até a visão religiosa dele sobre a religião dele é torta, sem que ninguém compartilhasse com ele desse comportamento.

Um dia, numa discussão banal sobre a presença de grupos cristãos extremistas ligados a neonazismo nos EUA, mais precisamente da Ku-Klux-Klan (que foi criada por grupos cristãos extremistas racistas protestantes), o cara simplesmente surtou porque estava mais preocupado em "defender" religião (quem passou procuração pra ele fazer isso? Falar do assunto é atacar? A ultrassensibilidade e desajuste levam a uma pessoa a isso) do que discutir a coisa, sendo que eu havia citado as ligações mostrando textos de referência, não fiz acusações, e o cidadão começou a atacar, agredir, fazer um teatro acusando que eu o havia ofendido (quando eu é que fui atacado) etc.

É óbvio que não gostei, não gosto que venham atacar mentindo, isso é coisa de gente com índole questionável.

Como não levo desaforo pra casa, revidei da forma mais pesada possível e só aí o moderador resolveu interferir no tópico, quando viu que o cara que atacou estava ficando encurralado pois eu não iria pedir desculpas por ser agredido em hipótese alguma. Acho isso engraçado, eu sou atacado e o povo deixa "rolar", eu vou revidar, começam a ficar com "pena" do "coitadinho" do agressor e pedem "calma", paz etc. Valores distorcidos do povo com viés conservador em geral.

O Brasil deve ser o único país do mundo onde o agressor se sente ofendido com o revide em resposta às agressões dele. Surreal isso. Aliás, o que leva essas pessoas a ficarem agredindo gratuitamente pessoas que nem conhecem com base em delírios e imbecilidades?

Esse caso ocorreu acho que faz muito tempo, só estou citando aqui pra ilustrar o que citei lá no começo deste aviso. Igual a este caso há vários, e eu não quero repetir a "dose".

Voltando ao assunto do começo, a web atual não é a mesma de dez anos atrás quando não havia essa "judicialização" dela como ocorre hoje, principalmente depois do advento do Orkut seguido do Facebook (das baixarias nos dois sites), onde o mau uso da rede e a banalização que essas redes sociais provocam, destruíram aos poucos a liberdade que havia na web antigamente. Não acho que essas redes sociais valham tanto a ponto de destruir o conteúdo e liberdade da web só que penso que o brasileiro (generalizando) só irá descobrir isso tarde demais.

Qualquer coisa, mesmo banal, pode acabar em processo dependendo do grau de má intenção (ou não) de terceiros. Ao contrário do que "revis" brasileiros afirmam, de que são adeptos de "livre discussão", isso é e sempre foi uma balela, a maioria deles não é a favor disso coisa alguma, salvo algumas exceções. Os "revis" de Portugal, independente do que eu ache pessoalmente deles (e não gosto), costumam ter discussão livre do assunto, sem ameaças, exceto quando apagam os comentários dos blogs deles (rs). Divergências à parte, tenho que reconhecer uma virtude mesmo em grupos que eu tenho aversão.

Portanto, não preciso repetir novamente estes avisos pra que entendam que não se deve fazer denúncia em comentários no blog. Caso aconteça de novo não irei publicar. Se ocorrer novamente eu apenas irei colar o texto que escrevi aqui e apontar os demais posts de avisos.

Tatuagem nazi leva ao afastamento de candidato da FN (Front National, França)

Por France Press, publicado por Luís Manuel Cabral

Tatuagem de Bastien Durocher revelada online
junto com o símbolo da Divisão Charlemagne
A divulgação de uma tatuagem nazi no braço de um candidato da Frente Nacional às eleições municipais de março levou o partido a retirá-lo das listas eleitorais para evitar polêmicas.

Um candidato do partido de extrema-direita Frente Nacional (FN), às eleições municipais de março, em França, foi excluído das listas eleitorais após a difusão de fotografias suas onde se podia ver uma tatuagem nazi, informou o cabeça de lista do partido por Châteauroux esta sexta-feira.

"Na sequência das legítimas preocupações geradas pela revelação de uma tatuagem de cariz nazi de um apoiante da Frente nacional de Châteauroux (centro do país), foi decidido que Bastien Durocher será retirado da lista da União Azul Marinho (Rassemblement Bleu Marine)", afirmou Matthew Colombier em comunicado.

Na fotografia, Durocher surge com o braço esquerdo tatuado com o símbolo da "Divisão Charlemagne" das "Waffen-SS" que durante a Segunda Guerra Mundial era composta por voluntários franceses. Colombier tinha afirmado inicialmente que não iria "retirar a confiança" ao candidato da sua lista mas, a direção do partido decidiu afastá-lo, seguindo uma estratégia que pretende evitar a diabolização da Frente Nacional e que é seguida há vários anos pela presidente Marine Le Pen.

Bastien Durocher afirmou hoje no jornal "La Nouvelle République que a sua tatuagem tinha sido feita durante a "adolescência" e que tencionava removê-la. No entanto, as imagens difundidas online pelo grupo "Resistência Antifascista" denunciaram a ideologia racista do candidato e levaram agora ao seu afastamento do ato eleitoral do próximo mês.

Fonte: Diário de Notícias (Portugal)/France Press (França)
http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=3686946

Ver mais:
Fotografia. Candidato da extrema-direita francesa afastado por tatuagem neonazi (Notícias ao Minuto, Portugal)
Extrema-direita francesa afasta candidato por tatuagem neonazi (TSF, Portugal)
__________________________________________

Observação 1: Sobre esta Divisão Charlemagne, eu inclui o link no texto acima (basta clicar no nome da divisão) do Axisforum sobre ela (está em inglês), que é especializado em discussão sobre segunda guerra. Ou ver o verbete da Wikipedia em inglês sobre esta divisão:
33rd Waffen Grenadier Division of the SS Charlemagne (1st French)

Aos desavisados, o Axisforum (ou Axis History, é um site que é mais conhecido pelo fórum de discussão embora tenha a parte informativa nele de primeira) não é um fórum neonazista, pois muita gente pode confundir por conta do tema que ele aborda. O rigor com banimento de negacionistas nele é pesado e o conteúdo é de primeira, quem for pego pregando negação do Holocausto e afins acaba sendo banido, até porque a "contribuição" com o "conhecimento" desse pessoal negacionista sobre segunda guerra beira a irrelevância, sendo que todo e qualquer comentário de gente com esse perfil político é enviesado pras crenças lunáticas "mágicas" do fascismo que eles idolatram. Só comento isso porque o grau de histeria com esses assuntos no Brasil anda elevado, e o desconhecimento sobre os temas seguem nessa mesma proporção (desconhecimento pesado), o que facilita a proliferação de fascistas no Brasil pois um público com um conhecimento ou análise crítica precários sobre esses assuntos e outros, além de falta de humanismo como postura política, não representa um obstáculo à pregação desse tipo de doutrina de caráter extremista segregador no país.
________________________________________________
Observação 2: a quem não leu ou viu, recomendo que leiam este texto (está dividido em partes e não foi finalizado ainda, o original está em inglês) sobre a formação dessas tropas multiétnicas da Waffen-SS pois vários grupos de extrema-direita (fascistas e neonazis) no Brasil e no exterior, utilizam o episódio dessas tropas pra propagar, de forma ridícula pois só um ignorante mal intencionado leva uma coisa dessas a sério sem checar nada, que o Reich nazista não era racista, algo que beira o ridículo pois mesmo nessas tropas, quem não se enquadrasse nos critérios "raciais" nazis, não tinha acesso a promoções ou mesmo fazer parte do grupo "seleto" dos "arianos" (segundo a denominação nazista), fora toda a doutrina racista nazi.

Boa parte do voluntariado dessas tropas se deu por questões ideológicas, vários agrupamentos simpáticos ao nazismo e fascismo, grupos de extrema-direita anti-comunistas, alistavam-se nessas tropas pra combater na União Soviética e em outros países o "inimigo bolchevique". Em geral as pessoas fanáticas que se dizem anti-comunistas, são fascistas ou bem extremistas (sendo que boa parte não se assume), isso frequentemente os leva a aproximações com grupos nazifascistas, embora não vivamos mais a polarização da Guerra Fria. Vários grupos no Brasil, principalmente na mídia brasileira, alimentam essa paranoia de guerra de décadas passadas (por politicagem e disputa política com governos) que perderam totalmente o significado original e são anacrônicas, mas prum fanático qualquer crendice que combine com a "visão de mundo" dele "faz sentido".

Sobre o que apontei, e este é o tipo de propaganda que fazem, este blog neonazista verdade1945, aparentemente de alguém de Santa Catarina (Estado), faz a propaganda que citei acima, postagem de 2007. Os responsáveis pelo site pelo visto não foram condenados pela justiça brasileira por apologia do nazismo sendo que o post está no ar há uns 7 anos e a impunidade alimentando esses grupos.

Link do texto sério sobre essas tropas multiétnicas segue aqui: O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 01. Há a parte 02 (o link está no post) mas falta traduzir o resto.

Quem quiser ver todos os textos sobre o assunto, clique nas tags Waffen-SS e Tropas Multiétnicas

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Em busca do 'gene vermelho' ("ciência" fascista) - Vallejo-Nágera

Antonio Vallejo-Nágera dirigiu em 1938 um estudo sobre prisioneiros de guerra para determinar que malformação levava ao marxismo
Rodolfo Serrano; Madrid, 7 de janeiro de 1996

Antonio Vallejo-Nágera
Imagem da web
Os vermelhos, nascem ou se formam? Que malformações, psíquicas ou físicas, levam a um homem ou a uma mulher ao marxismo? O professor Antonio Vallejo-Nágera, chefe dos Serviços Psiquiátricos do Exército de Franco, buscou a resposta a estes e outros interrogantes, estudando mediante testes psicológicos e medições antropomórficas a prisioneiros de guerra, fundamentalmente procedentes das Brigadas Internacionais. Durante dezembro de 1938 e outro de 1939, II e III Ano Triunfal, o famoso psiquiatra publicou - com outros colaboradores seus - até cinco relatórios na Revista Espanhola de Medicina e Cirurgia de Guerra, com o título genérico de Biopsiquismo do Fanatismo Marxista. Em suas páginas analisou "as relações que possam existir entre as qualidades biopsíquicas do sujeito e o fanatismo político-democrático-comunista". Não se limitou a estudar somente homens, também realizou um estudo em mulheres prisioneiras de guerra - cujo psiquismo "tem muitos pontos de contato com o infantil e o animal", escreve Vallejo - buscando uma explicação "à ativíssima participação do sexo feminino na revolução marxista". A conclusão do professor e seus colaboradores foi que o marxismo espanhol se nutre das pessoas menos inteligentes da sociedade.

Páginas obscuras

Pouco se sabe desses trabalhos que a comunidade científica preferiu manter em um piedoso esquecimento. Quase sessenta anos depois, os professores Javier Bandrés, da Universidade de Vigo, e Rafael Llavona, da Universidade Complutense, trouxeram à luz uma das páginas mais obscuras da psiquiatria espanhola. Seu trabalho - "A Psicologia nos campos de concentração de Franco" (La Psicología en los Campos de Concentración de Franco) -, que será publicado proximamente na revista especializada Psicothema, recolhe estudos e testemunhos de velhos brigadistas. San Pedro de Cardeña era em 1938 um velho monastério abandonado, a uns 13 quilômetros de Burgos. Para ali eram levados, à espera de sua execução, os brigadistas que foram feitos prisioneiros pelo exército de Franco. Conta-se que na entrada do campo havia uma estátua de El Cid com o braço levantado erguendo uma espada. A espada desapareceu um dia e o bom El Cid ficou só com o punho ao alto. Ao chegar, os brigadistas, levantavam seu punho respondendo àquele guerreiro que lhes recebia com a saudação revolucionária. As condições, tal como conta um dos que tiveram o amargo privilégio de passar por aquele campo, eram terríveis. "Ainda assim", conta Javier Bandrés, "os brigadistas tinham sorte se os comparassem com os prisioneiros espanhóis. Procurava-se manter os estrangeiros com vida para trocá-los por prisioneiros italianos nas mãos da República". Precisamente os que eram considerados piores eram os brigadistas italianos. Andreu Castells em seu livro "As Brigadas Internacionais na Guerra da Espanha" (Las Brigadas Internacionales en la Guerra de España) cita algo a este respeito e que é anotado no diário do genro de Benito Mussolini, o conde Ciano, em 22 de fevereiro de 1939. Conta que Franco está "limpando" a Catalunha. E aponta: "também foram detidos muitos italianos, anarquistas e comunistas: se digo ao Duce que me ordena que lhes fuzilem a todos. E acrescenta: os mortos não contam a história".

No campo de concentração de San Pedro de Cardeña, foi onde foram realizadas a maioria das pesquisas dirigidas por Vallejo-Nágera, através do Gabinete de Pesquisas Psicológicas da Inspeção de Campos de Concentração de Prisioneiros de Guerra. Bandrés e Llavona esclarecem que a ideia da criação do gabinete possivelmente não fora inteiramente de Vallejo. Alguns prisioneiros sobreviventes recordam que no campo estiveram membros da Gestapo "que tomavam medições antropométricas e interrogavam os prisioneiros". Também recordam que em San Pedro chegaram dois cientistas alemães que fizeram diversos testes nos reclusos.

Antonio Vallejo-Nágera, nascido em 1889 e falecido em 1960, pai do psiquiatra autor de numerosos livros de divulgação, Juan Antonio Vallejo-Nágera, ingressou no corpo de Saúde Militar em 1910. Durante a primeira guerra mundial esteve como agregado militar na embaixada espanhola em Berlim. E desde então teve oportunidade de trabalhar nos campos de prisioneiros de guerra. Ao estourar a guerra civil espanhola, ele era professor de psiquiatria na Academia de Saúde Militar. Foi nomeado chefe dos Serviços Psiquiátricos do Exército de Franco e criou em 1938 o já citado gabinete que dirigiu pessoalmente. Já no pós-guerra, tirou de sua cátedra o doutor López Ibor, que ele considerava "pouco afeito ao regime".

O próprio Vallejo explica os postulados de seu projeto de Biopsiquismo do fanatismo Marxista impulsionado do Gabinete de Pesquisas Psicológicas, "relação entre determinada personalidade biopsíquica e a predisposição constitucional ao marxismo", a "alta incidência do fanatismo marxista nos deficientes mentais" e a "presença de psicopatas antissociais nas massas marxistas".

Dividiu em cinco grupos as pessoas estudadas: prisioneiros das Brigadas Internacionais em San Pedro de Cardeña, presos espanhóis varões processados por atividades políticas, presas espanholas processadas pelas mesmas razões, separatistas bascos e marxistas catalães. Esses dois últimos grupos revestiam um especial interesse. Os bascos porque "se produz o curioso fenômeno do fanatismo político unido ao religioso" e os catalães porque "se une o fanatismo marxista e o anti-espanhol".

Bandrés e Llavona explicam que, utilizando suas próprias palavras, Vallejo "denomina revolucionários natos como esquizoides místicos políticos e sujeitos que induzidos por suas qualidades biopsíquicas constituintes e tendências instintivas, movidos por complexos de rancor e sentimento ou por fracasso em suas aspirações, possuem propensão, de certo modo congênito, a transtornar a ordem social.

Regenerar os prisioneiros

Vallejo-Nágera tentou inclusive regenerar os marxistas. Em seus trabalhos explica esses objetivos: "A reação social mais interessante ao objeto de nosso estudo é a transformação político-social do fanático marxista". É bem verdade que unicamente ensaiou seu programa de reeducação com os prisioneiros espanhóis. "Com os prisioneiros estrangeiros eu creio que as conclusões de Vallejo foram tão pessimistas que esse objetivo foi descartado", afirma Bandrés. Mas os marxistas espanhóis deviam ser duros de coração porque não parece que o projeto regenerador funcionou muito. Na realidade, a reeducação se limitava a lhes obrigar a desfilar, entoar gritos franquistas e a dar um curso religioso de seis semanas que ninguém conseguia superar e que, como consequência, repetia-se continuamente durante o período de cativeiro. Exemplo dos resultados de Vallejo são as conclusões sobre os prisioneiros norte-americanos, um grupo de 72 brigadistas, quase todos pertencentes à brigada Abraham Lincoln. Curiosamente, nenhum dos estudados deu uma inteligência alta no teste. E só um 19.44 mereceu a qualificação de boa. Ele leva ao psiquiatra afirmar que apesar de pertencer "a uma nação que se preza como inteligente e culta" - "sem sê-la", aclara Vallejo, as inteligências de grau inferior superam em muito as bem dotadas.

O professor Vallejo, contudo, reconhece surpreendido que a maioria dos brigadistas haviam vindo à Espanha para ajudar à democracia e que muitos dels confessavam com orgulho suas ideias antifascistas e democráticas e seu entusiasmo em defender a República. Mas inclusive este orgulho lhe fazia deduzir que "no fundo nos os temos como comunistóides, sem que falte uma elevada percentagem de reformadores idealistas e de revolucionários natos".

Antonio Vallejo-Nágera, que nos anos da guerra fria colaboraria num texto estadunidense sobre a psicopatologia das relações internacionais, não tem inibição alguma em afirmar ante o alto grau de revolucionários natos existe entre esses prisioneiros que "tampouco pode nos chocar o grande número de imbecis sociais, já que o meio ambiente cultural e social norte-americano favorece a formação de tal tipo de personalidade".

Alto grau de libertinagem

Também no estudo se tinha em conta fatores como o fracasso pessoal, o alcoolismo - no que encontra uma incidência altíssima entre os brigadistas -, simpatias pelo Exército e vida sexual. As conclusões de Vallejo neste sentido falam de que a frustração social levava ao marxismo, que tinha um esaso entusiasmo pelo Exército "típico de qualquer país democrático" - e que entre os marxistas havia um alto índice de temperamentos degenerativos e indivíduos oligofrênicos". Aos brigadistas hispanoamericanos ele os colocava contra a parede. São pouco inteligentes, incultos, bêbados e com uma religiosidade deprimente. E sim, reconhece que nenhum deles se sentia fracassado sexualmente.

A libertinagem sexual parece um elemento comum. Vallejo disse que "constitui a tônica dos marxistas norte-americanos" e assegura que os britânicos - nos que incluem escoceses, irlandeses, galeses e canadenses - superam em libertinagem sexual os demais grupos. Ao contrário dos ingleses.

Bandrés e Llavona concluem com uma amarga reflexão: "enquanto que um grupo de psicólogos norte-americanos mostravam sua solidariedade com a República, sobre a base de que o fascismo e a psicologia científica eram incompatíveis, Vallejo lançava a mensagem de que a psicologia científica podia se pôr ao serviço de qualquer ideologia, inclusive das totalitárias".

Fonte: El País (Espanha)
Título original: En busca del 'gen rojo'
http://elpais.com/diario/1996/01/07/espana/820969222_850215.html
Tradução: Roberto Lucena

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

A crise da Ucrânia: fascistas (extrema-direita) perto do poder (Black Blocs atuam)

Eu iria tentar traduzir essa matéria da BBC "Ukraine's far-right Svoboda party hold torch-lit Kiev march" (Partido de extrema-direita Svoboda da Ucrânia segura tochas acesas em marcha em Kiev), mas vai que ela coloca a tradução em português (se bem que a matéria é de janeiro e até agora, nada), tornaria a tradução aqui desnecessária.

Em todo caso, não vou esperar pra que saia algo mais detalhado nesses sites de notícia até porque dá pra comentar o caso, e "sabe-se lá porque" estão evitando de comentar abertamente o que se passa naquele país (eu imagino o "porquê", mas como não há provas e sim impressões, não dá pra afirmar categoricamente o porquê do silêncio da imprensa brasileira com esse caso, mesmo suspeitando-se dos motivos).

Vou colocar abaixo a tradução de uma matéria de outubro de 2012, ou seja, matéria de quase 2 anos, por isso não tem influência no "calor do momento" atual, que mostrava o perfil desse partido de extrema-direita (fascista de fato) na Ucrânia, é ele quem está conduzindo os "protestos" na Ucrânia e ninguém sabe o que pode sair disso.
Ucrânia: Partido antissemita Svoboda de extrema-direita
31 outubro de 2012

O partido de extrema-direita Svoboda, obteve quase 12% dos votos nas recentes eleições parlamentares da Ucrânia, provocando preocupação entre os grupos judaicos da Europa.

Esta é a primeira vez na breve história da Ucrânia, país que se tornou independente em 1991, que uma facção de extrema-direita entra no parlamento. O partido obteve só 1 por cento dos votos emitidos nas eleições anteriores de 2007. Svoboda, que significa literalmente "Liberdade", obteve um importante apoio no oeste da Ucrânia, na fronteira com a União Europeia.

O membro do Parlamento Judaico Europeu, o rabino Levi Matusof, implorou as pessoas a "condenarem energicamente ao ostracismo e isolar sem ambiguidades, àqueles que buscam de maneira inequívoca o renascimento da ideologia mais obscura da história europeia".

A UE foi testemunha de um aumento geral do apoio a partidos de extrema-direita desde o início da crise econômica mundial em 2008, com partidos como o Jobbik na Hungria e o Golden Dawn (Aurora Dourada) na Grècia obtendo representação em seus respectivos parlamentos nacionais, apesar de proclamar posturas abertamente antissemitas.

Fonte: jewish news one
http://es.jn1.tv/video/news?media_id=68050
Tradução: Roberto Lucena
Black Bloc fascista do Svoboda na Ucrânia
Pra quem quiser ler mais, outra matéria de 2012 sobre o Svoboda narrando a mesma coisa (em espanhol):
Demostración de fuerza de los ultranacionalistas de Svoboda en Ucrania

E aqui um em português, observem nas fotos que um "militante" (Black Bloc) deste partido está escorado num muro/mureta com vários símbolos White Power pichados. Link:
Manifestantes Estão Morrendo nas Ruas de Kiev
________________________________________________

Pra quem não entendeu nada da "revolta", vou tentar citar eventos que tornará fácil entender o que está se passando naquele país.

1. A Ucrânia teve um movimento fascista forte, OUN, que despontou antes da segunda guerra chegando a proclamar a independência da Ucrânia em 1941 (tem até um fascista que é "herói nacional" por lá, Stepan Bandera), sendo suprimidos pelos nazis, pois estes tinham planos de extermínio e escravização de eslavos e expansão do Lebensraum, espaço vital do Reich nazista pra ser colonizado por alemães germanizando a região.

2. Vários ucranianos lutaram na Waffen-SS pela Alemanha nazi, ver [14th Divisão Waffen Grenadier da SS (1st Ukrainian)] e aqui, e alguns serviram como guardas em campos de concentração/extermínio. Inclusive há desfiles saudando essa unidade feitos por nacionalistas (fascistas) da Ucrânia tentando resgatar a "honra" deles. Pra ver as fotos: link1, link2, link3.

3. A Ucrânia tem um ranço histórico com a Rússia em virtude do Holodomor (A relação problemática da Ucrânia com o Holocausto. Ambos: vítimas e perpetradores - Parte 01) que ocorreu no regime stalinista, e esse evento se tornou parte da identidade nacional ucraniana desde sua independência de fato em 1991 depois da fragmentação da União Soviética.

4. Os herdeiros desses grupos fascistas ucranianos são fortes na política ucraniana desde a proclamação de independência deste país, até com a direita tradicional.

5. Como citei acima, qualquer movimento da Rússia em relação à Ucrânia, é visto como hostilidade e isso dá margem pros fascistas incitarem revoltas populares usando como pretexto a rixa histórica com a Rússia. Pra piorar a situação, há disputa de potências em relação à Ucrânia (Estados Unidos e União Europeia versus Rússia, que tinha parte da elite política da Ucrânia próxima a Moscou).

6. O reator de Chernobyl fica na Ucrânia, um dos maiores acidentes nucleares do século XX. Na época quem mandava nessas Repúblicas era Moscou, capital da União Soviética (e obviamente vista como ato russo aumentando o rancor histórico explorado pelos ultranacionalistas/fascistas da Ucrânia).

As marchas estavam comemorando o 105º aniversário
de Stepan Bandera, nazifascista ucraniano (retrato dele)
7. O ministro da Ucrânia assinalou um acordo com a Rússia que foi o estopim da revolta, em detrimento à aproximação com a União Europeia, e os fascistas tomaram as ruas com Black Blocs no meio causando baderna e mortes (curioso como há "mascarados" em toda zona de conflito e quando algo grave ocorre eles somem, Egito, Ucrânia, Brasil...).

8. Em suma, o que vocês estão vendo é um partido fascista, o Svoboda, aproveitando-se politicamente dessa querela que inflamou a população (a parte que fica ao redor de Kiev fala ucraniano, tem uma parte da Ucrânia próxima à Rússia que falam russo, mesmo dentro da Ucrânia) pra tentar chegar ao poder ou se aproveitar disso.

Eu diria que os dirigentes europeus novamente brincam com fogo, ou estão querendo apagar incêndio com gasolina, e todo mundo sabe das consequências disso no passado. Eles acham que as coisas não se repetem mas estão literalmente brincando com dinamite de forma que já beira a irresponsabilidade. Eles acham que têm controle sobre grupos fanáticos ultranacionalistas (que se comportam como "tribos"), mas historicamente esses mesmos grupos se mostram "indomáveis" uma vez chegando ao poder, e começam a se proliferar por outros países onde ainda não chegaram ao poder, como na França (que não é um país qualquer, é uma potência nuclear e militar).

Pelo visto estão à espera de outro Bonaparte (não precisa nem citar o cabo austríaco) pra tocar fogo na Europa inteira. Incrível (no sentido negativo) o papel desempenhado pela chanceler da Alemanha, Merkel, nessas questões já que ela tem papel de liderança na UE. Primeiro deixou a Grécia quebrar e todo mundo sabe o caos que tomou conta daquele país com neonazis se fortalecendo. Depois (ou antes) Espanha, Portugal, Itália, Bósnia e vai se alastrando, efeito dominó.

A continuar nesse ritmo em breve a União Europeia será só uma "barra" de vidro oca só esperando que alguém estilhace pra decretar seu fim. Novamente com os fascistas protagonizando.

Eu fiz esse resumo aqui porque acho difícil que saia algo mais detalhado (citando os episódios que citei acima) em sites de notícia, mas vai que... como eu sei que andam lendo esse blog (muita gente), já me deparei com matérias postadas aqui que saíram logo depois em alguns sites, um "súbito" interesse por esses assuntos, digo isso porque não acredito em coincidência e o povo lê em silêncio, sem comentar etc. Não acho ruim que isso ocorra pois é bom informar o povo pra que o mesmo não embarque em "aventuras" (Black Blocs, marchas forjadas radicais) pra depois se arrependerem de terem apoiado esse tipo de porcaria anti-democrática.
__________________________________________________________

Há outro ponto a destacar que já citei acima, e pra não precisar abrir outro post só pra comentar o caso brasileiro vai nesse mesmo, que é a presença novamente dos grupos Black Blocs, os mascarados que andam tocando o terror no Rio e o governo fluminense simplesmente não "consegue" desbaratar esses bandos.

Postura que acho estranha pois não é difícil desbaratar isso. Em PE, depois da primeira destruição que fizeram, e não foi pequena, esses grupos foram dispersos muito rapidamente pela ação da polícia e não apareceram mais (não foi muito noticiado isso, "curiosamente"...), fora que a população do Estado (ao contrário de outros) não é muito passiva quando a confrontam (os Black Blocs não representam o povo), podendo partir pra agressão física contra eles, sendo que a população, por estar em maior número, o estrago que ela fizer pode ser feio (pra eles). Daí fica a pergunta do porquê da inação contra esses bandos mascarados em outros estados. Qual o propósito disso (da inação)?

Última declaração deles é uma ameaça a delegações na Copa do Mundo (link), depois de causarem a morte de um inocente (o cinegrafista) por motivo banal. Já deveriam ter tirado do ar essas páginas deles e identificado os autores/responsáveis. Não é necessário, por oportunismo e inconsequência, a proposta de leis esdrúxulas "anti-terroristas", pois ao proporem isso estão fazendo o "jogo" desses bandos.

P.S.1 ao pessoal radicalzinho que está em campanha contra governos, caso queiram comentar, favor deixar as paranoias de lado e sectarismos e tratar o assunto de forma séria. Se vierem com teoria da conspiração de sites/revistas/jornais de (extrema) direita pra fazer panfletagem ordinária, eu corto. O problema do fascismo é coisa séria, não é pra ser tratado com esse tipo de infantilidade sectária como alguns (ou muitos) vem tratando achando que autoritarismo se resume a "revis".

P.S.2 Caso alguém queira ler, eu não li o texto todo, só passei a vista (está em inglês), aqui tem um resumo basicamente com o que listei acima (e mais coisas) sobre as origens dessa "revolta" na Ucrânia. Link: Nazi and Fascist Roots of the Ukrainian Pro-EU Protest Movement (As raízes nazi e fascista do movimento de protesto pró-UE ucraniano)

Atualização 1: 19:00, dia 17.02.2014. Acréscimo dos links sobre a divisão ucraniana da Waffen-SS e desfiles neofascistas na Ucrânia louvando essa unidade.

Atualização 2: 08:25, dia 02.03.2014. A crise na Ucrânia, os desdobramentos (um resumo)

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Oficiais da Waffen-SS que também serviram em campos de concentração, extermínio e Einsatzgruppen

Belzec - SS guardas
Entre os aficionados da história militar, em ocasiões existe certa confusão sobre se os membros da SS armadas (SS-Verfügungstruppe, mais adianta a Waffen-SS) eram simplesmente soldados profissionais, e que não tinham nada a ver com o pessoal dos campos de concentração (SS-Totenkopfverbände) ou da SS "normal" (SS Allgemeine). Ou seja, se as siglas comuns era algo assim como uma simples coincidência, e que o pessoal de uma organização não tinha nada a ver com as outras. Que Theodor Eicke, primeiro inspetor do Konzentrationslager havia morrido como comandante da divisão Totenkopf foi apenas uma coincidência. Que Joaquim Peiper houvera servido entre janeiro e março de 1936 em Dachau, e que como ajudante administrativo da oficina de Himmler, participasse na planificação da administração da Polônia, e visitasse com ele os campos de concentração, guetos etc, não elimina o fato de que fora um destacado oficial de combate.

Na continuação reproduzo duas tabelas com os oficiais da Waffen-SS que por sua vez serviram em campos de concentração, inclusive de extermínio, assim como nos Einsatzgruppen. O serviço nessas unidades se dava tanto antes como depois de estarem destinados a unidades de combate, e os motivos podiam ser muito diversos: pessoal destinado à frente oriental como castigo, feridos incapacitados para o serviço no front, ou simples necessidade de suas capacidades profissionais, segundo as circunstâncias de cada um. Por exemplo, Josef Mengele, o famoso médico de Auschwitz desde 1943, foi recrutado em 1940 pela Wehrmacht, e foi voluntário da Waffen-SS, servindo na 5ª Divisão SS "Wiking", onde ganhou a cruz de ferro de 2ª e 1ª classe. Uma ferida numa perna fez com que em 1942 ele se declarasse não apto para o front.

Evidentemente esta tabela conta apenas os oficiais, não suboficiais e tropa, que também serviram na execução do genocídio. O Einsatzgruppen A, por exemplo, adscrito ao grupo de exércitos Norte, de 990 integrantes, 340 pertenciam a Waffen-SS. Outro terço era das distintas polícias do Reich, e o restante do pessoal de serviço (condutores, intérpretes, operadores de comunicações...) fornecidos pela Wehrmacht.

Terá que recordar que um dos objetivos declarados da Waffen-SS era proporcionar às forças policiais o prestígio que implicava ao participar do combate, e que ninguém pudesse lhes repreender que haviam se dedicado a trabalhos de retaguarda enquanto a nação lutava na frente de guerra. Enquanto as unidades estrangeiras, em sua imensa maioria oficiais e suboficiais eram alemães ou Volksdeutsche (alemão étnico). No final da guerra muitos batalhões de polícia auxiliar ou serviços uniformizados de populações deste (estonianos, letões, ucranianos, e em menor proporção lituanos) passaram como batalhões inteiros a servir em campos de concentração ou trabalhos antipartisans da Waffen-SS. Isto não significava que se converteram em membros da mesma de pleno direito, só que serviam nelas; em muitas ocasiões não levavam no pescoço as runas da SS, senão símbolos nacionais. Seus membros condecorados, inclusive os escassos oficiais e suboficiais, não foram inscritos no livro de honra da Waffen-SS.

Número
Divisão
Oficiais que serviram em Kz/ Ks / campos de  extermínio
Oficiais que
serviram nos Einsatzgruppen
«Leibstandarte Adolf Hitler»
16
3
«Das Reich»
39
1
«Totenkopf»
159
1
«Polizei»
29
3
«Wiking»
45
-
«Nord»
57
-
«Prinz Eugen»
23
-
«Florian Geyer»
28
1
«Hohenstaufen»
22
2
10ª
«Frundsberg»
20
-
11ª
«Nordland»
12
-
12ª
«Hitlerjugend»
6
1
13ª
«Handschar» (Kroatische Nº 1)
9
-
14ª
«Galizische» o Galicia (Ukrainische Nº 1)
5
1
15ª
Lettische Nº12
5
-
16ª
«Reichsführer-SS»
17
1
17ª
«Götz von Berlichingen»
15
-
18ª
«Horst Wessel»
7
1
19ª
Lettische Nº2
3
1
20ª
Estnische Nº1
7
1
21ª
«Skanderbeg»
4
-
22ª
«Maria Theresia»
3
-
23ª
«Kama» (Kroatische Nº 2) Foi dissolvida em fins de 1944. Os restos se trasladaram para a Nederland, com o mesmo número 23.
5
-
23ª
Nederland, formada depois da dissolução da divisão 23ª “Kama”.
-
24ª
«Karstjäger»
1
-
25ª
«Hunyadi» (Ungarische Nº 1)
2
-
26ª
«Hungaria» (Ungarische Nº 2)
3
-
27ª
«Langemarck» (Flämische Nº 1)
5
-
28ª
«Wallonien»
0
-
29ª
(anteriormente «Brigada Kaminski», Russische Nº 1)
3
1
29ª
Italienische Nº 1
30ª
Russische Nr. 2
2
-
30ª
Weißruthenische Nº 1
2
-
31ª
31ª SS-Freiwilligen Grenadier Division
2
-
32ª
«30 Januar»
-
33ª
Ungarische Nº 3
-
33ª
«Charlemagne»
1
-
34ª
«Landstorm Nederland»
6
-
35ª
35ª SS-Polizei Grenadier Division
1
-
36ª
36ª Waffen Grenadier Division der SS
7
1
37ª
«Lützow»
0

38ª
«Nibelungen»
0
1

Glodsworthy, Terry: Valhalla’s Warriors: A history of the Waffen SS. Dog Ear Publishing. Indianapolis, Indiana, 2007 (mostra duas tabelas separadas). Sua fonte são os livros de French L. MacLean: The Camp Men: The SS Officers Who Ran the Nazi Concentration Camp System y The Field Men: The SS Officers Who Led the Einsatzkommandos – the Nazi Mobile Killing Units, Schiffer Military History, 1999 y 2001. De uns mil e cem oficiais da SS estudados por MacLean com responsabilidades no sistema concentracionário, uns quinhentos haviam servido na frente, na Waffen-SS. As cifras não são definitivas, por exemplo. Recentemente Trang ampliou o número de oficiais da Totenkopf implicados, de 159 para mais de duzentos.

Fonte: Blog antirrevisionismo (Espanha)
Título original: Oficiales de las Waffen SS que también sirvieron en campos de concentración, exterminio, y Einsatzgruppen
http://antirrevisionismo.wordpress.com/2013/04/15/oficiales-de-las-waffen-ss-que-tambien-sirvieron-en-campos-de-concentracion-exterminio-y-einsatzgruppen/
Trecho do livro: Glodsworthy, Terry: Valhalla’s Warriors: A history of the Waffen SS.
Tradução: Roberto Lucena

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Caso racista no Rio e falas de apresentadora chegam (e chocam) a jornais de fora

Não deu pra comentar esse caso na semana passada, pois o ritmo frenético que esses episódios adquiriram (agravado com a morte do cinegrafista de uma emissora de TV essa semana, vítima do grupo Black Bloc no Rio), aumentou a dimensão da gravidade dessa pregação de ódio que vem rolando há tempo, e ela não começou em 2013 nas manifestações de junho. Há muito se fala da proliferação de discurso de ódio na internet, a incubadora disso foi o Orkut, e as autoridades brasileiras tratam a coisa como se não fosse algo grave ou sério, só quando acontece uma desgraça, com comoção pública, muda-se a postura. Mas deveriam refletir sobre o ocorrido e prevenir pra que não se chegue ao extremo que é a morte de alguém por conta de inconsequentes agindo fora da lei com motivações obscuras ou no mínimo estúpidas.

No caso dos Black Blocs a coisa é ainda mais grave pois pode haver envolvimento político (de partido) por trás desse tipo de grupo.

O caso racista foi esse do adolescente negro amarrado a um poste no Rio por "justiceiros" com ficha criminal extensa. Aos que admiram "justiceiros", em vários países a figura do justiceiro é rotulada facilmente como bandido, por isso é prudente separar ficção de cinema como Batman, o justiceiro de Gotham, da vida real. Burrice e cretinice têm limites e podem ser fatais (custar a vida de alguma pessoa):
Imagem de menino negro amarrado a um poste expõe barbárie
Rapaz é agredido e acorrentado nu a poste no Rio

Aqui a prisão dos agressores:
'Justiceiros' acusados de torturar jovem no Flamengo são presos pela polícia
Suspeitos de integrarem grupo de "justiceiros" têm longa ficha criminal
Polícia identifica dois suspeitos de amarrar menor a poste no Flamengo

Um dos justiceiros tem acusação de estupro. Olha só o perfil dos "justiceiros", "heróis" da extrema-direita brasileira:

Dois dos suspeitos de terem torturado e prendido um adolescente de 15 anos nu a um poste no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro, foram identificados pela Polícia Civil nesta terça-feira (11/2). Os suspeitos João Victor Andrade de Moraes e Raphael Silva dos Santos Fernandes possuem antecedentes criminais por acusações como furto, ameaça, estupro e uso de drogas.

O caso por si já é bizarro e lembra imagens do tempo da escravidão no Brasil, do pelourinho do período colonial. Depois acham que é exagero quando digo que o povo conheça a história do próprio país como já comentei aqui e segue a tag, um povo ignorante é porta de entrada pra barbárie), e a coisa adquiriu dimensões ainda mais trágicas e grotescas com a declaração cretina de uma apresentadora do SBT, uma emissora de TV brasileira.

Assista dois vídeos abaixo onde a matéria do link mostra vídeos com comentários sobre a delinquência do canadense Justin Bieber (biotipo que a classe fascista no Brasil idolatra, antes havia só adoração com biotipos europeus de qualquer tipo, agora a coisa se "aperfeiçoou" e até o biotipo ibérico, predominante, acho que vai sofrer preconceito por essas pessoas, conteúdo irônico), e veja a diferença de tratamento dado aos casos, imagens transmitidas pra todo país. Disso surgem perguntas pertinentes pois é impossível não observar a diferença de tratamento dado aos dois. Será que se o rapaz preso ao poste fosse loiro, de olho azuis, biotipo idolatrado por setores retrógrados e racistas do país, ele teria recebido o mesmo comentário grotesco que recebeu o rapaz negro? Pra que um apresentador de TV tem que ficar falando besteira em "forma de opinião" achando que diz algo que preste (com conteúdo)? Assistam e tirem suas conclusões:
Rachel Sheherazade detonou jovem em poste, mas defendeu Bieber

O caso dos comentários da apresentadora do SBT foi citado no jornal El País da Espanha* e na revista Deutsche Welle da Alemanha (de memória eu lembro de ter visto a matéria do El País na versão em espanhol, depois eu procuro) como algo grotesco ao extremo e chocante. Só os "revis" não devem ter achado os comentários anormais pois é bem próximo ao que eles pregam ideologicamente. Pra quem acha que os "revis" estão inseridos num "contexto à parte" do país por conta da simbologia esdrúxula e exótica nazi que alguns adotam, mesmo a maioria deles nem sequer serem alemães ou descendentes de alemães (na verdade eles são fascistas, se se dizem nazistas ou não, pouco importa, o fascismo não é menos perigoso que o nazismo, que é uma forma de fascismo), eles são a fratura exposta, ou o "filho feio" que ninguém quer assumir, de setores grandes da classe média e classe rica brasileira que cultuam esses preconceitos.

Em outro país um apresentador que fizesse isso seria afastado no ato, ou nem mesmo teria sido chamado pra apresentar telejornal, pois visivelmente os comentários feitos são extremamente ignorantes e rasos, parece aquelas asneiras que se ouve na rua de gente raivosa (que só repete senso comum, futilidades e crendices). Eu iria citar este caso aqui mas esse outro blog foi mais rápido em publicar lembrando do caso de uma executiva sulafricana com mensagem racista no twitter que acabou sendo dispensada nos EUA por isso. Link:
Barbie heroína? Só com a nossa mídia. Nos EUA, mesmo com desculpas, dá demissão para executiva

O site do link acima pegou leve na repreensão, no caso brasileiro, pois acho que é caso de afastamento da emissora de TV, que sendo uma concessão pública (como todas as demais), precisa respeitar códigos de ética jornalística sob pena de terem a concessão cassada, embora eu duvide muito que com um governo frouxo com a mídia irá fazer isso, mas pelo menos deveria rolar punição à emissora caso não se retrate devidamente e exclua esse tipo de apresentador dos telejornais.

Se forem abrindo brechas a coisas bizarras assim com a conversa furada de "liberdade de expressão" absoluta e se dane o bom senso e ética, ponham logo um discurso de Hitler traduzido pra "educar" o povo.

Vou destacar o que é concessão pública do link que coloquei (só um trecho): "Concessão pública é o contrato entre a Administração Pública e uma empresa particular, pelo qual o governo transfere ao segundo a execução de um serviço público, para que este o exerça em seu próprio nome e por sua conta e risco, mediante tarifa paga pelo usuário, em regime de monopólio ou não."

Há mais outro caso que acabou sendo lembrado que é a de um morador de rua no Paraná com "biotipo europeu" (tem tanta "Europa" que o termo é confuso, digamos que o cara não tem biotipo da Europa ibérica), confiram a matéria do link. Que ao contrário de ser hostilizado por "populares" (já que odeiam pobres e gente fragilizada), este recebeu várias declarações de 'amor' da mulherada em geral por conta da aparência física, pra mostrar o quanto estereótipos racistas estão entranhados no imaginário brasileiro. E quem cita/critica a postura racista do povo ainda passa por "chato" pra essas pessoas pois eles querem perpetuar a barbárie sem serem incomodados, como se tivessem mais direito que o país inteiro mesmo defendendo coisas repulsivas, como se ignorassem totalmente questões de ética e costumes.

Voltando ao caso dos EUA e da executiva afastada por comentário racista no twitter, será que vão dizer que há uma "ditadura chavista contra liberdade de expressão" nos Estados Unidos também? Só falta a direita paranóide do país embarca numa dessas. O fato é que lá, ao contrário daqui, colocaram pra fora a executiva que escreveu besteira (racismo).

Digo isso porque a turma que defende esse tipo de cretinice sempre costuma citar os EUA como exemplo do uso da liberdade de expressão, quando o que está sendo discutido é sobre algo civilizatório de não se tolerar barbáries e incitação de barbárie. Esses desvios de discussão via retórica, além de desonestos, só "convence" quem tem pouca noção do que se passa.

Mas você pode dizer, "chega!", certo? Errado, não parou por aí (acredite), isso mesmo, é um ato bizarro atrás do outro e sinceramente, dá desgosto comentar isso. Pra agravar o que já estava ruim, a apresentadora não tendo dimensão da fala (da cretinice dita) em TV aberta, ainda soltou essa pérola aqui afirmando que o "Brasil não é um país civilizado", matéria pra malhar o país já que desconsidera/ignora a gravidade das asneiras proferidas pela "entrevistada". Típica coisa armada e ideologizada ao extremo já que adotaram um discurso contra o país, o "vale tudo" fanático devido ao país ter herdado culturalmente esse fanatismo religioso sectário e truculento da Península Ibérica.

De fato, se o conceito de civilização for o de gente com esse tipo de mentalidade esdrúxula e que ainda sente orgulho da própria ignorância e atraso, o país não é civilizado. Pessoas ignorantes quando se metem a falar sobre o que não dominam e acham que são "iluminadas", fora a defesa ridícula de justiceiros (com acusação de estupro), comentam uma besteira atrás da outra e só agravam as besteiras ditas a medida que acham que estão "abafando" quando estão cometendo um ato ridículo e grotesco que as deixarão marcadas pra sempre.

Mas você pode dizer, "Ufa! Agora chega, né?!". Vou decepcionar mais uma vez mas não vou me prolongar mais, é barbárie em cima de barbárie, e nem discorri sobre o caso dos Black Blocs. Esses casos surgiram depois da histeria em prol de justiceiros e comentários como "marginalzinho" ditos em TV aberta (ver os links acima), como esse no Crato (Ceará) onde um cidadão com distúrbios mentais, caboclo/negro, é amarrado a um poste em vez de ser chamado o serviço público de saúde:
Francisco do Nascimento sofre de distúrbios mentais e, para contê-lo, em vez de chamar o serviço público de saúde, ‘justiceiros’ de plantão optaram por prendê-lo

Qualquer pessoa, você, eu, qualquer um, caso seja confundida por algum "justiceiro" (que são marginais) na rua, pode vir a ser agredido e seriamente lesionado. Não é brincadeira a questão, portanto a quem estiver brincando com coisa séria, é bom parar. Digo isso pros que ouvindo o urro da manada, "vai na onda" e ficam defendendo esse tipo de barbárie.

Pros idiotas que toda vez chegam com o discurso 'coitadístico' de "tá com pena de ladrão pra casa e bla bla bla", entenda uma coisa, filho: quem age fora da lei é bandido, se você defende justiceiro, você é cúmplice de bandido, então se você aprova barbárie não reclame quando uma guerra civil for instalada na sua frente ou for vítima de barbárie, pois foi com esse comportamento cretino, de gente burra, que a violência no país aumentou exponencialmente, e os caras ainda se acham no direito de relinchar como se tivessem razão.

É ridículo alguém que prega barbárie criticar ou condenar bandidos pois pensam da mesma forma, se tivessem nascido em situação adversa estariam fazendo o mesmo daqueles que eles condenam. Nunca param pra refletir nas consequências do que pregam e qualquer um aqui, eu, você etc, pode vir a ser vítima na rua por conta das asneiras desse "zé povinho"** elitista com discurso moralista raso, histérico e raivoso, que acha que "justiceiro" é herói e que se acha portador de uma "verdade iluminada".

Tá na hora de pararem de assistir muito Rambo e tomarem um choque de realidade, pois em filme ninguém morre quando leva tiro, a bala é de festim, na vida real o estrago é real e bem diferente (o 'Rambo' do filme não duraria muito tempo numa troca de tiros de verdade).

A quem já viu fotos da Segunda Guerra notará as semelhanças das fotos dos casos acima com os linchamentos étnicos promovidos por nazistas. Vergonhoso e nada mais a comentar.
__________________________________________________________________

Atualização de 14.02.2014

*conforme mencionei, consegui achar a matéria original em espanhol sobre o caso aberrante citado no post. Eu havia salvo o link mas geralmente se perde fácil, pois faz dias que saiu a matéria, pois atualizam freneticamente essas matérias (ficam perdidos nos rascunhos e depois é ruim de localizar):
Brasil se retuerce a golpe de imagen. Link no Facebook.

O trecho da matéria: "La presentadora de la cadena de televisión SBT Rachel Sheherazade apoyó en horario de máxima audiencia lo que para ese bando sería una tentativa de imponer el orden en el barrio. Sheherazade dijo que la actitud es “hasta comprensible” debido a la ola de violencia que se vive en Brasil y que, frente a la omisión del Estado, es responsabilidad del “ciudadano de bien” defenderse. Su discurso fue elogiado en las redes sociales junto a mensajes de amor incondicional, mientras otros la criticaron. Esos mismos grupos de justicieros tendrían también la misión de limpiar la región de gais y de negros, según el relato de un vecino del Aterro del Flamengo que fue blanco de los ataques de la banda."

**o termo "zé povinho" não carrega propriamente o sentido original dele, vale a pena ler esse texto sobre o termo, passando a ser usado como sinônimo de ralé, gentalha, e é pejorativo. O uso termo nesse caso, invertendo o mesmo pras classes que costumam usá-lo pra depreciar quem eles julgam gentalha, foi proposital. Estou comentando isso pois nem todo mundo entende ironia e algum mala sem alça qualquer pode querer distorcer o que foi escrito mesmo que o termo "elitista" usado após o termo deixe claro o sentido ao qual foi usado. O termo é comum tanto no Brasil como em Portugal.

P.S. a quem leu o P.S., não se preocupe, colocarei ele num próximo post pra não saturar o texto deste post e desviar o assunto.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.