quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Volks denunciada por colaborar com a ditadura militar

A quem quiser ler mais sobre o caso da Volkswagen colaborando com a ditadura (1964-1985) na prática de tortura e perseguição, colocarei o link da matéria da DW sobre o caso abaixo.

Mas pra adiantar algo do vídeo da TVT, que foi colocado no site Viomundo (o resto da matéria está no site em forma de print, não dá pra copiar texto), pois o caso não tem nada a ver com o escândalo com as denúncias que saíram recentemente da Volks nos EUA sobre fraude, e considero este caso muito mais grave que o que saiu sobre os EUA pois envolve até participação de criminoso nazista foragido, abrigado na Volks do Brasil, e que ajudou a montar o aparato de repressão na empresa (o caso Franz Stangl, link2, comandante de Sobibor e Treblinka), e o caso não foi escândalo fora; no vídeo há uma listagem de várias empresas envolvidas com a ditadura e que também deverão ser alvos de reparação, incluindo várias empresas brasileiras conhecidas (assistam o vídeo pra ver a lista, que não é definitiva, estão coletando provas sobre as empresas).

Aqui o vídeo:


Só não citaram no vídeo o caso conhecido do jornal Folha de São Paulo, e o fornecimento de carros pra caça a opositores, que tive dificuldade de localizar numa busca rápida, exceção do site DCM (Diário do Centro do Mundo).

Segue o trecho da matéria do DCM que relata resumidamente a participação ativa do jornal Folha de São Paulo com a ditadura (o mesmo jornal que já tentou relativizar a ditadura chamando-a de "ditabranda"), porque a verdade deve ser ressaltada: quem criou o clima de conspiração, tramoia e deu todo o aval às arbitrariedades do regime de 64 até a abertura e redemocratização do país, e atuam até hoje com uma cultura policialesca, grosseira, autoritária e golpista (bananeira), não foram os militares, mas sim boa parte da elite empresarial do país (principalmente os grandes grupos jornalísticos de SP e Rio) e sua visão antidemocrática de mundo (herança cultural ibérica), e esses grupos jogam toda a culpa do regime pro lado militar pra tirar o "deles" da reta (expressão brasileira).

Este grupo empresarial da mídia (elite) que vem desde 1964, ou antes, adora posar de "refinado", mas de refinados nunca tiveram nada, são a mais pura expressão do atraso cultural e político do país, subserviência a interesses externos em detrimento do desenvolvimento do país e aprofundamento do regime democrático etc, cujo representante maior é a Grande Mídia brasileira.

Por sinal, esta Comissão Nacional da Verdade (link oficial) foi falha com essa questão da mídia. Também foi falha na apuração da presença de nazistas no país e o possível envolvimento com a ditadura, cheguei a alertar e reclamar isso a eles no espaço que é dado pra comentários e sugestões sobre a mesma, mas pelo visto a sugestão (pedido) foi ignorado.

A Comissão também foi falha na apuração de crimes além dos crimes políticos (em sua parte já bastante conhecidos) pois o número oficial de vítimas da ditadura sempre foi baixo porque sempre usaram o número de mortos políticos como "número oficial", mas o número é muito maior. Pelo menos essa foi a impressão que tive.

Saiu matéria sobre a morte de indígenas na ditadura e a coisa sobe pra casa dos mais de 8 mil
Construção de rodovias no governo militar matou cerca de 8 mil índios
Como a Ditadura Militar matou 8 mil índios na Amazônia (Aí constam os links dos documentos da apuração)

O que já coloca a coisa no patamar das outras ditaduras sanguinárias da América do Sul, planejadas na Casa Branca (EUA). Eram regimes fantoches dos Estados Unidos, como era a ditadura antiga do Egito (e pode se considerar a atual) e outras.

Trecho sobre a Folha de São Paulo e a sua cooperação com a ditadura:
O apoio da mídia à ditadura se manteria enquanto os militares foram fortes para beneficiar seus donos.

A campanha da Folha pelas eleições diretas só veio quando a ditadura cambaleava: politicamente, a insatisfação galopava, e a economia era um caos insustentável.

Antes, Octavio Frias se comportara de maneira bem diferente. Cedera carros da Folha para a caça a opositores da ditadura, o que o levou a temer ser justiçado como outro empresário que fez o mesmo, Henning Albert Boilesen, da Ultragás.

Frias mostrou também sua combatividade seletiva quando, depois de uma crônica de Lourenço Diaféria que dizia que o povo mijava na estátua do Duque de Caxias, patrono do Exército, recebeu uma ordem de um general para afastar o diretor de redação Claudio Abramo.

Afastou – não um mês, uma semana, um dia depois. Afastou na hora. Covardemente, ainda mandou retirar seu próprio nome – dele, Frias — da primeira página do jornal como “diretor responsável”.

Pôs o de Boris Casoy, escolhido para substituir Claudio por causa de seus notórios vínculos com a ditadura. Boris foi integrante do Comando de Caça aos Comunistas, o CCC. Não sabia escrever, mas isso era um detalhe.

Depois, quando a ditadura desabava, Frias autorizou valentemente a campanha das Diretas Já, tão enaltecida como nascida da grandeza de Frias ainda hoje por jornalistas de renome como Clóvis Rossi.
Fonte: DCM
Título: A imprensa e o golpe de 64
http://www.diariodocentrodomundo.com.br/a-imprensa-e-o-golpe-de-64/

A matéria da Volks na DW (Deutsche Welle, Alemanha):
Volkswagen é denunciada no Brasil por crimes da ditadura
http://www.dw.com/pt/volkswagen-%C3%A9-denunciada-no-brasil-por-crimes-da-ditadura/a-18731370

E um adendo: eu não tenho/tive parentes perseguidos pela ditadura.

Portanto, não adianta a turma do chorume, que vive delirando com coturno (fetiche?) e adora uma vassalagem com as arbitrariedades dos EUA encher meu saco com esse tipo de ataque, devaneios sobre Cuba etc. No fundo, essa turma do fetiche com coturno é quem ridiculariza a imagem das Forças Armadas (não é a esquerda que faz isso), além de criar um ambiente tenso e contaminado com as paranoias de guerra deles, num culto eterno à Guerra Fria (que acabou, a ordem mundial é outra faz tempo).

Eu diria que sou até mais intolerante, duro, com o que houve no passado (e filhotes da ditadura, mídia vendida do país alinhada aos EUA) do que o pessoal que foi perseguido, por uma questão de justiça e democracia.

Já vi gente que diz que foi perseguida tolerar/aturar cultuador de ditadura, comigo esse tipo de postura não aconteceria nunca, acho inclusive algo repulsivo. Não quero criticar ou condenar quem, no calor da época, acabou servindo o regime por não entender o que se passava (não saber o que se sabe hoje), tem militares críticos ao que houve etc, devem ser respeitados e ressaltados por essa postura. Mas quem tem fetiche com isso (um dos períodos mais obscuros do país e que tem reflexos negativos até hoje vide o oligopólio de mídia que há no país imbecilizando o povo), deveria procurar um analista.

Os golpistas civis da UDN derrubaram o governo legítimo João Goulart por safadeza, rapinagem, vassalagem (submissão aos EUA, venderam-se), burrice, uma confraria de canalhas liderada por aquele corvo vendilhão, desprovido de caráter e intelecto (Carlos Lacerda) conspirando contra o país, não são nem nunca foram patriotas esses filhotes da UDN.

Tem sempre algum imbecil que acha que toda pessoa que toma posição no país sobre essas questões tem vínculo com "isso ou aquilo", pois na cabeça doente dessas pessoas ninguém "teria" cabeça (consciência, entendimento) pra pensar por conta própria, projetam suas fraquezas de caráter e de intelecto nos outros. Por isso tenho um profundo desprezo deste tipo de pessoa, porque na melhor das hipóteses quem se porta assim seria no mínimo um idiota.

A apuração do passado podre do país é uma questão de justiça e memória, algo civilizatório, até pra aprimorar a consciência cívica do povo e consciência nacional (democrática), apesar da histeria e riso das hienas da barbárie (a turma liberaloide, boa parte dos ditos liberais do país sempre tramaram contra a democracia, o país e o povo) que ficam enchendo o saco atacando qualquer ação civilizatória no país como aquelas que saem em "micaretas" da extrema-direita, em turba, sem nem saber o que está por trás desses movimentos "apartidários". Quem tem medo de encarar o passado no mínimo tem rabo preso com a sujeira que houve. Se não tem, então não passa de cretinice adquirida, coisa que tem cura pois ninguém nasce cretino (é um comportamento, transitório ou não). Esse negócio de citar ditadura do leste europeu, URSS etc pra trivializar o que é feito (foi feito) no país já passou dos limites faz tempo.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget