terça-feira, 6 de julho de 2010

Comandante de Treblinka e seu cão

Abaixo, uma pequena história sobre o comandante do campo de Treblinka, Kurt Franz, e seu cão, Barry.

Trecho em inglês:
Mostly, when Franz made the rounds of the Lower Camp and the extermination area, his dog Barry accompanied him (Barry's first owner was Paul Groth, Sobibor). Depending on his mood, Franz set the dog on inmates who for some reason had attracted his attention. The command to which the dog responded was, "Man, go get that dog!" By "Man" Franz meant Barry; the "dog" was the inmate whom Barry was supposed to attack. Barry would bite his victim wherever he could catch him. The dog was the size of a calf so that, unlike smaller dogs, his shoulders reached to the buttocks and abdomen of a man of average size. For this reason he frequently bit his victims in the buttocks, in the abdomen and often, in the case of male inmates, in the genitals, sometimes partially biting them off. When the inmate was not very strong, the dog could knock him to the ground and maul him beyond recognition. But when the defendant Franz was not around, Barry was a different dog. With Franz not there to influence him, he allowed himself to be petted and even teased, without harming anyone. (Donat, p.313)

Tradução:
Normalmente, quando Franz fazia as rondas do Campo Baixo e da área de extermínio, seu cão Barry o acompanhava (o primeiro dono de Barry foi Paul Groth, Sobibor). Dependendo de seu humor, Franz atiçava o cachorro sobre prisioneiros que por alguma razão haviam chamado sua atenção. A ordem à qual o cão respondia era "Homem, vá pegar o cachorro!". Por "homem", Franz se referia a Barry. O "cão" era o interno que Barry deveria atacar. Barry mordia sua vítima onde quer que ele pudesse pegá-la. O cão era do tamanho de um bezerro, de tal forma que, diferente de cães menores, seus ombros alcançavam as nádegas e abdome de um homem de estatura mediana. Por essa razão, ele freqüentemente mordia suas vítimas nas nádegas, no abdome e, muitas vezes, no caso de internos do sexo masculino, nos genitais, algumas vezes arrancando-os. Quando o prisioneiro não era muito forte, o cão podia derrubá-lo ao chão e atacá-lo até deixá-lo irreconhecível. Mas quando o réu Franz não estava por perto, Barry era um cachorro diferente. Sem Franz no local para influenciá-lo, ele deixava que o
afagassem e até mesmo lhe provocassem, sem fazer mal a ninguém. (Donat, p.313)
Fonte: Death Camps site
http://www.deathcamps.org/treblinka/perpetrators.html
Tradução: Marcelo Oliveira
http://br.groups.yahoo.com/group/Holocausto-Doc/message/6297

2 comentários:

Camilo disse...

Na verdade, a maldade daqueles sádicos não conhecia limites.

Camilo disse...

Na verdade, a maldade daqueles sádicos não conhecia limites.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget