domingo, 6 de janeiro de 2013

Divergências políticas

Antes de qualquer post sobre qualquer outro assunto no blog acho que alguns avisos são necessários em virtude da tal "orkutização" da web. Não creio que seja necessário explicar o que é "orkutização", mas se for o caso não há problema, até porque cada pessoa entende a palavra de uma forma mesmo que a forma mais simples seja a mais correta (migração de usuários do Orkut).

Sei que o termo "orkutização" soa como "elitista" (pra uns) mas o problema é real pois com o declínio da rede social do Google (o Orkut) a tendência é da baixaria que estourou (e fez "sucesso") naquela rede migre ou pro Facebook (algo que já vem ocorrendo) ou se espalhe na web, e creio eu (pelo menos não tenho paciência) que muito pouca gente vai 'aturar' esse tipo de postura (baixaria, falta de educação e prepotência) na web.

Em relação a fórum de discussão sobre "Revisionismo" do Holocausto, Holocausto, Segunda Guerra etc, ler o post sobre o RODOH. O RODOH existe acho que desde 2003 e continua ativo em sua segunda edição, em virtude do corte feito pelo Yuku (servidor que hospedava anteriormente o fórum).

Mas gostaria de deixar registrado isso aqui pra não ter que futuramente voltar a escrever sobre o assunto sendo obrigado a repreender (e me desgastar) algumas pessoas e os atos maliciosos das mesmas tentando puxar o pessoal do blog pra bate-boca com "revis" brasileiros (e outros grupos) conforme já tentaram fazer aqui em comentários deixados no blog por perfis sem identificação, em 2012. Talvez seja a razão principal deste post que já estava em rascunho desde o ano passado.

Esse comentário é direcionado a um grupo minúsculo de brasileiros no exterior, uma vez que a grande maioria de brasileiros fora do país (e muitos deles leem o blog) não se apresenta dessa forma condenável, muito pelo contrário, a maioria se apresenta de forma elogiável e não é de criar confusão, portanto os comentários neste post não são pra vocês (maioria) e sim pra meia dúzia de gatos pingados, que mesmo em número desprezível conseguem perturbar bastante.

A impressão que tive desse grupo minúsculo de brasileiros que estão fora do país e que entram em discussões políticas na rede foi a pior possível, e por achar que uma maioria não deve pagar pelo comportamento repulsivo de meia dúzia de pessoas, o famoso excluir as "maças podres" do restante, é bom deixar essa questão de uma vez por todas registrada. O grupo minúsculo ao qual me dirijo quando se mete em discussões políticas não têm a mínima condição de discutir nada, e mesmo assim ficam aporrinhando até encher a paciência de qualquer um em virtude de comportamentos neuróticos ou anti-éticos (questionáveis).

"Ah, mas eles não podem comentar nada?", poder pode e ninguém vai impedir, a questão aqui é outra: contanto que esse pessoal não me meta (e o pessoal do blog) no meio das neuroses deles eu não dou a mínima pra essas psicoses desse pessoal ou se eles queiram direcionar isso pra encher a paciência de outras pessoas, se eles saem pelados na rua com uma melância ou algo do tipo, eu particularmente não dou a mínima mesmo. O problema surge quando eles vêm pra junto querendo meter o povo (do blog e afins) no meio dessas psicoses deles, aí a questão deixa de ser de 'ponto de vista' ou "divergência política" e passa a ser pessoal.

A impressão que esse grupo minúsculo (que citei acima) me causou é de que, por não terem uma visão clara do que se passa país e por já possuírem uma visão distorcida do mesmo (muitos nem se interessam pela história do Brasil, acham que o país foi formado há algumas décadas), e por se sentirem meio à parte das sociedades onde estão (a meu ver esse é um dos motivos centrais desse tipo de comportamento desse pessoal, pois se não se sentissem à margem dos países não estariam enchendo o saco de outros brasileiros), essas pessoas começam a pôr pra fora certos ressentimentos que possuem em relação ao Brasil (achando que todo mundo compartilha desse "sentimento" deles) usando as discussões acirradas (temas políticos onde há radicais comentando) ou com forte apelo emocional pra pôr esses recalques pra fora.

Algo não muito recomendável, uma vez que a maioria das pessas não rechaça essa postura deles de cara por hipocrisia (pra não dar uma "do contra" ou não criar atrito com essas pessoas), o que não significa que as pessoas estejam gostando dos comentários agressivos, rancorosos e preconceituosos contra o país. O que estou comentando pode parecer (e acho que é) óbvio pra muita gente, pra mim pelo menos sempre foi, mas por incrível que pareça há pessoas que são tão desconectadas do mundo que creio eu que vivem algum tipo de fantasia paranoide ou num "universo paralelo" de ficção.

Resultado concreto desse tipo de postura: essas pessoas acabam criando brigas extraordinárias (eu mesmo presenciei várias e não gostei) quando na maioria dos casos (quando a discussão é interna com pessoas do país) a coisa não tenderia a esse extremo.

Fica o recado a essas pessoas de que o povo do país (brasileiros) sabe se virar sozinho e pelo menos eu dispenso esse tipo de "ajuda", apesar da mídia 'partidarizada' do país tentar passar outra imagem pro mundo de que tudo vai mal e o "céu" é país A, B ou C. O resultado concreto desta partidarização é o descrédito que a mídia no país está angariando desde a última década (qualquer pessoa no país sabe disto que estou comentando).

O povo não necessita desse tipo de "ajuda" nonsense e inconsequente de terceiros "iluminados", que acham que sabem mais que os outros, pra resolver problemas políticos dentro do país, principalmente na questão do extremismo.

Alguém pode ler e achar que estou sendo duro demais, mas se tivessem visto o que esse pessoal já aprontou achariam que estou sendo brando pois o que esse pessoal merecia de fato é de um esporro muito pior que o "dado" neste texto (e põe pior nisto).

Se essas pessoas não têm controle emocional pra se envolver em questões políticas onde precisa haver uma certa 'frieza' em lidar com as mesmas, mesmo que seja algo difícil de se ter, seria melhor que elas não se envolvessem nesse tipo de discussão pois quando se metem só causam problema.

O país não está a beira do precipício, como disse acima, e digo isso porque essas pessoas por lerem apenas o que a mídia partidarizada do país escreve, essas pessoas começam a achar que estamos no meio de um caos e que quem critica isso é "mentiroso" ou "comunista" e todo aquele bla bla bla histérico digno da Guerra Fria, fora as fantasias com 1001 bobagens em relação a conflitos políticos mundo afora.

O pedido para não se intrometerem se dá em virtude de que essas pessoas não ajudam a resolver problema algum, quando não pioram ou criam um, e pelo que vi geralmente é um comportamento mais pra chamar atenção do propriamente ação política, por isso que causam tanto problema (por serem porralocas ou despolitizados).

Nenhum brasileiro precisa desse tipo de "ajuda" pra lidar com problemas de extremismo e racismo, há instituições no país que tratam disso junto com a sociedade e se em casos extremos as pessoas recorrem as mesmas. Aproveitar-se do problema pra tentar chamar a atenção de terceiros é algo no mínimo repulsivo e asqueroso.

Outra coisa que sempre me incomodou é um certo sentimento de aversão ao país por parte destas pessoas ao mesmo tempo em que não desgrudam do Brasil, e por que comento isto? Se alguém sente aversão seria normal que as pessoas se distanciassem do problema (do país), mas o que ocorre? Essas pessoas malham o país e ao mesmo tempo ficam grudaaso naquilo que "supostamente" odeiam ou "sentem" desprezo, como se a nacionalidade da pessoa se alterasse (deixar de ser brasileiro) pelo fato de A, B ou C sentir "nojinho" de ser brasileiro. Seria até bom que deixassem de ser, mas coerência não costuma ser o forte da minoria barulhenta.

A maioria dos brasileiros ou boa parte deles (eu incluso) não gosta de gente que odeia o Brasil, não é algo retórico, é algo sério mesmo, literal, sem meio termo. Criticar o país é uma coisa, odiar e tentar ridicularizar o país com comentários preconceituosos de gente cretina é outra bem diferente.

Esse comportamento patológico de complexo de vira-latas (complexo de inferioridade) de "O Brasil é uma merda" é algo que me deixa tão ou mais furioso como as cretinices revimanés, portanto pra esse grupo minúsculo que entra nas discussões com intuito de atiçar intriga ou que por se sentirem excluídos no exterior ficam querendo chamar atenção, procurem ajuda onde vivem ou retornem ao país, ou então não encham o saco. Caso queiram encher o saco mesmo assim, não ponham os outros no meio disso. Não estou sendo irônico, os comentários neste post são literais mesmo, quando eu sou irônico eu geralmente aviso, e meu aviso aqui foi outro.

Pensem duas vezes antes de trazer pra junto da gente esse tipo de recalque pois nunca perguntam a gente o que nós (eu) pensamos disso, e é mais ou menos isso o que penso da questão. Blog não é "psicólogo" e creio eu que ninguém tem saco pra aturar neurose de brasileiro deslocado no exterior. Web não é clínica psiquiátrica pra tratar surto, há locais apropriados pra se tratar esse tipo de problema.

Acho que é a primeira vez que comento abertamente isso até porque não quero contato com gente com esse perfil, pra eu vir comentar é porque a coisa já extrapolou qualquer limite aceitável faz tempo mas achava que não veria esse tipo de coisa aqui no blog. Já perturbaram muito e acho que a coisa já deu, saturou, passou dos limites há bastante tempo. São pessoas que geralmente escondem o caráter radical, tentar angarias nossa confiança pra depois soltar a paulada pra cima da gente em forma de briga como forma de chamar atenção. O problema é que (opinião pessoal) quando quero ver estrela eu assisto filme ou vejo um vídeo de música, escuto disco etc, assistir "mimimi" (choradeira) enfadonho não dá.

Outro aviso bastante importante (e esse é pra todo mundo): não cheguem aqui comentando sobre sites "revisionistas" como se fossem "novidade" ou como se ninguém aqui soubesse da existência dos mesmos, o pessoal do blog sabe muito bem quais os principais sites desse tipo e afins, portanto ninguém aqui precisa ser "avisado" disso. Tampouco tragam discussões que criarem em redutos "revis" porque resolveram se entocar inconsequentemente (porque deveriam se inteirar do assunto para só então pensar se vale a pena fazer isso) em discussões com "revisionistas", fascistas etc. Eu só participo do fórum RODOH, não participo e não entrarei em nenhum fórum "revi" brasileiro. Quem "precisa "de "debate" (barraco) pra divulgar esse lixo negacionista são os "revis", e ninguém tem obrigação de discutir nada, quem tem que provar o que negam são eles, não o inverso.

Finalizando: não é porque as pessoas aqui são contra neonazis/fascistas, racismo/antissemitismo, "revisionistas" que automaticamente são alinhadas com direita ou esquerda, ou com defesa cega (e questionável) da política externa de Israel em relação a palestinos, ou que nós compartilhamos automaticamente do pensamento político de A, B ou C que por ventura possa comentar aqui. Parece algo óbvio o que escrevi (e é, pra quem é normal ou com um pingo de bom senso) mas sempre me causou perplexidade a forma como essas pessoas simplesmente ignoram ou nem sequer perguntam o que a gente pensa politicamente do gesto delas. Acho que não perguntam pra evitar uma resposta deste tipo.

Pronto, agora acho que já dá pra postar normalmente. Boa noite.

Um comentário:

Leo Gott disse...

Como um dos colaboradores do blog, assino embaixo em tudo, sem tirar e nem pôr uma vírgula sequer no texto do Roberto.

Aliás Roberto, parabéns pela excelente explanação!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget