quinta-feira, 28 de maio de 2009

São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 3 - Hoess e a eliminação de corpos

Hoess escreveu sobre os problemas enfrentados na eliminação dos cadáveres das vítimas assassinadas. Este tema tem gerado uma grande discussão na Internet e em publicações de negadores. O tema será tratado abrangentemente em outro local [NT.: já foi tratado, o estudo de Hoess foi anterior a este e traduzido neste blog].[36] O objetivo do estudo seguinte é a avaliação dos escritos de Hoess à luz do que é conhecido.

Hoess escreveu (32) que os dois bunkers, referidos anteriormente, haviam sido convertidos em câmaras de gás. Prisioneiros foram gaseados e os seus corpos foram enterrados. No entanto, os corpos foram enterrados até o fim do verão e as cremações em massa começaram. As cremações foram até o final de novembro de 1942 altura esta em que todas as valas comuns tinham sido abertas. Um relatório do jornal The New York Times no fim de novambro de 1942 afirma:
As informações recebidas aqui dos métodos pelos quais os alemães na Polônia estão levando a cabo o massacre de judeus incluem relatos de transportes de trens lotados de adultos e crianças para os grandes crematórios de Oswiencim[sic] perto de Cracóvia.[37]
Oswiecim era o nome polonês de Auschwitz. Este relatório de “grandes crematórios” é coerente com o tempo e às cremações ao ar livre mencionadas por Hoess. A altura que este relatório foi escrito, Auschwitz tinha apenas seis fornos (este número foi posteriormente aumentado para 52). As cremações ao ar livre foram utilizadas porque os crematórios não poderiam tratar de todos os mortos.

Hoess escreveu (36) que os oito fornos do Crematório IV tornaram-se operacionais em março de 1943[38] “falharam completamente após um curto espaço de tempo e depois não [foram] utilizados em tudo.” Isso é confirmado pela visita a Auschwitz em maio de 1943 do Engenheiro-Chefe que era responsável pela construção dos fornos. Ele afirmou que os fornos do Crematório IV não poderiam ser reparados.[39] Convém notar que, se os captores poloneses de Hoess estavam tentando coagir falsas informações, certamente não teria sido permitido a ele falar das permanentes avarias dessas estruturas, o que sugere limitações para os crematórios. Como será visto depois, os poloneses basearam em uma elevada taxa de mortalidade em Auschwitz, na capacidade destes fornos para cremar mais corpos do que eram capazes.

Hoess escreveu (37) que os corpos gaseados no Crematório V foram cremados principalmente em covas atrás desta estrutura. Uma foto aérea tomada do complexo em 31 de maio de 1944 mostra uma coluna de fumaça saindo de trás do Crematório V. A foto veio a público em 1983.[40] Um recente enhancement desta fotografia foi feito pelo Supervisor de Aplicações Cartográficas e Processamento de Imagens do Caltech/NASA, Laboratório de Propulsão a Jato de Pasadena mostra prisioneiros marchando para o Crematório V.[41] Existe também uma conhecida foto mostrando corpos nus sendo cremados ao ar livre em Birkenau. A paisagem de fundo mostra que esses corpos estão sendo cremados atrás do Crematório V.[42] Uma foto aérea da área de Birkenau tirada em 26 de junho de 1944 mostram marcas no terreno atrás dos crematórios IV e V consistentes com covas.[43]

Hoess escreveu (36) que um sexto crematório foi planejado. A idéia foi abandonada porque Himmler ordenou a interrupção do extermínio em 1944. Uma carta para Hoess datada de 12 de fevereiro de 1943 do Chefe da Agência de Construção de Auschwitz afirma que a idéia para um sexto crematório tinha sido discutida com o engenheiro da empresa que construiu os fornos.[44]

(todos os grifos do tradutor)

Notas para esta parte:

[36] Chapter 10 of the source cited in note 6 herein and a forthcoming study for this site entitled "Body Disposal at Auschwitz: the End of Holocaust Denial."
[37] New York Times, November 25, 1942, p. 10.
[38] Czech, Auschwitz Chronicle, p. 357. The date was March 22, 1944.
[39] Pressac, Les Crematoires d' Auschwitz, pp. 79-80, citing a letter from the Auschwitz Archives in Moscow dated June 9, 1943.
[40] Dino Brugioni, "Auschwitz-Birkenau," Military Intelligence(January-March, 1983), p. 53.
[41] Michael Shermer, Why People Believe Weird Things (NY:1997), p. 236. The photo analyst is Dr. Nevin Bryant.
[42] Pressac, Auschwitz: Technique and Operation of the Gas Chambers, p. 422. The background of this photo is consistent with Crematorium V. Many photos of the Crematoriums, including Crematorium V, were published by Pressac. See also the photos reproduced in Czech, Auschwitz Chronicle. The photo may be found online at http://www.holocaust-history.org/crosslink.cgi/http://www.nizkor.org/ftp.cgi/camps/auschwitz/images/burning-pit.jpg.
[43] Dino Brugioni and Michael Poirier, The Holocaust Revisited: A Retrospective Analysis of the Auschwitz-Birkenau Extermination Complex (CIA:1979), p. 6.
[44] Piper, "Gas Chambers and Crematoria," p. 175.

Fonte: The Holocaust History Project
http://www.holocaust-history.org/auschwitz/hoess-memoirs/; Link 2
Autor: Prof. John Zimmermann
Tradução: Leo Gott

Sequência:
São confiáveis as memórias de Hoess - Parte 2 - Hoess sobre gaseamentos e assassinatos em massa
São confiáveis as memórias de Hoess? - Parte 4 - Hoess e demografia

3 comentários:

Diogo disse...

«Hoess escreveu (32) que os dois bunkers, referidos anteriormente, haviam sido convertidos em câmaras de gás. Prisioneiros foram gaseados e os seus corpos foram enterrados.»

Estamos a falar da pequena casa branca e da pequena casa vermelha, com capacidade para gasear 1200 e 800 pessoas de cada vez (como afirma o Museu de Auschwitz)?

É melhor você dar uma espreitadela a este post:

http://citadino.blogspot.com/2009/05/auschwitz-pequena-casa-vermelha-e.html

Leo Gott disse...

Estamos a falar da pequena casa branca e da pequena casa vermelha, com capacidade para gasear 1200 e 800 pessoas de cada vez (como afirma o Museu de Auschwitz)?

Poderia postar a fonte?

Diogo disse...

http://citadino.blogspot.com/2009/05/auschwitz-pequena-casa-vermelha-e.html

Vá lá. Estão lá os links todos.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget