terça-feira, 15 de abril de 2014

Polícia procura ex-líder da Ku Klux Klan que matou três pessoas em ataque antissemita nos EUA

PÚBLICO. 14/04/2014 - 10:48. (atualizado às 15:32)

Atirador disparou sobre pessoas num centro comunitário e num lar de idosos judaico.

Duas das vítimas estavam no centro
comunitário judaico Dave Kaup/Reuters
Três pessoas foram mortas a tiro, neste domingo num centro comunitário e num lar de idosos judaico, em Kansas City, Estados Unidos. O autor dos dois ataques já foi identificado: é um ex-líder do grupo racista Ku Klux Klan, que já tentou concorrer à Câmara dos Representantes, em 2006, e ao Senado, em 2010.

O capelão do Departamento da Polícia de Overland Park, Herbert Mandl, confirmou à CNN que o primeiro ataque ocorreu no centro comunitário judaico às 13h locais (19h em Lisboa), quando decorriam as audições para o KC Superstar, um concurso para aspirantes a cantores, inspirado no conhecido programa American Idol.

De acordo com Herbert Mandl, o atirador, Frazier Glenn Cross, de 73 anos, com ligações conhecidas à Ku Klux Klan, perguntou a várias pessoas, das perto de 75 que se encontravam no local, se eram judeus, antes de efetuar os disparos. As duas primeiras vítimas foram William Corponon, que morreu no local, e o seu neto, de 14 anos, que no hospital acabou por não resistir à gravidade dos ferimentos

Posteriormente, Frazier Cross entrou no carro e dirigiu-se ao lar judaico Village Shalom, quinze minutos depois do primeiro ataque. Aí matou a tiro uma mulher, de 70 anos. O atirador acabou detido no local e, de acordo com a televisão local KBH, filial da NBC, enquanto era levado pelas autoridades gritou “Heil Hitler”. Os ataques aconteceram na véspera do feriado judaico de Pesach, cujas comemorações começam no pôr-do-sol de segunda-feira.

O Presidente norte-americano falou sobre o caso, afirmando que a violência religiosa não deve tem lugar nos Estados Unidos. "Ninguém deve temer pela sua segurança quando se junta com os seus companheiros de fé. Ninguém deve temer quando se junta a outros para rezar", declarou Barack Obama. "Enquanto americanos, devemos erguer-nos todos contra esta violência, que não tem lugar na nossa sociedade."

O Presidente apresentou as condolências às famílias e garantiu que sua equipe irá “manter um contato estreito com os parceiros federais, estaduais e locais, de modo a fornecer os recursos necessários para apoiar a investigação em curso”.

A organização de defesa dos direitos civis Southern Poverty Law Center, que se especializa em estudar e acompanhar grupos e indivíduos de extrema direita e supremacistas brancos nos Estados Unidos, conhece bem o percurso de Glenn Cross, diz a Associated Press. Foi forçado a sair do exército no final da década de 1970 devido à sua ligação ao Klan e a grupos neonazis. Pertencia a um grupo chamado A Ordem, que advogava o uso de violência contra negros e judeus.

Fonte: Público (Portugal)
http://www.publico.pt/mundo/noticia/ataque-antisemita-faz-tres-mortos-nos-eua-1632201

Comentário: ao que tudo indica ele já foi capturado (preso) conforme a matéria deste link. Como eu já havia colocado o texto acima resolvi manter mesmo assim.

Só que tem um dado que não saiu nessas edições (matérias) em português sobre o caso: é a ligação direta do atirador (assassino) acima com os negacionistas do Holocausto.

Curiosamente, ainda sobre o caso acima, pois muitos "revis" sempre mencionam a aliança política e militar Israel-EUA ignorando esses contradições do discurso "revi", e também por haver uma direita histérica no Brasil que só faltar dar pitis quando alguém critica ou aponta esses fatos ou qualquer coisa relacionada aos Estados Unidos (quem quiser dá uma olhada, deem uma lida em posts recentes sobre a crise da Ucrânia e a Rússia, eu confesso que duma próxima não serei tão "amistoso" discutindo pois não irei tolerar esse ataque ad hominem gratuito sem nunca ter tido discussão antes, não sei o que se passa na cabeça dessas pessoas pra saírem xingando a esmo - sem que haja um ataque ou coisa parecida - quem não tem nem familiaridade), mas como eu dizia, eu fico perplexo quando chega gente idolatrando os Estados Unidos ou comentando certas bobagens sobre História desses países (geralmente com clichês ou pregação política idiota, rasteira) sem nem ter ideia de que um dos maiores propagadores de material antissemita, supremacista (racista, discurso de ódio racial em geral) e neonazista (refiro-me a países) são os Estados Unidos.

Eu não sou propriamente um anti-norte-americano, mas também não "morro de amores" pela política daquele país, pra não dizer de vez que rechaço (eu rechaço). Eu não precisa nem comentar isso mas sempre vem gente fazer acusações políticas sem ter ideia do que as pessoas pensam politicamente. Tenho todo o direito de ter essa opinião. Não sou obrigado a gostar ou idolatrar países porque uma parte dos brasileiros ficam delirando e idealizando nações e países por terem algum problema de identidade com o Brasil. Eu já deixei claro que não gosto desse comportamento de alguns brasileiros com o discurso de "eu odeio o país, odeio ser brasileiro", idolatrando países achando que irão suprir o seu problema identitário com o Brasil dessa forma, repetindo aqueles clichês cretinos contra o país que acho que a maioria que chegar a ler esse comentário já deve ter visto algum comentário assim. Se você odeia o país, dane-se. Simples assim.

Só estou externando esse tipo de opinião porque o que eu já tive que aturar (muito, mas põe muito nisso) de gente vindo encher meu saco achando que eu idolatro ou idealizo país A, B ou C é algo que passou dos limites faz tempo e cheguei a conclusão que só param de te encher o saco quando você escracha logo a opinião sobre essas questões. Até porque muitos dos que vem malhar/criticar não o fazem quando a gente faz um post e sim muito tempo depois se se esbarrar em alguma discussão. Ou seja, nem franqueza de virem criticar honestamente essas pessoas têm, ficam remoendo ódio (que não é bom) pra vir te atacar ou criticar depois, atitude covarde.
_________________________________

Deixando claro que: o fato de não concordar (de rechaçar) com a política dos EUA, isso não me torna um sectário. Eu sei separar a política externa de um país dos seus cidadãos, principalmente os conscientes. Tenho muito mais antipatia por brasileiros idiotas deslumbrados com o exterior que qualquer pessoa de fora do país. Quem geralmente fomenta certa antipatia a alguns países no Brasil são esses brasileiros deslumbrados. O que ocorre? As pessoas rechaçando o comportamento ridículo deles acaba criando alguma aversão ou antipatia a alguns países (que eles idolatram). Há norte-americanos fora de série, no próprio Holocaust Controversies (blog) há pelo menos dois, e um deles eu sempre costumo traduzir os textos e colocar aqui. No Rodoh também há alguns, e gente de vários países. Por sinal, sou na grande maioria das vezes melhor tratado por essas pessoas do que muito brasileiro idiota cheio de preconceitos e com o problema que citei acima (identitário).

Mas voltando de novo ao assunto... não deixa de ser um paradoxo esses casos, enquanto há uma aliança que hoje é contestada em quase todo mundo (Israel-EUA), e que sempre ressaltam um certo ufanismo de parte à parte entre esses países, os Estados Unidos são o país onde mais se difunde material antissemita e neonazista na rede.

Se não for o maior propagador desse tipo de material é um dos maiores. Fica a dica pro pessoal desavisado que vai pra esses cantos ignorando certos aspectos históricos locais porque vivem "florindo" o mundo, numa dessas vocês rodam. Há muita violência no Brasil, inclusive esse é um dos (ou o  maior) problema do país atual, só que a natureza da violência no Brasil ainda é de outro tipo (no geral), o povo tem ideia do tipo de violência que rola no país, não é uma violência movida por ódio ideológico-sectário e étnico embora o ódio sectário-político já anda flertando perigosamente no país entre a população. Mas violência com motivação política e étnica é algo mais difícil de se conter e imprevisível, se se formar um conflito étnico, sabe-se lá o que pode sair disso, um banho de sangue pesado, por exemplo. Um cara desses sozinho tem potencial pra fazer uma desgraça como aquele outro extremista de direita da Noruega que matou mais de 80 em um só dia (os que se enquadravam como alvos/inimigos políticos dele a serem exterminados), imagina um batalhão com esse tipo de perfil totalmente armado...

Pelo visto esse pessoal que idealiza países não têm a mínima ideia do papel da Klan na construção de identidade nacional nos EUA. Além de tratarem esses casos de forma banal, uma hora ficam dançando em cima de carniça em matéria sensacionalista de TV e coisas do tipo, noutra acham que o sangue não pinga de verdade quando esses extremistas de direita atacam dessa forma e ficam tentando negar a natureza política deles, sinceramente não sei por qual razão pois quem não se enquadra neste tipo de quadro extremista não costuma fazer negação da tintura política desses grupos.

Um caso desse tipo da matéria não chega a espantar pra quem já viu pilhas de textos e discussões de "revis" em fóruns estrangeiros, dá pra saber do grau de ódio desses caras (tem muito Klanboy nesses fóruns), e não é um ódio do tipo "eu tenho aversão", é um ódio mais profundo ligado a extermínio mesmo, quando eles cismam de partirem pro tudo ou nada, é "tudo ou nada" mesmo, e 'ai' de quem estiver na frente deles. Se eles tivessem poder bélico prum estrago maior eles não hesitariam em mandar dessa "pra melhor" quem eles julgam como inimigos de acordo com a "ideia de civilização" ("purinha") deles. Pra esses caras saírem do discurso pra execução de fato, basta pintar alguém mais afoito ou "suicida" (kamikaze) entre eles pra fazer uma desgraça dessas da matéria.

Em suma, não vou me alongar mais no comentário (pois já me alonguei muito, como de costume, mas tive que externar algumas opiniões pois estou bem de saco cheio desse pessoal fazendo pregação), mas quem quiser que tire suas conclusões do caso.

Reservo-me ao direito (como sempre) de não ter que concordar com quem chega com discurso pronto repetindo clichês de revistas/jornais brasileiros meia boca ou enviesados ao extremo, panfletagem rasa não tem conteúdo. Se ficarem repetindo clichê/discurso da Guerra Fria porque "viajam na maionese" pra entender a realidade atual do país e do mundo por sectarismo político, vão pregar isso (encher o saco) com quem prega esse tipo de sandice (porcaria), aqui não, pra mim, não. Não sou obrigado a aturar ou tolerar isso e já aturei demais gente vindo discutir bobagem que leram em sites extremistas ao invés de lerem algum livro/texto/artigo sério sobre essas questões pra se posicionarem melhor politicamente sobre isso.

Se ainda discutissem pra aprender, tudo bem, mas ficam querendo confirmação de suas crenças políticas ignorando a posição política dos outros (que pode não ser a mesma). Não irei chancelar sandice de terceiros, quer seja "revi" ou gente que se apresenta contra o "revisionismo" mas é tão sectário e intolerante como esses caras. Isso tinha aos montes no Orkut, com o declínio daquele site esse tipo de grupo migrou obviamente pra web (blogs, fóruns etc) e pro Facebook.

Mesmo assim esse episódio me surpreendeu em termos, não por não achar que não sejam capazes disso, mas apenas por não saber que havia acontecido isso. Vou ver se consigo fazer depois um post sobre a conexão desse escroque acima (o atirador/assassino) com o negacionismo.

Acho bizarro que no país ainda não tratem esse tipo de extremismo de direita como questão de segurança de Estado. Melhor remediar do que o país vir a ser pego de surpresa com um "maluco" desses, caso recente demonstra o tipo de estrago que pode ocorrer (Massacre de Realengo). Em todo caso, fica a dica sobre a conexão do atirador com o "revisionismo" caso alguém queira checar. Se algum site de notícias ler o blog e quiser detalhar mais sobre o atirador, taí a dica.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget