sexta-feira, 5 de junho de 2015

As raízes ideológicas do antissemitismo fascista (II)

O modelo fascista da família racial italiana
"AS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E PSICOLÓGICAS PURAMENTE EUROPEIAS DOS ITALIANOS NÃO DEVEM SER ALTERADAS DE NENHUMA MANEIRA.

A união só é admissível dentro do âmbito das raças europeias, cujo caso não se deve falar propriamente de verdadeiro hibridismo, dado que estas raças pertencem a um tronco comum e se diferenciam só em algumas poucas características, enquanto que são iguais em muitas outras. O caráter puramente europeu dos italianos se altera a partir do cruzamento com qualquer raça extra-europeia e portadora de uma civilização diferente da milenar civilização dos arianos".

(Texto do Manifesto da raça, publicado na revista La Difesa della Razza, ano I, número 1, 5 de agosto de 1938)
Em seu discurso no dia da Ascensão da quinta-feira de 26 de maio de 1927, ante à Câmara dos Deputados, Mussolini, recorrendo ao imperador Augusto, havia afirmado a vontade natalista de seu regime, fixando como objetivo uma população italiana de 60 milhões de pessoas para 1950.

Mussolini, a semelhança de Augusto, era consciente da decadência demográfica dos italianos de "pura cepa", e queria remediar o que considerava como uma decadência demográfica, já que o conceito de raça forte, tal como o fascismo o defende em fins dos anos de 1930, não pode se acomodar a uma letargia natalista.

Pois, na herança da Antiguidade romana, que a política fascista acode a memória do poeta Horácio. Em 20 de maio de 1939, Irma Marimpietri publica em La Difesa della Razza "Raça e romanidade na poesia de Horácio". Escreve Marimpietri: "Horácio e Catão foram dois romanos que sentiram a necessidade de tomar posição contra essas forças que, tanto do exterior como do interior, tentaram debilitar a força romana. Horácio se indignou contra a corrupção do tipo grega que penetrou nas famílias, corrupção cujo primeiro efeito foi a diminuição da natalidade que Augusto procurou combater com a Lex Julia de maritandis ordinibus."

A alusão a esta lei de Augusto não foi fortuita. Votada em 18 a. C. (ao mesmo tempo que a Lex Julia de adulteriis coercendis que reprime o adultério) e completada em 9 pela Lex Papia Poppaea, pretende entre todos os assuntos favorecer à carreira dos senadores pais de família, impor restrições aos direitos de herança para os solteiros e aos homens casados sem crianças e lhes conceder imunidades particulares aos pais de três crianças.

Esta legislação da Roma Imperial lutava contra a diminuição da natalidade que o imperador era sensível nas lições a dirigentes. Como se de um novo Augusto se tratasse, Mussolini impõe aos solteiros uma lei em 1927 que põe de pé recompensas pecuniárias e honoríficas para as famílias numerosas.

Por outro lado, Horácio insistia na dificuldade de "convivência conjugal entre romanos e bárbaros", argumento útil para a propaganda da revista La Difesa della Razza: "O soldado de Craso viveu em torpes laços maritais com esposas estrangeiras. Ó! cúria, quanta corrupção! O marso e o apúlio podiam envelhecer nos campos dos inimigos como seus parentes e se prosternar ante um rei Medo, esquecidos dos escudos anciles, o nome, a toga e o fogo eterno de Vesta, reinando incólume Jove e a cidade de Roma" (Horácio, Odes, Livro III).

Segundo os antissemitas fascistas, tanto na época de Augusto como no tempo da vitória da Itália fascista na Etiópia, não convinha admitir um "bastardo" da raça. Depois de Horácio, alude-se a Cátulo, Cícero e Virgílio.

Cátulo, o poeta de Verona, foi, entre outras coisas, o poeta da maternidade, do amor familiar e da procriação. Assim, em seu Carmina 61, podemos ler:
Aproxima-te já, marido:

tua esposa está no leito nupcial

e seu rosto viçoso resplandece

como a branca camomila

ou a vermelha papoula.

Mas tu, esposo, pelos deuses

celestiais! Não és menos

bonito, nem Vênus te há

descuidado. Mas o dia se vai:

veja, não te atrases.
Cícero, por sua parte, será a ocasião evocada de sua última obra. De officiis (Tratado dos deveres, de l42 a.C.). Dois anos depois da perda dolorosa de sua filha Túlia, Cícero lhe envia este tratado de filosofia estoica a seu "filho Marco". No que demonstra o sentido das responsabilidades e do amor paternal que estruturam uma família, uma sociedade e um povo à imagem do que desejará o regime fascista para a Itália de seu tempo.

O regime fascista também "regressou" a Virgílio para legitimar sua concepção de ordem e de família. No final da Éclogas IV, os fascistas encontraram uns versos muito queridos para sua ideologia:

Começa, ó terna criança, a conhecer tua mãe pelo sorriso; dez meses te carregou em seu ventre com grave afã; Ó! terna criança! O filho que não alcançou o sorriso de seus pais não é admitido à mesa dos deuses nem no leito das deusas (Virgílio, Éclogas IV).

"A luta histórica contra os judeus"
"É NECESSÁRIO FAZER UMA DISTINÇÃO NETA ENTRE OS MEDITERRÂNEOS DA EUROPA (OCIDENTAIS) DE UMA PARTE E DOS ORIENTAIS E OS AFRICANOS DE OUTRA.

Pelo tanto, devem se considerar perigosas as teorias que sustentam a origem africana de alguns povos europeus e que incluem numa raça comum mediterrânea a povos camitas e semitas, estabelecendo relações e simpatias ideológicas absolutamente inaceitáveis."

(Texto do Manifesto da Raça, publicado na revista La Difesa della Razza, ano I, número 1, 5 de agosto de 1938)
Dois destacados artigos de La Difesa della Razza sublinham como os judeus foram frequentemente adversários da pax romana.

O primeiro, "Rebeliões e sedições dos judeus no Império Romano", de Antonio Trizzino, apareceu no número de março de 1939, e o segundo, "O judaísmo e o Império Romano", de A. M. de Giglio, é de 5 de outubro do mesmo ano. Em seus respectivos textos, ambos autores plasmam os grandes momentos de conflito entre os judeus e as autoridades romanas: a rebelião dos judeus de Cirene durante a guerra de Mitrídates, rei de Ponto, em 87 a.C.; os levantes das comunidades judias de Selêucia e Alexandria em 38, sob o governo de Calígula; a grande insurreição da Judeia nos anos de 66 e 70, que acabou com a tomada de Jerusalém pelas tropas de Tito e a destruição do Templo; os distúrbios da Palestina sob Domiciano; a rebelião judia que rompe ao final do reinado de Trajano em Cirenaica, no Egito e no Chipre; a nova grande insurreição na Judeia liderada por Bar Kochba durante o império de Adriano em 132-135; os distúrbios de início do reinado do Sétimo Severo; e a rebelião dos judeus de Cesárea sob Constâncio Galo.

Evidentemente, os autores fascistas não se contentam em enumerar as lutas dos judeus contra Roma. Recorrem à "autoridade", em matéria antissemita, dos autores antigos. Assim no número de setembro de 1938 de La Difesa della Razza, o mesmo Giorgio Almirante (futuro herdeiro do fascismo mussoliniano) cita várias fontes de intelectuais da Roma Antiga: Juvenal, Sátira, 6 (543-549); Tácito, Histórias, 5 (5); e Plínio, o Velho, História Natural, 13 (9).

Por outra parte, Almirante faz menção a uma atitude antijudaica de Cícero recolhida por Plutarco. Trata-se do que relata Plutarco a propósito de Cícero no momento do julgamento contra Verres em 70 a.C. frente à intenção de um liberto de nome Caecilius (Cecílio), sem dúvida convertido ao judaísmo, de se encarregar da queixa dos sicilianos contra seu antigo pretor Verres, Cícero reage fazendo um jogo de palavras sobre as palavras de Verres ("carne de cerdo", em latim):
"Sendo sua fazenda não muito quantiosa, ainda que suficiente e proporcionada para seus gastos, causava admiração que não recebesse nem salário nem doações pelas defesas, o que ainda se fez mais notável quando se encarregou da acusação de Verres. Havia sido este pretor da Sicília, onde cometeu mil excessos, perseguindo os sicilianos, Cícero fez com que lhe condenassem, não por ter falado, senão de certa maneira por não ter falado; porque estando os pretores de parte de Verres, e prolongando a causa com estudadas dilações até o último dia, como estivesse bem claro que este não podia bastar para os discursos e o julgamento não chegaria a seu fim, levantando-se Cícero, expressou que não havia necessidade de que se falasse e, apresentando as testemunhas e as examinando, concluiu dizendo que os juízes pronunciaram a sentença. Contudo, neste discurso desta causa se conta muitas e muitas piadas suas. Porque os romanos chamam Verres de porco não castrado; e havendo querido um liberto chamado Cecílio, suspeito de se judaizar, exclui os sicilianos e de ser ele quem acusara a Verres, disse-lhe Cícero: "Que tem a ver o judeu com o porco?"

(Plutarco, Vidas paralelas, Cícero, 7(6))
Almirante conclui que "a voz de Cícero é a voz de Roma, ou seja, de nossa raça e da civilização que criou". Por outra parte, o escritor fascista utiliza Suetônio como fonte quando evoca a expulsão dos judeus de Roma pelo imperador Claudio no ano de 49.

Por meio deste recurso de acudir à autoridade dos autores antigos, Almirante tenta dar peso a sua argumentação, mostrando que já na época romana os judeus não eram um "elemento fiável" da sociedade, e que estavam à margem desta pelo seu comportamento, seus costumes e inclusive sua "negação de sua pátria" segundo a fórmula de Tácito.

Nesta mesma linha, a política severa de Vespasiano e de Tito fazia dos judeus a consequência da rebelião de 66-70 é aprovada por Ottorino Gurrieri em seu artigo de setembro de 1941, intitulado "Destruidores de Israel".

O texto de Emilio Canevari, "Os judeus e a guerra", datado de novembro de 1938, é ilustrado pelo arco de Tito, símbolo da derrota judia do ano 70. E a portada de número de junho de 1942 de La Difesa della Razza tem como fotografia uma reprodução de uma moeda da época de Vespasiano com a menção Judea Capta.

A utilização da Antiguidade romana permite a Paolo Guidotti concluir seu artigo de dezembro de 1940, "O povo mais antissocial do Império romano", desta maneira: "os judeus, como mil outros povos do Império Romano, haviam podido viver em paz, na tranquilidade e na prosperidade sob as insígnias de Roma, mas seu sangue os empurrava para os sonhos frenéticos e áridos fanatismos de um Bar Kochba ou de um Simeon Bar-Ghior, intolerante ante a ordem hierárquica e uma colaboração social, e recai sobre eles a responsabilidade de uma história secular travada de desprezo e sofrimento".

Fonte: Blog Anatomia de la Historia
http://anatomiadelahistoria.com/2013/02/las-raices-ideologicas-del-antisemitismo-fascista/
http://anatomiadelahistoria.com/2013/02/las-raices-ideologicas-del-antisemitismo-fascista-ii/
Título original: Las raíces ideológicas del antisemitismo fascista
Tradução: Roberto Lucena

[Parte 1] :: [Parte 3]

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget