quarta-feira, 3 de junho de 2015

As raízes ideológicas do antissemitismo fascista (I)

Este artigo é um estudo de como a antiguidade romana foi utilizada como justificativa política do racismo.
"É hora de que os italianos se proclamem abertamente racistas. Todo o trabalho que até agora o Regime na Itália tem feito é no fundo racista. Muito frequentemente foram sempre os discursos do Caudilho a referência aos conceitos de raça. O tema do racismo na Itália deve ser tratado desde um ponto de vista puramente biológico, sem intenções filosóficas ou religiosas. O conceito de racismo na Itália deve ser essencialmente italiano e a direção ário-nórdica."

(Texto do Manifesto da Raça, publicado na revista La Difesa della Razza, ano I, número 1, 5 de agosto de 1938)
"O antissemitismo fascista engatinhando"

O antissemitismo do regime fascista italiano foi mais virulento do que frequentemente se pensa. Esteve legitimado e exaltado por uma imprensa servil ao Duce. Contudo, é na revista La Difesa della Razza (A Defesa da Raça) onde se estabeleceu pela primeira vez, e sem pudor algum, um paralelismo "histórico" e "científico" (bastante nauseabundo a meu entender) entre o antissemitismo da intelectualidade da Roma antiga (representada por Cícero, Tácito, Juvenal etc) e o antissemitismo fascista, com a pretensão de lutar contra a "barbarização do perigo judeu".

No ano de 1938 se fortalece a vontade totalitária do fascismo italiano já perceptível desde a vitória na Etiópia em 1936. A aproximação política com a Alemanha nazi, materializada pela viagem de Mussolini à Berlim em setembro de 1937 e de Hitler à Itália em maio de 1938, será concluída na assinatura do Pacto de Aço, em 22 de maio de 1939. O Duce se adjudicou a dignidade de primeiro marechal do Império em 20 de março de 1938, a semelhança do rei Vítor Emanuel III.

No início do fascismo, o antissemitismo não constituía um "princípio inamovível", uma condição sine qua non de sua essência, a diferença do que ocorria no nazismo. Antes de 1922, o antissemitismo era bem mais marginal e se manifestava em alguns jornais tais como L’Assalto ou Audacia. Por sua parte, Mussolini não era fundamentalmente antissemita. Durante uns vinte anos, Margherita Sarfatti, de origem judia, foi sua amante. E, inclusive, em 1926, Mussolini recebeu em audiência a Chaïm Weizmann, o pai do sionismo.

Em 1929, Mussolini argumenta com referência à presença judia durante a Antiguidade: "Os judeus estão em Roma desde a época dos reis; eram cinquenta mil sob Augusto e choraram sobre o cadáver de Júlio César. Deixemo-nos em paz".

Inclusive, o Duce condenou o racismo, assim por exemplo em 1932, durante sua entrevista com o jornalista alemão Emil Ludwig, e, dois anos depois recebeu o Grão-rabino de Roma no Palácio de Veneza.

Mas a conquista da Abissínia (Etiópia) marca sem dúvida um ponto de inflexão. A propaganda fascista insiste na superioridade da raça italiana sobre as raças africanas. E a repressão que segue ao atentado de 19 de fevereiro de 1937 contra o marechal Rodolfo Graziani, o vice-rei da Etiópia, é brutal: entre 3.000 e 6.000 mortos segundo as fontes italianas, 30.000 mortos segundo as fontes etíopes. Em abril desse ano, as autoridades italianas adotam um decreto que sanciona em cinco anos de cárcere aos italianos que vivem em concubinato com etíopes.

A mudança: o Manifesto da Raça
"EXISTE AGORA UMA PURA «RAÇA ITALIANA».

Esta afirmação não se baseia na confusão do conceito biológico de raça com o conceito histórico-linguístico de povo e de nação, senão no puríssimo parentesco de sangue que une aos italianos de hoje às gerações que povoam a Itália há milênios. Esta antiga pureza de sangue é o maior título de nobreza da nação italiana."

(Texto do Manifesto da Raça, publicado na revista La Difesa della Razza, ano I, número 1, 5 de agosto de 1938)
A campanha contra os judeus começa em 14 de julho de 1938 com a publicação do Manifesto da Raça no Il Giornale de Italia, afirmando que os judeus não formam parte da raça italiana. Seguem então toda uma série de prerrogativas legislativas.

Em 1 de setembro, cria-se o Conselho Superior para a Demografia e a Raça. Seis dias mais tarde, promulga-se um decreto-lei contra os judeus imigrantes que vivem na Itália. Em 17 de novembro, aparecem decretos-lei cujo princípio havia sido aprovado pelo Grande Conselho Fascista de 6 de outubro, que excluem os judeus do ensino, das academias, do exército, e que proíbem os matrimônios mistos e a posse de bens imóveis.

Neste contexto é foi publicado, em 5 de agosto de 1938, o primeiro número da revista La Difesa della Razza, dirigida por Telesio Interlandi.

Mais adiante, vamos estudar um aspecto particular desta publicação, a saber, a utilização feita da Antiguidade para aprovar a política racial empreendida pelo regime fascista.

Veremos como a Idade Antiga abasteceu de modelos e justificações aos racistas. Assim, já na capa do primeiro número da revista, uma espada romana separa um busto romano de um nanico semítico do século III a.C e de uma cabeça de um jovem negro...

Os autores da antiguidade romana ao "resgate" do fascismo
"OS JUDEUS NÃO PERTENCEM À RAÇA ITALIANA."

Dos semitas que ao longo dos séculos aterrissaram na terra sagrada de nossa Pátria, nada em geral ficou. Inclusive a ocupação árabe da Sicília não deixou nada, salvo a recordação de algum nome; e por demais, o processo de assimilação foi sempre muito rápido na Itália. Os judeus são a única população que nunca se assimilou na Itália, já que se compõe de elementos raciais não-europeus, absolutamente distintos dos elementos que deram origem aos italianos".

(Texto do Manifesto da Raça, publicado na revista La Difesa della Razza, ano I, número 1, 5 de agosto de 1938)
Os autores da Roma Antiga vão servir de coartada perfeita aos redatores da revista La Difesa della Razza para apoiar a política do regime fascista e para demonstrar que o conceito de raça era importante na mentalidade daqueles tempos.

Em primeiro lugar, Catão, o Velho, a quem é dedicado um artigo no número de novembro de 1938, sob a pluma de Roberto Bartolozzi, com o título de "O racismo de Catão, o Velho". Bartolozzi insiste no ódio à Cartago de Catão. Assim, a fórmula Carthago delenda est ("há que destruir Cartago"), tema dos discursos de Catão no Senado em fins de 150 a.C., havia sido a ilustração de um racismo para o defensor intratável dos interesses romanos.

Catão não pode ver a destruição de Cartago já que morreu em 149 a.C., três anos antes que a cidade Púnica fosse destruída. Contudo, é necessário sublinhar dois trechos. Em seu artigo, Roberto Bartolozzi representa Catão como filo-helênico quando se sabe, por exemplo, que durante sua viagem diplomática nas cidades gregas em 191 a.C., enquanto se anunciava a guerra contra Antíoco III, nega-se isso, embora possuísse capacidade para dirigir-se a seus interlocutores em grego, em particular em Atenas.

Assim mesmo, convém modular a insistência sobre o aspecto racial na vontade de Catão de destruir Cartago. Pois é em todas as luzes inexato e errôneo evocar a ideologia racista de Catão para explicar sua atitude acerca de Cartago.

Podemos perceber na obstinação de Catão os temores de um ex-combatente da guerra contra Aníbal, a influência dos mercadores romanos que temiam a nova prosperidade cartaginesa, a vontade de potência de um Estado romano que não queria mais rival no Mediterrâneo e inclusive a última ocasião para Catão desempenhar um papel político com mais de 80 anos.

Roberto Bartolozzi mostra um completo delírio historiográfico em seu intento de distorcer o passado de Roma a favor das teses antissemitas fascistas.

A segunda autoridade evocada é a de Tito Lívio, estudado por Mario Baccigalupi no artigo "A doutrina da raça na casa de Tito Lívio", do número de fevereiro de 1941.

Ali é dito, por exemplo: "Tito Lívio não teorizou num manual político sua doutrina, contudo está é todavia mais clara e incisiva na história. Expressou a alma da romanidade e por conseguinte da raça italiana narrando a história da grande entrada da luta dos povos que combatiam para a dominação do mundo.

Baccigalupi sintetiza os valores da romanidade que Tito Lívio pôs em destaque: o valor guerreiro, a fé, a sobriedade, a concórdia, a tenacidade, o dinamismo heroico. Encontraremos os ecos desses valores nas reflexões de Mussolini sobre o fascismo italiano: "A vida tal como a concebe o fascismo é grave, austera, religiosa. O Estado fascista é uma vontade de poder e de dominação. A tradição romana é uma ideia de força. Mas o império exige a disciplina, a coordenação dos esforços, o dever e o sacrifício."

Recorre-se também, supostamente a Tácito através de sua obra dedicada a seu sogro, Agrícola. O jornalista Osvaldo Costazi, no número de maio de 1939, intitula seu artigo como "Tácito e o problema da raça".

Para Costanzi, o retrato que compõe Tácito do defunto Agrícola corresponde certamente à "verdade romana": sua coragem militar durante sua passagem pela Bretanha como legado entre 77 e 84, sua "dignidade", sua "fisionomia cheia de agrado", sua "honra intacta". Nas arengas prestadas à Agrícola, encontram-se as virtudes que serviram de referência aos fascistas dos anos de 1930, pois esses últimos se consideravam os herdeiros da "raça romana".

Fonte: Blog Anatomia de la Historia
http://anatomiadelahistoria.com/2013/02/las-raices-ideologicas-del-antisemitismo-fascista/
Título original: Las raíces ideológicas del antisemitismo fascista (I)
Tradução: Roberto Lucena

[Parte 2]

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget