segunda-feira, 4 de maio de 2009

O bilhete, Albert Veissid e Auschwitz

Anotação antiga recém-descoberta revela história de sobrevivente do Holocausto
Albert Veissid, judeu francês, foi preso pelos nazistas em Auschwitz.
Bilhete recém-encontrado continha o nome dele e outras seis pessoas.

Do G1, com informações do Fantástico


A memória do horror desta vez estava enterrada em uma garrafa. Foi encontrada escondida na parede, durante a reforma em uma escola que era depósito do campo de concentração de Auschwitz, na Polônia. Em um papel de saco de cimento, uma relação de nomes e números.

Seis poloneses católicos, um judeu francês, prisioneiros dos nazistas. A data: setembro de 44. E uma única frase: todos entre 18 e 20 anos. Que mistério essa relação esconde?

Em uma vila do sul da França, encontramos o último da lista, Albert Veissid, de 85 anos. Ele foi preso na França, passou por vários campos de concentração antes de Auschwitz. Sessenta e cinco anos depois, a memória do holocausto continua impressa em seu braço e assombrando seus sonhos. Ele lembra que no campo tinha gente demais e os nazistas decidiram eliminar os mais fracos.

“Um dia, veio a ordem para todos os prisioneiros se apresentarem diante de uma fileira de guardas da SS, nus, com as roupas nos braços. Era a seleção, para decidir quem iria viver. Eu tremia por dentro, mas não era de frio, era de medo. Quando chega a minha vez, corro. Sei que os guardas estão lá, mas não olho para eles. Passo correndo, estou salvo. Mas meu amigo foi pego na fila e levado direto para a câmara de gás”, lembra ele.

Assim ele foi trabalhar na construção do depósito de Auschwitz. Ele cavava o subsolo e os poloneses trabalhavam na parte de cima. “Esses poloneses me salvaram a vida, porque eles recebiam uma grande porção de sopa para comer. Eles me davam tudo o que sobrava”, conta.

Esta semana, quando a notícia da nota chegou, o velho sobrevivente ficou surpreso. Não conseguia lembrar de nada. Albert não entendeu por que o nome dele estava lá, qual o propósito do bilhete. Mas quando confrontado com uma cópia, reconheceu: “Está escrito por mim, é minha letra, mas não me lembro de ter feito isso”.

Algum tempo depois, Albert, que é músico, foi transferido para tocar na orquestra do campo. Nunca mais teve notícias dos poloneses, até esta semana. Cinco morreram em Auschwitz. “Sabe do que tudo isso me lembra? Da sopa, nunca comi tanta sopa”, diz ele.

A sopa o manteve forte para suportar a retirada quando o cerco dos aliados apertou. Os prisioneiros morriam às centenas. “Eu via os cadáveres, uma montanha de cadáveres, azulados no frio. Eles ainda usavam os uniformes. Acho que fiquei louco. Mesmo eu não entendo o que aconteceu. Eu pensei: ‘Isso não me abala’. Eu não estava nem feliz, nem sofrendo, apenas olhei e achei natural”, comenta.

Uma foto de Albert foi tirada há dois anos em frente ao portão de um dos blocos de Auschwitz, onde ele tocava com a orquestra. Ele voltou várias vezes ao campo, levando estudantes, para manter a memória do holocausto. Na nota, enviada do passado, ele vê uma lembrança do horror que testemunhou, mas que hoje muitos tentam negar que um dia existiu.

Fonte: G1
http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1107286-5602,00-ANOTACAO+ANTIGA+RECEMDESCOBERTA+REVELA+HISTORIA+DE+SOBREVIVENTE+DO+HOLOCAUS.html

Link do vídeo da matéria

4 comentários:

Diogo disse...

Vi o vídeo.

Lá é dito que os sr. Albert Veissid esteve em vários campos de concentração antes de ir para Auschwitz, ao qual sobreviveu porque comeu muita sopa.

A questão que eu coloco é: porque é que os nazis andavam a gastar combustível, precioso em tempo de guerra, a deslocar prisioneiros judeus de campo para campo? Fará sentido sob uma óptica exterminacionista?

Roberto Lucena disse...

"porque é que os nazis andavam a gastar combustível, precioso em tempo de guerra, a deslocar prisioneiros judeus de campo para campo? Fará sentido sob uma óptica exterminacionista?"

Na ótica dos exterminadores(os nazistas), faria sentido sim. Vários prisioneiros eram usados como mão-de-obra escrava, com trabalho forçado para indústrias alemãs.

Diogo disse...

Então, Lucena, enviavam o prisioneiro para um campo para trabalho escravo e quando ele «estoirasse» de fadiga, matavam-no.

Para quê andar a passeá-lo de comboio por vários campos?

Roberto Lucena disse...

"Então, Lucena, enviavam o prisioneiro para um campo para trabalho escravo e quando ele «estoirasse» de fadiga, matavam-no."

Exato. A mão-de-obra só tinha serventia enquanto pudesse render, quando não servisse mais seria descartada.

"Para quê andar a passeá-lo de comboio por vários campos?"

E por acaso não se desloca mão-de-obra pros serviços? Qual o problema nisso? os nazis não iriam fazer o serviço(pesado) que os 'escravos' do Reich poderiam fazer por eles.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget