quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Gaseamentos homicidas no Primeiro Julgamento de Auschwitz em Frankfurt - Levantamento estatístico

Cerca de 7000 homens das SS e mulheres auxialiares estavam servindo no complexo do campo de Auschwitz, alguns com parentes próximos, algumas autoridades estavam em contato e em correspondência com o campo de Auschwitz, centenas de milhares de pessoas foram deportadas para o lugar e um certo número de trabalhadores civis tiveram acesso aos campos. Não muito longe existiam aldeias, bem como a cidade de Auschwitz. Em suma havia muitas pessoas envolvidas em torno do complexo de Auschwitz.

Agora vamos supor que a visão "revisionista" de Auschwitz, por exemplo, a falsidade dos gaseamentos homicidas seja verdade. Então essa gama de pessoas com diferentes formações, habilidade e personalidades devem gerar prova testemunhal substancial para apoiar a evidência. No entanto apenas alguns são conhecidos - três vêm à minha mente, Wilhelm Stäglich[1], Thies Christophersen[2] e Walter Schreiber[3], nenhum deles pode ser classificado como testemunha ocular dos gaseamentos homicidas e nenhum deles tem problemas substanciais. É realmente isso?

A maior fonte e de fácil acesso aos testemunhos do campo de concentração de Auschwitz é o primeiro julgamento de Auschwitz em Frankfurt, que ocorreu entre 1963-1965, mas as investigações e os interrogatórios remontam a 1958. Testemunhos de mais de 400 testemunhas foram ouvidas ou lidas (excluindo os relatórios dos peritos) durante o julgamento. Os testemunhos foram publicados em 2005 pelo Instituto Fritz Bauer e pelo Museu Estatal de Auschwitz em um DVD (Digitale Bibliothek 101 - Der Auschwitz-Prozeß), que permite a pesquisa do texto completo, as transcrições e os protocolos de interrogatório. O DVD foi gravado especificamente sobre os depoimentos dos gaseamentos homicidas em Auschwitz.

Os gaseamentos homicidas contaram com 254 testemunhos, que estão reproduzidos aqui. E aqui temos uma lista resumo. Um homem da SS se recusou a comentar se ele sabia ou participou dos gaseamentos homicidas, que não apenas sugere que ele sabia dos gaseamentos homicidas, mas que também tomou parte deles. Mas como não há declaração explícita afirmativa disponível, esse está sendo tratado como se não estivesse claro. Mais 11 que não estão claros com relação a gaseamentos homicidas também estão sendo ignorados.

Então efetivamente restaram 242 testemunhos de gaseamentos homicidas, 64 são dos antigos SS, 169 são de ex-prisioneiros e 10 outros são de civis e ex-funcionários do exército britânico. 239 (99%) testemunhas declararam afirmativamente sobre os gaseamentos homicidas, enquanto 3 testemunhas (1%) alegaram que não tinham conhecimento. Não há uma única testemunha (0%) que duvidou ou negou que os gaseamentos homicidas foram realizados em Auschwitz. Dessas 239 testemunhas afirmativas sobre os gaseamentos homicidas, 195 poder ser classificados como boato afirmativo e 44 como testemunhas oculares. Estes dados estão ilustrados na Figura 1. A última divisão de 7 testemunhas oculares testemunharam terem visto cadáveres gaseados nos locais de gaseamento, 8 testemunhas deporam que viram os locais de gaseamento (sem cadáveres) e as 29 testemunhas restantes testemunharam que viram as operações de gaseamento.









Figura 1: Gráfico de pizza das provas testemunhais sobre os gaseamentos homicidas no julgamento de Auschwitz em Frankfurt.

Devido à sua natureza indireta, os testemunhos de boatos afirmativos são menos confiáveis individualmente, mas poderosos de um ponto de vista estatístico. Também é razoável fazer a distinção entre boatos afirmativos dos testemunhos do pessoal da SS e dos prisioneiros. Os homens das SS estavam frequentemente em uma posição mais adequada para obter informações confiáveis sobre os boatos das atrocidades alemãs, tanto oficialmente como parte do seu dever ou não oficialmente através de outros homens das SS. 40 ex-membros da SS testemunharam sobre gaseamentos homicidas em Auschwitz (supostamente) de fonte de boatos, incluindo oficiais de alta patente como o Comandante da Polícia de Segurança e do SD em Kattowitz Johannes Thümmler, Comandante de Auschwitz Richard Baer, Ajudantes de Ordem em Auschwitz, Karl Höcker e Robert Mulka, Investigador da SS Helmut Bartsch, os médicos SS Victor Capesius, FRanz Lucas, Willi Schatz e Willy Frank. É improvável que todos estas pessoas não estavam em posição de obter um conhecimento confiável sobre os gaseamentos homicidas em Auschwitz. A repartição de todos os 64 testemunhos do pessoal da SS é mostrado na figura 2.








Figura 2: Gráfico de pizza sobre a prova testemunhal do pessoal da SS sobre os gaseamentos homicidas no julgamento de Auschwitz em Frankfurt.

Resumo

No primeiro julgamento de Auschwitz em Frankfurt e nos interrogatórios do pré-julgamento, a grande maioria das testemunhas, que foram questionadas sobre o assunto, testemunharam afirmativamente sobre os gaseamentos homicidas em Auschwitz. Apenas um número insignificante de testemunhas atestaram que não tinham conhecimento e nenhuma testemunha atestou negativamente sobre os gaseamentos homicidas. Este resultado é o pior cenário possível para o "revisionismo" e não fornecem evidências para duvidar que os gaseamentos homicidas não aconteceram em Auschwitz.

Notas:

[1] Stäglich escreveu que ele não viu os "fornos crematórios" em Auschwitz, o que indica que ele nunca esteve em Birkenau, onde ocorreram os gaseamentos em massa. Ele também sugere que não conseguiu obter informações confiáveis sobre os boatos de Birkenau. Curiosamente, ele escreveu que o forno com mufla dupla da Topf apresentado em Dachau lembrou os fornos da padaria de Auschwitz. Ver carta de Stäglich em Christophersen, Die Auschwitz-Lüge, p. 68.

[2] Christophersen não sabia que havia quatro crematórios em Birkenau, mesmo que supostamente ele visitou o campo. Ele só disse que havia "um crematório...em Auschwitz". Ele não sabia nada sobre as cremações ao ar livre em Birkenau, mesmo que estas foram realizadas em Auschwitz no verão de 1944, de acordo com fotografias aéreas e de solo dos Sonderkommando. Portanto, Christophersen ou era um péssimo observador e sem talento para obter informações confiáveis sobre os boatos de Birkenau ou sofria de grave perda de memória quando escreveu seu livro. Ver Christophersen, Die Auschwitz-Lüge.

[3] Schreiber era suposto enegnheiro-chefe de Huta desde novambro de 1943, mas os crematórios de Auschwitz já haviam sido construídos. A opinião de Schreiber de que as câmaras de gás homicidas dos crematórios eram improváveis é baseada em falsas premissas com relação a pré-requisitos técnicos. Na verdade não são muitos, e em princípio, qualquer quarto que pode ser fechado pode servir como câmara de gás homicida para assassinato em massa. Ver testemunho de Schreiber de 1999, http://www.vho.org/VffG/2000/1/Rademacher104f.html.



Fonte: Holocaust Controversies - Hans


Link: http://www.holocaustcontroversies.blogspot.com/2012/01/homicidal-gassings-at-first-frankfurt.html


Tradução: Leo Gott

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget