quarta-feira, 15 de maio de 2013

Ultras (extrema-direita) à caça de ciganos e judeus (a ação do Jobbik na Hungria)

Na Hungria. Ultras à caça de ciganos e judeus
Pediram ao Parlamento para que se fizesse 'listas de judeus' porque representam 'um perigo para a segurança nacional'.
Por: Silvia Blanco, El País Internacional

Um seguidor do Jobbik, numa manifestação contra
o Congreso Mundial Judaico em 4 de maio em
Budapeste. / LASZLO BELICZAY (EFE)
Boa parte do oxigênio que a extrema-direita necessita para seguir bombeando ódio vem do escândalo e da provocação. O Congresso Mundial Judaico, que escolheu Budapeste para alertar sobre o crescente antissemitismo na Hungria, foi uma ocasião que o partido ultra Jobbik aproveitou para conseguir passar adiante suas teorias da conspiração. Foi na semana passada. Sabiam que não passariam desapercebido e que seu líder, Gábor Vona, discursara contra Israel ou que Márton Gyöngyösi, o deputado que em novembro pediu no Parlamento para que se fizesse 'listas de judeus' porque representam 'um perigo à segurança nacional', proclamasse ante 400 fiéis que: 'Nosso país está subjulgado ao sionismo. Colonizam-no enquanto nós, os nativos, só temos o papel de excedentes'.

Em apenas dez anos, o Jobbik - que significa Movimento para uma Hungria melhor - converteu-se em um dos partidos de ultradireita com mais sucesso na Europa, junto com o Aurora Dourada na Grécia: é a terceira força política na Hungria, tem 43 deputados em uma Câmara de 386 e três de seus membros sentam-se no Parlamento Europeu, com o detalhe de que são eurófobos. Uma de suas referências internacionais é o Irã. A retórica antissemita que usam não é, contudo, a que mais benefícios lhe dá. A grande obsessão do Jobbik são os ciganos - que representam cerca de 10% dos dez milhões de húngaros - que são para o Jobbik o que os imigrantes representam para os neonazis gregos e o resto da ultraidireita europeia.

O rechaço aos ciganos conecta melhor com os estereotipos que circulam na sociedae húngara, 'muito menos antissemita do que contrária aos ciganos', explica Péter Krekó, especialista em extrema-direita do think tank Political Capital de Budapeste. Tampouco poupam esforços em apontar seu discurso antissistema, separando-se do resto dos políticos proclamando-se 'os únicos que dizem a verdade, aqueles que rompem tabus e abordam diretamente a questão cigana'.

A crise econômica que sacode à União Europeia é um incentivo para que germinem este tipo de movimentos, mas essa é só uma parte da explicação. Jobbik já estava ali bem antes. Como assinala Krekó, 'as raízes de sua ascensão estão também na crise política e institucional da UE. Os partidos tradicionais perderam sua credibilidade', comenta, para acrescentar que, longe da imagem de pessoas frustradas e sem educação - que também existem - 'a base do Jobbik são jovens, homens, de classe média alta e muitos universitários'. A popularidade do partido é estável nas pesquisas, com um apoio similar ao que obteve em abril de 2010, dos 17% dos votantes.

O programa do Jobbik se baseia na segregação dos ciganos. Em seu escritório com vistas ao Danúbio no Parlamento de Budapeste, o deputado Márton Gyöngyosi debulhava o ideário do partido meses antes de pedir que se fizessem listas de judeus. Com seu perfeito inglês e bem vestido, comentava que pretendem 'separar as crianças ciganas em internatos para removê-los dos que os rodeiam: das influências de seus pais, mas sobretudo daqueles da comunidade (cigana), que é desanimadora'.

Ou seja, como explica Krekó, 'querem meter os ciganos em campos de "reeducação"'. O Jobbik os apresenta como uma comunidade incapaz de se integrar à sociedade, como vagos que vivem só de subsídios, sem educação e destinados a ter filhos de maneira irresponsável. Isto num contexto no qual, como nota Gyöngyösi, a 'natalidade dos húngaros [os ciganos, pelo visto, não o são] é catastrófica'.

O Jobbik culpa com exclusividade os ciganos de um tipo de delito, relacionado com furtos e o uso de navalhas. Ainda que seja um conceito anterior à existência do partido, isto lhe dá visibilidade. Esta ideia está na base da criação da Guarda Húngara, uma organização vinculada ao Jobbik formada por civis uniformizados que se dedicava a patrulhar os povoados para aterrorizar os ciganos. Ainda que tenha sido proíbida em 2009, seus restos dispersos seguem atuando. O último incidente sonoro ocorreu em Miskolc quando em outubro passado se reuniram 3000 seguidores do Jobbik com tochas nos bairros ciganos.

Um dos riscos mais inquietantes dos movimentos extremistas é sua capacidade de distorção da política de um país. Porque, ainda que tenham pouco poder em relação ao número de deputados, tentam condicionar a agenda dos partidos maiores. Na Húngria haverá eleições em 2014. Fidesz, o partido conservador de Viktor Orbán, compartilha com o Jobbik o discurso ultranacionalista e, como conta Krekó, 'as críticas aos bancos e a ideia de que os políticos europeus conspiram contra a Hungria'.

Mas o Fidesz não é antissemita. Orbán se vangloria em condenar esta atitude em seus discursos e organiza atos para comemorar o Holocausto. Contudo, não menciona o Jobbik ante os líderes judeus quando estes denunciaram o crescente antissemitismo. Fidesz não criticou o enaltecimento, em todo país, do ditador Miklós Horthy, responsável último da deportação a Auschwitz de meio milhão de (judeus) húngaros. O governo incluiu, no ano passado no programa educativo, dois autores filonazistas e concedeu um prêmio de jornalismo a um reconhecido antissemita e depois pediu a ele que o devolvesse. Estas contradições podem responder ao fato de que o Fidesz, com a popularidade muito minguada desde que obtivera uma grande maioria de dois terços em 2010, está preocupado com a força do Jobbik.

Por: Silvia Blanco, El País Internacional

Fonte: El País/El Espectador.com
http://www.elespectador.com/noticias/elmundo/articulo-421730-ultras-caza-de-gitanos-y-judios
http://internacional.elpais.com/internacional/2013/05/12/actualidad/1368388706_483405.html
Tradução: Roberto Lucena

Ver mais:
The shadow of anti-semitism falls on Europe once more as Hungary's far-fight Jobbik party protests against World Jewish Congress meeting in Budapest (The Independent, Reino Unido, dia 05.06.2013)

Observação: muito frequentemente eu traduzo (quando não encontro texto em português) matérias de jornais (ou revistas) de fora com o tema do blog, esta matéria saiu no dia 12 de maio último no jornal El País da Espanha conforme link acima, reproduzido no Elespectador.com, também de língua espanhola. Esta tradução foi feita entre os dias 12, 13 e 14 só que só publicada no dia 15. Pra minha surpresa, quando coloco o termo Jobbik e judeus na busca encontro textos com o mesmo título e quase a mesma tradução, sem indicação da fonte do jornal El País. Se esta matéria é de outra Agência de Notícia, então o erro foi do El País, mas a matéria acima que li foi do dia 12 de maio. Eu não quis usar o termo ultras (por não ser usual) e coloquei "extrema-direita".

Por isso fica o aviso, eu não coloco texto de sites e jornais brasileiros sem indicação de fonte, li esta matéria originalmente no Elespectador.com e no El País no dia 12 de maio, e é estranho não citarem o El País nas traduções. Por conta dessas coisas e de outros comportamentos não citados nesta observação, tenho evitado usar jornais e sites brasileiros sobre estes assuntos (fascismo, extrema-direita, nazismo, neonazismo e afins), pois além desses problemas eventuais mencionados, a mídia brasileira costuma ser bem rasa e sensacionalista com estes assuntos, meio que pra chocar o público, em geral não explicam a origem do problema e/ou retratam-no de forma banal, isto pra não listar mais problemas. E nem precisaria adicionar (mas faço questão de citar) como o povo vê hoje o nível da mídia brasileira: de mal a pior.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget