quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 02

Mão-de-obra das Forças Armadas e o recrutamento da SS

Soldado da Legião "Freies Arabien"
"Legião Árabe Livre"
No início da guerra na Europa, a organização Waffen-SS que acabaria por implantar a maior parte da mão de obra estrangeira usada na guerra, apenas recentemente havia ganho o reconhecimento oficial como uma força militar. A SS (Schutzstaffel) originou-se na década de 1920 como uma força especial de segurança do Partido Nazista, que protegia Hitler e seus principais funcionários quando eles excursionavam pela Alemanha. Com a elevação de Heinrich Himmler como chefe dos 280 homens da SS em 1929, seu caráter final começou a tomar forma. Após a tomada do poder pelos nazistas e a derrubada da milícia revolucionária nazi (SA) pela SS em 1934 , esta organização se institucionalizou como a guardiã do movimento e começaram a demonstrar sua influência, como tentáculos, através da hierarquia nazista e dos quadros econômicos, jurídicos , sociais e educacionais da nova Alemanha. [06]

Funções quase militares dentro do já crescente SS debruçavam-se sobre um largo guarda-costas, o Verfügungstruppen (tropas especiais de impostos), que havia formado quatro regimentos de infantaria motorizada em 1938. Rigorosamente selecionados pela maleabilidade política e ideológica e características raciais corretas, estas tropas exerceram funções cerimoniais de rotina, mas não tinha nenhuma função militar clara. [07] A única base legal para sua existência decorre do decreto de Hitler de 17 de Agosto de 1938, que lhes designou como uma unidade militar ativa obediente a sua direção e independente da Wehrmacht ou da polícia alemã.

Armados, treinados, e estabelecidos como formações militares convencionais, as tropas da SS receberam armas, equipamentos, munições e publicações de doutrina e tática do Exército. Eles estavam sujeitos à mobilização, mas até aquele momento o Exército poderia exercer sua autoridade de inspeção só em matéria de treinamento com armas e somente com a permissão de Himmler. Além disso, o serviço nos regimentos da SS, eventualmente, contavam para cumprimento da obrigação de serviço militar de um cidadão alemão. [08] Como "exército" pessoal de Hitler, os regimentos Verfügungstruppen lutaram nas primeiros campanhas da Blitzkrieg, subordinados aos comandantes de campo da Wehrmacht, mas administrativamente independentes, sob a burocracia de Himmler.

 Essa dicotomia foi parcialmente corrigida quando negociações estendidas com o Alto Comando das Forças Armadas sobre a composição, formação e papel da força militar SS culminou na ordem de 2 de Março de 1940, que designou, pela primeira vez, os regimentos de guarda, divisões recém-formadas e unidades de apoio como a "Waffen (Armada)-SS". Este ato foi o mais próximo que a SS armada viria a ser oficialmente designada como membro de direito da Wehrmacht. Embora a Waffen-SS continuou a operar taticamente sob o comando do Exército e da Wehrmacht e seu recrutamento, formação, equipamento e doutrina permaneceram em conformidade com as normas da Wehrmacht, Himmler ainda controlava a atual administração e treinamento da força para o momento em que as unidades individuais fossem usadas no front. [09] [10]

Acadêmicos há muito tempo pensaram que a exclusão da Waffen-SS de ter um status militar oficial frustrou a busca de Himmler por seu reconhecimento como "o quarto ramo da Wehrmacht." Sabemos agora que as ambições de Himmler excedeu em muito essa meta, e que ele procurou substituir as forças armadas convencionais por uma ordem superior, ideologicamente preparada e revolucionária. Sua principal luta foi centrada no recrutamento e expansão. Desde o início de seu serviço de campo eficaz na era da Blitzkrieg, a Waffen-SS procurou ter um papel como uma força armada de elite e permanente postura como tropa de choque do partido. Os líderes da SS imaginaram a eventual substituição das forças armadas regulares como um desenvolvimento necessário para a transformação da Alemanha para no "Reich de Mil Anos" da Nova Ordem, que só poderia ser policiado por uma força militar politicamente doutrinada. Tais motivos dificilmente poderiam ser admitidos nos primeiros dias, especialmente quando Hitler tinha prometido consistentemente a cada um dos diversos serviços militares, a responsabilidade exclusiva pela defesa do Estado alemão. [10]

A obtenção de mão de obra para as novas divisões Waffen-SS tornou-se a principal responsabilidade do brigadeiro-general da SS Gottlob Berger, um homem de considerável capacidade de organização, que no final de 1939 estabeleceu um escritório nacional de recrutamento na sede da SS em Berlim para coordenar as atividades dos escritórios locais de vários distritos militares. Com o apoio entusiasmado de Himmler, Berger explorou brechas deixadas para a SS pelo Alto Comando das Forças Armadas (OKW). Este último tinha alocado recrutas para 1940 entre o Exército, Marinha e Força Aérea na relação 66-9-25. O recrutamento da Waffen-SS não foi levado em consideração nesta alocação. Pelo contrário, a SS recebeu autoridade simplesmente para preencher divisões especificamente autorizadas, regimentos e tropas de apoio necessários. Berger e seus assessores impiedosamente exploraram este acordo de cavalheiros, no qual o OKW não fiscalizou a execução detalhada da política da SS. Os recrutadores da SS ignoraram todos os limites implícitos e pegaram tantos voluntários em idade de recrutamento quanto a propaganda poderia atrair. [12]

Não contente com tais subterfúgios burocráticos, Berger também procurou fontes de mão de obra não diretamente controladas pelo OKW, incluindo homens que não eram cidadãos do Reich alemão. Alemães étnicos, ou Volksdeutsche, a partir de territórios anexados ou ocupados mostravam-se como promessa para um pool de recrutamento, especialmente quando a guerra deixou partes da Europa Oriental sob controle alemão. Finalmente, os chamados povos "nórdicos" do norte da Europa, finlandeses, suecos, dinamarqueses, noruegueses e holandeses poderiam cumprir as exigências raciais dos recrutadores da SS e, ao se tornarem voluntários, não constariam das estatísticas de recrutamento do OKW. Cem desses países nórdicos tinham entrado no serviço da SS em 1940. Depois de abril do mesmo ano, os escritórios de recrutamento de Berger foram atrás deles a sério. [12]

Sem os frutos do combate, no entanto, a Waffen-SS não poderia ter crescido em mão de obra e quantidade de material como o fez. As ações de um Verfügungsdivision e vários regimentos motorizados na Batalha da França, como parte da ponta de lança mecanizada, estabeleceu o seu valor na visão de Hitler, que era o mais importante. A justificação para uma maior expansão foi encontrada na campanha em curso contra a Rússia, de modo que a força de campo da SS dobrou entre a queda da França e o início da ofensiva da "Barbarossa", como a invasão da União Soviética era conhecida. [13]

Dada essa expansão, os planos megalomaníacos de Himmler e seu chefe de recrutamento pareceram um pouco viáveis. Ao final de 1941, a Waffen- SS tinha emergido como um segundo exército, e, graças à sua formação ideológica, constituiu "uma alternativa nacional-socialista intransigente ao tradicional estabelecimento militar". Contanto que ele perseguiu um papel ativo no cumprimento confiável da "missão histórica" de Hitler, como um instrumento pessoal de seu destino, a Waffen-SS podia se sentir segura. A imagem cultivada pela SS como um corpo ideológico único, separado do Exército, e mais estreitamente ligada à autoridade política e do partido, seria proteger ainda mais a sua posição após a tentativa de assassinato em 20 de julho de 1944 sobre Hitler, no qual vários oficiais do Exército alemão participaram. Esta tentativa manchou o Exército aos olhos de Hitler e fez com que Himmler elevasse a SS ao status de único braço viável portador da nação, apesar do fato de que a guerra foi a seguir chegando a seu final, e por sua vez, com a fatal derrota alemã. [14]

Notas:

Nota 6: Gerald Reitlinger, The SS: Alibi of a Nation 1922-1945 (New York: Viking Press, 1957) has been supplanted by Robert Koehl's The Black Corps as the standard authority. However, its narrow concept of the Waffen-SS as an armed formation designed for internal security must be replaced by notions of the SS as an emerging revolutionary state in its own right, and the Waffen-SS as its future army, as asserted by Bernd Wegner, The Waffen-SS: Organization, Ideology, and Function. (Oxford: Basil Blackwell, 1990), 360-65. Back.

Nota 7: Stein, Waffen-SS, xxv-xxxii.

Nota 8: Ibid., 22; Alfred Schickel, "Wehrmacht und SS," Wehrwissenschaftliche Rundschau 19:5 (May 1969): 247-50.

Nota 9: Stein, Waffen-SS, 49; Schickel, "Wehrmacht und SS," 257; Helmut Krausnick, Hans Buchheim, Martin Broszat and Hans-Adolph Jacobsen, Anatomy of the SS State (New York: Walker, 1968), 260-74.

Nota 10: Stein, Waffen-SS, 48. Wegner, Waffen-SS, 128-29.

Nota 11: Stein, Waffen-SS, 35-36, 48; Wegner, Waffen-SS, 209 ff. On the organization of Berger's office, see Gerhard Rempel, "Gottlob Berger and Waffen-SS Recruitment, 1939-1945," Militärgeschichtliche Mitteilungen (MGM) 27:1 (1980): 107-22. General Alfred Jodl, Chief of Staff, OKW, commented in his diary entry for 25 May 1940, "the plan for a limitless expansion of the SS is alarming." Schickel, "Wehrmacht und SS," 260. Berger became head of the SS Central Office in August of 1940, but this only added duties of overseeing ideological training; Wegner, 209-12.

Nota 12: The OSS estimated that some 442,000 Volksdeutsche, including Alsatians, were available for military service, with 15,000 more coming of age each year. National Archives and Records Administration, Military Records Division, Record Group 226, OSS (R & A) document 1238, 25 September 1943. Luxemburgers and some Alsatians were considered citizens of the Reich under a complex set of rules. See Norman Rich, Hitler's War Aims, vol. 2, The Establishment of the New Order (New York: W. W. Norton, 1974), 23-35, 166; Willard A. Fletcher, "The German Administration in Luxemburg, 1940-42," The Historical Journal 13:3 (March 1970): 533-44. Bernd Wegner, "Auf dem Wege zur pangermanischen Armee," MGM 28 (1980): 101-3. For a statistical breakdown of early volunteers by nationality, see Kurt G. Klietmann, Die Waffen-SS: eine Dokumentation (Osnabrück: Munin, 1965), 501.

Nota 13: Schickel, "Wehrmacht und SS," 260.

Nota 14: Ibid., 262-64; Wegner, "Auf dem Wege," 103, 113n; Stein, Waffen-SS, 17. Wegner later enlarged and detailed the Himmler vision of a new army decisively in his masterly Waffen-SS; see especially 346-59.

Fonte: A European Anabasis — Western European Volunteers in the German Army and SS, 1940-1945; Gutenberg-e (Columbia University Press)
Autor: Kenneth W. Estes
http://www.gutenberg-e.org/esk01/frames/fesk01.html
Tradução: Roberto Lucena

Anterior:: O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 01
Próximo:: O Fenômeno dos Voluntários (tropas multiétnicas do Terceiro Reich) - parte 03

Fotos: Legion Freies Arabien (http://de.wikipedia.org/wiki/Legion_Freies_Arabien)
Free Arabian Legion (http://en.wikipedia.org/wiki/Free_Arabian_Legion)
Category:Legion "Freies Arabien"
(http://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Legion_%22Freies_Arabien%22)

Comentário: Eu acho desnecessário repetir o comentário que fiz no primeiro post desse texto, mas... como sei que muita gente nem lê os links (com a parte 01), acho melhor repetir aqui já que o texto está dividido em várias partes.

A escolha da foto do post foi intencional pois a mesma costuma aparecer em sites "revisionistas" (e similares de extrema-direita, neonazis etc) espalhando informações distorcidas intencionalmente sobre o assunto, como propaganda para insinuar que o regime nazi não era racista por conta do uso destas tropas de voluntários da Waffen-SS, sem qualquer explicação do contexto de como essas tropas foram montadas (como é explicado na tradução acima e no site com o texto completo de Kenneth W. Estes).

Já vi "revi" alegar que este assunto é "escondido", afirmação esta que beira a comédia e pura má fé, pois como podem ver acima, o que não falta na web (e fora da web) são informações sobre o assunto, livros etc, mas obviamente que nenhum revimané vai procurar algo que preste pra ler a não ser a literatura batida deles com distorções e mentiras de extremistas. Basta a pessoa saber procurar o assunto e não cair no comodismo e preguiça (ou devido a uma certa credulidade no que o credo revimané diz) de sair repetindo como papagaio o primeiro texto distorcido que lê em sites "revis" na web. Se impressionar porque desconhece um assunto é uma coisa, agir como idiota sem procurar saber do que se trata é outra coisa completamente diferente, não caiam na segunda opção.

A foto do post anterior foi tirada do site Axis History Factbook da seção sobre os voluntários estrangeiros da subsseção Deutsche-Arabische Bataillon Nr 845. A bibliografia está no site, ou estava, pois mudaram as páginas do Axisforum, numa sequência tentarei atualizar isso. As fotos acima foram dessa vez tiradas da Wikipedia em alemão e inglês.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget