sábado, 11 de fevereiro de 2012

O genocídio do Estado Independente Croata 1941-1945 - Parte 1

O GENOCÍDIO DO ESTADO INDEPENDENTE CROATA 1941-1945

DUSAN T. BATAKOVIC

Dusan Batakovic
O Estado Independente da Croácia (NDH), sob a proteção do Terceiro Reich foi proclamado em 10 de abril de 1941 em Zagreb, quatro dias após o ataque de Hitler contra o Reino da Iugoslávia e uma semana antes da capitulação final de seu exército. A proclamação do NDH, incentivada pela chegada da vanguarda alemã, foi lida na Rádio Zagreb por Slavko Kvaternik, ex-oficial do exército austro-húngaro, em nome de Ante Pavelic, líder do Ustasha - os fascistas croatas - que se encontrava naquela ocasição em Florença, Itália. Imediatamente após, também foi lido o apelo do Dr. Vladko Macek, presidente do Partido Camponês Croata e formalmente vice-presidente da Governo Real Iugoslavo, que pediu para que o público respeitasse as novas autoridades. Mussolini ordenou que Pavelic com 250 Ustashi que viviam sob a proteção da Itália durante uma década, fossem transportados para a Croácia após o primeiro dar a garantia de que a Dalmácia seria cedida à Itália.

Pavelic chegou a Zagreb em 15 de abril e tomou as rédeas do poder. Nos termos do Acordo de Roma de 18 de Maio de 1941 sobre "salvaguardas e à cooperação entre o Reino da Croácia e do Reino da Itália", o Estado Independente da Croácia tornou-se um protetorado da Itália e da coroa do rei croata Zvonimir (1075-1089) foi oferecida para o duque Aimone de Spoleto, da Casa de Sabóia. Era para ser coroado em Banja Luka, cidade escolhida por Pavelic para ser a capital do Estado Independente da Croácia, mas o Duque de Spoleto que se tornaria Tomislav II recusou a oferta. Apesar do acordo de Hitler e Mussolini, o NDH caiu dentro da esfera de influência italiana, o poder foi exercido em Zagreb enviado por militares do Reich, o general Edmund Glaise von Horstenau, antigo oficial do exército Austro-Húngaro e historiador militar. Também no âmbito do acordo entre Hitler e Mussolini, os seguintes territórios entraram na composição do novo Estado: Croácia, Eslovênia, parte da Dalmácia, de Split à Dubrovnik, bem como três ilhas do Adriático. Em 23 de Abril de 1941, o exército alemão cedeu toda a Bósnia-Herzegovina à Croácia, acrescentando Sirmium, a sudoeste de Vojvodina, até Zemun, uma cidade separada de Belgrado (capital da Sérvia) pelo rio Sava, ocupada pelos alemães. (1) De acordo com estatísticas croatas de 1941, a composição étnica do novo Estado era a seguinte:

Croatas 3.069.000 50.78%
Sérvios 1.847.000 30.56%
Muçulmanos 717.000 11.86%
Outros 410.000 6.80% (2)

O elevado número de sérvios era o problema principal das novas autoridades. Segundo o censo de 1931, os sérvios eram maioria da população na Bósnia-Herzegovina (44,3%), maioria absoluta no território da Krajina (regiões de Lika, Kordun, Banija e Eslavônia Ocidental), passando pela Fronteira Militar austríaca (Militergränze) e eram mais de 50% da população total em Sirmium. Seu número real era muito maior do que o indicado nas estatísticas oficiais. O território que formava o NDH, de acordo com o censo de 1921, tinha 1.570.000 sérvios ortodoxos e de acordo com o censo de 1931: 1.850.000. Com um aumento anual de 1,8% deveria existir pelo menos 2.180.000 sérvios em 1941 e, segundo algumas estimativas, ainda havia mais, cerca de 2.200.000. (3)

Numa reunião de 7 de junho de 1941, Hitler aconselha Pavelic a resolver o problema dos sérvios no NDH da mesma maneira como a dos poloneses que viviam nas fronteiras orientais do Terceiro Reich. Partidário, também, da teoria da superioridade racial, Pavelic dispunha em seu próprio país planos para a solução das relações interétnicas. Até sua emigração em 1929, Pavelic, que pertencia à Stranka Prava Hrvatska (Partido de extrema-direita croata), que também foi chamado de Frankovci (como era chamado o sucessor de Starcevic, Josip Frank) era adepto da doutrina de Ante Starcevic (1823-1896), primeiro ideólogo e fundador do partido. Em oposição ao programa iugoslavo para a aproximação servo-croata, Starcevic resolutamente contestou a própria existência da nação sérvia na Croácia. Ele defendeu a teoria de que os sérvios eram 'intrusos' na Croácia, chamando-os de "raça de cachorros" que "vagabundeavam" pela Croácia. A Ideologia de Starcevic foi incorporada por Pavelic nos Princípios do Movimento Ustashi e ao chegar ao poder, ele se comprometeu solenemente com a publicação de trabalhos selecionados de seu mentor. (4) O arcebispo católico de Sarajevo, Ivan Saric Bispo, publicou no Natal de 1941 em Zagreb a "Ode to Poglavnik '(Poglavnik - Führer, Duce, em croata), dizendo: "Ante Starcevic, é ele que foi 'inspirado/ foi ele que criou seu ideal." (5)

Idealizada segundo Stracevic, a Ustasha assumiu a posição de que os muçulmanos da Bósnia são a parte mais pura da nação croata: "Eles são da raça croata, eles são a mais pura e antiga nobreza da Europa." (6) Em um discurso proferido em 25 de maio de 1941, em Banja Luka, o Ministro da Ustasha Jozo Dumancic disse:" Este é o mesmo amor que Stracevic usa com o nosso Poglavnik, amar nossos irmãos muçulmanos." (7) Uma parte dos dirigentes políticos (Osman e Dzafer Kulenovic) se uniu ao governo Ustasha, e uma parcela significativa dos muçulmanos da Bósnia foi organizada como parte da Divisão SS Handzar (punhal, em árabe), que realizou grandes massacres no seio da população sérvia na Bósnia-Herzegovina. No entanto, alguns notáveis ​​muçulmanos se distanciaram no início da guerra e eram contra o novo regime, condenando os crimes cometidos contra sérvios e judeus pelos muçulmanos que participaram. (8)

A PIRÂMIDE DA DISCRIMINAÇÃO

Imediatamente após o estabelecimento do governo da Ustasha, as regras relativas à raça foram promulgadas. Em 30 de abril de 1941 foram publicados: A regulamentação jurídica relativa às filiações raiciais e a regulamentação legal para a proteção do sangue ariano e honra do povo croata. No regulamento é dito que "o casamento entre judeus e pessoas que não têm origem ariana, é proibido." Também foi proibido o casamento de uma pessoa que tem ancestrais arianos e que também tem um ancestral da segunda geração da raça judia ou aqueles pertencentes a outra população não-ariana da Europa com uma pessoa que é, racialmente, da mesma origem. (9)

Para os sérvios, a regra de 3 de maio proclamada, previa a conversão de uma religião para outra. O Sþagissait é o primeiro regulamento sobre a conversão forçada dos sérvios. As regras para a proteção das pessoas e do Estado (de 17 de abril de 1941) possibilitou a criação dos 'tribunais nacionais extraordinários.' Eis aqui um testemunho de um jornalista croata, Sime Balen, sobre o trabalho destes tribunais: "foi o suficiente para que um ustashi jogasse vistas a uma loja de propriedade judia ou de um sérvio para acusar o proprietário de 'sabotagem' e o arrastar para o tribunal e imediatamente proclamá-lo "culpado de alta traição e então fuzilá-lo, passando a posse do estabelecimento para a Ustasha." (10) Muito rapidamente, as principais vítimas das 'leis marciais estabelecidas' foram os sérvios e judeus (11).

Após a sua chegada em Zagreb, Pavelic declarou, falando como um vencedor: "Eu cortei a árvore (referindo-se ao assassinato do rei Alexandre em Marselha em 1934), e cortar seus ramos (o povo sérvio)." Após seu discurso de 21 de maio de 1941 no qual ele delineou o seu programa sobre o futuro da 'nova Croácia', seus colaboradores mais próximos, seus ministros e dignitários do exército desenvolveram os primórdios da Poglavnik sobre a questão sérvia. Milovan Zanic, diplomata-chefe do NDH, falando em Nova Gradiska, disse: "Ustashis! Falo abertamente, que o estado, nosso país deve ser croata e nunca deverá ser de outro. E é! Porque aqueles que vieram até aqui deverão sair. Os acontecimentos ao longo dos séculos e especialmente durante estes vinte anos (a duração do Reino da Iugoslávia) mostram que qualquer compromisso está excluído. Esta deve ser a terra dos croatas e de mais ninguém e não há nenhum método que nós, como ustashis, não iremos usar nesta terra para ser verdadeiramente croata, e estávamos limpando os sérvios que nos fora uma ameaça por séculos e que seria um perigo de novo na primeira oportunidade. Não estamos fazendo em segredo, essa é a política deste Estado, e quando conseguimos, teremos alcançado o que está escrito nos princípios Ustashi." (12) Falando em Donji Miholjac , ele ameaçou: "O povo croata deve ser purificado de todos os elementos que representam a infelicidade das pessoas, que são estranhos a este povo, que destroi as forças saudáveis ​​desta nação, e que por décadas liderou o povo a uma desgraça após outra. Estes são nossos sérvios e nossos judeus ". (13)

Mile Budak, ministro da Ustasha para Assuntos Religiosos e Educação, fez um discurso em Slavonski Brod, dizendo: "Nós não só temos o direito, mas o dever de exigir da população ortodoxa local que a população compreenda o que ela é e de tomar decisões em conformidade, e temos o direito de dizer: se alguém é sérvio, que a Sérvia é que é o seu país." (14) Em Gospic, antes do Grande Parlamento da Ustasha em 1941, Mile Budak descreveu com grande precisão como seria a implementação da "solução final" da questão da Sérvia: "Vamos matar uma parte dos sérvios, a outra parte nós expulsaremos, e o resto converteremos ao catolicismo e lhes transformaremos assim em croatas ": (15)

Após o estabelecimento das autoridades ustashis na Croácia, os sérvios foram submetidos a todos os tipos de discriminação. O uso do alfabeto cirílico foi banido, foi excluído o nome da "religião ortodoxa sérvia" e foi criada a "religião greco-oriental". Os sérvios foram proibidos de viajar de noite. Todos os sérvios residentes de áreas bonitas das cidades foram desalojados, e os sérvios, assim como também os judeus, foram forçados a usar na lapela uma faixa azul com 'P' maiúsculo (Pravoslavni - Ortodoxo). A prisão de indivíduos tornaram-se rapidamente prisões em massa, e até o final de abril, o massacre começou. (16)

NOTAS

* historien, Institut des études balkaniques (historiador, Instituto de estudos balcânicos)
Academie des Sciences et des Arts, Belgrade (Academia de Ciências e Artes, Belgrado)

(1) Em línguas ocidentais: L'oeuvre général sur l'Etat oustaschi la plus complète: Ladislaus Hory - Martin Broszat, Der Kroatische Ustasha Staat 1941-1945, Stuttgart, Deutche Verlags-Anstalt, 1964. Sur les crimes oustachis l'oeuvre plus complète: Edmond Paris, Genocide in Satellite Croatia 1941-1945. A Record of Racial and Religious Persecutions and massacres. Translated from the French by Louis Perkins. The Institute for Balkan Affaires, Chicago 1962. Cf. recent traduction du serbo-croate: V. Dedijer, The Yugoslav Auschwitz and the Vatican. The Croatian Massacre of the Serbs during World War II, Prometheus Books Buffalo-New York and Ahriman Verlag Freiburg Germany, 1992. Oeuvres croates les plus complètes: F. Jelic-Butic, Ustase i NDH, Globus-Skolska knjiga, Zagreb 1977; B.Krizman, Pavelic izmedju Hitlera i Musolinija, Globus, Zagreb 1983. En francais: H. Laurière, Assasins au nom de Dieux, Paris 1951; Kruno Meneghello-Dincic, L'Etat 'Oustacha' de Croatie (1941-1945), Revue d'histoire de la Deuxième Guerre mondiale, N° 74, avril 1969, pp.43-65; Xavier de Montclos, Les chrétiens face au nazisme et au stalinisme. L'épreuve totalitaire, 1939-1945, Editions Complexe, 1991, pp.151-179.

(2) B.Krizman, op. cit., p. 129

(3) E.Paris, op. cit., p. 47 note 7. Cf. Carlo Falconi, Le silence de Pie XII 1939-1945, Monaco, editions du Rocher, 1965, p. 274.

(4) F. Jelic-Butic, op. cit., p. 14, 15, 23.

(5) Hrvatski narod, Zagreb, 25 decembre 1941. Cf. H. Laurière, op. cit., p. 88.

(6) Ante Starcevic, Izabrana djela, édité par Blaz Jurisic, Zagreb 1942, p. 430.

(7) Hrvatska krajina, Banja Luka, 28 de maio de 1941.

(8) F. Jelic-Butic, op.cit., pp. 196-201.

(9) Hrvatski narod, Zagreb, 17 abril de 1941, N° 64 e 67.

(10) Sime Balen, Pavelic, Zagreb 1952, p. 65.

(11) B. Krizman, op. cit., pp. 120-121.

(12) Novi list, Zagreb, 2 juin 1941.

(13) F. Jelic-Butic, op.cit., p. 164, nota 95.

(14) B.Krizman, op. cit., pp. 123-124.

(15) Viktor Novak, Magnum Crimen. Pola vijeka klerikalizma u Hrvatskoj, Zagreb 1948, p. 605. (reedição 1986)

(16) B. Krizman, op.cit., p. 124.

Fonte: Site do historiador Dusan T. Batakovic
Texto original: Le génocide dans l'état indépendant croate 1941-1945
Tradução: Roberto Lucena

Próximo >> O genocídio do Estado Independente Croata 1941-1945 - Parte 2
Anterior >> O genocídio do Estado Independente Croata 1941-1945 - Parte 3

Ler também:
Ustasha (Blog avidanofront)
Ustasha (Blog holocausto-doc)

3 comentários:

PESQUISADOR disse...

Olá Amigo
Vc sabe me informar o nome da Esditora do Livro de Dusan Batakovik.
Boa tarde

Roberto disse...

Pesquisador, eu vou procurar, mas já adiantando, tem muita info no site pessoal dele, tudo detalhado, bibliografia, livros publicados etc.

Esse texto é um ensaio dele sobre o genocídio na Croácia, não é livro infelizmente, até porque o texto dele é de uma qualidade incrível (ele é diplomata da Sérvia na França, além de ser historiador), mas ele se centra mais na História da Sérvia, embora haja indicações de livros nas notas do ensaio do genocídio na Croácia.

Roberto disse...

Site pessoal dele:
http://www.batakovic.com/

Esse texto em português dividido em 3 partes é tradução desse ensaio aqui:
Le génocide dans l'Etat independant croate 1941-1945

Os livros destacados nesse texto sobre o genocídio na Croácia são esses (exclui os títulos em sérvio ou croata, apesar do título "Magnum Crimen" de Viktor Novak ser uma referência sobre o fascismo croata, mas não tem tradução pro inglês ou francês):

Carlo Falconi, Le silence de Pie XII 1939-1945, Monaco, editions du Rocher, 1965.

Jean Hussard, Vu en Yougoslavie 1939-1944, Editora: Lausanne 1944.

Johnatan Steinberg, All or Nothing. The Axis and the Holocaust 1941-1945, Editora: Ruthledge.

E indicação que não consta nas notas do texto é esse livro:
"Jasenovac and the Holocaust in Yugoslavia" de Barry M. Lituchy. Embora tenha outros, vou ver se faço um post sobre isso.

Em português praticamente não se encontra nada sobre genocídio na Croácia, a não ser aquele Holocausto do Vaticano do Avro Manhattan mas que creio que está fora de catálogo e é meio sensacionalista. Tem outro livro que aborda essa questão que é o "Holocaust at Balkans?", algo assim, não lembro o autor, mas detalha bem a disputa sobre a memória desse genocídio entre Sérvia e Croácia e a briga dos dois países.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget