sábado, 20 de setembro de 2014

Descobrem câmaras de gás no campo de extermínio de Sobibor numa escavação arqueológica

Escavações no local em 2009.
Foto: Yad Vashem
AJN.- "Este descobrimento tem uma grande importância na investigação do Holocausto", disse o Dr. David Silberklang, investigador do Yad Vashem.

Aproximadamente 250.000 judeus foram assassinados nesse lugar, o qual os nazis demoliram e cobriram com árvores para encobrir seus crimes. Também se encontraram bens pessoais das vítimas.

Uma escavação arqueológica na Polônia descobriu a localização das câmaras de gás no campo de extermínio de Sobibor, anunciou hoje o Yad Vashem, segundo o jornal israelense The Jerusalem Post.

Cerca de 250.000 judeus foram assassinados em Sobibor, mas em 14 de outubro de 1943, uns 600 presos se rebelaram e escaparam brevemente. Entre 100 e 120 prisioneiros sobreviveram à revolta e 60 deles à guerra. Depois do levante do campo, os nazis arrasaram a zona e plantaram pinheiros para ocultar seus crimes.

A escavação arqueológica no lugar, que é conduzida por uma equipe internacional de especialistas desde 2007, descobriu milhares de pertences pessoais dos presos, incluindo joias, perfumes, medicamentos e utensílios.

Esta semana foi descoberto um poço que foi utilizado pelos prisioneiros do Campo 1, onde ocorreu a revolta. Esses também continham objetos pessoais que pertenciam a prisioneiros judeus já que os guardas alemães haviam arrojado basura nele quando o lugar estava sendo destruído.

O Dr. David Silberklang, investigador do Instituto Internacional para Investigação do Holocausto, do Yad Vashem, disse: "O descobrimento da localização exata das câmaras de gás no Campo de Sobibor tem uma grande importância para a pesquisa do Holocausto".

Além disso, acrescentou que era importante entender que "não há restos de nenhum judeu que trabalhou na área das câmaras de gás, e portanto, esses resultados são os únicos que restaram dos que foram assassinados".

Fonte: AJN (espanhol)
http://www.prensajudia.com/shop/detallenot.asp?notid=39513
Tradução: Roberto Lucena

Ver mais:
Escavações revelam câmara de gás em campo de concentração na Polônia (blog A Vida no Front)

Mais detalhes em:
Archaeologists unearth hidden death chambers used to kill a quarter-million Jews at notorious camp (Washington Post, EUA)
Archeological Digs Reveal Sobibór Gas Chambers (Yad Vashem)
Archaeological Excavations at Sobibór Extermination Site


Sobre a polarização e radicalização política no Brasil. Adendo do post de "perdas soviéticas na Segunda Guerra"

Isto foi um adendo ao post "Sobre as perdas soviéticas da Segunda Guerra Mundial", em virtude de quem sempre se toca no assunto União Soviética, comunismo, socialismo etc, isto acaba atraindo uma patrulha ideológica de cunho autoritário pra atenuar, relativizar ou fazer panfletagem antiesquerda em torno dessas questões.

Em outros tempos esse tipo de alerta não se faria necessário, mas como os meios de comunicação do Brasil - como a maioria sabe - são controlados por meia dúzia de famílias que controlam quase tudo o que é repassado de informação ao país e com viés político claro e forte, "travestido" de jornalismo e com ataques diários requentando este terrorismo midiático da Guerra Fria ignorando a realidade do mundo atual e da conjuntura externa, além de mais um punhado de sites radicais de direita que não têm o menor constrangimento em distorcer etc, faz-se necessário o alerta.

Não dá mais pra simplesmente fazer de conta que não está havendo nada no país, esta polarização vem em uma crescente, inflamada por publicações como as da Revista Veja, da TV Globo e outros, onde vários desses veículos de mídia serviram à ditadura de 1964-1985 e continuam com a mesma politicagem lacerdista e udenista de décadas atrás. Ou seja, não evoluíram e agem contra o país.

Pra quem não tem familiaridade com os termos "udenismo" e "lacerdismo", são equivalentes, lacerdismo vem de Carlos Larcerda, um antigo político carioca que insuflava discursos golpistas, moralistas "anticorrupção", desprovidos de crítica séria (até porque isto era um instrumento pra atacar rivais, com aval da mídia) para desestabilizar governos democráticos eleitos, principalmente se tinham um viés nacionalista (economicamente falando). No Brasil quem geralmente tem um viés mais nacionalista são os partidos de esquerda, mais precisamente os maiores e mais representativos, os grupos menores continuam sua eterna caricatura na TV não tendo respaldo popular. Por isso acho engraçado quando vem ou vinha integralista criticar o povo por ser de esquerda.

O intento de Lacerda era sempre tornar o Brasil alinhado e títere principalmente dos Estados Unidos, ele atacava à soberania do país e partilhava do pensamento de que o Brasil não deve ser independente ou ter uma política independente e soberana, que eu costumo chamar de vassalagem, que no sentido que eu uso é mais sinônimo de submisso, servo, que tem origem no termo original.

A UDN foi o partido auxiliar do lacerdismo, na verdade partilhavam do mesmo ideário, a UDN usava o mesmo discurso histriônico, golpista, desestabilizador (na guerra fria isso tinha um peso fora do comum), anti-nacionalista e que influenciava uma classe média manobrável, despolitizada, antipatriótica, e por que não? Estúpida. E o fenômeno persiste até hoje em pleno século XXI, sinal de que amplos setores da sociedade brasileira não evoluíram politicamente em nada, continuam escravos de um mundo anacrônico e paranóide, com um sentimento antipatriótico muito forte que usa o "perigo do comunismo" como forma de polarizar o país porque o povo se deixa levar por esse discurso descerebrado. Quem se deixa levar por este tipo de discurso fascistoide e histérico está sim bancando o idiota, ainda mais hoje que muita gente tem informação sobre o que levou o Brasil a viver sob regimes de exceção e da eterna intromissão de outros países na política interna do Brasil, principalmente quando o assunto é energia e recursos naturais e estratégicos do país: petróleo, Petrobras, minérios, usinas hidrelétricas etc.

Curto e grosso: hoje só é ignorante, politicamente, quem quer. Quem lê porcaria ao invés de procurar informação acurada. Não tem desculpa dizer "eu não sei", com o Google à disposição e ferramentas diversas (de qualidade) pra ler.

Eu não conto aqui com apoio de gente de esquerda tampouco de direita, uns se omitem ou se escondem porque acham, estupidamente, que qualquer coisa ligada a Holocausto é "defesa de Israel". No fundo estão seguindo ladainha "revi" (de extrema-direita) mesmo achando que não. De outra parte, tem um pessoal de direita muito chato que toda vez fica misturando conflito no Oriente Médio com Israel com essas questões da segunda guerra etc, isto quando não rola covardia por ter medo de criticar os "revis" abertamente de qualquer vertente política, um medo que não se justifica, trata-se de fobia. Este tipo de "ajuda" (entre aspas, se é que dá pra chamar isso de ajuda, pois a maioria nem se manifesta ou participa discutindo, mas fica lendo o blog), é realmente dispensável.

Como ficou muito extenso o acréscimo, resolvi colocá-lo em um post exclusivo pra não atrapalhar a leitura do post com tradução do texto do Roberto Muehlenkamp no Holocaust Controversies com o link e estimativas do blog esloveno Crappy Town.

Segue abaixo o adendo do dia 11.09.2014 sobre o post: Sobre as perdas soviéticas da Segunda Guerra Mundial.

Aviso: Irei transferir este post para o dia 17.09.2014
______________________________________________

E um acréscimo meu: estou de fato e com vergonha de ter que ponderar e comentar sobre esse clima de polarização/radicalização interna no Brasil (mais uma vez, mas farei sempre que achar necessário), pela quantidade de gente estúpida que aparece escrevendo idiotice (extremismo) na web.

Não se trata de uma pessoa ou duas e sim de dezenas, milhares ou até milhões que comungam disto, algo que inevitavelmente chama atenção. Em posts sobre disputa política a gente perde a conta de quantos manifestam este comportamento. Como o acesso à internet no país aumentou, obviamente que emergiu um lodaçal de ódio e ignorância prepotente com isso e não serei eu a dar jeito, tampouco tolerar, apenas não tenho paciência pra bater boca com gente desse tipo ao contrário de muita gente no país que acha que as pessoas têm que ter paciência pra discutir com gente assim. Ninguém tem que aturar isto. Ponto.

Voltando ao assunto, há um problema de livros panfletários como o "Livro negro do comunismo" que inflam dados e distorcem (bastante cultuado no Brasil e em países onde há uma paranoia com o assunto, fazendo um revival da Guerra Fria), uma vez que é um livro bastante criticado justamente por ser panfletário, mas que obviamente quem se identifica com o radicalismo de direita o tem como "livro de cabeceira", distorcem ainda mais o problema ao invés de esclarecer. Mas pra esse pessoal "vale mais" pregar que aprender ou entender.

Há "livros negros" de todo tipo, ao gosto de cada um, uns bastante criticados, outros menos. No "Livro negro do capitalismo" (existe esse também) há a cifra/estimativa de 100 milhões de mortos também que é a cifra apregoada no livro "rival".

Por que eu ressalto isso? Estou partindo do pressuposto que a maioria que lê este blog ainda não descambou pra algum tipo de sectarismo sem volta, apesar deu mesmo já ter alfinetado partidos de forma sectária (quando a paciência encurta, a gente radicaliza como desabafo porque essa pregação enche o saco). Mas só há espaço pra diálogo com quem não vestiu a roupa do extremismo, se vestiu não vale vir reclamar de extremismo de "revis", até porque não são os únicos grupos radicais problemáticos no Brasil deste tipo. Os "revis" no Brasil surgem de uma cultura radical de direita que é resquício da ditadura militar no Brasil (1964-1985) e mesmo antes dela, não são algo "descolado" da História do país como alguns querem tentar caracterizá-los. O udenismo (que prega discurso moralista, irracional e extremado) sempre teve um relevo cultural no Brasil, mesmo sendo um atraso intelectual e político da pior espécie, e continua vivo até hoje.

Há um radicalismo de direita crescente no Brasil que emburrece o país, corrói a democracia com crendices neuróticas e cria um ambiente de burrice e fanatismo generalizado destruindo gradativamente o próprio espaço da internet, que não havia isto (nesta proporção) até a explosão do Orkut que coincidiu com o aumento de acessos à internet.

Eu estou farto disso e não pegarei leve com quem panfleta ou manifesta esta postura anti-democrática demonizando por se tratar do mesmo problema dos "revis". Não há diferença de revista extremista como a Revista Veja (dando nome aos bois), que fica demonizando grupos de esquerda democráticos com mentiras pra grupos explicitamente fascistas saudando o fascismo e afins.

A raiz do problema é a mesma, uma cria ambiente propício ao outro. Capas como esta (publicação de 2002 com um cão com três cabeças com Marx, Lênin e Trotsky, alusivo ao "perigo do PT" chegar à presidência, o mundo não acabou por isso como "previam") você encontra fácil coisas similares em blogs neonazis e fascistas. A única diferença é que os fáscios "revis" em geral são antissemitas, e a Veja fica "apenas" no discurso anti-esquerda que é partilhado também por "revis".

Já bani jornais daqui por este radicalismo, por publicação de imundícies (cortei todos os posts e substitui por originais de outros países), o texto aberrante foi descrito neste texto, e sempre tem espaço pra mais um ser banido. Este tipo de publicação não faz falta alguma.

Por sinal, o texto citado acima (sobre aquele caso da Mayara Petruso e preconceito regional) até merecia um post só pra mostrar o discurso imbecil publicado no jornal citado no link. A autora do texto se diz "neta de nordestinos", como se isto desse aval (autoridade) a alguém a escrever besteira de forma "isenta" sobre o assunto. E não disse o estado de origem dos avós. Guerra regional? Só se for a que certa elite de alguns estados do país tentam incitar, e depois quando o tempo fecha ficam posando de "vítimas" por frouxidão (provocam e não aguentam o tranco).

Em resumo: não sou tolerante com intolerantes. Não faz falta alguma textos sobre nazismo e segunda guerra que saem em publicações no Brasil, a maioria deles saem publicados antes fora do país em espanhol, inglês, francês e até português (em jornais portugueses), com muita coisa melhor. Graças a internet ninguém hoje no Brasil precisa se restringir a ler a mídia decadente do país (com raras exceções).

Requentam, de forma irresponsável e inconsequente, o discurso paranoide da guerra fria contra a esquerda, demonizando grupos democratas etc, achando que há controle sobre isso e não há. Foi isso que levou o crescimento de grupos de extrema-direita na Europa.

A coisa é tão bizarra que nem nos EUA, que foi o país principal que trombou de frente com a União Soviética na Guerra Fria, esse tipo de publicação ou propaganda faz mais "sucesso" hoje. O Tea Party nos EUA, que algo próximo da postura desses grupos radicais tupiniquins, é visto como aberração naquele país por gente normal. Mas ainda acho o "Tea Party" do Brasil chega a ser pior. Pode ser por uma questão idiomática porque a ofensa em português sempre irrita mais que aquela escrita em outro idioma.

É este cenário que abre espaço pra proliferação de grupos radicais de vários tipos que depois a mesma população, que faz vista grossa ao problema e até vai "na onda" estimulando, se pergunta como esses "fenômenos" surgem e fica atordoada por não conseguir mais falar de política sem ser atacada. É o famoso "o mal que você propagou se voltará contra si".


As coisas são interligadas, não existe o extremismo sujinho e o limpinho, todos são problemáticos. Alguns estão em alta e outros não. Grupos ultraliberais no Brasil incitam este tipo de ranço antidemocrático e anti-esquerda na internet, com teorias da conspiração e paranoia, que é aproveitado por outros grupos de extrema-direita não-liberais. Há bastante tempo. O tubo de ensaio disto foi o Orkut, mas hoje a coisa é difusa.

Este assunto da direita norte-americana será abordado aqui, mostrarei as divisões da direita dos EUA e como estão interligadas, principalmente com os ditos "libertários" que é uma facção exótica nos EUA e radical (extremada). Muita gente acha que a direita dos EUA não é antissemita ou algo parecido, mas há uma vertente bastante racista e antissemita por lá que não está tão à margem assim de partidos daquele país.

Essa visão do problema nos EUA só se torna confusa no Brasil e em outros países por conta da aliança política, econômica e militar entre os Estados Unidos e Israel, que se se levar em conta o que essa outra direita radical de lá prega, é uma aliança que não faz sentido algum.

Qual a razão do comentário extenso? o post é sobre perdas soviéticas. Já vi gente reclamar porque estão "falando bem" da União Soviética, como se retratar fatos que ocorreram fosse falar bem de algo. Foi sobre isto que comentei acima: fanatismo e cegueira. O povo se tornou fanático e perdeu a vergonha de sê-lo e acha que todo mundo tem que aturar esta postura cretina. É esta a razão deste comentário.

Há grupos no Brasil (no Orkut aparecia de rodo) que ficam pregando isso como se fossem "tábua de salvação" política, aqui mesmo já fui atacado verbalmente por um que se dizia "liberal-conservador" seguidor de "filósofos" que, ao invés de discutir o assunto do post, começou a fazer pregação bitolada como se fosse pastor de Igreja e a gente o público a ser "catequizado", e obviamente acabou tomando toco pra parar de babaquice.

Se dão fermento pra esse tipo de coisa crescer, depois não vale o povo chiar reclamando da ascensão disto.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Besa, o código de honra albanês que salvou centenas de judeus na Segunda Guerra Mundial

Nesses dias nos quais o fanatismo religioso vem demonstrando a miséria a que pode chegar aos que são chamados "animais racionais" - nada muito novo abaixo do sol - , trago-lhes esta história na qual diferenças religiosas ficaram de lado para que vigorassem valores como a honra, a solidariedade, a compaixão - tudo isso é precisamente o Besa. [Besa e shqiptarit nuk shitet pazarit, traduzindo: "a honra de um albanês não pode ser vendida ou comprada num bazar"]

Obs: Besa (Wikipedia, verbete em inglês)

No começo da Segunda Guerra Mundial, a Albânia era uma monarquia dependente econômica e militarmente da Itália. Assim sendo, quando os italianos a ocuparam e o Rei Zog I fugiu - com isso, com todo o ouro que pode roubar - as coisas mudaram. Nesses tempos, o número de judeus na Albânia chegava apenas aos 200... quando terminou a guerra eram mais de 3.000. Os judeus que fugiram dos países ocupados pelos nazis encontraram refúgio na Albânia... um país de maioria muçulmana. Os organismos governamentais proporcionaram documentação falsa às famílias judias que lhes permitiam se misturar ao resto da população e os albaneses proporcionaram casas e seus escassos recursos para acolhê-los.

As coisas se complicaram em 1943 quando foram os nazis os que, a pedido de Mussolini, tomaram a Albânia. Igual ao que fizeram no resto da Europa ocupada, os nazis solicitaram às autoridades locais a lista dos judeus residentes no país... mas obtiveram um não como resposta. Por que um país de maioria muçulmana se arriscou a salvar os judeus ponde em jogo sua própria vida?
Não fizemos nada especial. Isto é Besa - assim respondem os albaneses.
Segundo o professor Saimir Lloja, da Associação de Fraternidade Albano-Israel,
Besa é a regra de ouro, é um código moral, uma norma de conduta social, além de ser parte de uma antiga tradição. [...] Besa se trata, em essência, de não ser indiferentes ante alguém que sofre ou é perseguido. É uma autoexigência moral que é pedida a cada albanês que viva honestamente e que - chegado a estes casos - também se sacrifiquem.
Ali Sheqer Pashkaj, fotografado por Norman Gershman. Seu pai, também chamado Ali,
salvou o jovem judeu Yasha Bayuhovio, com sombreiro mexicano em uma das fotos.
Herman Bernstein, embaixador dos Estados Unidos na Albânia nos anos 30, escreveu:
Não há rastro de nenhum tipo de discriminação contra os judeus na Albânia [...] Albânia passou a ser um lugar raro na Europa hoje em dia, onde não existe o ódio nem os preconceitos religiosos, apesar dos albaneses mesmos serem divididos em três religiões.
Por Javier Sanz em 16 de setembro de 2014

Fonte: Historia de las Historias (site espanhol)
http://historiasdelahistoria.com/2014/09/16/besa-el-codigo-de-honor-albanes-que-salvo-a-cientos-de-judios-en-la-segunda-guerra-mundial
Título original: Besa, el código de honor albanés que salvó a cientos de judíos en la Segunda Guerra Mundial
Tradução: Roberto Lucena

Ver mais:
Besa: A Code Of Honor (Yad Vashem)

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

A história dos que não traíram o Brasil. Militares perseguidos pela ditadura revelam violências sofridas após o golpe de 1964

Militares perseguidos pela ditadura revelam violências sofridas após o golpe de 1964

Sete oficiais depuseram à Comissão Nacional da Verdade e à Comissão Estadual da Verdade do Rio Grande do Sul

Os militares perseguidos pela ditadura no Rio Grande do Sul tiveram pela primeira vez a oportunidade de serem ouvidos sobre as graves violações de direitos humanos que sofreram durante a ditadura. Em audiência pública realizada em Porto Alegre, na tarde desta segunda-feira (15/09), sete ex-integrantes do Exército, Marinha e Aeronáutica, depuseram às Comissões Nacional e Estadual da Verdade.

Rosa Cardoso, membro da CNV e coordenadora do grupo de trabalho "Militares Perseguidos", Paulo Ribeiro da Cunha, professor da Unesp e pesquisador responsável pelo grupo, e Carlos Frederico Guazzelli, presidente da Comissão Estadual da Verdade do Rio Grande do Sul, colheram os depoimentos e receberam de todas as vítimas detalhes sobre a perseguição sofrida no regime militar.

Em um dos depoimentos mais emocionados, o capitão do Exército Constantino José Sommer, de 80 anos, relembrou como foram as tentativas frustradas do golpe por parte dos militares em 1954, 1955 e 1961, até conseguirem derrubar o governo legal em 1964. Sommer contou que fazia parte de uma lista de considerados comunistas e inimigos dos golpistas.

Segundo o capitão, os mais visados eram os que estudavam ou liam jornais e fontes de cultura ditas de esquerda. Ainda antes do golpe, Constantino foi chamado diversas vezes pelo Serviço Secreto (S2) para explicar o que sabia sobre Che Guevara. O militar perseguido se manteve sempre em silêncio, o que lhe custou punições como detenção no quartel.

Sommer relatou que ficou preso no quartel de artilharia antiaérea, em Caxias do Sul, por 61 dias, logo após a golpe. Na cela, ele e mais 17 militares que lutaram contra a tomada do poder pelas FFAA sofreram terror psicológico e ameaças de morte. O desespero e a angústia se tornaram presentes na vida de todos, principalmente após o assassinato do Sargento Venaldino Saraiva Peres, ocorrido dentro do quartel. Além de passar dois meses preso, o Capitão ainda teve a sua poupança confiscada e a casa revirada pelos golpistas.

"Após sair da prisão, nos foi recomendado que não podíamos sair de casa, nem entrar nas unidades militares de origem, pois éramos vistos como persona non grata e comunistas perigosos. Diante dessa penúria, sem crédito, sem conta bancária e sem vencimentos, passei a trabalhar num terreno que havia comprado, contíguo à casa da minha sogra, com quem morava com a família. Já tinha nessa altura três filhos e passei a cultivar batata, milho e aipim para o sustento da família", relatou o capitão.

Além de Sommer, também relataram a perseguição sofrida os capitães Wilson da Silva e Almoré Cavalheiro do Exército, o coronel Avelino Iost, da Força Aérea Brasileira, o Sub-oficial da Marinha Avelino Capitani, o major Melquisidec Medeiros, da Aeronáutica, e o filho do coronel Alfredo Daudt da Aeronáutica, Alfredo Daudt Júnior.

Rosa Cardoso fez questão de destacar que os militares foram a categoria, proporcionalmente, mais perseguida pela ditadura. Disse que não se tem números exatos, mas que foram cerca de 7,5 mil, entre Exército, Marinha, Aeronáutica e Brigada Militar.

A coordenadora do grupo de trabalho explicou como serão aproveitados os depoimentos e relatórios entregues pelos militares perseguidos. "Primeiro, eles vão integrar o nosso relatório conclusivo da Comissão Nacional da Verdade, que será apresentado agora em dezembro, à presidenta Dilma Rousseff. E, de outra parte, ficam como um acervo para historiadores e pesquisadores", afirmou.

JUSTIÇA -Todos os fatos pesquisados e investigados ficarão à disposição também da Justiça. "Se eu não acreditasse que todo esse trabalho ajudará de alguma forma na revelação desses crimes e na responsabilização criminal de quem ainda está vivo, eu não teria aceitado o convite do Governador do Rio Grande do Sul para fazer parte da Comissão Estadual da Verdade. Existe sim essa possibilidade", ressaltou Carlos Frederico Guazzelli, presidente da CEV-RS.

O pesquisador Paulo Ribeiro da Cunha disse que os depoimentos dão voz a esse grupo de militares perseguidos, na medida em que eles são veiculados pela imprensa e ficam disponíveis na internet. Disse também que a presença dos oficiais possibilita um canal positivo de diálogo com a sociedade. Cunha explicou que "alguns depoimentos ainda serão objeto de audiências reservadas, porque aqui os depoimentos são limitados pelo tempo, mas é muito bom que eles venham à tona para que eles mostrem seus rostos e a sua história. Essa é uma oportunidade muito positiva, mesmo passados tantos anos", concluiu.

Confira como foi a Audiência pelo link da nossa transmissão online:
https://www.youtube.com/watch?v=7_EZ08vwjdk

Comissão Nacional da Verdade
Assessoria de Comunicação


Mais informações à imprensa: Fabrício Faria
(61) 3313-7324 O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Acompanhe a CNV nas redes sociais:

www.facebook.com/comissaonacionaldaverdade
www.twitter.com/CNV_Brasil
www.youtube.com/comissaodaverdade

Fonte: site da Comissão Nacional da Verdade (CNV)
http://www.cnv.gov.br/index.php/outros-destaques/540-militares-perseguidos-pela-ditadura-revelam-violencias-sofridas-apos-o-golpe-de-1964
Link2



Comentário: a quem não entender a correlação do assunto do post com o blog, já que faz tempo que foi publicado e o povo (generalizando) tem preguiça de checar as tags (marcadores, História do Brasil), ler o post antigo abaixo que explica isso:
História do Brasil e "revisionismo" (negacionismo) do Holocausto

Considero que o grande combustível pra proliferação de racismo e preconceito no Brasil, além do problema educacional, é sobretudo a ignorância do povo sobre a história do próprio país, onde proliferam mitificações regionais e negacionismos de outro tipo como a tentativa de certa direita no Brasil tentar abrandar a imagem do regime de exceção de 21 anos (1964-1985) e que acaba caindo na boca de imbecis ignóbeis que acham que estão chocando "sendo do contra", quando na verdade chocam pela burrice e moral torta.

Antes que alguém possa perguntar o porquê do acréscimo do título ("A história dos que não traíram o Brasil"), já que o original é mais curto: eu considero todos (tirando os ignorantes que não tinha consciência na época do que faziam) os cabeças dessa ditadura e os que participaram ativamente (civis e militares), um bando de traidores do país da pior espécie, um bando de capachos de outros países, títeres covardes e alpinistas sociais, que deveriam ter vergonha de bradar "orgulho" dessa traição lesa-pátria (rasgaram a constituição e a legalidade no país pra usufruírem do poder com aval dos Estados Unidos) ao invés de ficar posando de raivoso quando vão dar depoimento nessa comissão. Sou contra essa lei de anistia, isso é lei de impunidade, principalmente da mídia e empresas que participaram do regime, deveriam revogá-la e punir principalmente as empresas que foram suporte deste regime.

É importante mostrar a todos, pois este não é um assunto conhecido de todos no país, que a ditadura e os golpistas (traidores) perseguiram milhares de militares com HONRA, patriotas, legalistas, pros golpistas praticarem alpinismo social (algo desprezível) e ser capacho de outras potências, e ainda bradam que são "nacionalistas", não chegam a ser isso, são traidores mesmo e burros, sem consciência de pátria ou não e civismo, "nacionalistas" só se for do tipo de lixo como os nazistas e fascistas foram, que destruíram seus próprios países pra reinarem no poder.

domingo, 14 de setembro de 2014

As divisões da Direita Norte-americana: Direita Anticomunista, Racista, Cristã e Neoconservadora

Ao contrário do que a mídia eletrônica e formal no Brasil dissemina sobre o assunto, ou mesmo o que não comenta, até porque não tem interesse em esclarecer nada historicamente ao povo e a maioria só panfleta, distorce e não informa, segue abaixo as divisões da Direita norte-americana pra ficar como registro já que, se aqui ainda não aparece muita gente que alega ter este perfil político torrando a paciência, no Orkut e no Facebook isso abundava, e são pessoas que torram a paciência de um (bem mais que um "revi").

O problema é que virou febre na internet certos sites extremistas e grupos exóticos como alguns que havia no Orkut devotados a um astrólogo que se dizia "filósofo". Fenômeno não costumeiramente citado na grande mídia (apesar da mesma atualmente adotar este tom) para não ser rotulada de tresloucada, isto criou uma cultura de ódio e intolerância na web que não havia antes do Orkut (quando este tipo de problema começou a se disseminar pra valer) e que já contagia as ruas.

É preciso ter uma ideia clara e precisa sobre definições e conceitos sobre estas divisões históricas pra não ficar girando em círculos em embromação de gente radical que, ou só quer demonizar grupos políticos legítimos, ou fazer pregação idiota sem base política e histórica alguma.

Um exemplo? Leiam novamente esta discussão que começou sobre um assunto e acabou em pregação política de "catequese". O que é uma bobagem sem tamanho, não tem gente aqui pra ser "catequizada".

Como é possível discutir a sério com gente assim? Xingar todo mundo sabe, eu poderia ter xingado e começado a ironizar os comentários pra pessoa perder a calma e escrever mais bobagem, mas não o fiz pra ver até onde a pessoa iria "pregando". Mas não é o tipo de discussão que interesse ou preste pois este pessoal costuma negar que fascistas, por exemplo, sejam de extrema-direita.

Parte da ideologia nazista foi calcada não só em antissemitismo como em cima do ódio antiesquerda ou como muitos chamam, anticomunismo, que pode adquirir qualquer interpretação dependendo do radicalismo de cada pessoa ou mesmo informação. Uma pessoa pode ser de direita, Churchill era e nem por isso fazia esse tipo de pregação estúpida, isto não implica que compartilhe deste tipo de obsessão, intolerância e demonização rasteira que só tem espaço em países onde há um problema sério de leitura, educação e tolerância.

Recentemente apareceu um romeno radicado no Brasil escrevendo um monte de cretinice antissemita com este tipo de perfil político. Esse tipo de extremismo que não é caracterizado abertamente como fascismo, costuma ser a porta de entrada pro mesmo.

Como disse aqui ("Tão liberal e tão amigo de Salazar. O lado obscuro e "oculto" da relação entre Fascismo e Liberalismo"), este é só um post de uma série pra mostrar as ligações nazistas e fascistas da direita política antiga com o darwinismo social e liberalismo radical que produziram o nazifascismo. Haverão outros posts como estes:
O racismo de Murray Rothbard: Hutus e Tutsis
Richard Widmann, Harry Elmer Barnes e a Operação Barbarossa

Os liberais (Democratas) não foram citados neste post pois na divisão política dos EUA costumam ser retratados como "esquerda" embora não sejam vistos como esquerda na Europa, América Latina (Brasil) e muitas partes do mundo. A diferença entre Democratas e Republicanos nos EUA não é tão grande assim ao contrário do que muita gente prega.

A matriz ideológica central do nazismo era o darwinismo social e racismo exacerbado, herança do liberalismo clássico inglês e dos EUA, informações que grupos de Direita geralmente costumam omitir e negar (quando não desconhecem). O liberalismo radical quase sempre desemboca em regimes autoritários ou crises sociais sérias, causadas pelo caos econômico que produz empobrecendo Estados, aumentando desigualdades sociais e concentrando riquezas, vide a atual crise nos EUA e Europa onde vários grupos de extrema-direita têm ascendido politicamente como "resposta" a isto (resposta que todo mundo sabe aonde vai dar), principalmente na Europa onde existe um resíduo forte da direita de cariz fascista.

Trecho do livro "Unraveling the Right. The New Conservatism in American Thought and Politics", editado por Amy E. Ansell, minha tradução:

O que é certo sobre a Direita? (What Is Right About the Right?), pág. 18
"Esta conceituação da Direita pressupõe uma série de crenças que se estendem ao longo de muitas continuidades e, portanto, desafia o conceito de que existe um "extremista" 'ou "radical" de Direita que está fora e à parte do mainstream do sistema político. Racismo, sexismo , homofobia e antissemitismo - junto com outras formas de ideologia supremacista - não são de domínio exclusivo de grupos de ódio militantes organizados, mas também são encontrados na cultura do mainstream e da política. O autoritarismo pode assumir uma forma individualizada, tal como um linchamento da Ku-Klux-Klan ou violência contra gays, como pode aparecer em um ambiente institucional, como na passagem de leis draconianas de drogas ou de legislação anti-imigração (promovida em meados dos anos 1990 tanto por políticos Republicanos e Democratas).

Em todos esses exemplos, os temas do preconceito, supremacia e etnocentrismo também estão presentes. Temas adicionais que emergem de um estudo da Direita política dos EUA incluem o nativismo, crenças religiosas ortodoxas (principalmente cristãs), hierarquia de dominação masculina das estruturas das famílias, pelos homens da família, apoio ao capitalismo desregulamentado de livre-mercado, individualismo inflexível e crenças em mitos de subversão conspiratórios e bodes expiatórios.

A diversidade dentro da Direita pode ser confusa, e há ainda uma batida recorrente das muitas "melodias" da Direita - o problema da igualdade. Sara Diamond propôs uma definição enganosamente simples mas abrangente da Direita política: "Ser de extrema-direita significa apoiar o Estado em sua capacidade de impor a ordem e se opor ao Estado como distribuidor da riqueza e poder para a maioria e mais igualdade na sociedade."

Usando esta definição e visão da Direita em termos de sua mobilização social e política sobre certos temas centrais, Diamond em "Roads to Domination" (Estradas para a dominação) dividiu a direita norte-americana entre a Segunda Guerra e o fim da Guerra Fria em quatro movimentos principais: a Direita anticomunista, a Direita racista, a Direita Cristã e os neoconservadores. Cada um desses setores tiveram adeptos que variavam do moderado ao militante, desenvolvendo várias metodologias de estratégia e táticas, destacando diferentes temas em uma matriz infinita de combinações individualizadas. E que certas visões de movimento político e social de uma extrema-direita particular serviram como indutor do funcionamento legitimado do Estado que dependiam de suas principais demandas.

Como Diamond e outros documentaram, há uma dinâmica relação entre os vários setores da Direita. O ativista de Direita coloca o conservadorismo acima da militância e da ideologia, simultaneamente pressionando os liberais a migrar pro centro e recuar. Um ativista vigoroso da Direita abre oportunidades de recrutamento para a extrema-direita. Ao mesmo tempo, os excessos dramáticos da extrema-direita fornecem um abrigo para vitórias ideológicas da luta do ativista e conservador de Direita e os faz parecer mais razoáveis.

Diamond apontou que os distintos setores da Direita são às vezes apoiadores do sistema e às vezes oposição ao sistema. Eles formam alianças mutáveis ​​com base em objetivos comuns, que variam com o tempo e o objetivo/tema, "Este é um conceito muito útil uma vez que os mesmos tipos de grupos paramilitares de extrema-direita ajudaram agências governamentais a espionar dissidentes dos direitos civis e antiguerra nos anos 1960, também estavam ocupados formando milícias antigoverno armadas e explodindo prédios federais na década de 1990.

É errôneo concluir que porque há temas frequentemente partilhados na Direita, que todos os grupos de direita atuam juntos. Por exemplo, o grupo conservador Heritage Foundation é um crítico de longa data da rede de extrema-direita LaRouche, enquanto alguns conservadores tradicionais são ofendidos pelas mudanças radicais propostas pelos ativistas mais reacionárias e ultraconservadores da Nova Direita. As opiniões da extrema-direita, tanto as do ativista radical como as do conservador de direita podem giras sobre a covardia e fraqueza ou sobre os agentes ativos da conspiração global para escravizar patriotas norte-americanos brancos.

Grupos de extrema-direita como a rede LaRouche, o Liberty Lobby, e o movimento de Identidade Cristã (Christian Identity) tentam se juntar aos ativistas mais moderados de Direita e coligações conservadoras, mas a culpa em torno da associação é antiética e imprecisa, apesar de sua popularidade como um fundo de arrecadação de recursos via mala direta por grupos de vigilância de liberais. Não é preciso presumir que nem todos os conservadores estão numa ladeira escorregadia em direção ao reacionarismo, ou que todos os reacionários estão inevitavelmente ligados a uma corrente em direção ao fascismo. As migrações ocorrem, mas elas ocorrem em ambas direções, assim como nos grupos de esquerda."

Tradução: Roberto Lucena
Observação: o livro da capa (o primeiro) se chama White Protestant Nation (The Rise of the American Conservative Movement), de Allan J. Lichtman. Seguem as resenhas:
1. White Protestant Nation (The Rise of the American Conservative Movement) - Grove Atlantic
2. "White Protestant Nation," by Allan J. Lichtman - Chicago Tribune
3. New Book by Historian Allan Lichtman Explores Roots of Conservative Movement - SPLC
4. 2008 Nonfiction Finalist White Protestant Nation, by Allan J. Lichtman - Critical Mass

sábado, 13 de setembro de 2014

Propaganda antissemita culpou judeus por derrota na Primeira Guerra Mundial

Sempre discriminados, judeus alemães viram na Primeira Guerra a chance de finalmente provar seu patriotismo. Mas a propaganda antissemita fez deles bodes expiatórios para a derrota, preparando caminho para o Holocausto.


O soldado está sozinho na trincheira, de feição séria e rifle em punho, mirando o horizonte longínquo, lá onde o inimigo aguarda. Contudo, de acordo com esse cartão postal antissemita da Áustria, de 1919, o suposto "perigo verdadeiro" se encontra às suas costas. Uma figura vestida de branco se aproxima por trás, empunhando uma faca. Sorridente, ela se prepara para apunhalar o soldado, "traiçoeiramente, pelas costas".

Lenda da "punhalada pelas costas"

Mesmo sem a estrela de Davi no chapéu ou sem peiot (cachos laterais característicos dos ortodoxos), para os alemães e austríacos da época estava mais do que evidente que o suposto assassino traiçoeiro, nesse cartão-postal difamador, era um judeu. Repletos de ódio e preconceitos, os antissemitas divulgavam em seus panfletos e desenhos sempre os mesmos estereótipos desumanizadores: com os supostamente típicos lábios carnudos e nariz grande "de judeu".

Além disso, o desenhista do cartão-postal retrata a figura, evidentemente masculina, com vestido e seios de mulher. Isso porque, para a propaganda antissemita, os judeus eram covardes, traidores e – justamente – "afeminados". Contudo é o gesto anunciado neste cartão-postal que representa o maior – e completamente falso – mito surgido após o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918: a "lenda da punhalada pelas costas".

Segundo a versão do herói de guerra e futuro presidente da Alemanha (1925 a 1934) Paul von Hindenburg, o Exército alemão permanecera invicto no campo de batalha, mas teria sido "apunhalado nas costas por oposicionistas apátridas". O fato é que durante anos a propaganda alemã prometera vitória à população, mas quando despontou a ameaça da derrota, militares e políticos responsáveis quiseram se eximir de culpa. E logo se encontrou um bode expiatório: os judeus.

Cartão postal antissemita de 1919
Patriotismo e judaísmo

Ao eclodir a Primeira Guerra Mundial, em agosto de 1914, o então imperador Guilherme 2º declarara: "Para mim, são todos alemães!". Muitos judeus torceram para que a afirmação se provasse verdadeira. Até então, apesar da igualdade atestada por lei, os judeus da Alemanha costumavam ser tratados como cidadãos de segunda classe. Por toda parte, esbarravam em discriminação e rejeição.

Caricatura "Traição de Judas" ilustra
mito da "punhalada pelas costas"
Era praticamente nula, por exemplo, a presença judaica no alto escalão do Exército. Assim, com a eclosão da guerra, muitos acreditaram que teriam a chance de provar seu patriotismo e refutar os odiosos preconceitos antissemitas.

"Aos judeus alemães! Nesta hora decisiva para seu destino, a pátria convoca todos os seus filhos a se alistarem!", conclamava, por exemplo, a Associação Central dos Cidadãos Alemães de Fé Judaica a seus membros, ao início da guerra. "Camaradas de fé! Nós os convocamos para dedicar vossas forças à pátria, para além do limite do dever cívico", prosseguia o texto.

De fato, cerca de 100 mil judeus alemães lutaram na Primeira Guerra Mundial. E, como esperado, a perseguição antissemita diminuiu com o início dos combates – reprimida pela censura do Estado, o qual, em sua política de paz civil (Burgfriedenpolitik), recolhia os panfletos de incitação popular.

Contagem falsificada

Com o decorrer da guerra, no entanto, organizações antissemitas, como o Reichshammerbund (Liga do Martelo do Reich), voltaram a reforçar a instigação contra os judeus. Inúmeras petições alcançaram, por exemplo, o Ministério prussiano da Guerra: supostamente constatou-se um nível de abstenção do serviço militar desproporcionalmente alto entre os judeus, os quais, portanto, estariam se esquivando do "serviço à pátria".

A propaganda antissemita vingou: em outubro de 1916, o ministro da Guerra ordenou um recenseamento dos judeus conscritos presentes no Exército, que entrou para a história como Judenzählung (contagem dos judeus). A medida causou indignação entre os muitos soldados judeus. "Deus nos livre! Então é para isso que a gente arrisca a cabeça pelo nosso país", protestou, por exemplo, o soldado judeu alemão Julius Marx.

O resultado da "contagem" nunca foi divulgado. Na realidade, as 30 mil condecorações de bravura concedidas a judeus comprovam o quanto a propaganda antissemita era falsa. Mas o estrago estava feito: panfletos antissemitas difundiam frases como "A cara sorridente deles está por toda parte, menos nas trincheiras". Ao mesmo tempo, os judeus eram acusados de ter lucrado com a guerra.

Associação de judeus tentou corrigir propaganda mentirosa, apelando "às mães alemãs"
Bodes expiatórios

"Às mães alemãs" dirigiu-se, por sua vez, a Federação do Reich dos Soldados Judeus no Front, em 1920. No cartaz, uma mãe de luto está sentada ao pé de um túmulo ornamentado com a Cruz de Ferro, de mérito militar: "Mães alemãs, não tolerem que as mães judias sejam escarnecidas em sua dor." "Doze mil soldados judeus tombaram nos campos de batalha pela honra da pátria", diz a lápide.

De origem judaica, ministro do
Exterior Walther Rathenau foi
assassinado em 1922
A mensagem é que soldados judeus e não judeus haviam lutado juntos e sido enterrados em "terras estrangeiras". Por fim, o cartaz se dirige contra a perseguição antissemita: "O ódio partidário cego não se detém diante dos túmulos dos mortos." A referência é, em grande parte, à "lenda da punhalada pelas costas", que a essa altura já era amplamente conhecida na população. Judeus, socialistas e democratas serviam como bode expiatório pela derrota na guerra.

Após o colapso do Reich Alemão, fundou-se a democrática República de Weimar, rejeitada por muitos alemães. O jovem Estado foi escarnecido como "República dos Judeus" e seus representantes tornaram-se vítimas de violência e atentados.

O ministro do Exterior Walther Rathenau morreu num ataque de extrema direita, em 1922. Antes, porém, as tendências homicidas contra o político de origem judaica haviam sido encorajadas por palavras de ordem do gênero "Porco judeu, o Rathenau, matem ele a golpes de pau".

Na propaganda nazista, por fim, o clichê do judeu se tornou símbolo para tudo que os populistas de extrema direita rejeitavam: derrota na guerra, revolução, socialismo, democracia. Após a tomada do poder pelos nazistas, começou uma perseguição aos judeus sem precedentes na história, que culminou no Holocausto. E neste, a desumana propaganda antissemita, difundida há tanto tempo, desempenharia um papel fundamental.

Fonte: Deutsche Welle Brasil (Alemanha)
http://www.dw.de/propaganda-antissemita-culpou-judeus-por-derrota-na-primeira-guerra-mundial/a-17833503

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Sobre as perdas soviéticas da Segunda Guerra Mundial

Nosso leitor Marko Marjanović de Liubliana (Eslovênia) publicou uma versão atualizada de seu levantamento de perdas humanas da União Soviética na Segunda Guerra Mundial, que podemos ler e baixar a partir deste link.

Fonte: Holocaust Controversies
http://holocaustcontroversies.blogspot.com/2014/08/breaking-down-soviet-world-war-ii-losses.html
Dados adicionais do blog: Crappy Town
Texto: Roberto Muehlenkamp
Título original: Breaking Down Soviet World War II Losses
Tradução: Roberto Lucena
_______________________________________

Complemento: eu ia fazer um post com os dados deste blog Crappy Town cujo autor esloveno comentou no blog Holocaust Controversies, só que acabou não dando pra organizar os textos e links pois poderia ficar confuso se colocar os dados aleatoriamente. Ainda tentarei fazer um post com as tabelas (futuramente), pois há também uma página excelente (não lembro decorado o nome dela) com estimativas de mortos em vários conflitos, incluindo a segunda guerra mundial que cita vários livros e suas estimativas. Eu achei e coloquei esta página com as estimativas ainda no Orkut, na comunidade Segunda Guerra Mundial (a maior), mas como o Orkut chegará ao fim no próximo dia 30 de setembro, o que foi publicado lá virará pó a não ser que o Google libere a consulta ao que foi publicado posteriormente ao fechamento do site, mas eu salvei o link desta página em algum canto.

O Roberto Muehlenkamp colocou as informações no post do HC (blog), e a quem quiser acessar acima, consta a tradução do post original do HC com os links.

O problema das perdas soviéticas (observação do Roberto Muehlenkamp) é o de apurar quais mortes foram ocasionadas pela política genocida nazi, as mortes causadas pela repressão política soviética interna, as por acidentes, a perda de civis, perdas militares etc. É algo colossal, tanto que não existe um consenso fechado (cravado) sobre os mortos na União Soviética até hoje, mas a pesquisa do Marjanović merece ser vista.
__________________________________________

Quem quiser ler o adendo deste post, conferir no link:
Sobre a polarização e radicalização política no Brasil. Adendo do post de perdas soviéticas na Segunda Guerra

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

A Invenção do Nordeste (livro). Pra entender o Brasil atual e suas divisões artificiais criadas na Era Vargas

Eu sempre disse que um dia iria fazer um post sobre esse livro e acabava deixando pra depois, como eu ia fazer um comentário sobre preconceito regional (mais precisamente do que eu penso sobre isso) achei melhor fazer primeiro o post desse livro porque ele deixa bem claro o que eu penso sobre regiões e Brasil. Essas divisões regionais atuais do Brasil são mitificações/divisões oriundas do Estado Novo varguista, basicamente, mas o livro mencionado no título do post detalha de forma mais precisa (e como isso foi conduzido propositalmente) a construção dessas divisões regionais que afetam o país hoje pois a mídia brasileira depois da redemocratização do Brasil em 1985 faz questão de reforçar essas divisões e não atenuar.

Este livro "A invenção do Nordeste", do autor Durval Munis de Albuquerque Jr (se não me engano, potiguar), que mal vejo ser citado no país (mas sai tudo quanto é porcaria como "bestseller" na mídia), é essencial pra entender o Brasil atual e como essa divisão regional criada na Era Vargas vem afetando negativamente o intercâmbio estadual que sempre existiu no país, desde os tempos em que o Brasil ainda era colônia portuguesa. Esse comentário aqui é uma interpretação minha, não sei se o autor concorda, mas é como vejo a atuação política desta divisão que eu considero artificial. "Ah, mas toda tradição é criada, artificial", sim, mas tradições podem surgir de culturas existentes ou ser simplesmente forjadas pra algum propósito, no caso a criação do "Nordeste" serviu aos interesses do estado autoritário de Vargas e à maioria dos governos posteriores a ele.

Resumo do livro: (FGV-CPDOC)
A invenção do nordeste
Matéria do JC: A invenção do Nordeste; por Isabel Guillen
http://www2.uol.com.br/JC/_2000/0409/cu0409e.htm
Links pro livro ou partes dele:
III. “A invenção do Nordeste”. 3.1. O conceito de região: da Geografia ao discurso

Foto da capa tirada do link do Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/15933-a_invencao_do_nordeste_e_outras_artes

Tem mais de um PDF se procurarem no site acima. Depois vejo se consigo colocar o resto.

Quem quiser entender o Brasil só por coisas como "ó, São Paulo a locomotiva do Brasil" ou "Brasil, meu Brasil brasileiro" reduzindo o Brasil a mitificação criada em cima do Rio, não vai entender nada, ou só uma parte do todo, e uma parte muito pequena em relação ao conjunto da obra chamada Brasil (514 anos de História). Por sinal, esse é um dos motivos da crise de identidade que existe em alguns estados do país, o não saber como tais cidades e Estados foram formados e um certo discurso fascistoide que endeusa a formação desses estados em detrimento dos núcleos mais antigos de população do Brasil.

Intuitivamente eu sempre soube que essa região que chamam por "Nordeste" é uma formação forçada, nunca foi homogênea, não existe um sotaque regional ou uma identidade regional já que vários estados possuem sua própria identidade e sotaques. Tampouco existe uma bandeira regional ou hino regional, a não ser o que a mídia de dois estados do país "forçam" a ser. O sotaque baiano não é igual ao pernambucano (que tem mais de um), que não é igual ao sotaque cearense e assim por diante. Cada estado tem sua bandeira e seus simbolismos, e hino também (link1, link2, link3). Justamente pelo forte fator identitário de Pernambuco essas contradições entre essa identidade regional forjada no Estado Novo (apropriando-se de coisas do Estado e disseminando que isso é algo "de todos") e uma identidade com praticamente meio milênio de História, fica fácil de sacar de cara o que é ou não forjado e imposto de fora.

Resumidamente, o livro fala da construção literária e ideológica que formou a ideia em torno do que muita gente no Brasil vê como "Nordeste brasileiro" e "nordestinos", o livro fala do quanto isso é mitificação e construção, criada na ditadura Vargas, pra justificar a "diferença" de regiões ou valorizar umas e largar a própria sorte outras, principalmente a área do país onde o próprio Brasil surgiu como país e nação. Inclusive com participação de gente da região reforçando essa ideia de "seca", "retirante" etc, o que é uma distorção pesada da História do Brasil.

É sempre bizarro ver alguém querendo falar de Pernambuco citando Lampião (por conta do cinema) do que Frei Caneca, Nassau ou Joaquim Nabuco que tiveram muito mais relevância pro Estado (e pro Brasil) do que um mero bandoleiro. É duplamente irônico ver a reverência que tratam do período Holandês em Pernambuco pelo complexo de vira-latas (au au) de alguns estados do país, com crenças ridículas (que eu já ouvi e li gente dizer, mas não salvei o link, é algo bizarro e sem fundamento algum) de que os loiros do Estado são descendentes de holandeses e quando retratam este mesmo estado (e região) no século XX, mudam pra imagem de Lampião, coronéis etc.

O autor do livro é potiguar, mas por motivos óbvios irei falar mais do meu estado, primeiro por conhecer mais e saber dessas peculiaridades, também por saber das rixas históricas entre estados da região e por saber da manipulação que a grande mídia do país reproduz o tempo todo sobre essas identidades regionais e com os estados do país. Gente preconceituosa falando sobre isso em TV é uma desgraça total. Também por saber da relutância e rejeição pernambucana a essa imposição cultural televisiva de outros estados do país. Por exemplo, a grande mídia, por prepotência (e burrice) omite o nome dos estados da região os citando como "bloco", o que pra quem sabe dessas diferenças sempre soa como estupidez ou cretinice, e que como ficará demonstrado neste post, essa postura é uma repetição das crenças e mitificações fascistoides criadas no Estado Novo varguista.

O mal do brasileiro (generalizando) é ignorar profundamente a História do país. Digo isso porque o que vejo de gente chorona (reclamando de tudo) na internet quando fala de política, com comentários totalmente alienados e idiotas, é vergonhoso.

Este post é um comentário em cima da ideia do livro, que pra muita gente poderá soar como uma "revelação" pois a maioria é criada ouvindo que o Brasil atual é esta divisão regional ridícula da Era Vargas e das generalizações cretinas que a mídia hegemônica do país (que se situa atualmente nas cidades do Rio e de São Paulo) reproduzem o tempo todo sobre isso, reforçando estereótipos reais ou não e essa ideia de divisão regional como se o Brasil não tivesse uma origem comum e omitindo a formação dessas cidades populosas (hoje) do país, que nem sempre foram politicamente relevantes na História do Brasil (a maior parte da História do Brasil foi vivida e passada nos estados mais antigos do país e não nos mais populosos atuais). Existe uma falta de reflexão clara da maior parte da população do país, que é criada pra aceitar verdades impostas e não ter uma mente aberta pra, por exemplo, entender sem choque que o Brasil que elas concebem não passa de uma criação varguista. Que o Brasil é o país dos bairrismos e não um país "unido" como muita gente apregoa. Que o Brasil já esteve a ponto de se fragmentar e por conta de um português autoritário isso não ocorreu. Se isso foi bom? Pra alguns certamente não foi (principalmente pernambucanos que tiveram seu estado mutilado, único corte de estado do país por castigo e retaliação política).

Daí a razão de haver um certo ressentimento por parte de uns quando a gente cita isto, que não é uma diminuição do papel das outras cidades do país, mas sim uma visualização da História do Brasil como um todo e não um recorte a partir da ascensão de Rio de Janeiro e São Paulo no século XIX. Até chegarmos ao século XIX houve mais de três séculos de lutas e conflitos no Brasil, que nem sequer era um território unido, que definiram o que hoje todo mundo entende como o Brasil. O Brasil não começa com a vinda (fuga dos fujões de Lisboa) da Família Real Portuguesa em 1808, correndo do cerco de Napoleão a Portugal e sim em 1500 mesmo ou antes.

O próprio crescimento dessas cidades se deveu a dois fatores: a vinda pesada de imigrantes europeus no século XIX e começo do século XX e o grande êxodo das outras regiões do país e da antiga capital (Salvador) pra esses centros, pegando quase toda classe média e intelectuais do que hoje é conhecido como "Nordeste".

A você de outro estado e região que vive malhando o que entende por "Nordeste" sem nem saber como o país foi formado, ou sente vergonha disso (por ser imbecil mesmo), se você tiver sobrenome português, as chances de você ter raízes nesses estados que citei é muito, mas muito grande e não foi pouca gente que migrou mesmo antes do êxodo do século XX que é mais conhecido (como retirantes etc), mas fazem questão de apagar esses fatos, ou omitir ou simplesmente diminuir a importância deles pra mitificar a ideia de estados formados por "italianos" etc mesmo falando português e tendo vários bairros com nomes indígenas.

O Brasil atual não existia até 1879 do século XIX quando São Paulo ascende como metrópole (até então era menor que Teresina no Piauí, dados do livro A Economia Brasileira, de Werner Baer) com a produção de café (o ciclo) e a industrialização que ocorre por isso. O resultado deste processo de mudança e migração interna é o que vocês veem hoje em dia.

Os centros políticos, econômicos e militar do Brasil por 308 anos ou mais foram Bahia, Pernambuco e Minas Gerais. O Rio Grande do Sul sempre foi muito isolado e passou a ter relevância política no país também no século XIX com as lutas contra a coroa e a imigração e colonização maior dos estados da região Sul. Há outro núcleo também antigo e forte que fica no estado do Pará, não menos relevante. Mas os maiores centros urbanos eram Salvador (principalmente, capital do Brasil por mais de três séculos), Recife e o interior de Minas (Ouro Preto etc).

A maioria dos brasileiros antigos do país, principalmente os que têm sobrenomes portugueses (a maioria da população), são descendentes desses centros urbanos que citei acima. O intercâmbio (migração interna) no Brasil sempre foi intenso, em toda a história do país.

Se eu por acaso esquecer de citar algum estado, não foi proposital, nem sempre dá pra lembrar tudo.

E a quem quiser duvidar que esta divisão regional é algo recente na História do país, como eu citei no post, pois se trata de uma criação/herança da Era Vargas (Estado Novo) e uma mitificação ridícula, inclusive bancada nos estados da atual região Nordeste por ignorância de parte da população, façam o seguinte teste: procurem o termo "Nordeste" e "nordestino" em livros de literatura antigos do Brasil e de Portugal. Se você encontrar o termo me avise aqui.

Dificilmente alguém encontrará pois o Brasil era dividido por Portugal por séculos em Norte e Sul apenas, sem qualquer conotação ideológica atual, o Brasil era território português e só, por isso que até hoje existem os termos sulista e nortista pra apontar regiões, mesmo com esses termos novos como "nordestino".

Sugestão de livro: O Norte Agrário e o Império (1871 - 1889)
De Evaldo Cabral de Mello (talvez o historiador brasileiro vivo mais importante do país).

Nem no Sertão de Euclides da Cunha existe a palavra "nordestino" e sim sertanejo. O termo "nordeste" que se encontra no livro é referente a ponto cardeal e área dentro da área maior em que ele se encontra, não tem ligação com o que se conhece hoje como "Nordeste" (região), só pra ilustrar a mitificação e falsificação fascistoide que criaram em torno das regiões do país. Cito esse autor porque é talvez o mais conhecido ao retratar o sertão do Brasil, que abrange o semiárido do país uma região que vai até o Norte de Minas Gerais atravessando vários estados.

Fico por aqui na apresentação do livro, mas farei ainda um post sobre preconceito regional e o que penso disso pois não comungo da ideologia de vitimismo/coitadismo que muita gente da região vive manifestando e enaltecendo, como se fosse virtude quando não é.

Eu mesmo acho que equiparar preconceito regional ao racismo (que é manifestado em sua maioria contra negros no Brasil, inclusive na região Nordeste com histórico escravagista pesado) um absurdo total. Quem comunga com isso, aceita passivamente a ideia que a mídia e pessoas ignorantes ou preconceituosas passam que gente de tal região é "inferior" e precisam de leis pra preservar sua integridade moral e física quando deveriam se impor e bater de frente com quem manifesta isso.

E nessa questão do preconceito pesa bastante e entra o fator Pernambuco no meio, que não quero frisar aqui pra não parecer que estou tentando ressaltar isso por bairrismo, mas como a mídia nunca ou quase nunca menciona essas particularidades, eu prefiro eu mesmo comentar que ouvir um paspalho de outro estado falar besteira sobre o que não conhece.

Mas o fator existe e é real, sempre foi. Resumidamente, já que citei o fato e não diminuindo o peso dos outros estados da região: a rejeição a essas imposições culturais e identitárias de governos autoritários sempre foi mais forte e pesada em Pernambuco, até pelo peso cultural, das ideias libertárias das revoluções do Estado e do envolvimento em revoltas em toda a história do Brasil. Sempre quiseram destruir a identidade cultural pernambucana por representar uma ameaça ao status quo de algumas elites e da Monarquia luso-brasileira que combatia toda e qualquer revolta por soberania (independência) do Brasil.

Quem quiser ler algo sobre os conflitos do século XIX que forjaram o Brasil e a forçaram a independência do país, destacando as relações de Minas, Bahia e Pernambuco nisto, ler o PDF:
Pernambuco, 1817, “encruzilhada de desencontros” do Império luso-brasileiro. Notas sobre as idéias de pátria, país e nação
Luiz Carlos Villalta*; 1817, DO REINO UNIDO A PERNAMBUCO, DO RIO AO RECIFE

Por isso não deixa de ser engraçado que comemorem a independência do país "declarada" por um português (um estrangeiro) e não se escolha uma revolta popular brasileira no lugar disso, o que é de fato correto. O 7 de setembro é mais outra distorção histórica cultuada no Brasil até hoje como "verdade" inconteste, fruto da imposição historiográfica do Rio com o Brasil (por ter sido a sede da Coroa Portuguesa no Brasil, moldou esses mitos). A independência de fato do Brasil de Portugal (quando há uma ruptura real) foi na Proclamação da República em 1889, onde se constituiu o primeiro governo brasileiro de fato e não o resquício do ex-dominador português sob mando de Pedro II, herdeiro de Pedro I.

Por isso também tenho aversão a essa ideia de Monarquia que ainda alguns delirantes no Brasil ficam defendendo sem nem entender as causas da rejeição à mesma. Como podem ver, essa imposição de identidade no Brasil é algo nocivo pois não respeita a pluralidade de manifestações culturais locais do país que é a grande riqueza cultural de fato do país. Essa imposição autoritária de sotaque e cultura é muito, mas muito chata, principalmente num país continente.

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Exposição conta história de muçulmanos que salvaram judeus durante Holocausto

Realizada em Cardiff, no País de Gales, mostra quer resgatar outros casos de colaboração entre as duas comunidades religiosas

Uma exposição dedicada à história de muçulmanos que salvaram a vida de judeus no Holocausto foi inaugurada em Cardiff, no País de Gales.

Segundo Stanley Soffa, presidente do Conselho Representativo Judaico nacional e responsável por levar a mostra para o país, trata-se de uma "história heroica".

A exposição é parte do projeto Portas Abertas 2014, evento anual gratuito com diversas atrações, realizado em setembro.

The Righteous Muslim (ou "O Muçulmano Justo", em tradução livre) documenta a história dos bósnios muçulmanos que fizeram um grande esforço para preservar a tradição judaica durante a Segunda Guerra Mundial, por meio da proteção do Hagadá de Sarajevo, um manuscrito de 600 anos, que narra o êxodo do Egito e é lido na noite da Páscoa judaica.

Quando um oficial nazista veio para roubar o Hagadá, dois homens conseguiram levar os manuscritos para uma cidadezinha montanhosa acima de Sarajevo, escapando dos postos de controle nazistas.

Um religioso muçulmano manteve a peça escondida debaixo do piso de uma mesquita, até que a guerra acabasse.

"A exposição foi muito bem recebida em Londres no ano passado. Por isso, estamos muito satisfeitos por ter a oportunidade de compartilhar esta história com o povo de Gales", explicou Soffa.

"Para nós, é uma história de heroísmo, a de muçulmanos salvando vidas judaicas, o que proporciona uma ligação única entre as comunidades. Espero que possamos comemorar juntos e lembrar juntos", analisou.

Judeus iugoslavos foram alvos das forças da Alemanha nazista
A exposição tem como objetivo estimular novas pesquisas sobre os casos de colaboração entre comunidades muçulmanas e judaicas.

"O Holocausto é, provavelmente, o evento mais documentado da história moderna, mas até hoje poucas pessoas sabiam sobre esse evento factual durante a Segunda Guerra Mundial, quando dois universos religiosos se uniram para salvar um deles", explica Saleem Kidwai, secretário-geral do conselho islâmico do País de Gales.

"Essas comunidades desapareceram no fim da Segunda Guerra Mundial. Como as pessoas das antigas gerações já morreram, há o medo de se perder estas histórias", diz Kidwai.

O programa é a maior celebração anual gratuita de arquitetura e patrimônio realizada no País de Gales e no Reino Unido. É, também, o maior evento de voluntariado no setor.

"O Portas Abertas oferece aos visitantes locais e estrangeiros a oportunidade de explorar o fascinante patrimônio construído no País de Gales, com eventos que conectam a história", afirma John Griffiths, ministro da Cultura do País de Gales.

Atualizado em 7 de setembro, 2014 - 21:02 (Brasília) 00:02 GMT

Fonte: BBC Brasil
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/09/140907_exposicao_judeus_muculmanos_lgb.shtml

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Mais uma do racismo - nada cordial - brasileiro. Caso Aranha (goleiro)

Foto do dia do jogo
Mais uma do racismo nada cordial brasileiro que já foi até negado com publicações ridículas como esta. O que não deixa de ser hilário pois a cada caso desse tipo, eu não sei como não há uma retratação pública por publicarem uma coisa dessas do link (o livro). O pior são os comentários no link (o "goodreads" é um site que lista livros e recebe opinião de quem leu) elogiando a "obra", o povo tem opinião formada, cabeça fechada e só quer ler coisa enviesada pra reforçar certos discursos preconceituosos.

Não vou descrever o que houve pois quem acompanha futebol (e até quem não acompanha) deve ter visto o que se passou pois o caso foi amplamente exposto na mídia brasileira, eis o link do caso de racismo no jogo da Copa do Brasil Grêmio 0x2 Santos, em Porto Alegre (RS):
Grêmio será julgado nesta quarta por racismo contra goleiro Aranha
Insultos racistas contra o goleiro Aranha marcam derrota do Grêmio para o Santos
STJD exclui Grêmio da Copa do Brasil por caso de racismo

Aqui a imagem do ato racista no jogo com a torcedora chamando o goleiro de "macaco":
http://www.youtube.com/watch?v=XSBlzf_5EfA

Como consequência (vide a manchete acima), o Grêmio, de forma inédita, foi excluído da competição pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

Não vou nem discutir o comentário imbecil desse Eduardo Bueno, que não se cansa de perder oportunidade de ficar calado. Cansa ouvir esse cara, enche o saco.

Mas agora você tá sentindo na pele o que outros clubes do país já sentiram há muito tempo e ainda sentem (caso do Sport, a mídia batendo o tempo todo por certo conflito com determinado clube "intocável" do país, com briga regional no meio e tudo). Veja como é "bom" o "tratamento" diferenciado. Quem sabe assim os torcedores de outros clubes do país que não são beneficiados pela mídia venal (oligopólio de mídia brasileiro) passem a se solidarizar com outros clubes quando esta mídia venal for fazer campanha de demonização de clubes se aproveitando de algum caso de comoção pública.

Eu não vou entrar no mérito de como alguém que sofreu alguma agressão desse tipo deve reagir, cada pessoa reage de um jeito etc, eu não sou adepto desse tipo de reação, eu sou, digamos, "mais linha dura", acho preferível ridicularizar, diminuir o agressor (racista) do que mostrar a ele que a ofensa atingiu etc. Mas isso é de cada um, a reação do Aranha, goleiro do Santos, não deve ser criticada por ele ter reagido da forma dele, o fato é que reagiu, não se calou como muita gente covarde neste país se cala.

O que me chama atenção nesse caso é o holofote da mídia do eixo (Rio-São Paulo) com o ocorrido, porque todo mundo que acompanha futebol neste país sabe dos dois pesos e duas medidas que esse STJD, as emissoras de TV (as mais fortes se localizam nessas duas cidades do país) desses dois estados, tomam partido ferrenho de clubes desses dois estados em detrimento do resto do país.

A pergunta que fica é: a cobertura do ocorrido teria sido essa, com doses visíveis de sensacionalismo (exploração midiática em detrimento da educação, de usar o caso pra educar), se o caso tivesse ocorrido com algum clube carioca ou paulista?

O STJD, que vive envolto em armações, como as lambanças recentes (virada de mesa) do não-rebaixamento do Fluminense em 2013 e daquele clube da Gávea (que prefiro sempre não pronunciar o nome pois não gosto mesmo daquilo), teria agido da mesma forma com alguma equipe "protegida" (que a mídia, com destaque pra Rede Globo de Televisão, que todo mundo que acompanha futebol sabe do que a mesma faz, não só com clubes como com a própria seleção brasileira) do Rio ou de São Paulo?

Eu sinceramente tenho sérias dúvidas quanto a isso, de que haveria o mesmo tratamento. Até porque houve ataques de preconceito regional feito por jogadores do próprio time do Santos, em outra ocasião, jogando contra um clube paraibano e ninguém viu punição, ficou por isso. Cadê o estardalhaço da mídia? É seletivo? Parece que é.

Vídeo do caso, que não teve nenhuma punição ou repercussão:
http://www.youtube.com/watch?v=QcXdP5twKoY

Alguém é educado com sensacionalismo barato? Não. Mudam a mentalidade do povo sobre isso? Dificilmente. Reprimem, mas não se muda mentalidades só a base de repressão ou com punição coletiva quando no caso o mais certo seria a punição aos infratores já que o clube colaborou para resolver o caso.

Que o caso sirva pra educar e não pra sensacionalismo barato promovido por certa mídia brasileira que há muito tempo deixou de praticar jornalismo pra fazer politicagem de quinta categoria.

No Brasil há um quadro sui generis de que não há regulamentação da mídia (como há na Alemanha, nos Estados Unidos e em vários países) e o grosso da mídia é controlada por poucas famílias (oligopólio) que detém o poder quase absoluto de tudo o que sai na "imprensa" do país, situação criada ou piorada na ditadura militar de 1964-1985.

Já deixo claro que sou favorável totalmente à regulamentação da mídia no Brasil, não é censura alguma isso e é algo urgente. Não existirá democracia de fato no país enquanto a mídia do Brasil se resumir a meia dúzia de famílias que se julgam donas do mesmo, mesmo sem ter procuração ou posse da terra (do Brasil). Já passou da hora do povo, que saiu às ruas em 2013 sem nem saber ao certo o que estavam fazendo ou protestando, pelo que se vê hoje (frisando que havia gente séria que saiu as ruas como o Daniel) muitos desses estavam mais preocupados em tirar fotos pra posar de "revolucionário" no Facebook do que propor mudanças sérias ao país, pautar coisas sérias como essa da regulamentação da mídia.

Como dá pra deduzir ou subentender, um oligopólio (poucas família que controlam quase tudo que circula de informação) de mídia num país onde parte considerável da população tem pouco senso crítico, pouca leitura e se deixa induzir facilmente pelo que a mídia fala e reproduz, é um perigo considerável à democracia, pois foi este mesmo tipo de agrupamento o responsável por conduzir o país a uma ditadura de 21 anos (1964-1985), abrindo terreno pra golpe de estado. E como brasileiro eu não perdoo e nem relevo o papel político que esses grupos fizeram no passado e continuam fazendo contra a soberania política do Brasil lançando diariamente pilhas de notícias distorcidas, com politicagem de quinta pra demonizar governos e mentir pra população ou blindar grupos alinhados ao oligopólio.

Este tempo de barões da mídia ou do oligopólio pode estar chegando ao fim, e não necessariamente por ação do governo, como a entrada do Google como já sendo o segundo maior arrecadador de publicidade de mídia no Brasil. A mídia brasileira, tal qual se encontra hoje, com politicagem de quinta, como gente estúpida comentando política e conteúdo cultural pior ainda (programação, filmes, futebol decadente etc), não tem a mínima condição de concorrer com grupos de mídia estrangeiros como o Google, canais fechados dos EUA, etc, mais democráticos ou abertos, mais ricos e com uma quantidade de informação e produção fora do comum. Chega a ser um massacre. Ou a TV brasileira se preocupa com conteúdo cultural de qualidade e jornalismo também de qualidade (sem politicagem) como um negócio, ou já era, está liquidada.

A quem acha que um dos maiores arrecadadores de publicidade de mídia no país são TVs em segunda posição em institutos de pesquisa, não são, é o Google, uma cia de internet dona do Youtube etc.

Não vivem cobrando mudança na política? Comecem a mudar pelo óbvio, por coisas concretas, por reforma política (tem um plebiscito por constituinte exclusiva só pra isso, ouviram falar?), por compreender como funciona o Estado e suas divisões e não ficar em devaneios de senso comum repetindo besteira e idiotice que não levam a lugar nenhum só à desgraça e desilusão, não seguindo delírios e promessas vazias de gente demagoga, despolitizada e messiânica.

Esse papo de que "é tudo a mesma coisa na política" bla bla bla é conversa de tirania, alienação, demagogia e sendo comum estúpido e raso, democracia é formada por partidos. Eu não vejo norte-americanos ou europeus ficarem pedindo pra que surjam novos partidos porque estão "cansados" e convivem com partidos antigos nos seus sistemas. Eu não vejo norte-americanos propondo acabar a disputa Democratas x Republicanos (que é realmente polarizante e pobre, deveria haver pelo menos mais dois partidos), porque a mídia fica enchendo o saco dizendo que disputa com tais partidos "saturou" como se fosse política fosse igual a moda onde se troca de roupa de acordo com o que der na telha de alguma dondoca.

Não é assim que se age numa democracia, não é assim que funciona uma democracia, quem prega isso é idiota ou não sabe o que diz, isso é despolitização venal. O caso do Aranha demonstra o grau de alienação desse pessoal hoje no país. Agem por impulso, nunca pensam 1, 2, 3 vezes antes de fazer algo, e obviamente isto só causa porcaria. Quem age por impulso, em geral, é inconsequente (que não avalia as consequências dos atos) e costumam quebrar a cara por isso.

Falarei sobre preconceito regional (pois este caso abre espaço pra discutir esse outro problema) num post complemento desse. Não colocarei o texto aqui pra não estender. O blog trata da extrema-direita e racismo, os assuntos em questão têm ligação direta com a questão a quem achar estranho que isso seja discutido aqui.

P.S. colocarei alguns links depois dos episódios que citei (não dará pra colocar agora) e dos países onde a mídia é regulamentada, entre eles o "bolivariano" Estados Unidos ou da regulamentação da mídia do "bolivariano" Reino Unido. Já que a mídia brasileira idolatra tanto este país, por que não seguem seu exemplo nesta área? "Ah, já sei", só defendem o que não presta de lá, o que é bom deixam de lado. Nunca vi a mídia brasileira, por exemplo, defender a criação de uma NASA, a maior ESTATAL do mundo (isso mesmo, a maior ESTATAL, deixa eu repetir o nome, ESTATAL, do mundo fica nos Estados Unidos e é respeitada no mundo inteiro pelos avanços na ciência que promoveu).

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

As autópsias de Hadamar

Eu indico aos leitores esta excelente tese de Madeline Schlesinger, que mostra de forma conclusiva porque as autópsias realizadas pelo Major Bolker em Hadamar provaram que os pacientes não morreram de tuberculose, e também observa o fato fundamental de que Hadamar não tinha meios para diagnosticar e tratar a doença, tais como máquinas de raios-X e medicamentos adequados (pág. 19). As mortes foram consistentes com os envenenamentos descritos pelos réus (pág. 44) e os frascos de morfina encontrados no local (pág. 35). Além disso, o documento cita (em pág.40) a declaração de Wahlmann sugerindo que 200.000 eram o alvo inicial de morticínio do programa T4, implicando num cálculo de 80.000.000 x 0,004 x 0,625.

Fonte: Holocaust Controversies
http://holocaustcontroversies.blogspot.com/2014/09/hadamar-autopsies.html
Texto: Jonathan Harrison
Título original: Hadamar Autopsies
Tradução: Roberto Lucena

Leitura adicional:
"Euthanasia" crime in Hadamar (Site da Universidade de Minnesota)
Hadamar Euthanasia Centre (Wikipedia em inglês)
Tötungsanstalt Hadamar (Wikipedia em alemão)

Checar as referências no final dos verbetes.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Os planos de Hitler para África

Há 75 anos, a 1 de Setembro de 1939, a Alemanha invadiu a Polônia e começou a II Guerra Mundial. Adolf Hitler queria conquistar a Europa, mas há muito tempo que a Alemanha planeava criar um império colonial em África.

Himmler, Hitler, comando nazista
Quando Adolf Hitler chegou ao poder em 1933, a Alemanha já não tinha colônias. Depois de derrotar a Alemanha na I Guerra Mundial, o Reino Unido, a França e a Bélgica dividiram entre si as colônias alemãs. A África do Sul passou a governar a Namíbia, que então se chamava Sudoeste Africano Alemão.

Perder as colônias foi um osso duro de roer para muitos contemporâneos de Adolf Hitler. Mas o ditador alemão só pensava em conquistar a Europa. Hitler queria expandir o “império alemão” para França e para a União Soviética.

Andreas Eckert, historiador alemão, afirma que “África não fazia necessariamente parte da visão de Hitler de dominar o mundo”. Segundo Eckert, Hitler “olhava muito mais para outras regiões”, mas “não foi contra os interesses dos que o rodeavam relativamente a África.”

A megalomania nazi no continente africano

Um ano depois de Hitler chegar ao poder, os nazis estabelecem o seu próprio departamento de política colonial – o Kolonialpolitisches Amt. Mais tarde, Hitler pediu publicamente a restituição das colônias alemãs, sob pressão de grandes atores econômicos na época, interessados nos lucros que podiam fazer em África – um novo mercado, com muitas matérias-primas à disposição.

Os planos de Hitler para África

Ao sonho dos empresários alemães juntava-se o desejo de muitos alemães que ficaram em África de voltar aos tempos coloniais, nos Camarões, na Tanzânia ou na Namíbia.

Andreas Eckert explica que “em todas estas regiões havia delegações locais do partido nazi” e, nas antigas colônias, “havia um pequeno grupo de pessoas decidido a colocar estes territórios novamente sob domínio alemão.” No final dos anos 30, os planos para um novo território colonial já eram mais concretos. “Nos primeiros anos de guerra houve várias conquistas militares, que reforçaram a megalomania nazi”, afirma Eckert.

Império colonial nunca concretizado

O diretor do Deutsche Bank, Kurt Weigelt, um dos
empresários que persuadiu Hitler a avançar para África
Uma série de vitórias contra a França e contra a Bélgica deram à Alemanha a sensação de estar muito perto de conseguir voltar a ter colônias em África. O departamento de política colonial nazi ambicionava um “império colonial” no Golfo da Guiné, que se estenderia desde o que hoje é o Gana até aos Camarões – um território com matérias-primas em abundância, que poderia cobrir as necessidades do Grande Reich Alemão.

Os nazis pensaram também em conquistar vários territórios ao longo de uma faixa que se estendia até ao Oceano Índico. Com exceção da África do Sul – vista na altura como um possível parceiro.

Mas estes planos ficaram no papel. No início de 1943, a Alemanha teve de concentrar as suas forças para responder à ofensiva da União Soviética. Em Fevereiro de 1943, o departamento de política colonial foi extinto. Foi nessa altura que os russos venceram a batalha de Stalingrado, um ponto de viragem que preparou o caminho para a derrota alemã e para o fim da II Guerra Mundial, dois anos mais tarde.

Fonte: DW (Versão lusófona pra África; Moçambique, Angola, Cabo Verde)
http://www.dw.de/os-planos-de-hitler-para-%C3%A1frica/a-17895892

Áudio da matéria no link original acima na página da DW.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Tão liberal e tão amigo de Salazar. O lado obscuro e "oculto" da relação entre Fascismo e Liberalismo

Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, é um liberal, dizem os jornais de todo o mundo. Prova de liberalismo, além da não irrelevante ação como primeiro-ministro da Polônia: escreveu, nos seus anos de formação, ensaios a incensar o liberal Friedrich Hayek. Como o mundo é pequeno…

Esta genealogia de Tusk convida a que estudemos os pergaminhos do liberalismo moderno para o perceber. E Hayek é, de facto, Tusk tem razão, um dos mais qualificados guias para esse percurso: foi uma das figuras marcantes do renascimento de uma estirpe especial do neoliberalismo do século XX, muito marcada pela Guerra Fria, e aliás muito pouco liberal no que diz respeito às liberdades.

Que o liberalismo é ou pode ser pouco liberal, é um facto bem conhecido dos historiadores. Um saboroso episódio pouco conhecido em Portugal revela essa ambiguidade essencial: Friedrich Hayek, esse guru do liberalismo moderno, escreveu em 1962 uma carta a Salazar, explicando a motivação para o envio anexo do seu livro The Constitution of Liberty, que o devia ajudar “na sua tarefa de desenhar uma Constituição que previna os abusos da democracia”. Mesmo considerando o prestígio a que Hayek se veio a alcandorar mais tarde, em particular depois de ter recebido o Prêmio Nobel da Economia (em 1974, ex-aequo com Gunnar Myrdal, por um óbvio efeito de balanceamento político), este episódio revela uma atitude perante a liberdade e o Estado, incluindo uma ditadura, que é mais expressiva do que qualquer distinção honorífica.

Hayek voltou a este tema numa carta ao diário The Times em 1978, registrando que, na sua opinião, tem havido “muitas instâncias de governos autoritários em que a liberdade pessoal está mais segura do que em muitas democracias. Nunca ouvi nada em contrário quanto aos primeiros anos do governo do Dr. Salazar em Portugal e duvido que haja hoje em qualquer democracia da Europa Oriental ou nos continentes da África, América do Sul e Ásia (com a exceção de Israel, Singapura e Hong Kong) uma liberdade pessoal tão bem protegida como acontecia então em Portugal”. Estas relações entre várias ditaduras e Hayek, incluindo a de Salazar, foram estudadas por autores como o economista Brad DeLong ou o cientista político Cory Robin.

Das demonstrações desta virtude, há no entanto um episódio ainda mais conhecido, a relação entre Hayek e Pinochet. Tendo visitado o Chile quando a ditadura estava bem estabelecida – e os seus desmandos estavam demonstrados e eram públicos e notórios – Hayek expressou a sua adesão à nova ordem numa entrevista ao principal jornal do regime, o El Mercurio, a 19 de abril de 1981 (em que volta a falar de Salazar, para lamentar que ele não tenha prosseguido o que fora um “bom começo”). Nela declarava sem ambiguidades que “a democracia precisa de uma boa limpeza por um governo forte”. Uma boa limpeza. A sua atitude não deixou dúvidas e as palavras foram cuidadosamente escolhidas: “Como compreenderão, é possível a um ditador governar de modo liberal. E também é possível a uma democracia governar com total falta de liberalismo. Pessoalmente, eu prefiro um ditador liberal a um governo democrático a que falte liberalismo.”

Estive no Chile pouco tempo depois desta entrevista e os resistentes com quem trabalhei sabiam bem o que queria dizer Hayek: “uma boa limpeza por um governo forte” começava na tortura no Estádio Nacional e nas masmorras da Marinha. A preferência era indiscutivelmente elegante, Hayek gostava de uma “boa limpeza” à Pinochet. Nos mesmos anos, isso não impediu Margaret Thatcher, chefe do governo britânico, de considerar Hayek o seu guia espiritual (e ela governou quando o homem ainda vivia e visitou Pinochet).

Passaram décadas e, tudo esquecido, temos Tusk, homem do mundo, que começou por Hayek e agora preside ao Conselho Europeu. Merkel tem os seus peões no sítio e, sabendo que nada a liga a este passado hayekiano a não ser a ideologia econômica, não deixa de ser revelador tal facilidade de identificação com quem teve sempre tanto desinteresse pelas liberdade.

Fonte: Público (Portugal)
http://blogues.publico.pt/tudomenoseconomia/2014/09/02/tao-liberal-e-tao-amigo-de-salazar/
__________________________________________________________
Atualização e revisão: 04.09.2014

Sobre o texto: alguns ou muitos poderão chiar com o texto (já que por conta da quase ausência de feedback/retorno nos comentários eu não sei o perfil exato/médio da maioria que lê o blog, exceto quando trazem briga com "revis" em outros sites/fóruns tentando envolver o pessoal do blog nisto, algo que já disse que dispenso, além de não gostar do que leio nessas brigas), porque a parcela majoritária da direita brasileira (que é neoliberal) se identifica com nomes citados como o Hayek acima, Mises e outros. Mas não se deve ocultar fatos só porque esse pessoal que não gosta, e é truculento discutindo, simplesmente quer que se oculte ou omita, isso quando eles sabem.

Encontra-se fácil textos em português dessas figuras citadas acima espalhados na web em sites brasileiros de grupos ligados a figuras que foram parte do governo do PSDB na década de 90 (governo FHC), como Armínio Fraga, governo este que quebrou o estado brasileiro e o sucateou com esse ideário econômico e político (neoliberalismo) que até hoje tem sequelas no país, apesar do pessoal "cabeça de vento" de agora achar que o país está no caos por não ter interesse em saber como era o país décadas atrás.

Esses mesmos sites nunca comentam as ligações dos liberais ou liberalismo com o racismo nazista e grupos radicais de direita dos EUA e Europa. Fazem de conta que não possuem nada em comum com os fascistas e nazistas, mas defendem o "pai do nazismo" (entre tantos pais este é o principal) através do liberalismo que é o darwinismo social. Darwinismo social é uma ideologia/teoria que apareceu no século XIX e que persiste até hoje.

A quem não está familiarizado com o termo, e já que o verbete em português da Wikipedia está incompleto e cheio de falhas, segue abaixo uma tradução rápida minha do começo do verbete em inglês:
O darwinismo social é um nome moderno dado a várias teorias da sociedade que surgiram nos Estados Unidos e na Europa na década de 1870, e que procurou aplicar os conceitos biológicos da seleção natural e sobrevivência do mais apto para a sociologia e política. Darwinistas sociais defendem geralmente que o mais forte deve ter sua riqueza e poder aumentados enquanto o mais fraco deve ter menos riqueza e menos poder. Diferentes darwinistas sociais têm opiniões diferentes sobre quais grupos de pessoas são os fortes e os fracos, e eles também têm diferentes opiniões sobre o mecanismo exato que deve ser usado para promover a força e punir a fraqueza. Muitas dessas visões salientam a competição entre os indivíduos no laissez-faire capitalista, enquanto outros motivam ideias de eugenia, racismo, imperialismo, fascismo, nazismo e luta entre grupos nacionais ou raciais.
Social Darwinism

Eu coloquei os links nos nomes de termos políticos brasileiros no texto (partidos políticos), pra quem for de fora entender o significado deles, já que isso só costuma ter significado pra brasileiros, ou pra quem estuda o Brasil fora ou quem tem interesse pelo país.

E um adendo político pois não tenho paciência pra discutir com tucanos. Quem desconhece, eu sinceramente não morro de amores por tucanos (quem é de fora do Brasil, tucano é o bicho adotado como mascote pelo PSDB e é como são formalmente chamados e conhecidos os membros e apoiadores deste partido), pra não dizer de imediato que detesto tucanos e o PSDB. Não é algo retórico, eu detesto mesmo, até mais que os "revisionistas".

Sempre procurei evitar trazer discussões políticas deste tipo pra cá, mas como vieram trazer estes assuntos sem perguntar ao pessoal aqui o que acha disso, é melhor deixar a coisa aberta. Portanto, a quem quiser vir aqui doutrinar com baboseira tucana e não discutir assuntos sobre segunda guerra, favor evitar ou pensar duas vezes, eu posso não gostar, e sim, eu irei rebater. Sou tolerante, só que, quando eu fico intolerante (quando as pessoas passam dos limites), não costumo ser amistoso. E pra coisa chegar a este ponto é porque as pessoas extrapolaram pra valer, por não respeitarem a opinião dos outros. E não me refiro a "revisionistas".

Numa democracia, é normal a convivência entre correntes políticas diferentes, no Brasil isso também era comum, até a mídia começar um radicalismo paranoide. O nível de radicalismo e agressividade reproduzidos pela grande mídia brasileira desde 2002 (eu citei o assunto no texto da Copa do Mundo), satanizando partidos e quem pensa diferente deles, levou-nos a uma situação de polarização e radicalização pesada, por isso que fiz estas considerações sobre o cenário brasileiro, que numa situação normal não seria necessária.

Acho curioso que muita gente que critica os "revis" não tenha se dado conta do que é que tem impulsionado esses grupos no Brasil: são justamente essas publicações radicais de direita, liberais ou não, e a postura da mídia que têm incentivado esta escalada do ódio no país, como uma certa revista bem conhecida de uma editora de São Paulo. Por isso chega a ser curioso quando a mídia faz alarde de "grupos neonazistas" no país (na verdade a maioria disso são imitações ridículas de gangues neonazi europeias) e nunca tocam em certos grupos radicais que ficam em alguns estados do país ou mesmo fazem uma crítica a estes grupos ultraliberais radicais que ressuscitam discurso de ódio anticomunista da Guerra Fria, que é um dos pilares dessas gangues. "Chavismo, bolivarianismo", são os novos nomes pra termos velhos, pra requentar o ódio paranoide do passado pra justificar radicalismo contra inimigos fantasmas no país e distorcer a realidade pra fins políticos com a massa de manobra que assiste bovinamente a TV aberta e sites de notícia.

E com todo respeito ao Lula, eu não sou adepto dessa postura "paz e amor" que ele vem adotando há tempo diante dessa escalada de ódio político, eu prefiro mais esta postura aqui do Requião (link do vídeo), político paranaense ou a deste gaúcho aqui. Educação é uma coisa, aturar desacato e besteira de imbecis e gente cínica se achando "esperta" é outra coisa completamente diferente, e eu não aturo.

O "jeitinho português" conciliador (que o Brasil em grande parte herdou) comigo não funciona. Pelo contrário, se você vier com este tipo de conduta pra mim a única coisa que você conseguirá é que eu te deteste/odeie profundamente. Talvez seja por isso que eu entre tão facilmente em atrito com as pessoas que são adeptas desse "jeitinho luso-brasileiro", e não são poucas. E não estou nem um pouco comovido a mudar de postura sobre este tipo de conduta.

Não se deve ser tolerante com intolerantes sob risco dos intolerantes destruírem tudo (a democracia, a soberania econômica do país, por exemplo) e levar todo mundo pro buraco.

Na América Latina* a direita, principalmente e historicamente, é aversa à democracia, por sua origem ibérica e católica (estas elites e parte da classe média são chegadas a um governo autoritário), além de sua falta de patriotismo (de grande parte dela) e estupidez histórica também, não conseguem ver o Brasil como nação. Apesar de que na Argentina existia/existe uma direita nacionalista (peronista). A maioria das democracias que surgiram na região (este é o período mais longo democrático no país) foram fruto da maturidade das sociedades civis desses países combatendo ditaduras, e isto está sendo minado e corroído pela mídia, historicamente oligárquica e alinhada com os Estados Unidos, na América Latina. Os EUA sempre tiveram um papel preponderante de desestabilização política e econômica da região, e não mudaram de postura, principalmente em governos Democratas.

*Isto é um assunto pra outro post, mas América Latina é outra expressão problemática como o "Nordeste" (região), é uma generalização e ideia que só existe como retórica, não na realidade (não existe América "Latina" unida alguma como propagam, tampouco culturalmente homogênea).

Voltando à discussão, eu evitava entrar nestes assuntos aqui porque o blog era pra ser só sobre segunda guerra, embora o assunto em questão acima (liberalismo e darwinismo social) tem a ver e muito com a própria segunda guerra já que foi o liberalismo radical que levou o mundo ao caos na grande depressão e crise na Alemanha (e mesmo antes disso o mundo vivia em miséria e concentração de renda de ricos na parte mais industrializada que era a Europa e depois os EUA) e influenciou ideologicamente todos os grupos racistas do século XIX, XX e atualidade, ao contrário do que liberais atualmente pregam, omitindo ou negando que liberalismo antigamente convivia muito bem com e em estados autoritários.Além de estar levando o mundo de novo a uma crise histórica que pode culminar em guerras.

Eu evitava trazer o assunto porque não queria e não quero me desgastar com gente que geralmente é intelectualmente desonesta ou ignorante nesses assuntos, mas que são petulantes o suficiente pra vir te desacatar xingando, pior que "revis". É o tipo de discussão que você não ganha nada além de aborrecimento já que não está discutindo com quem quer aprender algo e sim com gente que quer doutrinar repetindo bobagens, subestimando o conhecimento de cada um. Mas já que quiseram cutucar a onça com vara curta, agora vão ter que aguentar.

Eu não costumo pegar "muito leve" quando sou provocado, até porque, considero bastante ofensivo esse tipo de panfletagem cínica, como se ninguém soubesse aqui que 99% do que é propagado nestes sites e na grande mídia do país sobre "liberalismo", ou é distorção ou conteúdo raso, fruto do sectarismo e fanatismo político que se alojou na direita brasileira (se é que alguma vez esta direita quis de fato democracia e soberania, já que não são muito afeitos à democracia, ou toca nas sequelas do neoliberalismo no Brasil e no mundo). A maioria dos que se proclamam "liberais" do Brasil na verdade não são liberais e democratas, no sentido moderno do termo, são em sua maioria proto-fascistas e gente autoritária com uma psicose e ignorância fora do comum, apesar de se declararem "democratas". Já passou da hora de mistificar fatos como esse (da conduta autoritária da direita) e dizer abertamente o que se passa no país.

Este texto pode abrir uma série de posts pra mostrar como o liberalismo e o fascismo (nazismo) estão mais ligados historicamente do que o que os liberais negam e que muita gente acha que não tem ligação por conta do discurso "anticapitalista" do fascismo e do nazismo e ocultamento por parte dos liberais e imprensa.

É comum as pessoas citarem a comparação Stalinismo x Alemanha nazi e omitir a questão do liberalismo com o nazifascismo. O liberalismo antigo e radical é muito mais ligado ao nazifascismo que aquela comparação clássica que fazem entre União Soviética e Alemanha nazi, mas muita gente nega estes detalhes, ou por desconhecimento ou por panfletagem política, como já ocorreu aqui em que uma pessoa veio fazer pregação liberal num post sobre a crise na Ucrânia e ao invés de comentar o texto começou a fazer pregação de "liberalismo" com um monte de citações confusas e sem lastro. Fui rebater e apontar os erros e tomei como resposta o termo "burro", por falta de educação do interlocutor e também porque não tinham mais o que dizer. Não me senti ofendido, mas acho um desaforo ler uma porcaria dessas.

Como disse lá no começo, o darwinismo social (cliquem no link pra ler a definição, mas aviso novamente que o verbete em português é falho e incompleto) é o pai ideológico de fato da "biologia" nazista, que é o pilar central da doutrina nazi junto do ultranacionalismo, um racismo eugênico levado às últimas consequências. É esta obsessão no racismo que distingue facilmente o fascismo alemão (nazismo) dos demais fascismos, embora os outros fascismos também fossem chegados numa "teoria racial".

Pra adiantar, o darwinismo social surge e cresce com o liberalismo inglês com destaque pro teórico Herbert Spencer, sendo que o liberalismo inglês era atrelado ao nacionalismo com o partido Whigs. Pra mostrar que estes sites ultraliberais distorcem tudo no país, vejam a propaganda que lançam negando que o Spencer era o pai do Darwinismo Social e quase "canonizando" a figura.

Não vejo muitas diferenças entre darwinismo social/racismo do liberalismo pro que foi aplicado no fascismo principalmente, a diferença consiste em que aplicam a coisa noutro formato e matam ou destroem de forma mais lenta (de fome, miséria), destruindo o Estado e suas instituições sucateando por crise econômica, de forma "legal" sob a vista grossa dos agentes que defendem e propagam este tipo de doutrina que abunda na imprensa brasileira, embora a mesma costuma evitar de se rotular de (neo) liberal, mesmo sendo.

O fascismo e o nazismo são frutos diretos do colapso econômico na Europa e demais países do mundo com o liberalismo radical propagado e pregado por esses grupos ultraliberais. Se você que está lendo este texto (longo) quer atacar "revisionistas" defendendo este ideário, é como apagar incêndio com gasolina. Uma coisa está atrelada a outra, não adianta criar um mundo "paralelo" pra se esconer e isolar isto porque simpatiza com este tipo de liberalismo radical.

O fascismo italiano veio de liberais, ou foi apoiado por eles, sem problema de "consciência" algum, por isso acho engraçado quando alguém que se diz de direita "liberal" no Brasil falar que nazismo é de esquerda sem nem saber os conceitos e históricos dessas doutrinas, e ficarem irritados quando a gente mostra historiadores de direita da Europa dizerem que nazismo e fascismo são de direita, de que há direita na Europa que defende intervenção estatal ou Estado forte, porque pra esses historiadores europeus não é um problema assumir isso por serem intelectualmente honestos e democratas de fato, uma vez que há direita democrática na Europa ou direitistas/liberais democráticos por lá e liberais sérios nos EUA.

Fico admirado que ninguém no Brasil (pois nunca li texto fazendo essa conexão no país, se houver e alguém souber, eu agradeço a quem achar e passar) tenha tido a curiosidade de observar estas questões e ligações ideológica, principalmente o pessoal de esquerda que quase todas as vezes ficam à deriva sem saber responder/rebater afirmações como "nazismo de esquerda". E não adianta vir algum dizer que sabem porque já vi vários ficarem girando em círculos sem saber rebater a afirmação.

Eu não quero ser chato, e isso é uma generalização (pois há muita coisa boa em pesquisa de História sobre integralismo sendo feita no país), mas... quando o assunto é nazismo, francamente, o que eu leio no país é de dar desgosto, principalmente quando saem em revistas e com sensacionalismo barato, basta o povo ver uma suástica na capa de algo assim que já fica "delirando" em cima do assunto porque só formam opinião sobre isto através de filmes, muitos deles de ficção como "Bastardos Inglórios".

Pelo fato da gente ler muita coisa de fora, fatalmente compara o nível do que lê com o que a gente lê sobre o assunto no país, e a diferença de nível é considerável. É triste dizer isso. Vendo mais a fundo esses assuntos, a gente nota o quanto rola de clichê em textos sobre nazismo no Brasil. Há uma recorrência quase frequente e insuportável à Hannah Arendt, como se ela fosse a maior referência em nazismo quando nunca foi, e o termo totalitarismo que ela usa é problemático (é mais rótulo).

No Brasil, graças a pocilga que virou o Orkut (que está pra acabar em 30 de setembro, ainda bem), que foi o berço/laboratório de tudo quanto é porcaria de extremismo de direita no país (que agora se propaga no Facebook, só que em menor escala ou mais dispersa), propagou-se todo tipo de porcaria intelectual possível na rede e essas ideias difusas e distorções já se espalharam pelas ruas com um público com senso crítico pra lá de questionável.

A gente ficava assustado com a quantidade de brasileiros bitolados, fanáticos, que não gostam de ler nada ou não têm critério ao ler (procuram só reforçar suas crenças e preconceitos e não aprender de fato, lendo besteira), repetindo essas asneiras radicais de jornais, revistas e sites neoliberais radicais (ou conservadores) como verdades absolutas. E o pior, quando eram/são rebatidos, ao invés de agradecer a correção, os caras ficam irados por conta do grau de fanatismo, alienação e recalque, e falta de compromisso com a verdade.

A negação de que o nazismo seja de direita é uma panfletagem  comumente usada pela direita radical liberal dos Estados Unidos.E a mesma direita liberal radical dos EUA anda próxima a grupos racistas como a Klan e ideias de darwinismo social. Todo fanático mente pra parecer "bonzinho".

A questão do darwinismo social, liberalismo e fascismo serão tratados posteriormente (espero postar, mas não prometo, pois como disse acima, o feedback/retorno deste blog é muito baixo e não gosto da postura de alguns comentários que leio). O assunto em questão a ser tratado são: a outra extrema-direita norte-americana, a origem do darwinismo social com o liberalismo, a incorporação disso ao nazifascismo, a Nova Direita, a direita radical neoliberal e suas ligações com grupos de extrema-direita racistas, negacionistas e darwinismo social.

Fica prum próximo post mais detalhes, mas tem muito material separado com coisa que nem em sonho sairá no país na chamada imprensa ou mídia brasileira. Vai que leem aqui e resolvem passar a investigar o assunto, embora duvido que deem créditos que leram aqui. Também espero que alguém que se interesse por esses assuntos e tenha lido isso aqui primeiro, tenha a hombridade/dignidade de citar o blog em algum texto mais aprofundado ou mais detalhado que venham a fazer, pois é o mínimo que se espera. Nós sempre citamos a origem/fonte dos textos publicados no blog porque eles têm autores que merecem todo o crédito de serem citados.

Pra finalizar este complemento (infelizmente longo, não sei se muita gente lerá) ao texto do jornal português que aborda esta questão do liberalismo não ver problemas em se aproximar de regimes ditatoriais, apesar de negar que o faça, a diferença de tratamento em cada país com blogs chama atenção. Nos EUA já citaram o blog do pessoal do Holocaust Controversies (do Roberto Muehlenkamp, J. Harrison e demais) em sites de universidades, em sites com o The Holocaust History Project, e citaram porque os caras realmente publicam coisas excepcionais, e também porque o povo não têm preconceito com blogs. No Brasil até no verbete da Wikipedia já apagaram coisas que coloquei link do blog em virtude da tradução estar aqui. Quem perde com isto? Quem lê um verbete ruim em português, obviamente. A cabeça estreita/fechada do povo no Brasil com isso realmente me espanta (estou generalizando, não é todo mundo obviamente que pensa desta forma, mas muita gente pensa assim a ponto de chamar atenção).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share It