domingo, 12 de fevereiro de 2012

O genocídio do Estado Independente Croata 1941-1945 - Parte 2

Continuação do texto "O genocídio do Estado Independente Croata 1941-1945", do historiador Dušan T. Batakovic.

OS MASSACRES

Dusan Batakovic
O historiador croata Fikreta Jelic-Butic reconstituiu, com base em materiais autênticos da Ustasha, a cronologia das perseguições de sérvios durante os primeiros meses após o estabelecimento do Estado Independente da Croácia: "Além de prisão um número crescente de sérvios em campos, rapidamente começaram os assassinatos em massa, massacres estes também realizados em vários locais. Na aldeia de Gudovac, perto Bjelovar, os utashis fuzilaram cerca de 184 camponeses sérvios entre 27 e 28 de Abril. Em Blagaj, na região de Kordun, após chamar os sérvios de Veljun e comunidades vizinhas para serem agrupados, os ustashis mataram cerca de 250 agricultores que responderam ao chamado do agrupamento. Poucos dias depois, em 11 e 12 de maio, cerca de 300 sérvios foram massacrados em Glina. No mês de junho, outros massacres ainda maiores ocorreram na Herzegovina. Nos subúrbios de Ljubinje, os ustashis iniciaram em 2 de junho um massacre em massa em que cerca de 140 camponeses sérvios foram mortos. Três dias depois, os ustashis haviam assassinado cerca de 180 agricultores da aldeia de Korita, perto Gacko. Então, em 23 de junho, quase sempre perto de Ljubinje, 160 homens foram mortos e em três aldeias próximas a Gacko, cerca de 80 homens, mulheres e crianças foram mortos. Dois dias depois, em algumas aldeias do distrito de Stolac, 260 homens foram abatidos. Em 30 de junho, em Ljubusko, cerca de 90 sérvios trazidos de Capljina foram mortos. Em junho, houve o massacre dos sérvios no território da Dalmácia do Norte. A matança começou com a prisão em massa de sérvios nos distritos de Drnis e Knin. Em primeiro lugar, cerca de 60 agricultores sérvios foram capturados em três aldeias: eles foram trancados na fortaleza de Knin e, em seguida, foram abatidos. Um grupo de cerca de 50 sérvios foram massacrados na estrada de Knin-Gračac. Na noite de 19 a 20 de junho, os ustashis prenderam 76 sérvios de Knin e Kninsko Polje foi morto em Promina. Em algumas aldeias das comunidades de Vrlika, Drnis e Promina, quase 250 camponeses sérvios foram mortos, incluindo muitas mulheres e crianças. Em quatro aldeias ao redor de Knin, 70 sérvios foram mortos antes de 12 de Julho. Na aldeia de Prosoj, perto de Sinj, cerca de 90 pessoas foram presas e depois mortas. (17)

Os assassinatos em massa continuaram ao longo dos meses seguintes: Em Julho - segundo F.Jelic-Butic - uma série de massacres organizados ocorreram, com pico no final do mês. Este é o momento da insurreição armada do povo na Croácia como também na Bósnia e Herzegovina. Em 01 de julho, na aldeia de Suvaj perto de Gracac, cerca de 300 homens, mulheres e crianças foram mortos. Na aldeia de Grahovac, perto de Petrinja, a Ustasha matou cerca de 1.200 pessoas de 24 a 25 de julho.De 20 a 27 de julho, em Prijeboj e arredores, várias centenas de homens foram mortos. Na noite de 27 para 28, em Primislje, cerca de 80 homens foram presos; eles seriam massacrados depois em Slunj. No dia seguinte, em 28 de julho, a Ustasha matou cerca de 180 sérvios perto de Vojnic. Nesse mesmo dia, cerca de 50 homens e mulheres da aldeia de Polace, perto de Knin, foram massacrados. No dia seguinte, no dia 29 de julho, ocorreu o grande massacre de centenas de sérvios na igreja Glina. Segundo fontes, no final de julho, cerca de 2.000 sérvios foram mortos em Glina. E, simultaneamente, ocorreu o massacre de cerca de 500 sérvios de Gracac e áreas circunvizinhas. Os maiores massacres em território da Bósnia ocorreram no final de julho nas regiões ocidentais. Acredita-se que nestes dias, nos distritos de Bihac, Bosanska Krupa e Cazin cerca de 20.000 sérvios foram mortos, e cerca de 6.000 no Distrito de Sanski Most e também 6000 nos distritos de Prijedor e Brod Bosanski, no entanto, a Ustasha ainda matou cerca de 250 pessoas nas aldeias sérvias de Duvno. A partir de 29 de julho começaram as matanças em massa na região de Livno, que ao longo dos próximos meses, implicaram na morte de mais de 1.000 sérvios." (18) Em Prebilovci e Surmanci, na Herzegovina, 559 sérvios foram mortos, exclusivamente velhos, mulheres e crianças. Eles foram levados para o abismo chamado Golubinka onde foram massacrados e jogados no abismo. Os massacres não pouparam nem mesmo a região de Srem. Após os massacres de 1941, em Ruma, dia 12 de agosto de 1942, 60 pessoas foram mortas e 140 sérvios foram mortos, em 25 de agosto, em Vukovar (19).

As dimensões deste massacre golpeou com espanto os representantes da Itália e da Alemanha no NDH. Em 28 de junho, Glaise von Horstenau informou que "de acordo com relatórios confiáveis ​​de um grande número de alemães observadores civis e militares, durante os últimos nas cidades e no campo, os ustashis se tornaram totalmente insanos." (20) No início de julho, o general von Horstenau assinalou com espanto que "os croatas expulsaram de Zagreb todos os intelectuais sérvios". Em 10 de julho, ele falou do "tratamento absolutamente desumano o qual são submetidos os sérvios que vivem na Croácia", referindo-se ao embaraço dos alemães "com seis batalhões de infantaria" que não podiam fazer nada a não ser observar "a fúria cega e sangrenta dos ustashis". (21)

O Coronel italiano Umberto Salvatore escreveu em 1 de Agosto de 1941 que "Gračac lembrava o Inferno de Dante, tiros foram disparados, mulheres e crianças gritando, e em toda parte os homens arrogantes e provocadores. com rostos dos carrascos, vestindo o uniforme da Ustasha". (22). Em informações detalhadas fornecidas pelas autoridades militares italianas em 1941 atestavam o grande número de vítimas. Em um memorando intitulado "Documentação das ações brutais e ilegais cometidas pela Ustasha contra a população iugoslava", falamos de 141 casos de assassinato em massa com lista muito precisa de 46.286 pessoas mortas, enquanto toda a documentação de abril-agosto de 1941 indica que o número de vítimas - a maioria sérvios, era superior a 80.000. (23)

OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO

A partir do verão de 1941, os campos de trânsito que foram estabelecidas seguindo o modelo nazista, rapidamente se tornaram campos de concentração. Os maiores dos 'campos da morte' eram o de Jasenovac, Jadovno (perto de Gospic), Stara Gradiska e o de Jastrebarsko. Fikreta Jelic-Butic relatou que dos campos "os principais e maiores no NDH eram o de Jasenovac e o de Stara Gradiska. O campo de Jasenovac surgiu no verão de 1941, quando os utashis começaram a trazer grupos de sérvios e judeus (Campo Nº 1). A chegada de outros presos levou à expansão do campo (Campo nº II). e de novembro de 1941 o campo continuou a ser expandido (Campo Nº III e Campo nº IV)." (24)

F.Jelic-Butic lembrou que foi no campo de Jasenovac, instalado na confluência do rio Una e do Rio Sava "que o maior número de seres humanos foram mortos no NDH - várias centenas de milhares de pessoas. De acordo com dados da Comissão Nacional da Croácia para levantamento dos crimes dos ocupantes e de seus colaboradores, calcula-se que este número é de cerca de 500 a 600.000 pessoas. As pesquisas em cemitérios que são feitas na área do memorial de Jasenovac estabeleceu que em terras distantes examinadas, numa área de 57.000 metros quadrados, mais de 360.000 prisioneiros foram executados e depois enterrados. Os dados correspondentes estão contidas no folheto de Jasenovac e em "Os campos de Jasenovac" (Jasenovac 1974) escrito por R . Trivuncic, o autor conclui: "Com base em marcas na superfície e em testemunhos de prisioneiros que sobreviveram, o número de 700.000 prisioneiros executados é bem realista" (25)

De acordo com dados fornecidos por Edmond Paris, cerca de 200.000 homens foram mortos em Jasenovac entre 1941-1942. Somente em 1942 sozinho, cerca de 12.000 crianças das 24.000 enviadas para Jasenovac foram mortas: "Multidões inteiras de crianças judias foram queimadas vivas nos fornos de tijolo do antigo transformado em crematório." (26). Vjekoslav Luburic, responsável pelos campos de concentração, declarou em Jasenovac no dia 9 de outubro de 1942, em uma recepção das mais altas autoridades do Estado Independente da Croácia: "Assim, durante este ano, em Jasenovac, mataram mais homens do que o Império Otomano fez durante a presença dos turcos na Europa." (27)

Segundo a pesquisa de F.Jelic-Butic, quando o campo de concentração Jadovno foi fechado em agosto de 1941, o número de mortes, em sua grande maioria de sérvios e judeus, era de 35.000. Um grande número de mulheres sérvias e cerca de 1.300 mulheres judias e seus filhos foram transferidos do campo de Lobograd para o campo de Auschwitz, antes do campo de Lobograd ser fechado em 1942. No campo de Stara Gradiska, procedeu-se "especificamente o massacre de mulheres e crianças." (28) Quase 4.500 sérvios e 2.400 judeus foram internados no campo de concentração na ilha de Pag. Na véspera da entrega daquela ilha para os italianos, os utashis massacraram cerca de 4.500 detentos. (29) No campo de concentração de Jastrebarsko, os ustashis levaram em 1942 cerca de 1.200 crianças de regiões de Banija e Kordun (norte de Krajina). Estes jovens internados foram tratados com extrema brutalidade. 486 crianças rapidamente sucumbiram à fome e apenas algumas delas escaparam do extermínio. (30)

Num relatório enviado em 20 de Fevereiro de 1942 à Berlim, Glaise von Horstenau dizia que as estimativas quando ao número de sérvios mortos no NDH oscilava entre 200.000 e 700.000 e que ele mesmo considera que o número de 300.000 era a mais correta. Os membros do governo croata argumentaram que antes do início de 1942, cerca de 250.000 croatas e 200.000 sérvios morreram, mas o General von Horstenau concluiu que o primeiro número era demasiado elevado e o segundo demasiado baixo. (31)

Os assassinatos em massa continuaram nos anos seguintes. Uma dos maiores deles foi realizado em Kozara, no noroeste da Bósnia, onde, numa ação combinada da Ustasha e de dezenas de forças alemães, milhares de sérvios foram mortos, incluindo um grande número de das crianças. (32)

Os dignitários e os clérigos da Igreja Ortodoxa Sérvia foram um alvo preferencial de ataques da Ustasha. O território do Estado Independente da Croácia tinha 9 bispados sérvios, 1.100 igrejas, 31 monastérios, 800 sacerdotes e 160 monges. Três dos principais bispos, o bispo Platon Jovanovic de Banja Luka, o bispo Petar Zimonjic de Sarajevo, o metropolitano da Bósnia e o bispo de Karlovac, Sava Trlajic, foram assassinados brutalmente e o Arcebispo Metropolitano de Zagreb, Monsenhor Dositej, foi deportado para Belgrado depois de ter sido torturado. No NDH cerca de 300 sacerdotes foram mortos, no entanto, muitos foram deportados para a Sérvia. Na diocese de Karlovac, 175 igrejas foram queimadas, destruídas ou fortemente danificadas. De um total de 189, apenas 14 igrejas permaneceram intactas. No bispado de Pakrac, de um total de 99 igrejas, 53 foram queimadas e 22 danificadas. Na Diocese da Dalmácia, 18 igrejas foram demolidas e 55 danificadas de um total de 109. Segundo a informação recebida, até o início de 1945, pelo Patriarcado em Belgrado, 7 igrejas foram destruídas e 6 outras foram muito danificadas de um total de 12, que incluia a diocese de Bosanska Dubica do bispo Banja Luka. Na diocese de Dubica, o número total de residentes sérvios caiu de 32.687 para 13.286. Em todo o território do NDH, em todo os cinco anos de poder da Ustasha, cerca de 400 igrejas sérvias e mosteiros foram demolidos, no entanto, um grande número deles, danificados, serviram como estábulos, armazéns, frigoríficos de gado ou banheiros abertos ao público. Em Jasenovac, antes de ser completamente destruído, a igreja ortodoxa local serviu como um estábulo. A destruição sistemática não poupou nem mesmo os cemitérios ortodoxos. Entre os locais de sepultamento muitos foram saqueados, aqueles que foram especialmente danificados, ou mais exatamente, demolidos, os locais foram arados: por exemplo, cemitérios perto de Banja Luka, nos cantões de Cajnice, Brcko, Travnik, Mostar, Ljubinje, Slavonski Brod, Borovo, Tenja e muitos outros. (33)

NOTAS

(17) F. Jelic-Butic, op.cit., p. 166.

(18) Ibid., p. 167. Uma documentação similar com uma lista detalhada das perseguições: E.Paris, op.cit., 59-60, 80-87, 104-107. Sobre os crimes da Ustasha na Herzegovina cf. Savo Skoko, Pokolji hercegovackih Srba 1941, Belgrado 1991. Um testemunho direto sobre os crimes ustashis é apresentado por Jean Hussard, em "Vu en Yougoslavie 1939-1944", Lausanne 1944.

(19) E.Paris, op. cit., pp. 103, 127.

(20) Johnatan Steinberg, All or Nothing. The Axis and the Holocaust 1941-1945, Ruthledge, London and New York 1990, pp. 29-30.

(21) Ibid., p. 30.

(22) Ibid., p. 38.

(23) Stato Maggiore Generale, Ufficio informazioni, Doc. Nos 00001-00129. Cf. la traduction serbe des documents: L. Malikovic (ed.), Krvavi bilans Nezavisne Hrvatske. Iz tajnih dokumenata italijanske armije, Revija 92, Beograd 1991, pp. 1-55.

(24) F. Jelic-Butic, op. cit., p. 186.

(25) Ibid., p. 187, note 214.

(26) E.Paris, op. cit., pp. 132-133.

(27) Ibid.

(28) F.Jelic-Butic, op. cit., pp. 186-187.

(29) E.Paris, op. cit., p. 129.

(30) Ibid., p. 130.

(31) Antun Miletic, Koncentracioni logor Jasenovac, Beograd 1986, vol. I, p. 161.

(32) Dragoje Lukic, Rat i djeca Kozare, Beograd 1990, 394 p. avec la liste des 11.196 enfants que les oustachis ont tués pendant la période 1941-1945.

(33) Dragoslav Stranjakovic, Najveci zlocini sadasnjice. Patnje i stradanje srpskog naroda u Nezavisnoj drzavi Hrvatskoj, Decje Novine - Jedinstvo, Gornji Milanovac et Pristina, 1991, pp. 127-185.

Fonte: Site do historiador Dusan T. Batakovic
Texto original: Le génocide dans l'état indépendant croate 1941-1945
Tradução: Roberto Lucena

Anterior >> O genocídio do Estado Independente Croata 1941-1945 - Parte 1
Próximo >> O genocídio do Estado Independente Croata 1941-1945 - Parte 3

Ler também:
Ustasha (Blog avidanofront)
Ustasha (Blog holocausto-doc)

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget