quinta-feira, 12 de abril de 2012

Himmler e suas Waffen-SS

Desde 1934 estava claro que Himmler preparava sua SS para criar seu próprio exército privado, uma guarda pretoriana acima da autoridade da Wehrmacht, com capacidade de combate e apenas leal ao seu führer. Ninguém devia acusar seus policiais, ou os guardas dos campos de concentração, de escapulir do front.

O começo dessa "elite" não foi muito prometedor, mas o que lhe faltava em experiência ou adestramento o supriram com seu entusiasmo, sofrendo mais baixas que outras unidades. Na Polônia, em que pese seu entusiasmo (ou por conta dele mesmo) o regimento motorizado da guarda de Hitler (o Leibstandarte de Sepp Dietrich) foi cercado e teve que ser resgatado por uma vulgar infantaria. Ao estar submetidos à disciplina do exército, este se empenhou em julgar um policial e um soldado de artilharia da SS por assassinar um de cinquenta judeus. Foram condenados a três anos. Mas não tiveram que cumprir um só dia, já que houve uma anistia geral para todos os casos deste tipo de "indisciplina" antes da campanha da França.

Exaustos no front, em 27 de maio de 1940 uma companhia da Totenkopf sob comando do tenente Fritz Knöchlein fuzilou a uma centena de prisioneiros britânicos do 2º regimento de Norfolk em Le Paradis, depois de haver sofrido baixas sob seu fogo. Em 28 o segundo batalhão da Leibstandarte fez o mesmo com uns oitenta prisioneiros desarmados em um celeiro próximo de Wormhoudt, em Flandes.

Os 18.000 SS armados de 1939 haviam se convertido em 100.000 em maio de 1940. Além disso, já não estavam submetidos à polícia militar do exército alemão.

Himmler ante os oficiais da Leibstandarte SS Adolf Hitler, outono de 1940
[...] Onde com uma temperatura de quarenta graus abaixo de zero tivermos que trasladar, a milhares, a dezenas de milhares, a centenas de milhares, onde tivermos que ter dureza de, e que vão escutar e depois esquecer imediatamente, matar a tiros centenas de dirigentes poloneses, onde tivermos que ser extremamente duros porque, caso contrário se voltarão contra a gente depois. Em muitos casos, é muito mais simples entrar na batalha com uma companhia de infantaria que suprimir uma população obstrutora de baixa cultura ou executar pessoas ou removê-las.
Notas:

Lang, the divided Self, 1966. pg 121 Citado por Padfield, Peter: Himmler, el líder de las SS y de la Gestapo. (Himmler, Reichführer SS, Nueva York 1990), Tradução de Ana Mendoza, La Esfera de los Libros, Madrid 2003. pg. 358.

Para referência dos primeiros crimes de guerra das Waffen-SS na França, em maio de 1940:
Lumsden, Robin: Historia secreta de las SS (Hitler’ Black Order, 1997) Tradução de Alejandra Devoto. La Esfera de los Libros, Madrid 2003. pp. 292-293.

Padfield, Peter: Himmler, el líder de las SS y de la Gestapo. (Himmler, Reichführer SS, 1990), Tradução de Ana Mendoza, La Esfera de los Libros, Madrid 2003. pg. 372-73.

Wykes, Alan: Guardia de Hitler, SS Leibstandarte (SS Leibstandarte, 1970.Tradução Lázaro Minué). Editora San Martín, Madrid 1977. pg. 95-99.

Elting, John R; Steinn, George: Las SS (The SS, 1990 Tradução de Domingo Santos) Editora Rombo, Barcelona 1995 pg. 155-156.

Fonte: blog antirrevisionismo. El III Reich y la Wehrmacht
http://antirrevisionismo.wordpress.com/2007/07/26/himmer-y-sus-waffen-ss/
Tradução: Roberto Lucena

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget