segunda-feira, 21 de maio de 2012

Richard Steigmann-Gall - O Santo Reich: as concepções nazistas do cristianismo, 1919-1945

Resenha crítica de John S. Conway (Departmento de História, Universidade da Colúmbia Britânica)
Publicado em H-German (Junho de 2003)

Richard Steigmann-Gall. The Holy Reich: Nazi Conceptions of Christianity, 1919-1945 (O Santo Reich: as concepções nazistas do cristianismo, 1919-1945); Cambridge: Cambridge University Press, 2003. 294 páginas, ISBN 978-0-521-82371-5.

O estudo animado e às vezes provocador de Richard Steigmann-Gall sobre a relação entre o nazismo e o cristianismo faz uma inovação. Ele critica aqueles que, como este resenhista, argumentam que o nazismo e o cristianismo eram incompatíveis, tanto na teoria e prática. Em vez disso, ele examina mais de perto as áreas de sobreposição e as ambiguidades decorrentes nas mentes de muitos líderes nazistas. Ele rejeita a ideia de que, quando oradores nazistas fizeram uso frequente do vocabulário cristão antes de 1933, foi puramente um dispositivo tático para ganhar votos. Mais tarde, tal religiosidade enganosa seria descartada por não ser mais necessária. Em vez disso, ele mostra a valorização ampla e consistente do cristianismo como um sistema religioso nas fileiras nazis, mesmo entre os vários membros de sua hierarquia. Da mesma forma, ele contesta a afirmação de que aqueles cristãos que se reuniram à causa nazista eram superficiais e oportunistas, saltando em uma onda política popular. Ele argumenta que as condições estressantes de uma Alemanha derrotada levou muitos cristãos sinceros, principalmente protestantes, a considerar a causa nazista como teologicamente justificada, bem como politicamente apropriada.

O nazismo idealizou, e mesmo idolatrou, a nação alemã e o Volk. Steigmann-Gall mostra como essa tendência já estava presente no recém-criado Reich bismarckiano, e foi muito incentivada pelo clero protestante. Sua teologia de guerra, em 1914, afirmou a aprovação divina da causa da Alemanha e fez cair a condenação sobre seus inimigos. Depois da derrota em 1918, o clero proporcionou o clima espiritual de uma visão apocalíptica do destino da Alemanha, valentemente se guardando contra as investidas dos males do marxismo, do judaísmo, do bolchevismo e materialismo. Tal pensamento dualista percorreram ambos em paralelo e alimentou o extremismo dos grupos políticos radicais da década de 1920, dos quais o nazismo emergiu como o mais bem sucedido.

A mais notória característica do nazismo era seu antissemitismo. Muitos observadores afirmam que o Holocausto foi o culminar de séculos de intolerância e perseguição cristã. Por sua parte, os clérigos têm procurado traçar uma linha entre antes da teologia cristã anti-judaica e o antissemitismo mais virulento racial nazista. Mas Steigmann-Gall, seguindo Uriel Tal, mostra quão facilmente os alemães católicos e protestantes podiam fundir suas antipatias religiosas com a campanha política dos nazistas. Por outro lado, ele mostra quantos nazistas acreditavam na base religiosa de seu ódio aos judeus, que formavam um ponto negativo de referência para uma ideologia de integração nacional-religiosa. A postura de Lutero contra os judeus poderiam ser apoiadas, por razões mais do que meramente táticas. E o apoio de Hitler ao "cristianismo positivo" foi uma tentativa de superar as diferenças confessionais, a fim de concentrar forças cristãs contra o seu arqui-inimigo, o judeu. E com total certeza muitos líderes nazistas eram anticlericais. Mas este veneno era principalmente direcionado contra os padres e pastores que colocavam suas lealdades institucionais à frente dos seus nacionais. Isso não impediu esses nazistas de acreditar que o movimento foi, em certo sentido cristão. Foi nesta base que os nazistas como Gauleiter Wilhelm Kube, o ministro da Educação da Baviera, Hans Schemm, e Hanns Kerrl, o ministro prussiano de Justiça, que mais tarde se tornou o Ministro de Assuntos Eclesiásticos do Reich, puderam buscar uma aliança com esses elementos nas igrejas, especialmente os protestantes, que apoiaram as políticas "autoritárias, anti-marxistas e antissemitas" do nazismo. Esta não foi, Steigmann-Gall acredita, uma relação simples e oportunista de ambos os lados. Ambos acreditavam que estavam seguindo uma postura genuinamente cristã, "seguindo um chamado à fé de Deus, que ouvimos em nosso movimento Volk" (p. 73).

Seguindo esta interpretação, Steigmann-Gall acha que mesmo aqueles nazistas mais hostis às igrejas poderiam ainda continuar a ter uma relação ambivalente com o cristianismo. Por exemplo, Alfred Rosenberg. Em seu livro, "O Mito do Século XX", ele fez várias referências positivas a Cristo como um lutador e antissemita, e era ainda mais entusiasta no louvor do mais notável místico medieval, Meister Eckhart. Se a Igreja poderia ser purgada de seus acréscimos judaicos e romanos, Rosenberg poderia observar mais adiante para uma fé de alma nórdico-ocidental que iria reencarnar um cristianismo mais puro. Nisso, ele apenas adotou as idéias de pelo menos uma fação extremista do protestantismo "cristão alemão".

Certamente, esses "paganistas"(pagãos), como Steigmann-Gall os chama, exerceu pouco controle sobre a política nazista. Hitler corajosamente e de forma consistente rejeitou qualquer discussão sobre uma religião ersatz baseada em mitos alemães ou culminando no Valhalla. O "cristianismo positivo" de líderes como Goering continuou a enfatizar as vantagens de um cristianismo não-denominacional nacional em áreas como educação ou assistência social. E até mesmo estridente anticlericais, como Goebbels ou Streicher, apoiaram a ideia de um cristianismo ariano como um sistema moral admirável. O fato das igrejas serem as únicas grandes instituições que não sofreram mostras de Gleichschaltung, tendo em vista, na visão de Steigmann-Gall, "a atitude fundamentalmente positiva do estado nazista pelo menos na Igreja Protestante como um todo". Por esta razão, em 1934, Hitler se recusou a apoiar os radicais e em 1935 nomeou um protestante antigo e velho camarada, Hanns Kerrl, para ser ministro de Assuntos Eclesiásticos. Este tipo de cristianismo que Kerrl afirmava foi proclamado em seus discursos: "Adolf Hitler tem martelado a fé e a verdade de Jesus nos corações do Volk alemão .... o verdadeiro cristianismo e o nacional-socialismo são idênticos." Mas Kerrl, que foi nomeado para coordenar as facções rivais protestantes, falhou. Então, Steigmann-Gall assinala que Hitler voltou-se contra as igrejas e abandonou o protestantismo institucional de uma vez por todas. Mas, mesmo assim, de acordo com uma fonte, ele ainda seguia suas idéias originais e era da opinião de que "a Igreja e o cristianismo não são idênticos" (p. 188).

As diferenças entre essa interpretação e as apresentadas anteriormente são realmente únicas em grau e tempo. Steigmann-Gall concorda que a partir de 1937 em diante a política nazista em relação às igrejas tornou-se muito mais hostil. A influência de notáveis ​​anticlericais como Bormann e Heydrich cresceu exponencialmente e foi contida somente pela necessidade de compromissos durante a guerra. Por outro lado, Steigmann-Gall argumenta persuasivamente que o programa do Partido Nazista de 1924 e as escolhas políticas de Hitler nos discursos dos primeiros anos não foram apenas motivações políticas ou enganosas na intenção. Concordando com a posição assumida pelo conterrâneo de Hitler, o teólogo austríaco Friedrich Heer, Steigmann-Gall considera esses discursos como sendo um sincero reconhecimento do cristianismo como um sistema de valores a ser adotado. No entanto, ele não está de total acordo em admitir que este cristianismo nazista foi eviscerado de todos os dogmas essenciais ortodoxos. O que restou foi uma vaga impressão combinada com preconceitos anti-judaicos. Apenas poucos radicais na extrema-direita do protestantismo liberal reconheceram essa miscelânea como o verdadeiro cristianismo.

Steigmann-Gall está perfeitamente certo ao salientar que nunca houve um consenso entre os líderes nazistas sobre a relação entre o Partido e o cristianismo. Como Baldur von Schirach comentou mais tarde: "De todos os homens de liderança no Partido que conheci, todos interpretaram o programa do partido de forma diferente [...] Rosenberg misticamente, Goering e alguns outros em um certo senso cristão" (p. 232). As ambigüidades e contradições eram inúmeras. [1] Ao longo dos anos a hostilidade cresceu, apesar de um desejo persistente de querer manter permanentemente um elemento cristão, combinando o antissemitismo e nacionalismo em algum tipo de avaliação positiva.

A façanha de Steigmann-Gall é ter explorado bastante os extensos registros da era nazista, a fim de ilustrar essas concepções muitas vezes conflitantes do cristianismo e demonstrar a prova em uma avaliação cuidadosamente ponderada. Ao fazê-lo, ele quase elabora um caso convincente. Mas sua visão final de que, à luz dos imperativos ideológicos pós-1945, o nazismo tinha de ser retratado como um império do mal e anticristão, parece exagerada. No entanto, é inegável que ele está certo em apontar o quanto o nazismo foi adotado pelos cristãos alemães, especialmente protestantes, dos conceitos e quanto apoio ele ganhou da maioria dos cristãos na Alemanha. Esta é certamente uma lição séria a ser desenhado a partir deste relato interessante e bem fundamentado.

Notas:

[1]. Como um exemplo das diferenças entre líderes nazistas, a seguinte anedota é registrada. Num encontro com Kerrl logo após sua nomeação como ministro da Igreja, Heinrich Himmler disse a ele, "Eu pensei apenas que você estivesse tentando agir piedosamente até o momento, mas agora vejo que você é realmente piedoso. Por isso devo tratá-lo mal no futuro." E então Kerrl espantado perguntou porque e o Reichsfuehrer SS respondeu, "Bem, na sua visão, quanto pior você for tratado aqui embaixo, melhores recompensas receberão depois."

Copyright (c) 2003 por H-Net, todos os direitos reservados. H-Net permite a redistribuição e impressão deste trabalho para fins não lucrativos, fins educacionais, com completa e acurada atribuição ao autor, localização na web, data da publicação, lista de origem e H-Net: Humanities & Social Sciences Online. Para outros usos contatar o grupo editorial de Resenhas: hbooks@mail.h-net.msu.edu.

Fonte: H-Net
http://www.h-net.org/reviews/showrev.php?id=7658
Tradução: Roberto Lucena

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget