segunda-feira, 14 de abril de 2014

O Bund norte-americano. O fracasso do nazismo norte-americano (a quinta coluna)

O Bund (União) Norte-americano. O fracasso do nazismo norte-americano: a tentativa do Bund teuto-norte-americano de criar uma quinta coluna" estadunidense

Por Jim Bredemus

Muitos norte-americanos temiam a presença de uma "Quinta Colina" alemã antes da Segunda Guerra Mundial. No caso do desorganizado e mal conduzido Bund norte-americano, mas a maioria desses medos acabaram por se mostrar injustificados.

Após a ascensão de Hitler ao poder em 1933, alguns norte-americanos descendentes de alemães formaram grupos de apoio ao partido nazista na Alemanha, na tentativa de influenciar a política norte-americana. O mais famoso desses grupos foi o "Bund teuto-norte-americano", que tentou se modelar como um braço norte-americano do Terceiro Reich de Hitler. Embora estes grupos usassem uniformes e ostentassem suásticas, na realidade, eles tinham poucos laços com a Alemanha nazista e o apoio recebido entre a grande comunidade teuto-norte-americana foi mínimo. No entanto, o grupo promoveu fortemente o ódio aos judeus e se esforçou para trazer o fascismo de estilo nazista para os Estados Unidos.

O suporte inicial para as organizações fascistas norte-americanos veio da Alemanha. Em maio de 1933 o Vice-Führer nazista Rudolf Hess deu autoridade ao imigrante alemão Heinz Spanknobel para criar uma organização nazista norte-americana. Pouco tempo depois, os "Friends of New Germany" (Amigos da Nova Alemanha) foi criada com a ajuda do cônsul alemão em Nova York. A organização tinha sede em Nova York, mas teve uma forte presença em Chicago.

A organização liderada por Spanknobel era abertamente pró-nazista, e engajada em atividades como atacar o jornal em idioma alemão New Yorker Staats-Zeitung com a demanda de que artigos simpáticos aos nazistas fossem publicados, e também na infiltração de outras organizações teuto-norte-americanas não-políticas. Spanknobel foi deposto como líder e posteriormente deportado em outubro de 1933, quando se descobriu que ele não tinha conseguido se registrar como um agente estrangeiro.

(Foto) Supostamente 22.000 apoiadores nazistas participaram de um comício do Bund norte-americano no Madison Square Garden, em Nova York, em fevereiro de 1939, sob a guarda da polícia. Manifestantes protestaram em frente (acima, à direita). Um desfile do Bund norte-americano pelo distrito de Yorkville, em Nova York, no Upper East Side de Manhattan (abaixo) atraiu ambos, os partidários e os manifestantes - e a imprensa.

A organização existiu em meados dos anos de 1930, embora sempre se manteve pequena, com uma adesão entre 5.000-10.000. Principalmente os cidadãos alemães vivendo nos EUA e emigrantes alemães que só recentemente haviam se tornado cidadãos compunham suas fileiras. A própria organização ocupava-se com ataques verbais contra judeus, comunistas e ao Tratado de Versalhes. Até 1935, a organização foi abertamente apoiada pelo Terceiro Reich, embora as autoridades nazistas logo perceberam que a organização estava fazendo mais mal do que bem a imagem dos nazistas nos Estados Unidos e em dezembro de 1935 Hess ordenou que todos os cidadãos alemães deixassem a "Friends of New Germany" (Amigos da Nova Alemanha); além disso, todos os líderes do grupo foram chamados para a Alemanha.

Não muito tempo depois dos "Friends of New Germany" (Amigos da Nova Alemanha) caírem em desgraçado por conta dos nazis e ser desmontada, uma nova organização com objetivos semelhantes surgiu no seu lugar. Formada em março de 1936 em Buffalo/Nova York e se autodenominando "German-American Bund" (Bund teuto-norte-americano) ou Amerikadeutscher Volksbund, esta organização escolheu Fritz Kuhn como seu Bundesleiter.

Como nativo de Munique, Kuhn lutou no exército alemão durante a Primeira Guerra Mundial. Depois de receber uma educação em engenharia química, Kuhn brevemente trabalhou no México antes de vir para os Estados Unidos e, em 1934, adquiriu a cidadania norte-americana. Kuhn foi inicialmente eficaz como líder e foi capaz de unir a organização e expandir seus membros.

Kuhn era a figura perfeita para a organização. A fachada de suásticas e "Sieg Heil" prevaleceu, mas na realidade Kuhn viria a se tornar visto simplesmente como um vigarista incompetente e mentiroso que dominava pobremente o inglês; até mesmo os nazistas tinham vergonha dele. O embaixador alemão Hans Dieckhoff o chamou de "estúpido, barulhento e grotesco".

A organização foi logo preenchida com aqueles que se autodenominaram de "Germans in America" (Alemães nos EUA) e sonhavam com o dia que o nazismo governasse os Estados Unidos. Apesar de terem sido instruídos a não aceitar cidadãos alemães em sua organização, eles não quiseram desligar todos os interessados e muitos imigrantes que haviam entrado. Estima-se que cerca de 25% dos membros do Bund eram cidadãos alemães - o restante era em sua maioria descendentes de primeira ou segunda geração de alemães. A pesquisa indica que a maioria dos membros do Bund eram de origem de classe média-baixa.

O Bund logo começou a realizar comícios cheios de suásticas, saudações nazistas e o canto de canções alemãs. O Bund criou acampamentos recreativos como o Campo Siegfried, em Nova York e em Camp Nordland, Nova Jersey. Também estabeleceu o acampamento Hindenburg em Wisconsin e o grupo reunia-se com frequência em Milwaukee e em cervejarias de Chicago.

O Bund criou uma versão norte-americana da Juventude Hitlerista em que crianças são educadas na língua alemã, com história alemã e filosofia nazista. Embora esta organização tentou se diferenciar da previamente vencida "Friends of New Germany" (Amigos da Nova Alemanha), o Ministério das Relações Exteriores alemão comentou que "Na realidade ... eles são as mesmas pessoas, com os mesmos princípios e a mesma aparência".

A organização impetuosamente promoveu o mesmo antissemitismo do Terceiro Reich: ele distribuiu panfletos "arianos" do lado de fora dos estabelecimentos de propriedade de judeus e fazendo uma campanha na eleição presidencial de 1936 contra Franklin Delano Roosevelt, que era acusado por eles de ser parte da "conspiração" judeu-bolchevique. O Bund mesmo gerou vários incidentes de violência contra judeus-americanos e empresas de propriedade de judeus. Numa pesquisa de opinião feita no final dos anos de 1930 rotulavam Fritz Kuhn como o líder antissemita nos EUA.

Em 1936, Kuhn e alguns de seus seguidores viajaram à Berlim para participar dos Jogos Olímpicos de Verão de 1936. Durante sua visita, Kuhn foi convidado para ir à chancelaria do Reich e ter sua foto tirada com o Führer. Isso dificilmente significava um endosso de Hitler, que fez muitas fotos cerimoniais no espírito dos Jogos Olímpicos, mas para Kuhn isto simbolizou seu batismo como Bundesführer dos Estados Unidos.

O Bund começou a atrair a atenção do governo federal no verão de 1937, com os rumores de que Kuhn tinha 200.000 homens prontos a pegar em armas. Durante este verão uma investigação do FBI sobre esta organização foi realizada, mas nenhuma evidência de irregularidade foi encontrada. Mais tarde, em 1938, Martin Dies, do Comitê de Atividades Antiamericanas da Câmara descontroladamente proclamou que Kuhn tinha 480.000 seguidores. Registros mais precisos mostram que no auge do seu poder, em 1938, Kuhn tinha apenas 8.500 membros e outros 5.000 "simpatizantes".

Foi neste momento que o embaixador alemão para os Estados Unidos Hans Heinrich Dieckhoff começou a expressar sua desaprovação e as preocupações com o Bund. Dieckhoff escreveu aos funcionários em Berlim que o Bund nunca teria sucesso nos EUA porque nenhuma "minoria" alemã existia nos EUA no sentido europeu. Ele escreveu que a maioria dos movimentos de imigrantes nos Estados Unidos foram muito reprovados e que a organização estava apenas criando sentimentos anti-alemães entre os norte-americanos.

O ceticismo de Dieckhoff foi bem justificado. Muitos norte-americanos alemães eram indiferentes em relação à política e pesquisas feitas na época mostraram que alemães norte-americanos não eram muito mais simpáticos à Alemanha nazista do que os norte-americanos tradicionais. A maioria dos norte-americanos, incluindo a maioria dos norte-americanos alemães, viam Kuhn e o Bund como apoiadores da presença nazista sob comando de Hitler, quando de fato isto eram apenas percepções complicadas de Kuhn.

Embora tenha havido algum contato oficial entre os funcionários do Bund e os nazistas, para a maior parte do governo nazista era desinteressado na organização e não deu à organização nenhum apoio financeiro ou verbal. A maioria dos funcionários do Terceiro Reich desconfiavam de Kuhn e do Bund, e o próprio Adolf Hitler expressou seu descontentamento quando soube da organização. Em 1 de Março de 1938, o governo nazista - em parte para apaziguar os EUA, e em parte para se distanciar de um embaraçosa organização - firmemente declarou mais uma vez que nenhum cidadão alemão pode ser membro do Bund e, ainda, que nenhum emblema e símbolos nazistas poderiam ser utilizados pela organização.

Em março de 1938, Kuhn viajou à Berlim para recorrer da decisão que havia sido tomada. Ele se reuniu com o assessor de Hitler, o Capitão Wiedemann, que simplesmente disse a Kuhn que a decisão era final. Apesar de sua rejeição, Kuhn retornou para se gabar aos norte-americanos de suas reuniões com Goering e Goebbels e os laços que ele tinha feito com Hitler. Tudo isto eram fabricações (mentiras).

Em fevereiro de 1939, Kuhn e o Bund realizaram seu maior comício no Madison Square Garden - ironicamente, o comício que marcou o começo do fim da organização. Para uma multidão de 22.000 pessoas, ladeado por um retrato enorme de George Washington, suásticas e bandeiras norte-americanos, Kuhn atacou FDR por ser parte de uma conspiração judaico-bolchevique, chamando-o de "Frank D. Rosenfeld" e criticando o New Deal, que Kuhn havia considerado como o "The Jew Deal" (literalmente "O Trato Judeu"). Três mil membros da Ordnungsdienst, o braço militante do Bund, estavam preparados e brigas eclodiram no meio da multidão entre aqueles que haviam vindo para importunar Kuhn.

Após o comício, o Procurador do Distrito de Nova York, Thomas Dewey, prendeu Kuhn sob a acusação de apropriação indébita e falsificação. Ele não só foi condenado por essas acusações, mas ele também confessou ter sido preso várias vezes por embriaguez, envolvimento em casos extraconjugais e de ter embolsando 15.000 dólares do rali no Madison Square Garden. Após a guerra, Kuhn foi deportado para a Alemanha; ele morreu ali sem a menor cerimônia em 1951.

Após a prisão de Kuhn, o Bund lentamente secou, até sua dissolução em 8 de dezembro de 1941, após o ataque a Pearl Harbor. Depois que os Estados Unidos declararam guerra à Alemanha, as autoridades federais começaram a prender funcionários do Bund. O sucessor de Kuhn Gerhard Kunze foi capturado no México e condenado a 15 anos de prisão por "atividades subversivas". Vinte e quatro outros oficiais foram condenados por conspiração por violar a Lei de Serviço Seletivo de 1940 e cumpriram pena na prisão. Alguns outros líderes do Bund cometeram suicídio antes que o FBI apanhasse eles. Embora alguns membros do Bund tenham tido sua naturalização revogada e alguns passaram um tempo em campos de prisioneiros, a maioria dos membros foram deixados em paz depois da organização ser dissolvida.

No final, o Bund de imigrantes alemães teve pouco poder, e com frequência fizeram com que norte-americanos médios se tornassem menos simpáticos com a Alemanha, como as visões extremistas antissemitas e pró-nazistas do Bund não circulavam bem entre o público norte-americano. Mesmo a Alemanha nazista percebeu isso e tentou distanciar-se do Bund. Apesar de todas as marchas, suásticas e comícios encenados pelo Bund, o prefeito LaGuardia de Nova York adequadamente descreveu isso como sendo simplesmente "uma agitação".

Fontes:

1. Bell, Leland. “The Failure of Nazism in America”. Political Science Quarterly. Vol 85(4). Dec. 1970, pág. 585.
2. MacDonnell, Francis. Insidious Foes: The Axis Fifth Column and the American Home Front. Oxford University Press, New York: 1995.
3. Remak, Joachim. “Friends of the New Germany: The Bund and German-American Relations”. Journal of Modern History. Vol 29(1). Mar. 1957, p. 38.
4. Smith, Gene. “Bundesfuehrer Kuhn”. American Heritage. Vol 46(5). Sep. 1995, p. 102.

Fonte: Texto do site traces.org
http://www.traces.org/americanbund.html
Título original: American Bund. The Failure of American Nazism: The German-American Bund’s Attempt to Create an American “Fifth Colum
Tradução: Roberto Lucena

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget