terça-feira, 14 de abril de 2009

Eliminação de Corpos em Auschwitz - O fim da negação do Holocausto - Parte 8 - Consumo de combustível

(todos os grifos abaixo são do tradutor)

Conforme referido anteriormente, os fornos de Auschwitz eram abastecidos a coque. Mattogno alegou que não havia entrega de coque suficiente em Auschwitz para cremar o números de corpos de prisioneiros não registrados que foram assassinados em Auschwitz de abril a outubro de 1943, quando os quatro novos crematórios estavam operando. Antes do meio de março de 1943 apenas o Krema I no campo principal estava operacional. Existem apenas registros de entrega de coque para o período compreendido de 16 de fevereiro de 1942 a outubro de 1943. De abril de 1943 a outubro de 1943, foram entregues 497 toneladas de coque. [140] As informações sobre as entregas de coque foram compiladas pelo pesquisador francês Jean-Claude Pressac, que recolheu as informações através registradas durante o período que esteve no Auschwitz State Museum. Ele analisou os registros de 240 entregas de coque e em seguida compilou estes montantes em valores mensais para o período em que existem registros. Pode ser notado que não sabemos se esses registros estão completos para este período.

Considerando o fato de que não existem registros para o período de meados de fevereiro de 1942 e após outubro de 1943, e nós sabemos que os fornos foram operados durante este período, então é muito possível que os registros em discussão estejam incompletos. Tal incompletude pode ser inferida através da comparação das entregas de coque para as quais existem registros mensais com o número de óbitos dos prisioneiros registrados. Em julho de 1942 temos registro de entrega de 16,5 toneladas de coque. Neste mês foram registradas 4.124 mortes de prisioneiros. No entanto, para março de 1942, há registros de entrega de 39 toneladas de coque, mas apenas 2.397 óbitos registrados de prisioneiros.[141] Em setembro de 1942 havia cerca de 9.000 óbitos de prisioneiros registrados e registros de entrega de 52 toneladas de coque. No mês seguinte, teve cerca de 5.900 mortes de prisioneiros registrados, e o registro de entrega de apenas 15 toneladas de coque. O segundo mais alto mês de entrega de coque foi em maio de 1943, quando 95 toneladas de coque foram entregues. No entanto, os óbitos de prisioneiros registrados foram os mais baixos. O número exato não pode ser isolado porque os livros de óbito de 14 de abril à 4 de junho mostram 2.967 mortes. Sendo assim, é seguro assumir que houve cerca de 2.000 mortes de prisioneiros registrados. Portanto o segundo mês mais alto de entrega de coque também corresponde ao mês com o menor número de óbitos de prisioneiros registrados.[142]

A questão sobre a forma como o coque foi efetivamente entregue em Auschwitz seria resolvido se existissem algum número central emitido pelo Bauleitung para o ano em questão. O negador do Holocausto, David Irving, publicou em 1993 o que ele pretendia que fosse tais números para os anos de 1940 a 1944. Estes números foram alegadamente encontrados nos Arquivos de Auschwitz em Moscou.[143] Entretanto, nenhum número de arquivo foi citado para estes números. Nas três tentativas por parte deste autor para que o Sr.Irving identificasse a fonte desses números nenhum foi bem sucedida. Mattogno escreve que ele não foi capaz de encontrar qualquer suporte aos números de Irving nos Arquivos de Auschwitz em Moscou.[144]

Mattogno examinou o registro dos prisioneiros cremados em Gusen no período de 31 de outubro a 12 de novembro de 1941. Estes números são uma conta síncrona que foi mantida pelos prisioneiros sobre os detalhes da cremação. Fotocópias foram enviadas pelo autor para o Mauthausen Memorial Museu.[145] Mattogno afirmou que os números mostram em 13 dias que , no período de 31 de outubro a 12 de novembro, 677 corpos foram cremados usando 20.700kg de coque, ou 30,5kg por corpo. 1 kg equivale a 2,2 libras. Mattogno argumentou que as 497 toneladas de coque que foram entregues em Auschwitz de abril à outubro de 1943 não foram suficientes para cremar o número de prisioneiros registrados e não-registrados que foram assassinados. 1.000kg equivalem a 1 tonelada. Ele analisou [o livro] Auschwitz Chronicle de Danuta Czech, que mostra que cerca de 103.000 prisioneiros não-registrados desapareceram após a sua chegada à Auschwitz neste período. Ele acrescentou a este número 21.580 prisioneiros registrados que morreram no campo. Ele afirmou que não havia coque suficiente para cremar os corpos. Estes corpos foram cremados com o coque que estava disponível, isso significa que cada cadáver foi cremado utilizando 4,1kg de coque.[146] Por conseguinte, ele alegou que os 103.000 prisioneiros não-registrados não poderiam ter sido mortos no campo durante este período. Quando ele dividiu as 21.500 mortes de prisioneiros registrados pela quantidade de coque consumida de abril de 1943 a outubro de 1943, ele chegou a 22,7kg por corpo.[147] Mattogno não explicou o que aconteceu com os 103.000 prisioneiros não-registrados.

O arquivo de Gusen invocado por Mattogno mostra a quantidade de coque na forma de carrinho de mão utilizado para transporte aos fornos.[148] No topo da página é citado “Karren Koks”, ou carrinho de mão de coque. Abaixo do título é citado que um carrinho de mão é igual a 60kg. No entanto, esse peso é citado somente para o período de 26 de setembro a 15 de outubro de 1941. Durante este período 203 corpos foram cremados usando 153 carrinhos de mão. Isso significa que 9.180kg (60kg vezes 153 carrinhos de mão) incineraram 203 corpos, resultando em 45kg por corpo. O número 9.180 aparece no backup deste arquivo onde os 153 carrinhos de mão são multiplicados por 60kg. Existe algum motivo, no entanto, para se suspeitar que cada carrinho de mão não continha 60kg de coque, mas este era um número genérico baseado na [capacidade] máxima teórica que cada entrega poderia ser feita. Em outras palavras, 60kg foi atribuído a cada carrinho de mão, independente do peso real. Por exemplo, em 3 de outubro, 11 corpos foram incinerados usando 13 carrinhos de mão. Os 60kg por carrinho de mão teriam levado a 71kg por corpo. No entanto, em 15 de outubro, 33 corpos foram incinerados com 16 carrinhos de mão, ou 29kg por corpo.[149]

Os fornos sofreram uma ampla revisão de 16 a 22 de outubro. O período que Mattogno estava analisando, 31 de outubro a 12 de novembro, mostra 345 carrinhos de mão foram usados para incinerar 677 cadáveres. No entanto, ao contrário da informação prévia para a reparação dos fornos, que acompanha um peso para cada carrinho de mão, e um peso total para todos os 153 carrinhos de mão, não existe informação sobre o peso dos carrinhos de mão após a revisão. Mattogno apenas presumiu que cada carrinho de mão tinha 60kg [de coque], sem informar aos seus leitores que poderia haver problemas para essa suposição e que até mesmo o peso inicial de 60kg por carrinho de mão para os fornos pré-revisão pode estar errada.

No entanto, o arquivo de Gusen fornece algumas informações muito valiosas. Ele mostra que a forma mais eficiente dos fornos queimar combustível é que mais corpos poderiam ser queimados mais rápido com isso. Assim, para o período anterior à revisão dos fornos, apenas 203 corpos poderiam ser queimados em um período de 10 dias, de 15 a 26 de outubro, usando 153 carrinhos de mão de coque. No entanto, durante um período contínuo de 13 dias após a conclusão da revisão, 677 corpos foram queimados com 365 carrinhos de mão de coque. Foi durante este período que 94 corpos foram queimados em duas muflas em 7 de novembro, usando 45 carrinhos de mão de coque e 72 corpos cremados no dia seguinte usando 35 carrinhos de mão. As implicações deste fato para os 46 fornos dos quatro novos crematórios de Auschwitz são importantes porque os números mostram que o uso mais eficiente do combustível queima os corpos mais rapidamente.

Mattogno admitiu que a mufla tripla dos Kremas II e III e que as oito muflas triplas dos Kremas IV e V, poderiam queimar corpos com mais eficiência de combustível do que a mufla dupla do Krema I, mas não admite que os corpos levados para lá queimavam mais depressa. Ele afirmou que a mufla tripla poderia queimar um corpo com um terço a menos de coque necessário para uma mufla dupla. Ele calculou que seria necessário de 16,7 a 20,3kg por corpo. As oito muflas poderiam queimar cerca de metade do combustível necessário nas muflas duplas, ou 12,5 a 15,25kg de coque por corpo.[150] Mattogno fez alguns cálculos sobre a razão deste fenômeno sem mencionar que os seus números são vagamente baseados nos dados fornecidos ao Bauleitung pela Topf.

A única informação disponível sobre a eficiência de combustível para a mufla tripla e as oito foi fornecida ao Bauleitung pela Topf. Em 17 de março de 1943 o Bauleitung emitiu uma nota com o título: “Estimativa do uso de coque para Krema II KL [campo de concentração] de acordo com os dados [Angaben] à partir da Topf e Filhos [fabricante dos fornos] de 11 de março de 1943”. A nota passa a descrever os dados em termos de acendimento. Krema II e III necessários 10 acendimentos para uso de 350kg por hora. No entanto o número poderia ser reduzido em 1/3, se eles fossem usados em base contínua, o que significa que cada Krema economizava 2.800kg de coque em um período de 12 horas. Nas oito muflas a economia de combustível foram ainda maiores. Quando os fornos trabalhavam continuamente iriam queimar 1.120kg de coque em um período de 12 horas. Isso significa que todos os quatro Krema poderiam funcionar com 7.840kg de coque em um período de 12 horas (2.800kg cada para os Kremas II e III e 1.120kg cada para os Kremas IV e V). O Bauleitung conclui: “Estas são as maiores conquistas. Não é possível dar um número para a sua utilização por ano, porque não sabemos quantas horas ou dias serão necessários para aquecê-lo.”[151]

Mattogno representou esta informação no sentido de que “os Krema II e III poderiam ter queimado cerca de 240 corpos pos dia, e o Krema IV e V cerca de 130, totalizando 370 corpos. A estimativa indicada na nota, indica que, assim, uma média diária de 370 macilentos cadáveres adultos eram esperados para a cremação.”[152] Isto é simplesmente uma falsa caracterização dos dados. Não há menção ao número de corpos que poderiam ser queimados. O principal fato é que os dados de combustível fornecidos pela Topf, são baseados no número de horas trabalhadas, independentemente da quantidade de corpos queimados. Este fato causou muitos problemas para Mattogno, porque, como referido anteriormente, as estimativas sobre o número de corpos que poderiam ser queimados em um período de 10 horas de um forno variaram de elevados 36, e o engenheiro Prüfer da Topf estimou 800 corpos nas 5 muflas triplas em um período de 24 horas. O verdadeiro dilema para Mattogno está nos valores do Bauleitung apresentados em 28 de junho de 1943, discutidos anteriormente, 4.416 corpos poderiam ser cremados em um período de 24 horas nos 4 novos Kremas, ou 2.208 em um período de 12 horas. Quando os 7.840kg de coque utilizados em um período de 12 horas são divididos pelos 2.208 corpos que poderiam ser cremados no mesmo período de 12 horas, a média gira em torno de 3,5kg por corpo. Mattogno nunca abordou esta questão diretamente. No entanto, ele estava consciente do problema que os valores do bauleitung poderiam representar. Para lidar com este problema ele recorreu a uma tática comum aos negadores. Ele anunciou que “este documento é uma fabricação.”[153] Assim, qualquer documento que os negadores não conseguem explicar, como resultado dizem que é uma fraude e conspiração. Mattogno não disse como “fabricaram” este relatório.

A questão é saber se os crematórios eram capazes de queimar um corpo em 15 minutos, a quantidade de tempo sugerido no relatório do Bauleitung de 28 de junho de 1943. Conforme referido anteriormente, um forno não poderia incinerar um corpo em 15 minutos, com qualquer tecnologia conhecida do período, mas um quadro diferente emerge quando múltiplos corpos queimando são considerados. A informação de Dachau, citada anteriormente, menciona a queima de 7 a 9 corpos simultaneamente em um período de duas horas. No Castelo de Hartheim, na Áustria, onde havia uma câmara de gás, um trabalhador do crematório testemunhou após a guerra que de dois a oito corpos poderiam ser cremados simultaneamente.[154]

A prática de cremações múltiplas era bem conhecida fora da Alemanha antes da Segunda Guerra Mundial. Em Osaka, Japão, nos anos de 1880 haviam 20 fornos crematórios e cada um deles poderia incinerar três corpos simultaneamente em um período de quatro horas. [155] Em 1911, um forno japonês foi apresentado no Salão Internacional de Higuena em Dresden, Alemanha, que poderia queimar cinco corpos simultaneamente em um período de 2 horas a 2 ½ horas. [156] Esta história reforça a viabilidade da capacidade de cremação simultânea de corpos e avanços tecnológicos 30 anos depois na Alemanha. O fato de os fornos não terem sido construídos com o propósito de múltiplas cremações não é determinante para se saber se na prática foi realmente realizada. O melhor exemplo é nos Estados Unidos, onde a prática é ilegal. Houve um grande escândalo no ínicio de 1980 envolvendo necrotérios no sul da Califórnia. Empregados de uma das instalações testemunharam que era prática comum cremar vários corpos juntos. Um embalsamador afirmou que viu cinco corpos em uma retorta (um forno), enquanto outro viu sete ou oito pessoas que foram cremadas simultaneamente. O fundador de uma das primeiras empresas de cremação dos Estados Unidos declarou que a o resultado da queima de vários corpos simultaneamente “uniformemente as cinzas saem muito escuras.” [157] Curiosamente, negadores criticam frequentemente as testemunhas que descrevem que uma fumaça negra saía do crematório. Se queimando produziu cinza preta pode-se perfeitamente bem termos fumaça preta.

Houve uma grande quantidade de testemunhos sobre a prática de múltiplas cremações em Auschwitz. Alter Feinsilber, um Sonderkommando – que extraía os cadáveres das câmaras de gás para serem cremados – afirmou que cinco corpos “queimavam mais rapidamente”. [158] O guarda da SS Pery Broad escreveu que quatro ou cinco corpos poderiam ser colocados em cada um dos fornos dos Kremas II e III. [159] O Sonderkommando Filip Müller afirmou que três ou quatro poderiam ser incinerados de uma vez. [160] O Sonderkommando Szlama Dragon testemunhou que três corpos foram incinerados de uma vez. [161] Dois prisioneiros que fugiram em abril de 1944, cujo relatório foi baseado em informações recebidas à partir dos Sonderkommandos, afirmaram que três corpos poderiam ser cremados de uma vez. [162] Mieczyslaw Morawa, um trabalhador do crematório, testemunhou que testes realizados antes no crematório de Birkenau mostraram que três corpos poderiam ser cremados simultaneamente em um período de 40 minutos em cada um dos 15 fornos do Krema II. Ele afirmou que estes testes foram realizados com um cronômetro pela SS. [163]

Mattogno estava consciente de que os testemunhos sobre as cremações múltiplas iria lhe causar problemas em fazer seu argumento sobre o coque. Ele argumentou que tal procedimento não produzia benefícios, tanto no tempo de cremação de um corpo ou na economia de combustível. Assim ele alegou que múltiplas cremações simplesmente tem duas vezes mais tempo para cremar dois corpos simultaneamente e exigem duas vezes mais combustível. Seu argumento foi baseado nas informações do forno de mufla dupla de Gusen. Ele afirmou que se houvesse múltiplas cremações que teriam ocorrido em Gusen em 8 de novembro de 1941, seria o dia em que 72 corpos foram cremados. [164] Retornando à seção anterior do presente estudo em que Mattogno alega que em 8 de novembro demorou 24 horas e 30 minutos para se cremar 72 corpos, mas que o tempo real ficou entre 16 e 17 horas. Na verdade, a informação de Gusen de 7 de novembro mostra que 94 corpos foram cremados em 19 horas e 45 minutos, ou cerca de 25 minutos por corpo, esta informação teria sido mais atraente para o argumento do que ele estava tentando fazer. Entretanto, ele não se mostrou disposto a admitir que um corpo pode ser cremado em 25 minutos, sob quaisquer circunstâncias.

O problema com o argumento de Mattogno é que podemos estar bastante certos de que não havia múltiplas cremações nesses dias. Um relatório de engenharia de 7 e 8 de novembro mostra que estes fornos trabalharam em cada dia durante 4 horas, com 4 horas de trabalho no dia 6 de novembro e mais 8 horas no dia 9 de novembro. Estes dados significam que aconteceram reparos nos fornos no mesmo dia em que estavam cremando corpos. [165] Nestas circunstâncias, é altamente improvável que múltiplas cremações tenham ocorrido. Mattogno também examinou este arquivo, mas não foi capaz de encontrar qualquer prova de múltiplas cremações. Conforme referido na seção anterior do presente estudo (ver discussão na nota 135), a estimativa de Prüfer de 53 corpos por mufla em 24 horas é uma taxa dentro da faixa dos 47 corpos cremados por mufla em 7 de novembro em um período de 19 horas e 45 minutos. Como foi referido, esta taxa foi mais provavelmente alcançada através da introdução de um corpo em uma mufla antes do corpo anterior ter sido totalmente consumido, o que não é o mesmo que múltiplas cremações. Essa possibilidade parece ter sido prevista nas instruções da Topf para os fornos de Auschwitz, conforme discutido anteriormente. (Ver discussão na nota 108).

O relato mais completo sobre o funcionamento desses fornos foi dado pelo Sonderkommando Henryk Tauber em seu depoimento de maio de 1945. Auschwitz foi libertado em janeiro de 1945. É o documento contemporâneo mais recente. Tauber começou a trabalhar no Krema I em fevereiro de 1943 mas eventualmente foi movido para os Kremas II e III. Ele também trabalhou no Krema V. Mattogno nunca abordou o testemunho de Tauber. Tauber afirmou que era comum cremar simultaneamente cinco corpos no forno. Ele também afirmou que demorava cerca de uma hora e meia para incinerar cinco corpos simultaneamente. [166] Esse tempo não é irreal. Lembrando que foi anteriormente citado um forno japonês que poderia cremar simultaneamente cinco corpos em um período de 2 horas a 2 ½ horas em 1911.

Tauber também notou que, sob condições adequadas, foi possível cremar oito corpos simultaneamente em um forno. Ele menciona o caso dos oito corpos emaciados. Ele também afirma quando crianças iriam ser cremadas, o Sonderkommando cremava os corpos de cinco ou seis crianças com dois adultos. [167] Ele ainda descreveu como os corpos das crianças foram colocados no forno para evitar a queda para as cinzas. [168]

Tauber também aborda a questão do combustível na queima dos corpos. Seu testemunho é importante a este respeito, porque ele mostra que era um problema e que as autoridades tinham desenvolvidos métodos para lidar com ele. Ele explica:
Como já disse, havia cinco fornos no Krema II, cada um com três muflas para cremar os corpos e duas lareiras aquecidas a coque. Assim o fogo ia para os dois lados das muflas, em seguida, aquecia a central, de onde eram levados os gases de combustão ao forno, entre as duas lareiras. Graças a esta combinação, o processo de incineração de corpos no lado das muflas diferia da mufla central. Os corpos de...as pessoas perdiam gordura e [a gordura] queimava rapidamente nas muflas laterais e lentamente na central. Inversamente os corpos das pessoas que eram gaseadas na chegada, não eram desperdiçadas, queimavam na mufla central. Durante a incineração destes corpos, o coque era inicialmente utilizado apenas para acender o fogo da fornalha, para que os corpos gordos queimassem por inciativa própria, graças à combustão da gordura corporal. [169]
A explicação de Tauber para a utilização da gordura corporal como fonte de combustível foi enfatizada em qualquer outra parte do seu testemunho. Assim, logo de início, ele mencionou que “[o] processo de incineração era acelerado pela combustão da gordura humana, assim, produzia mais calor.” Este método foi utilizado nos Krema II e III. Mais tarde, ele mencionou que, quando uma gordura corporal “era carregada no fogo quente, a gordura imediatamente fluía para as cinzas, onde pegava fogo e iniciava a combustão do corpo.” [170]

O uso da gordura das vítimas obesas como combustível era algo que exigiria conhecimento em primeira mão. Tauber era um sapateiro e não teria uma posição a esse respeito se realmente não tivesse obervado. A questão é saber quão credível é o seu testemunho. O engenheiro alemão Rudolf Jakobskotter, que Mattogno havia citado como uma autoridade em fornos crematórios, escreveu que a gordura corporal produz calor queimando em um forno. [171] Mattogno não aborda diretamente a questão da utilização de gordura corporal nos fornos como fonte de combustível. Ele inicialmente tinha descartado o testemunho sobre a utilização da gordura corporal nas valas de cremação para acelerar o processo de cremação. Entretanto, ele posteriormente retirou a sua primeira objeção escrevendo que “eu descobri que este procedimento pode ser feito para funcionar, se feito de uma determinada maneira...” [172] Tauber também tinha comentado como a gordura corporal foi utilizada nas valas de cremação para acelerar a cremação. [173]

O processo de utilização de gordura corporal em um forno foi também descrito pelo Sonderkommando Filip Müller, que observou que as autoridades tinham encontrado formas de colocar os corpos nos fornos para maximizar a eficiência de combustível:
"No decurso destas experiências, cadáveres eram selecionados de acordo com critérios diferentes e então cremados. Assim os cadáveres de dois Mussulmans [gíria do campo para prisioneiros emaciados], eram cremados junto com os de duas crianças ou os corpos de dois homens bem nutidos juntamente com a de uma mulher emaciada, cada carga, consistia de três, ou às vezes quatro corpos. Os membros destes grupos [homens da SS e visitantes civis do crematório] ficaram especialmente interessados na quantidade de coque necessária para queimar cadáveres de qualquer categoria em particular..."
Posteriormente, todos os cadáveres foram divididos nas quatro categorias acima mencionadas, o critério é a quantidade de coque necessária para reduzí-los a cinzas. Assim foi decretado que os mais econômicos procedimentos de economia de combustível seria cremar os corpos de um homem bem nutrido e de uma mulher emaciada, ou vice-versa, em conjunto com a de uma criança, porque, como os experimentos tinham estabelecidos, nesta combinação, uma vez que tinha pegado fogo, os mortos continuariam a arder sem que mais coque fosse exigido.” [174]

Do mesmo modo, o comandante do campo de Auschwitz, Rudolf Hoess testemunhou em Nuremberg que três corpos eram cremados simultaneamente para que os corpos das pessoas obesas queimassem mais rápido. [175] Ele também mencionou a cremação de três corpos simultaneamente em suas memórias, [176] a precisão deste assunto é tema de um outro estudo aqui no site do THHP.

O depoimento de Tauber e as memórias de Müller foram escritas anos antes de que alguém soubesse que o coque seria um assunto a discutir. Ambos relatos revelam claramente que o combustível foi uma séria consideração na gestão dos crematórios e que as autoridades tinham encontrado formas de lidar com o problema.

Madeira também foi outra fonte de combustível para os fornos. A Topf fez fornos que poderiam ser abastecidos com madeira, mas eles não foram tão eficientes quanto os modelos a coque. [177] Tauber declarou que madeira e palha foram utilizados nos fornos quando o estoque de coque estava baixo. [178] Mattogno localizou registros para entrega de madeira feitos em setembro e outubro de 1943. Ele alegou que a quantidade de madeira entregue foi equivalente a 21,5 toneladas de coque, quase não deu para resolver o problema. [179] Entretanto, Mattogno está suficientemente familiarizado com os arredores do campo de Auschwitz para saber que as autoridades não estavam dependendo de entrega formal de madeira. Fotos da área de Birkenau durante este período onde os crematórios estavam localizados mostram que eram rodeados por uma área bastante arborizada. [180] Na verdade, houve uma abundante oferta de madeira na área envolvida. Era necessário apenas ir, cortar e jogar abaixo. Fotos do Krema III após a liberação mostram as grandes pilhas de madeira cortada no seu exterior. [181] Um relatório sobre a resistência do crematório detalhado, mostra que em agosto de 1944 30 descarregadores de madeira [Holzablader] junto a 870 fogueiros dividiam 2 turnos de doze horas. [182]

Fonte: The Holocaust History Project - http://www.holocaust-history.org/auschwitz/body-disposal/
Tradução: Leo Gott

Continuação - Partes: (1);(2);(3);(4);(5);(6);(7);(8);(9);(10);(11)

6 comentários:

Diogo disse...

Não vale a pena escrever aqui nada porque será apagado. Isto é o fim de um (deste) blogue.

Já raramente cá venho. Daqui a pouco deixo de vir.

Leo Gott disse...

Diogo,

Não vale a pena escrever aqui nada porque será apagado.Pela 6.000.000a. vez (gostou do número?...rsrsrsrs) te informo que são publicados somente comentários RELATIVOS AO ASSUNTO EM VOGA não é possível que o que você quer comentar não está nos mais de 700 posts deste blog.


Outra coisa que é básico neste blog é não publicar comentários racistas e/ou antissemitas, isso você nem precisa fazer aqui, pois o seu blog já é um antro disso, então seria desnecessário o seu comentário por aqui.


Você criou uma lista de discussão sobre o Holocausto, postou um tópico, foi demolido com argumentos e nunca mais postou, lá é o lugar para um debate, mas você se esquivou.


Então meu caro, não venha com lamúrias na "nossa casa", como diz o seu "parceiro na divulgação da 'verdade' mundial" o Sr.JD (João Dordio/Johnny Drake).


Isto é o fim de um (deste) blogue.Este é o seu desejo, então destrua-o com argumentos (mas argumentos baseados em alguma coisa a não ser os seus delírios e de sua turba), Teoria da Conspiração nunca destruiu nada, a não ser na mente de lunáticos de 'Revisionismo do Holocausto', 911 e PentagonStrike.


Já raramente cá venho. Daqui a pouco deixo de vir.Vir aqui pra se lamuriar e se fazer de vítima é melhor nem vir mesmo, se quer comentar, comente respeitando as regras que tantas vezes já dissemos a você, caso contrário, 'prancha'. (rsrs)

Aqui no Brasil antissemitismo é crime, pergunte para um do seus gurus, o Sr. Castan.

PS.: Poste sobre a refutação do Prof.John Zimmermann à Carlo Mattogno que te garanto que nada será apagado, desde que postado no local correto, aqui por exemplo.


Abraços,

Leo Gott

Johnny Drake disse...

AAAAAAAAAAhhhhhhhhhhhh

Afinal a censura não é só nos blogues dos "nazis anti-semitas"...

Quantas vezes você já escreveu comentários no Revisionismo em Linha sem que tivessem a ver com o tema? Só foram apagados os que continham termos ofensivos, meu caro.

E aquela de você ter demolido com argumentos é de rir lol

Passe bem

Leo Gott disse...

Sr.JD,


AAAAAAAAAAhhhhhhhhhhhh

Afinal a censura não é só nos blogues dos "nazis anti-semitas"...
Censura existe em qualquer lugar, o se direito começa quando termina o dos outros.

Quantas vezes você já escreveu comentários no Revisionismo em Linha sem que tivessem a ver com o tema? Só foram apagados os que continham termos ofensivos, meu caro.Como diz você: Cada um faz o que quer na "sua casa", então...

E aquela de você ter demolido com argumentos é de rir lolNão só e como o Roberto também, é só você voltar lá e "ressuscitar" o tópico, mas por favor, sem Teorias de Conspiração, isso eu deixo pra você, o Diogo e o Bispo.

rsrsrs

Passe bemPasse bem você também, provavelmente deverá esta comemorando o aniversário de seu ídolo, boa festa pra vocês. rsrssrs

Roberto Lucena disse...

Eu ia comentar aqui antes mas acabou não dando, por isso marquei o post pra encontrar depois pra comentar, se bem que o Leo já disse tudo que penso no primeiro comentário dele. Apesar disso, como o comentário foi destinado ao blog, também gostaria de comentar algo sobre o primeiro comentário feito, embora possa soar redundante pois o Leo foi preciso no comentário que fez:

"Não vale a pena escrever aqui nada porque será apagado. Isto é o fim de um (deste) blogue.

Já raramente cá venho. Daqui a pouco deixo de vir."


O blog foi criado pra que pessoas leiam sobre o Holocausto e não pra "agradar" "revisionistas". Espaço criado em virtude da pouca disponibilidade(ou quase nenhuma) de sites em português sobre o Holocausto. A maioria dos sites com material qualificado se encontra em língua inglesa.

Na minha opinião, opinião pessoal, pouco me importa se "revis" leem ou não isso aqui, e ao contrário do que você afirmou este não será o fim do blog, não há qualquer fundo de verdade na afirmação que você fez, muita gente que não é "revi" vem ler ou acompanhar o blog, a presença ou não de "revis" lendo isso, pra mim, é irrelevante. Mas é possível sim discutir o que é dito em sites "revis" sem mesmo a interferência de "revis" no espaço de comentários do blog.

Há muita gente que sequer suporta a presença de vocês, e veja que foi aberta uma concessão pra que pudessem comentar mas só vi postagens com links pra fazer propaganda de blog "revisionista". O blog não se destinará a virar espaço de panfletagem "revi", se querem discutir a sério, discutam, mas não tentem conduzir, com este tipo de "chantagem emocional" barata, a maneira da gente formular o site, todo mundo aqui é vacinado contra isso, beira a tolice achar que ninguém entendeu o que você quer com esse "choro".

Outro ponto é de que eu não coloco o "revisionismo"(entre aspas, porque isso não é revisionismo) no patamar de História, eu sei que vocês adoram passar a impressão de que o "revisionismo" é revisão histórica(por motivos óbvios, pra ter algum crédito) mas não é, até porque ele não passa na prática de 'braço político-ideológico' de grupos de extrema-direita ou outros grupos extremistas.

Agora, como bem observado pelo Leo, no Brasil há leis antirracismo sérias, se as leis não estão a ser postas em práticas pelo poder público do país é outra discussão(pertinente por sinal, essa tolerância com o racismo ideológico no Brasil), mas as leis existem pra serem cumpridas, fora o fato de que eu acho que comentários ridículos de cunho antissemita não acrescentam coia alguma ao site, até mesmo pra discussão.

Discutir com quem se porta como um fanático, comparando grosseiramente esse comportamento àqueles que acreditam que o homem não foi à Lua ou leva a sério "teorias de conspiração", crendices, a coisa beira o ridículo. Acho extremamente ridículo sim ter que rebater ponto a ponto certos repertórios delirantes e crédulos(que nem crianças no jardim de infância levariam a sério) que se baseiam em crendices(antissemitas ou não) e não em fatos pra se discutir um assunto, mas eu sei que no mundo "revi" a confusão entre "mito" e História é constante, até porque sendo braço ideológico de grupos de extrema-direita de cunho fascista, faz uso do mito como manifestação política.

Mas isso não pode ser chamado de discussão histórica, pode ser sim(e é) uma discussão política sobre a presença desses grupos extremistas no mundo e do que eles pensam ou se manifestam, mas não é e nunca será uma discussão histórica. A manifestação, presença e atuação desses grupos extremistas hoje é que é sim objeto de estudo histórico. A crença deles, só entra na categoria de "estudo de crenças", rs.

Se alguém de fato quer fazer revisão histórica, jamais faria o que vocês fazem: desconsiderar por completo a formulação do Holocausto tal qual é dito e estudado por historiadores do Holocausto. Se algum "revi" tem uma hipótese que vai de encontro ao que é relatado sobre o Holocausto, ele teria que provar que aquilo está certo(e ter apreço pela verdade e não de moldar fatos pra "comprovar" suas crenças) e não simplesmente encher os pulmões de ar e bradarem que "refutaram o Holocausto" sem base alguma, só com textos que negam ou distorce o que é estudado sobre o Holocausto, sem prova alguma, ignorando por completo que podem estar errados.

Em nenhum momento um "revi" põe na mesa que podem estar errados, vocês agem como fanáticos tentanto impôr coisas porque querem limpar a imagem suja do regime nazista de qualquer maneira.

Pilland disse...

Your report is very interesting indeed.
My site: http://pillandvetrina.blogspot.com (Police gallery about pirates on the road, Handicrafts gallery and a Gallery of borders from all the world)
Best wishes from an Estonian living in Italy!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget