terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Os filósofos de Hitler: os pensadores antes e depois do Holocausto

De Kant a Nietzsche, de Alfred Bäumler a Kurt Huber, de Theodor Adorno a Walter Benjamin, todos esses filósofos debateram em torno das mesmas ideias que foram utilizadas pelo ditador alemão em seus propósitos. Um livro da pesquisadora Yvonne Sherratt aporta chaves no assunto.

O tema é espinhoso e escreveram não poucos livros a respeito. Qual foi o papel de determinados pensadores e filósofos no nazismo. Já em 1953, Habermas escreveu Heidegger contra Heidegger, um texto onde reprovava o filósofo – então seu professor - por ter negado sua corresponsabilidade na ascensão de Hitler. O tempo passa e as perguntas parecem seguir sendo as mesmas.

Assim demonstra a professora da Universidade de Oxford, Yvonne Sherratt, no livro 'Los filósofos de Hitler' (Os filósofos de Hitler), publicado originalmente pela Yale University Press e que agora chega à Espanha editado pela Cátedra. O livro faz um passeio pelos pensadores ao redor do nazismo antes, durante e depois do Holocausto. Incluem-se as influências involuntárias, os colaboradores e os adversários. "Os filósofos eram celebridades. O que eles fizeram, como atuaram e que ideias promoveram, exerceu uma poderosa influência no imaginário alemão", escreve Sherratt.


É bem conhecida a adoração que Hitler professou por Nietzsche e que também simpatizou com as interpretações de Darwin favoráveis a sua causa. Encontrou fios de antissemitismo e utilizou a ideia de raça, a força e a guerra para legitimar seu projeto. Assim assegura a autora: "Hitler teve o sonho de governar o mundo, não só pela força, também com suas ideias. Via-se a si mesmo como um filósofo líder e surpreendentemente ganhou o apoio de muitos intelectuais de seu tempo".

Neste livro, Yvonne Sherratt explora não só a relação de Hitler com os filósofos senão que escava na crueldade, na ambição, na violência e traição que brotou aí onde menos se esperava, "no coração da torre de marfim da Alemanha". Por que teve a colaboração de filósofos como Schmitt, redator da constituição legal dos nazis, ou do mesmo Heidegger?

Sherratt planta várias hipóteses. Provavelmente viram ali a oportunidade de ascensão dentro das universidades alemãs. Mas, quais foram suas histórias e por que aderiram o racismo e a guerra? Para responder essas perguntas, a autora mergulha em distintos arquivos e consegue inclusive provas que demonstram como, na década de 1920, Hitler coloca a mão em pensadores nobres do passado, incluindo Kant, Nietzsche e Darwin, para a formação de seu corpo de leitura.

Nos filósofos de Hitler, Yvonne Sherratt revela como os pensadores da década de 1930 foram entusiastas colaboradores do regime nazi e se prestaram para aportá-lo num manto de respeito: de Martin Heidegger ou Carl Schmitt até opositores como Kurt Huber, junto a muitos outros perseguidos ou assassinados, como foi o caso de Theodor Adorno e Hannah Arendt, que se viram obrigados a fugir como refugiados. O livro relata seus destinos, que se dispersaram pelo mundo. Conclui com os julgamentos de Nuremberg, examinando se alguns filósofos foram julgados e se as universidades alemãs foram purgadas/limpas de nazis depois de 1945.

Karina Sainz Borgo

Fonte: Vozpopuli (Espanha)
http://vozpopuli.com/ocio-y-cultura/54257-los-filosofos-de-hitler-los-pensadores-antes-y-despues-del-holocausto
Título original: Los filósofos de Hitler: los pensadores antes y después del Holocausto
Tradução: Roberto Lucena

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget