terça-feira, 23 de abril de 2013

Problema no verbete em português sobre o Holocausto na Wikipedia

Não é de hoje que noto um descaso e problema com o verbete em português sobre o Holocausto na Wikipedia em português. Não comentei antes pois uma vez fiz um reparo e alguma pessoa que cuidava do verbete foi lá e fez alterações cortando o que eu havia colocado (e o verbete continua sofrível), como não gostei resolvi deixar pra lá pois achei o ato do corte bastante imbecil.

Se a pessoa que cortou fosse fazer alterações que melhorem o verbete eu não faria esta crítica, mesmo porque nem se idenficou, mas pra deixar um texto pífio desses lá sobre negacionismo, o gesto de corte soa como uma atitude infeliz porque é uma atitude de truculência (cortar o que foi melhorado) mesmo que prejudique o conteúdo do verbete.

Não sei qual a política da Wikipedia em português mas sei que os verbetes em inglês têm restrições no acesso para modificação (as modificações são discutidas e o povo em geral tem bom senso e aprova o que é melhor), principalmente em temas alvo de vandalismo de neonazis e grupos desse naipe, e possuem um conteúdo melhor. Se a pessoa que colocou o texto não quer melhorar o texto que colocou que pelo menos traduza o texto do verbete em inglês e ponha no lugar do texto abaixo (em destaque).

Vamos ver agora se conseguem cortar meu comentário acima.

Verbete em inglês: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Holocaust
Verbete em português: https://pt.wikipedia.org/wiki/Holocausto
Revisionistas e negadores
Ver artigo principal: Paul Rassinier e Negacionismo do Holocausto

Algumas pessoas que duvidam do Holocausto são classificadas como negacionistas do Holocausto. Esses pretensos pesquisadores afirmam que muito menos de seis milhões de judeus tiveram seus últimos dias nos campos de concentração e que as mortes não foram o resultado da política deliberada dos alemães. Este grupo, não reconhecidos academicamente por historiadores e pesquisadores, alega que o Holocausto definitivamente nunca existiu. Esta tese é normalmente acompanhada de números que entram em choque com os números amplamente aceitos.

É comum que esta ideia seja associada imediatamente ao racismo, ao nazismo e ao neo-nazismo. Muitos que acreditam na versão histórica afirmam categoricamente que o negacionismo é uma forma de anti-semitismo. Muitos negacionistas, por outro lado, afirmam não serem anti-semitas, e que querem meramente contar a história como deve ser. Estas pessoas dizem que estão contentes por menos pessoas terem sido mortas do que previamente julgado e que desejam que outras pessoas interpretem os dados negacionistas como boas notícias. Porém, muitas vezes é possível identificar a divulgação de informações anti-semitas nos mesmos meios ou pelas mesmas pessoas que divulgam essas ideias.

O negacionismo do Holocausto possui pouquíssimos defensores no meio acadêmico, por se tratar de uma doutrina sem bases documentais fiáveis e profundamente eivadas de distorções de caráter ideológico. Além disso, a abundância de provas em contrário, confirmando o Holocausto, torna a defesa pública do Negacionismo praticamente impossível. Ainda assim, em alguns países, como a França, Alemanha, Áustria, Suíça e Israel, o negacionismo do Holocausto é um crime. Em outros, como Canadá, Austrália e Brasil são passíveis de outras sanções.

Nesse último, o Brasil, o negacionismo é associado ao anti-semitismo e este foi considerado uma forma de racismo, crime hediondo, que segundo o parecer jurídico do Supremo Tribunal Federal sujeita o infrator à pena máxima.4
Mais um adendo: o problema não se resume a este verbete que teoricamente é o principal (mais procurado em virtude do nome), vários verbetes sobre Segunda Guerra possuem problema e pra alterar é complicado pois sempre aparece alguém pra cortar o que é corrigido.

Um comentário:

Guefiltefish disse...

Hoje, 24 de abril, comemora-se em diversos países o Dia em Memória ao Genocídio Armênio. No curto período entre 1915 e 1917, cerca de 1,5 milhão de homens, mulheres e crianças armênias foram mortas pelos turcos.
Além de um tributo às suas vítimas, a data tem a importância de nos alertar que tragédias desta natureza, se não denunciadas e relembradas, tendem a se repetir.
Historiadores hoje concordam que o Genocídio Armênio teve forte influência na política e nos métodos de extermínio dos judeus empregados pelos nazistas.
Mais do que isso, a indiferença da comunidade internacional durante o Genocídio Armênio serviu como estímulo às pretensões nazistas. "Quem fala hoje sobre extermínio dos armênios?", teria indagado o próprio Adolf Hitler, em 1939, a generais que temiam a repercussão de um massacre aos judeus.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget