domingo, 24 de junho de 2012

O Partido Alemão Nacional-Socialista na Argentina, Brasil e Chile frente às comunidades alemãs: 1933-1939 - parte 02

O NSDAP e o processo de alienação das comunidades alemãs

A partir de então, a tarefa mais importante do partido foi a total alienação ideológica das comunidades alemãs, sobretudo de suas associações, tal como havia declarado em maio, e mais uma vez em outubro de 1933, o chefe da Organização de Assuntos do Exterior do NSDAP (Auslandsor - ganisation, AO), Bohle [16]. Primeiramente, a AO queria penetrar nas organizações principais, quer dizer, na Liga Chileno-Alemã (Deutsch- Chilenischer Bund, DCB) e na Associação Alemã da Argentina (Deutscher Volksbund für Argentinien, DVfA) [17]. A AO confirmou:

"As escolas alemãs e as paróquias luteranas e católicas são o ponto de partida mais adequado para extender nossa ideologia nacional-socialista. Se pudermos realizar um trabalho cultural neste sentido, isto seria melhor que a simples alienação de associações. A colaboração com estas instituições é o dever absoluto de todos os membros do partido no exterior".

As associações tinham diferentes relações com a Alemanha. Algumas eram sociedades afiliadas, outras cooperavam com as associações principais no Reich, e muitas se mantinham independentes; mas todas elas se sentiam comprometidas com os 'valores alemães tradicionais' do passado. Os grupos do NSDAP no exterior exigiam de seus membros que participassem ativamente na vida dos círculos alemães, o que significava, por último, na infiltração destes. Além disso, muitas associações recebiam ajuda financeira e pessoal do Reich, sobretudo as escolas. A partir de 1933 chegaram à América Latina professores que, basicamente, eram membros do NSDAP.

O NSDAP e as associações principais

O grupo chileno do NSDAP encontrou resistência a princípio quando tratou de instalar um de seus membros como gerente da Deutsch-Chilenischer Bund, DCB. A DCB, a organização de chilenos de origem alemã, argumentou que, desta maneira, estaria tomando uma posição política [19]. Em fins de 1933, depois de outros conflitos, o chefe de propaganda do NSDAP no Chile reclamou por uma atitude clara da DCB e pediu que se adotasse por completo o nacional-socialismo [2]. Pela última vez a DCB rechaçou esta exigência e toda atuação política [21]. Pouco tempo depois, contudo, foi castigada com a eliminação de toda ajuda financeira do Reich, o que lhes obrigou a funcionar então com um grande déficit [22].

A Legación alemã também tentou influir sobre a DCB [23]. A pressão foi tão grande que o diretor da DCB teve que renunciar no início de março de 1935, segundo ele, por "intrigas nazistas" [24]. Depois de outros conflitos, assumiu este cargo um membro do NSDAP. Agora que a DCB aderiu à nova Alemanha, ele manifestou sua disposição em colaborar com o partido e começar a propagar o nacional-socialismo em suas publicações [25]. Em fins de 1935, a DCB havia perdido sua independência. Um ano mais tarde, em outubro de 1936, a AO caracterizou a colaboração com a DCB como "a melhor que se poderia imaginar" [26]. A fim de assegurar sua influência, a AO exigiu que "a eleição de diretor da DCB estivesse de acordo com o partido" e que "em todo caso fosse um homem orientado totalmente de acordo com a nova Alemanha" [27]. O ministério de Relações Exteriores alemão (Auswdr- tige Amt, AA) apoiou as exigências do NSDAP [28].

A DVFA na Argentina tinha a responsabilidade de se ocupar das escolas alemãs, apesar dos conflitos políticos e sociais [29]. Uma vez superados diversos conflitos pessoais, a DVFA rapidamente se mostrou disposta a se alienar com o Terceiro Reich. Por exemplo, organizou uns protestos de todas as associações alemãs contra a crítica da esquerda, especialmente contra os ataques do Argentinisches Tageblatt ao governo de Hitler. Ao diretor da DVfA, Martin Arndt, o partido lhe reprochó que não quisesse uma alienação nazista, por medo de causar conflitos internos na comunidade alemã [30]. Arndt se viu obrigado a renunciar [31]. O novo diretor, Wilhelm Róhmer, pediu a colaboração do partido e o ingresso de seus membros nos grupos da DVfA32. Em consequência disso, a DVFA perdeu um terço dos seus membros e só em 1937 pode recuperar o nível de membros com o qual contava em 1934 [33].

A cooptação das escolas e juventude das comunidades alemãs

O sistema educativo alemão na América Latina era muito bem avaliado. A grande maioria dos alunos era de origem alemã. Em meados dos anos trinta havia no Chile 52 escolas alemãs com mais de 5.000 alunos [34], na Argentina 203 com 15.000 alunos, e no Brasil 1.800 com cerca de 60.000 alunos[35]. Muitos dos professores eram emissários de escolas na Alemanha [36], e uma grande parte dos gastos era financiado pelo Reich. Em determinado momento, 96 dos 500 professores alemães no Chile pertenciam ao partido [37]. A alienação dos professores se levou a cabo sem dificuldades e já estava consumada em 1934. Por exemplo, o círculo de professores em Santiago solicitou sua incorporação na NSLB (Associação Nacional-Socialista de Professores), seguida pouco depois pela associação central [38]. Os professores chileno-alemães deviam permanecer na organização original, mas seu diretor era sempre o chefe da NSLB39. Consequentemente, os programas de ensino foram reorganizados segundo o modelo alemão [40].

As escolas alemãs na Argentina foram objeto de luta política entre nazis e antinazis alemães. Frente à alienação nazista, Ernesto Alemann, o editor do Argentinisches Tageblatt, propôs a fundação de uma escola independente [41]. A escola 'Pestalozzi' foi inaugurada no início de março de 1934. Excetuando a escola 'Cangallo' [42], todas as demais se submeteram neste tempo à influência nacional-socialsta. Em razão da ajuda financeira, as escolas alemã-argentinas aceitaram programas de ensino nazi [43].

O partido no Brasil teve que fazer mais concessões que os grupos nazis na Argentina e Chile, devido as experiências vividas na Primeira Guerra Mundial, quando em 1917 a administração brasileira fechou as escolas alemãs. Os responsáveis queriam salvar o sistema escolar tradicional, tanto brasileiro como o alemão [44]. O NSDAP no Brasil atuou discretamente, permitiu conservar a organização anterior e deixou que os professores decidissem livremente se eles se uniriam à NSLB [45]. Não obstante, era obrigatória, pelo menos as associações principais, a colaboração com a NSLB [46]. Também foi concedido ao NSDAP o direito de participar das sessões de várias organizações que se incorporaram à associação principal [47], contanto que na classe se lesse Minha Luta de Hitler e se tratasse do 'problema racial' [48].

Contudo, uma alienação tão completa como na Argentina e no Chile não foi possível ser feito no Brasil. O partido teria que levar em conta o temor dos brasileiros de descendência alemã, que haviam sofrido com o clima de crecentes tendências nacionalistas do governo brasileiro e que não queriam ser rotulados como suspeitos de deslealdade com o Estado [49].

Junto às escolas, a juventude foi o outro campo no qual o partido concentrou seus esforços para pôr em prática uma educação nacional-socialista, a fim de que os jovens não perdessem os laços com sua origem alemã [50]. Ainda antes de 1933, já existia no Chile uma organização juvenil orientada para o nazismo, a Deutsche Jugendbund für Chile (Liga Juvenil Alemã do Chile, DJC)51. Fundada em1931 por Karl Roth e Adolf Schwarzenberg[52], a Jugendbund perseguu fins eugênicos e "a doutrinação no sentido do movimento de Hitler' [53]. Sua propaganda estava determinada pela "crença incondicional na missão do povo alemão [54] e os jovens usavam uniformes muito semelhantes aos d Hitlerjugend (Juventude Hitlerista na Alemanha, HJ). Sua enérgica apresentação pública e sua franca determinação de ser a vanguarda na comunidade alemã provocaram críticas dos chileno-alemães [55].

Contudo, as tentativas do NSDAP na Argentina e Brasil de criar uma organização juvenil nazista não deram resultado. Devido à crítica das comunidades alemães ao partido, somente se pode fundar um grupo de escoteiros alemães, totalmente dependente da organização argentina [56]. No Brasil foi fundado, em maio de 1934, a Deutsch-Brasilianischer Jugendring (Círculo Juvenil Brasileiro-Alemão) uniformado, semelhante à DJC. Mas dado à sua evidente conexão com o partido e por medo de possíveis reações do governo brasileiro, os alemães não queriam ter contato com o círculo juvenil [57].

Fonte: Instituto de História e Cultura de América Latina
Autores: Olaf Gaudig e Peter Veit (Freie Universität Berlin)
http://www.tau.ac.il/eial/VI_2/gaudig_veit.htm
Tradução: Roberto Lucena

Parte 01 - O Partido Alemão Nacional-Socialista na Argentina, Brasil e Chile frente às comunidades alemãs: 1933-1939
Parte 03 - O Partido Alemão Nacional-Socialista na Argentina, Brasil e Chile frente às comunidades alemãs: 1933-1939

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget