quinta-feira, 14 de junho de 2012

O Partido Alemão Nacional-Socialista na Argentina, Brasil e Chile frente às comunidades alemãs: 1933-1939 - parte 01

A atração, sobretudo a atuação do nacional-socialismo em alguns países do Novo Mundo, tem sido objeto de investigação histórica há uns trinta anos. Existe muita literatura que se ocupa da dimensão política e ideológica do Terceiro Reich frente aos países latinoamericanos 1, sobretudo o mito da suposta 'Quinta Coluna' dos nazis, mas que se descuida da situação social, cultural e política da população de origem alemã na América Latina, e que só esta, ideologizada e alineada no sentido nazi, poderia constituir um perigo para a integridade estatal dos países em questão.

De fato, o continente latino não era objeto de interesse político ou militares por parte do Terceiro Reich. Embora se quisesse manter e ampliar as relações econômicas bilaterais, isto não era uma condição impressindível da política externa nazi. Todo o afã do Terceiro Reich se encontrava nos países da Europa oriental os quais se aspirava conquistar e dominar; a América Latina era considerada sob a esfera de influência dos Estados Unidos 2. Ao estourar da Segunda Guerra Mundial, a política alemã estava interessada em manter a neutralidade dos paíes latinoamericanos, sobretudo depois da entrada na guerra dos EUA em fins de 1941, mas isso foi conseguido somente no caso do Chile.

Tudo isto não implica que os nazis não tenham tentado formar uma 'Quinta Coluna', que poderia ser - menos em um sentido militar - um instrumento eficaz da política externa do Reich. Os nazis consideravam a população de origem alemã nos mais importantes países da América Latina como um importante fator econômico no sistema social desses países e, ao mesmo tempo, como um branco que deveria ser cooptado a fim de extender a soberania do nacional-socialismo sobre todos os alemães no mundo, aquele povo de 'cem milhões' que, devido a sua origem nacional e racial, obededeceria a uma 'vontade comum' encarnada no Partido Nacional-Socialista e na pessoa do Führer.

Nosso ensaio tentará mostrar a técnica e a dimensão da alienação nazista das comunidades alemãs da Argentina, Brasil e Chile. A historiografia existente, exceto no caso da Argentina, tende a retratar a população de descendência alemã como um bloco quase monolítico, político e ideologicamente alienado sob o comando do partido nazi; não trata dos conflitos entre o partido e as diversas instituições das colônias alemãs, que em muitos casos foram sucumbindo aos nazis muito gradualmente. As mais importantes fontes para nossa investigação são documentos oficiais de instituições governamentais na Alemanha e o variado material imprenso jornalístico em língua alemã na Argentina, Brasil e Chile, que refletiam os conflitos políticos e ideológicos causados pela conduta e atitude do Partido Nazi.

Os primeiros grupos nacional-socialistas

Desde a metade do século XIX, alemães imigraram para Argentina, Brasil e Chile [03] e, com a exceção da Argentina, estabeleceram-se em regiões apartadas no sul e criaram comunidades rurais, artesanais e industriais. Fundaram, além disso, inúmeras instituções culturais e sociais, entre elas muitas escolas, e publicaram também centenas de diários e periódicos. As comunidades estavam isoladas quase que por completo, sendo dois terços delas luteranas, de modo que esta população de origem alemã foi se distanciando cada vez mais da vida social, política, religiosa e cultural de suas novas pátrias. Seu isolamento, inevitável a princípio e por iniciativa própria depois, culminou com a incorporação dos territórios coloniais do século XIX e a consequente necessidade de se assimilar. Sempre respeitados por seu 'espírito e disciplina de trabalho' e sua exitosa posição econômica, os alemães, contudo, nunca tiveram uma destacada influência política; sua inevitável separação da cultura nacional aumentava sua ignorância em assuntos políticos locais. Contudo, apesar do isolamento, houve uma lenta aproximação da sociedade alemã, que foi interrompida pelo início da Primeira Guerra Mundial. Com os distúrbios políticos e econômicos na Alemanha do pós-guerra, a lealdade das comunidades alemãs à glória e grandeza do perdido império alemão se fortaleceu. A República de Weimar foi para eles um símbolo de ruptura, e em grande parte rejeitaram a nova bandeira alemã. Contudo, no final dos anos vinte, as comunidades alemãs aceitaram a nova realidade política na Alemanha mas não a suposta cultura e política decadente de Weimar: unidas e fieis ainda aos 'valores tradicionais do passado', as comunidades alemãs se consideravam assim mesmo 'melhores alemães' que aqueles em sua velha pátria.

Ainda que a opinião política da maior parte da população alemã fosse conservadora e nacionalista, a primeira aparição dos grupos nacional-socialistas foi recebida com indiferença e impugnação. Temia-se que a luta política interior no Reich se trasladasse às comunidades alemães no exterior. Os fundadores dos Stützpunkte (pontos de apoio) e os Ortsgruppen (grupos locais) do Partido dos Trabalhadores Alemães Nacional-Socialista (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, NSDAP) [04] haviam chegado à América Latina pouco depois do fim da Primeira Guerra Mundial. Geralmente não tinham nenhum prestígio social nas colônias alemães dos países em questão e se encontravam marginalizados, pois ao NSDAP só podia pertencer a quem era do Reichsdeutscher (cidadão alemão) [05]. O partido tinha como objetivo a doutrinação ideológica e a alienação política uniforme de todos os alemães no exterior, tanto que sua propaganda se propunha a fortalecer consideravelmente a convicção antirrepublicana de seus compatriotas e a renovação dos 'verdadeiros valores alemães'. Fundamentalmente, a oposição das comunidades à toda política partidária foi sempre o maior obstáculo ao NSDAP, que só podia salvá-lo mediante uma propaganda hábil e moderada.

O partido encontrou resistência a seus ataques contra as associações e seus dirigentes, por exemplo na Argentina [06]. Os nazis exigiam que se mantivesse a pureza do sangue alemão e que se destacasse sua cultura própria acima da latina, enquanto que os argentinos de língua alemã rechaçavam essas pretensões. Além disso, a comunidade alemã se encontrava dividida em distintos grupos políticos: nacionalistas, liberais, social-democratas e socialistas [07]. O orgão dos liberais e da esquerda era a Argentinisches Tageblatt, que desde o início atacou os nazis [08]. A oposição incondicional do partido a seus adversários foi a causa pela qual não se aceitava o NSDAP. Deste modo, a maioria dos alemães se encontrou entre dois extremos: por um lado, eram por demais conservadores para adotar uma posição antinazista, mas por outra parte se sentiam tão ofendidos pelos ataques do partido que não podiam se juntar a ele.

No Brasil, o NSDAP se formou já no final dos anos vinte, ainda que a princípio dos trinta [09]. Desde o começo, o partido manifestou sua intenção de penetrar nas instituições alemãs com sua ideologia, quando achasse que era necessáro [10]. Segundo um diplomata alemão em 1931, os nazis procuraram impôr seus interesses políticos sem se preocupar com qualquer que fosse o eventual dano político [11]. Alguns alemães católicos no Brasil assumiram uma posição contrára aos nazis já desde 1932, sobretudo no orgão Deutsches Volksblatt de Porto Alegre [12]. No Rio de Janeiro, o grupo local do NSDAP atacou os dirigentes das instituições alemãs reprochándoles a 'desmoralização' e o 'espírito de classe e de camaradagem' [13]. De modo que, enfrentado pela oposição da maioria dos alemães e ante a impossibilidade de propagar plataformas programáticas e ideológicas na Argentina e no Brasil, o NSDAP se limitou a criticar o suposto 'caráter deficiente' dos valores nacionais. Aos chefes dos círculos alemães, o partido lhes repreendeu por uma 'falta de princípio nacionais' e o afã de obter cargos lucrativos.

O NSDAP no Chile fundou seu primeiro grupo local em Santiago no começo de 1932 14, e procedeu de maneira mais habil. Renunciou as agressões contra a comunidade alemã e seus dirigentes. Manipulou os temores da assimilação difundidos por chileno-alemães para seus fins políticos e tratou de aproveitar as antipatias da comunidade a respeito da República de Weimar. Graças a sua atitude moderada e sua colaboração nas instituições em "favor de todos os alemães", o NSDAP conseguiu reconhecimento. Não houve oposição ao partido até meados dos anos trinta. O Chile foi o único país da América Latina em que, inclusive antes de 1933, formou-se uma associação permeada pela ideologia nazi: a juventude chileno-alemã, a Deutscher Jugendbund für Chile (DJC)[15].

Ante a ascensão ao poder dos nazis em janeiro de 1933, os alemães na América Latina não os rejeitaram com regozijo; ao que mostraram interesse. Aprovaram o credo nacionalista alemão do novo regime, um ideal que sempre foi o seu, se bem que com um sentido menos radical. Aplaudiram as duras medidas adotadas contra os comunistas, os socialistas e os sindicatos, ainda que nem sempre aceitaram os métodos utilizados pelo regime. Só nos círculos antinazis houve crítica e resistência. A opinião das comunidades alemães mudaram depois das eleições de março de 1933, quando o NSDAP obteve a metade dos votos, de nacionalistas a nacional-socialistas. Mais tarde, os grupos nazis na América Latina exigiram assumir o controle nas colônias alemães. A 'promessa de adesão' do povo alemão que era cobrada pelos nazis a todos os alemães na América Latina era reclamada agora junto com a aceitação da ideologia e do programa nazi: não ser nazi significava ser traidor da pátria. Toda crítica e oposição era, para eles, uma expressão do pensamento 'judeu' ou comunista.

Enquanto que na Alemanha os nazis podiam usar todo o poder do Estado no processo de alienação dos cidadãos com o regime, os grupos do partido na América Latina tinham que se contentar no geral só com a propaganda. Por isso começaram a buscar a colaboração dos diplomatas alemães, agora representantes do Estado nazi, que sempre tiveram uma grande influência nos assuntos das comunidades alemãs.

NOTAS

[01] As publicações gerais mais importantes que se ocuparam do nazismo alemão na América Latina, baseando-se em documentos oficiais de instituições governamentais do Terceiro Reich, são: Louis de Jong, Die deutsche Fünfte Kolonne ¡ni Zweiten Weltkrieg, Stuttgart 1959; Hans-Adolf Jacobsen, Nationalsozialistische Aussenpolitik 1933-1938, Frankfurt/M., Berlin 1968; Reiner Pommerin, Das Dritte Reich und Lateinamerika. Die deutsche Politik gegenÜber SÜd- und Mittelamerika 1939-1942, DÜsseldorf 1977. Existe, além disso, muita literatura regida por interesses políticos, quer dizer, trabalhos dos anos trinta e quarenta, geralmente de autores norteamericanos, publicaos 'em defesa do hemisfério ocidental'; por exemplo: Carleton Beals, The Coming Struggle for Latín America, New York 1940; John Gunther, Inside Latin America, New York/London 1941; Hubert Herring, Good Neighbors. Argentina, Brazil, Chile and Seventeen Other Countries, New Haven 1941; Ernesto Giudici, Hitler conquista América, Buenos Aires 1938; Adolfo Tejera, Penetración nazi en América Latina, Montevideo 1938. Infelizmente, eles continuam esta mesma linha de erros, invenções e falsas valoraciones mais as monografias publicadas nos anos sessenta na República Democrática da Alemanha, sobretudo a coleção de Heinz Sanke (ed.), Der deutsche Faschismus in Lateinamerika 1933-1943, Berlin 1966; Manfred Kossok, Lateinamerika zwischen Emanzipation und Imperialismus. 1810-1960, Berlin 1961; e também o norteamericano Alton Frye, Nazi Germany and the American Hemisphere 1933-1941, New Haven/ London 1967.
Monografías dedicadas al `fascismo criollo' incluyen: Michael Potashnik, Nacismo. National Socialism in Chile 1932-1938, University of California, Los Angeles 1974; Gerardo Jorge Ojeda Ebert, "El Movimiento Nacional Socialista Chileno. Presentación de fuentes diplomáticas inéditas", Estudios Latinoamericanos, no. 9, 1982-1984, Wroclaw 1985, pp. 249-265; George F.W. Young, "Jorge González von Marées: Chief of Chilenn Nacism", Jahrbuch fÜr Geschichte von Staat, Wirtschaft und Gesellschaft Lateinamerikas, T. 11, Kbln/ Wien 1974, pp. 309-333; R. Alliende González, El Jefe. La vida de Jorge González von Marées, Santiago de Chile 1990; Hélgio Trindade, Integralismo (o fascismo no sul de Brasil. Germanismo - Nazismo - Fascismo, Porto Alegre 1987.
A respeito da atuação política do nazismo na América Latina, as publicações mais importantes são: Arnold Ebel, Das Dritte Reich und Argentinien. Die diplomatischen Beziehungen unter besonderer Berücksichúgung der Handelspolitik (1933-1939), Kóln/Wien 1971; Holger M. Meding (ed.), Nationalsozialismus und Argentinien, Frankfurt/M., Bern, New York, Paris, Wien 1995; Dawid Bartelt, " `Fünfte Kolonne ohne Plan'. Die Auslandsorganisation der NSDAP in Brasilien. 1931-1939", Ibero-Amerikanisches Archiv, no. 1-2 (1993), pp. 3-35; Jürgen Müller, Nationalsozialismus in Lateinamerika. Die Auslandsorganisation del NSDAP in Argentinien, Brasilien, Chile und Mexiko, 1931-1945, Heidelberg 1994 (tesis doctoral).

[02] Ver, a este respeito, Jürgen MÜller, "Hitler, Lateinamerika und die Weltherrschaft", Ibero- Amerikanisches Archiv, no. 1-2 (1992), pp. 67-101.

[03] Entre 1850 e 1919 imigraram cerca de 150.000 alemães para a América Latina; entre 1920 e 1931, quase 130.000. Ver Hermann Kellenbenz/Jürgen Schneider, "La emigración alemana a América Latina desde 1821 hasta 1930", Jahrbuch für Geschichte von Staat, Wirtschaft und Gesellschaft Lateinamerikas, 13 (1976), pp. 394 e ss. Nos anos trinta havia na Argentina aproximadamente 300.000 descendentes de origem alemã, no Brasil 800.000 e no Chile 30.000; idem. A respeito da imigração alemã na América do Sul e a organização cultural e social das comunidades alemães, ver Olaf Gaudig/Peter Veit, Der Widerschein des Nazismus: Das Bild des Nationalsozialismus in der deutschsprachigen Presse Argentiniens, Brasiliens und Chiles 1933-1945, Berlin 1995 (tese de doutorado, em via de publicação), pp. 11-31.

[04] Os pontos de apoio tinham pelo menos 5 membros e os grupos locais 25 membros do NSDAP.

[05] Os outros, só de origem alemã, chamados de Volksdeutsche, não podiam se integrar ao NSDAP.

[06]Em setembro de 1932, o NSDAP na Argentina constava do grupo local de Buenos Aires e com sete pontos de apoio no país, com um total de 278 membros; Bundesarchiv Potsdam (Arquivo da República Federal da Alemanha, seção Potsdam; daqui em diante BA Potsdam), 62 Au 1, 59, p. 61, Informe geral da seção para os alemães no exterior [do NSDAP], sept. 1932. Em 1937 o partido contava com 1.500 membros; ver Jürgen MÜller, op. cit. (1994), p. 111.

[07] Ver Ronald C. Newton, German Buenos Aires, 1900-1933. Social change and cultural crisis, Austin/London 1977; Ronald C. Newton, The 'Nazi Menace' in Argentina 1931-1947, Stanford 1992; Carlota Jackisch, El nazismo y los refugiados alemanes en la Argentina 1933- 1945, Buenos Aires 1989.

[08] Ver o artigo em Argentinisches Tageblatt, 30.7.31, p. 2. A respeito do Tageblatt, ver Sebastian Schoepp, Das Argentinische Tageblatt 1933-1945. Eine "bürgerliche Kampfzeitung" als Forum der antinationalsozialistischen Emigration, trabalho de exame de graduação, Miinchen 1991; Arnold Spitta, Die deutsche Emigration in Argentinien 1933-1945. Ihr publizistisches und literarisches Wirken, conferência, Bielefeld 1978.

[09] Em 1932 havia no Brasil 4 grupos locais e alguns pontos de apoio, com 507 membros do partido; ver BA Potsdam, 62 Au 1, 59, p. 64, Informe geral da seção para os alemães no exterior [do NSDAP], set. 1932. Em 1937 havia 2903 membros; Jürgen Müller op. cit. (1994), p. 111.

[10] Ver Deutscher Morgen, 1.6.32, p. 4, 26.5.33, p. 5.

[11] Politisches Archiv des Auswdrtigen Amtes Bonn (Arquivo Político do Ministério das Relações Exteriores em Bonn; daqui em diante MRE), R 60028, consulado alemão em Porto Alegre ligado ao MRE, 20.8.31. A prática característica da política dos nazis obedecia a ordem da central do partido na Alemanha de espionar pessoas e dirigentes de associações alemães a fim de obter relatórios aproveitáveis sobre amigos e, principalmente, inimigos. Ver Aktion, 18.5.33, p. 1; Jürgen Müller, op. cit. (1994), p. 16; MRE, R 79001, consulado alemão em Porto Alegre ligado ao MRE, 20.5.33.

[12] Um resumo da oposição e da imprensa antinazista em língua alemã no Brasil, Argentina e Chile se encontra em Patrik von Zur Mühlen, Fluchtziel Lateinamerika. Die deutsche Emigration 1933- 1945: Politische Aktivitdten und soziokulturelle Integration, Bonn 1988; sobre o exemplo do Brasil, ver Izabela Maria Furtado Kestler, Die Exilliteratur und das Exil der deutschsprachigen Schriftsteller und Publizisten in Brasilien, Frankfurt a. M. 1992.

[13] Der Nationalsozialist, 1/33, pp. 17 e ss. O então chefe da AO (Auslandsorganisation, a organização do NSDAP para assuntos do exterior), Bohle, manifestou que não era objetivo do partido semear a discórdia dentro da colônia alemã. Jürgen Müller, op. cit. (1994), p. 149.

[14] Neste mesmo ano existiam no país 4 grupos locais e 6 pontos de apoio, no total 251 membros do partido; BA Potsdam, 62 Au 1, 59, p. 59, Informe geral da seção para os alemães no exterior [do NSDAP], set. 1932. Em 1937 havia 985 membros; Jürgen Müller, op. cit. (1994), p. 111. Enquanto que no Chile havia uns 10% de cidadãos alemães que se afiliaram ao NSDAP, na Argentina e no Brasil esta porcentagem nem sequer ascendeu a 5%; idem., pp. 117 y ss.

[15] Ver Gaudig/Veit, op. cit., pp. 110 e ss.

Fonte: Instituto de História e Cultura de América Latina
Autores: Olaf Gaudig e Peter Veit (Freie Universität Berlin)
http://www.tau.ac.il/eial/VI_2/gaudig_veit.htm
Tradução: Roberto Lucena

Parte 02 - O Partido Alemão Nacional-Socialista na Argentina, Brasil e Chile frente às comunidades alemãs: 1933-1939
Parte 03 - O Partido Alemão Nacional-Socialista na Argentina, Brasil e Chile frente às comunidades alemãs: 1933-1939

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget