quinta-feira, 10 de setembro de 2015

A mente de Rosenberg, ideólogo do Holocausto, exposta. "Alfred Rosenberg. Diarios (1934-1944)" [livro]

Madrid, 7 set (EFE).- Pela primeira vez serão publicados mais de 400 páginas do diário de cabeceira do nazista Alfred Rosenberg com o título de "Alfred Rosenberg. Diarios (1934-1944)", o testemunho inédito em primeira pessoa de uma dos ideólogos do Holocausto, a quem foi apelidado por Hitler como "o pai da Igreja nacional-socialista".

Assim, esses diários, que saem amanhã em castelhano, num volume publicado pela Crítica (editora), completam-se com um amplo prólogo e 23 documentos com os discursos e artigos do nazi e os comentários dos editores do livro, os alemães Jürgen Matthäus e Frank Bajohr.

Além disso, o volume, que ocupa mais de 700 páginas, inclui também outros arquivos que ajudam a completar esta radiografia de uma das mentes mais influentes do Partido Nacional-Socialista da Alemanha.

E é um desses documentos, precisamente, onde se recolhe a proposta de Rosenberg (Talim, 1893 - Nuremberg, 1946) de levar a cabo o "extermínio biológico de todo o povo judeu na Europa".

Contudo, chama a atenção a sutileza desses "Diários" na hora de se referir ao Holocausto por parte de Rosenberg, a quem se cuidou de não incluir em suas memórias comentários explícitos sobre o extermínio judeu.

Mas isto não é algo novo nas memórias que se conhecem dos dirigentes nazistas, pois o mesmo cuidado se pode observar nos diários de Josef Goebbels, competidor, de fato, de Rosenberg, a quem mostra sua aversão pelo ministro da Propaganda de Adolf Hitler, referindo-se a ele, por exemplo, como "foco de pus".

Para a publicação desses "Diários", seus editores elaboraram uma primeira parte de moto que a introdução aporta pequenas pinceladas sobre a vida de Rosenberg e de seu papel num dos episódios mais terríveis da História do século XX.

Neste sentido, também abarca a história do paradeiro dos diários, que foram encontrados em 2003 depois de ter estado até 1993 em poder de Robert M.W. Kempner, um dos assessores legais estadunidenses durante os julgamentos no Tribunal Militar de Nuremberg e promotor no procedimento conhecido como "o caso dos ministérios".

Depois da morte de Kempner, em 93, o Museu do Holocausto estive mais de uma década buscando os documentos que faltavam, entre eles este diário, que o promotor havia retido ilegalmente, foi encontrado completo em 2013 e passou a fazer parte do Museu do Holocausto.

Depois desta introdução, as páginas dão passo ao conteúdo "reproduzido" dos diários de Rosenberg. Inclusive conservam seus "erros de ortografia, abreviaturas, rasuras, sublinhados e incoerências", segundo indicam os editores.

As anotações daquele que foi ministro para Assuntos do Leste do Führer se interrompem em 3 de dezembro de 1944, última data na qual Rosenberg escreve, a partir de seu refúgio em Berlim.

Alfred Rosenberg nasceu em Talim (Estônia) no seio de uma família germano-báltica e posteriormente cursou Arquitetura em Riga e Moscou e chegou à Alemanha em 1918, onde não tardou para se introduzir nos círculos nacionalistas alcançando certo renome como autor de textos políticos de orientação antissemita e anticomunista, antes de se unir ao regime nazista.

Ao fim de seus dias, foi acusado em Nuremberg de crimes contra a humanidade, crimes de guerra, participação na preparação de uma guerra de agressão e crimes contra a paz, acusações das quais foi declarado culpado e condenado à pena de morte. Foi executado na forca, em 16 de outubro de 1946.

Os editores do livro foram Frank Bajohr, desde 2013 diretor de pesquisa do Centro de Estudos do Holocausto no Institut für Zeitgeschichte em Munique, e Jürgen Matthäus, que desenvolve seu trabalho profissional no Museu Memorial do Holocausto em Washington DC.

eca/crs/ram
Cultura | 07/09/2015 - 16:38h
Elena Cortés.

Fonte: La Vanguardia (Espanha)
http://www.lavanguardia.com/cultura/20150907/54436319188/la-mente-de-rosenberg-ideologo-del-holocausto-al-descubierto.html
Título original: La mente de Rosenberg, ideólogo del Holocausto, al descubierto
Tradução: Roberto Lucena

Observação: este diário havia sido divulgado, online, pelo USHMM, anos atrás. Só que pelo tamanho do livro o material exibido pelo museu na época não foi integral (suponho).

Esta edição em espanhol saiu primeiro que a edição em inglês do livro, pelo menos no site de uma loja de vendas grande dos EUA o título em inglês ainda está em reserva. Tanto que já saíram algumas matérias do lançamento do livro todas em jornais da Espanha. Redundante dizer, mas... (tem gente que só entende com a menção), não saiu o título traduzido no Brasil e nem indicação de que irá sair.

3 comentários:

João Lima disse...

o sobrenome dele era curioso... parecia "judeu-alemão".
Muitos judeus alemães tem sobrenome terminado em "berg".

Roberto disse...

Existe essa incidência mas nem todo alemão com sobrenome terminado em "berg" é ou seria judeu. É uma crença parecida com aquela disseminada no Brasil principalmente por grupos evangélicos, a dos sobrenomes de cristãos-novos, como se todo sobrenome de árvore, animal etc fosse ser necessariamente de judeu convertido na época da inquisição e afins. Mas é uma crença persistente, principalmente pelo fanatismo que esses grupos (mais as denominações neopentecostais) disseminam no país (mais as denominações. O que vinha de gente no Orkut encher o saco se "achando" judeu por conta de sobrenome era uma "festa", e insuportável até porque ninguém do blog é judeu, não adianta esse pessoal vir até a gente discutir isso pois creio que ninguém se importa que alguém seja ou não judeu (pelo menos o pessoal do blog).

João Lima disse...

http://www.findagrave.com/cgi-bin/fg.cgi?page=gr&GRid=66524140
Adolf HittlerBirth: 1832
Bucharest
Bucuresti Municipality, Romania
Death: Oct. 26, 1892
Bucharest
Bucuresti Municipality, Romania

The tombstone is located at the Jewish cemetery in Bucharest Philanthropy and reads in Romanian and Hebrew:
"Here lie the remains of Adolf Hittler. Died October 26, 1892 at the age of 60 years. Pray for his soul,".

The history of the Jewish faith bucarestino of the chronicler of the Jewish Romanian Marius Mircu in a book entitled Philanthropy, a graveyard full of life ., Mircu traced the archives and found that this Adolf Hittler had a workshop and a hat shop on Royal Street Bucharest Romania.

The hatter, Adolf Hittler, left this world when Adolf Hitler, the future Fuhrer of Nazi Germany was only 2 years old. Regardless of pronunciation and similarities in spelling the last names are different.

Andreas Bauriedl, hatter, born 4 May 1879 in Aschaffenburg. Bauriedl was hit in the abdomen, killing him and causing him to fall on the Nazi flag, which had fallen to the ground when its flagbearer, Heinrich Trambauer, was severely wounded. Bauriedl's blood soaked the flag, which later became the Nazi relic known as the Blutfahne.

In the midst of World War II, a cemetery employee noticed by chance on the registration of the stone that apparently there was nothing special.

With Marshal Ion Antonescu Romania from Germany in the war and amid the excitement of the fascist Legionnaire movement, as an example of the risks faced by the Jews of Bucharest, the killing of the Rebellion Legion January 1941 Jews were stripped of their civil rights when they were killed in brutal programs more or less organized or official.

In this climate of terror, Mircu recounts the discovery was a great nervousness among insiders, who rushed to destroy the Romanian text Hittler name. To reach the ears of the authorities Nazi Romanian Legionnaires' or the German representative in Romania may well consider it a provocation.

It took over forty years for the memory of Hittler Hebrew again be honored at the sight. The repair was in 1987 at the initiative of Chief Rabbi Moses Rozen, Iosif Cotnareanu Jewish engineer who worked on the team who rebuilt the monument.

"It was an act of justice, because this man had no fault to have the name he had," he recalls.
Cotnareanu then two years retired contributed to the good of the community their experiences and stonework specialists.

"The memorial (funeral) was not rebuilt exactly as it was, but in a style more common in the 80's. However registration is faithfully respected," says the engineer who coordinated the work.

Today at Adolf Hittler's grave in the cemetery of Philanthropy, only a few onlookers interrupt the peaceful green of the cemetery.

Burial:
Filantropia Cemetery
Bucharest
Bucuresti Municipality, Romania
Plot: Cemetery of Bucharest Philanthropy

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget